Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

01
Nov 18

[Sondagens a 1 de Novembro de 2018/Quinta-feira.]

 

Eleições

Intermédias

Senadores

(100)

Representantes

(435)

Governadores

(50)

Republicanos

50

198

26

Democratas

44

204

24

(Indecisos)

(6)

(33)

(0)

(Maiorias: Senadores/51 – Representantes/218 – Governadores/26)

 

Com as Eleições Intermédias Norte-Americanas marcadas para o dia 6 de Novembro de 2018 (próxima terça-feira) e para além de se saber antecipadamente da manutenção de DONALD TRUMP (neste 1º mandato) como PRESIDENTE dos EUA (um REPUBLICANO)

 

– Após essa data de escolha Eleitoral –

 

Nas Eleições para o SENADO, nas Eleições para a Câmara dos REPRESENTANTES e na Eleição dos GOVERNADORES, tudo parece ainda (até ao último minuto) verdadeiramente estar em jogo:

 

Antes de 6 de Novembro com os REPUBLICANOS em maioria nas três Eleições

 

– Senadores, Representantes e Governadores –

 

us-capitol-building-400x565.jpg

The Democrats Might Lose the US Midterm Elections

(Uwe Bott/01.11.2018/theglobalist.com)

 

E após a mesma data com as últimas sondagens a apontarem para a manutenção da Maioria REPUBLICANA no SENADO e GOVERNADORES

(mesmo que mais reduzida)

E invertendo a situação, com os DEMOCRATAS a atingirem-na

(a sua Maioria)

Mas nos REPRESENTANTES

(expressando-se numa ligeira diferença entre os DEM em maioria e os REP).

 

Halloween_se.jpg

When Donald Trump goes low, the Democrats go lower

(Freddy Gray/27.10.2018/spectator.co.uk)

 

E em função destas Eleições Tripartidas (SENADO/REPRESENTANTES/GOVERNADORES) dependendo o cenário político norte-americano (já feio) durante os próximos dois anos (até às próximas Presidenciais e podendo ficar muito pior):

 

No cenário mais provável com os Republicanos a obterem a maioria no Senado e (no nº de) Governadores

 

E com os Democratas a revirarem a Câmara (de Representantes) ficando a deter a maioria

 

– E nesse caso certamente com a Guerra a continuar, a situação a agravar e o Mundo a abanar.

(numa espetáculo circense travado entre dois Mortos-Vivos – HILLARY/TRUMP)

 

(dados/sondagens: realclearpolitics.com – imagens/legendas: as indicadas

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 21:57

28
Out 18

Presidenciais Brasil

(2ª volta – 28 Outubro – sondagem)

 

oba8.jpg

Brasil

28 Outubro 2018

 

BOLSONARO: 54%

(candidato apoiado pelo PSL)

HADDAD: 46%

(candidato apoiado pelo PT)

 

A cada hora que passa com o avanço do candidato BOLSONARO sobre o candidato HADDAD a esfumar-se rapidamente – nos últimos dias da campanha da 2ª volta das Presidenciais brasileiras com a vantagem do candidato da DIREITA a descer de 19% para 8% sobre o candidato da ESQUERDA – torna-se no entanto evidente que dada a inversão tardia da intervenção dos Políticos e dos Média (nacionais e internacionais) no seu apoio aos candidatos (deixando de uma forma negligente e imprudente Bolsonaro avançar, como se o cenário não se proporcionasse ao aparecimento de extremistas) se não acontecer um enorme Cataclismo Eleitoral ou algo de verdadeiramente Insólito dentro de poucas horas o BRASIL terá um Presidente populista, de direita, defensor da ditadura militar e apoiante da tortura: JAIR BOLSONARO nascido no estado de São Paulo há 63 anos.

 

Eleições Intermédias EUA

(Senado – Representantes - Governadores)

 

xl-2018-midterm-elections-1.jpg

EUA

6 Novembro 2018

 

Internédias

S

R

G

Republicanos

50

199

26

Democratas

44

205

24

(Indecisos)

(6)

(31)

(0)

(Total)

(100)

(435)

(50)

(Maioria)

(51)

(218)

(26)

(S: Senado R: Representantes G: Governadores)

 

Relativamente às Eleições Intermédias que irão decorrer a 6 de Novembro nos EUA – elegendo Senadores, recompondo a Câmara dos Representantes e escolhendo novos Governadores – mantendo-se a previsão de manutenção da maioria dos Republicanos no Senado, alteração da maioria na Câmara dos Representantes passando para os Democratas (mas com um nº de representantes DEM e REP muito próximos) e finalmente maioria de Governadores Republicanos (apesar de uma clara quebra REP desde as últimas eleições com os DEM quase a equilibrarem). E deste emaranhado se concluindo – sabendo-se o que se passa atualmente na sociedade norte-americana (em geral), entre os seus diversos níveis de poder (de política interna e externa) e apoiando-nos em situações semelhantes, anteriores e de sentido partidário contrário – que nada de bom aí virá senão o endurecimento da luta entre TRUMP e os seus Inimigos: ou seja em Nova Temporada a continuação do conflito (pessoal) TRUMP/CLINTON com todos os outros 300 milhões (apenas) a assistirem.

 

(imagens: thefolha.com.br – nitty-grittynews.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 01:40

22
Out 18

Vote count begins

After chaotic Afghan elections.

(washingtonpost.com/publicado em 22.10.2018)

 

Vamos varrer do mapa esses bandidos vermelhos.

Uma limpeza nunca vista na história desse País.

(Jair Bolsonaro/publicado em 22.10.2018)

 

Over 7K-strong, migrant caravan pushes on.

Still far from US.

(apnews.com/publicado em 22.10.2018)

 

cartoon-us.jpeg

 

Na sequência das Eleições Legislativas e Regionais no Afeganistão (último fim-de-semana) e das Presidenciais no Brasil (próximo fim-de-semana/28 Outubro), realizam-se na primeira semana de Novembro as Eleições Intermédias Norte-Americanas (dentro de aproximadamente quinze dias/6 Novembro). No caso das Eleições brasileiras tratando-se da 2ª volta das Eleições Presidenciais – com BOLSONARO (o TRUMP BRASILEIRO) e HADDAD (o Vilão representando o PT) – e no caso das Intermédias nos EUA de eleições para a Câmara dos Representantes, para o Senado e Governadores – confrontando REPUBLICANOS e DEMOCRATAS.

 

Candidato

P (%)

Jair Bolsonaro

59

Fernando Haddad

41

Sondagens/Brasil

Consultora Fitch Solutions

(P: Presidente)

 

Sobre as Eleições no Afeganistão – um país com cerca do triplo da nossa população e 7X a dimensão de Portugal – não se sabendo ainda os resultados e provavelmente pouco importando (para os afegãos e para o Mundo), com o estado de Guerra Civil há anos aí instalado envolvendo de um lado os EUA (atacando o país alegadamente albergando Bin Laden) e do outro os TALIBÃ (força tendo governado o Afeganistão de 1996/2001 antes de derrubados pelos norte-americanos). E dos 8 milhões registados (cidadãos com direito de votar) tendo votado 4.4 milhões (55%) – sábado e domingo (20/21 Outubro) apesar dos ataques terroristas (Al-Qaeda e Estado Islâmico/financiados pela coligação de interesses EUA/Arábia Saudita) provocando perto de 50 vítimas mortais (esmagadoramente civis).

 

_103729262_bbc_fake_foto01.jpg

Mais montagens:

Na quarta (26 de Setembro)

O boato mais difundido é contra a imprensa

Com capas falsas de revistas brasileiras

 

Já nas eleições Presidenciais a decorrerem no Brasil, com a certeza absoluta prestes a estar confirmada (vejam as suas poderosas Igrejas e o seu apoio incondicional), com a eleição do candidato dito da EXTREMA-DIREITA assim como da REAÇÃO – o candidato do PSL JAIR BOLSONARO; e com o outro candidato personificando Lula e dito de ESQUERDA (mas jamais sendo ele, perdido o original) apoiado pelo PT E de nome FERNANDO HADDAD a não ter a mínima hipótese – personificando em si a CORRUPÇÃO (dito o maior mal do Brasil) – ficando a grande distância e levando uma grande tareia (para já a uns 20% talvez no final a uns 30%). Não esquecendo as FAKE NEWS (maioritariamente/mas não só oriundas de Bolsonaro) como ferramenta importantíssima nas eleições no Brasil.

 

Partido

S (nº)

R (nº)

G (nº)

Republicano

50

199

23

Democrata

44

205

19

(Indecisos)

(6)

(31)

(8)

(Total)

(100)

(435)

(50)

(Maioria)

(51)

(218)

( 26)

Sondagens/EUA

RealClearPolittics

(S: Senado R: Representantes G: Governadores)

 

Finalmente com as últimas eleições a realizarem-se neste período de tempo de cerca de quinze dias – as Intermédias Norte-Americanas a serem certamente as mais importantes, levadas a cabo a meio do mandato do 45ºPresidente dos EUA (Donald Trump) e com os Republicanos a dominarem (tendo nelas a maioria) as duas câmaras (para além da Presidência): os Representantes e o Senado. Segundo as últimas previsões com Republicanos e Democratas dividindo entre si (aproximadamente) o número se Governadores, com os Democratas a obterem a maioria nos Representantes (por pouco mas sendo antes de maioria Republicana) e os Republicanos a maioria no Senado (mantendo-se aqui o estado anterior).

 

elecciones-usa-2016.jpg

2018 Midterm Elections

Elections Reloaded

Of

2016 USA Presidential Elections

 

Respeitando-se assim o cenário – confirmando-se as sondagens atuais de vitória Democrata nos Representantes e Republicana no Senado – podendo-se adivinhar a continuação de um panorama político conturbado (senão mesmo cada vez mais violento) pelo menos no interior dos EUA; exteriormente restando-nos apenas rezar ao Menino Jesus, esperando que Trump não se decida (com o poderoso Complexo Industrial Militar a ser um dos poucos que o apoia) a atacar (direta/indiretamente, económica/ou noutras áreas) a Rússia e a China: nesse dia que DEUS nos valha (mesmo na ponta da Península Ibérica).

 

(imagens: watchingamerica.com – bbc.com (e legenda) – ticbeat.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:43

15
Out 18

A 5 de Novembro e de novo a mesma história:

TRUMP ou CLINTON?

 

trump-clinton-map-comp.jpg

Duplo Impacto sobre os EUA

 

Com a realização no próximo dia 6 de Novembro (precisamente a meio do mandato do 45º Presidente dos EUA o Republicano Donald Trump eleito a 6 de Novembro de 2016) das Eleições Intermedias de 2018 – para a Câmara dos Representantes (todos os 435 lugares) e para o Senado (35 dos seus 100 lugares) para além de alguns Governadores (30/40) e outros cargos estaduais – todos os que se interessam pelo que se passa nos EUA (a nível de Poder) ainda mais quando o mesmo (a maior Potência Global) atravessa um dos seus piores períodos de Confrontação Política Interna – alimentada pelos Média e transformada em Guerra Civil (no mínimo) Comunicacional – aguardam com algum tipo de expetativa (ou não tivesse já ocorrido uma surpresa dois anos antes) os resultados desse ato eleitoral.

 

Ficando-se aí a saber se o cenário político e partidário norte-americano (atual) ainda se mantem – com os Republicanos a dominarem o Senado, os Representantes e a deterem a Presidência (ou seja a controlarem tudo) – ou se pelo contrário os Democratas surpreendem (ainda com os Clinton por detrás) chamando a si a maioria nas duas câmaras e a partir daí partindo para um renovado e eficaz ataque (esperando-se que Demolidor) ao seu Inimigo Público nº 1: Donald Trump. Isolando-o (TRUMP) e ao seu partido (REP) e relançando outro (CLINTON) para a sua 3ª tentativa (um feito pré presidencial).

 

maxresdefault.jpg

Os protagonistas das eleições intermédias

 

E de momento (sondagens de 12 de Outubro) com os Republicanos com uma ligeira vantagem no Senado (REP/50% e DEM/44% com maioria a 51%), com os Democratas com uma ligeira vantagem nos Representantes (DEM/205 lugares e REP/201 lugares, maioria com 218 lugares) e com os Republicanos com uma ligeira vantagem nas corridas para Governador (REP/23 e DEM/19); não significando que tais sondagens se confirmem dentro de aproximadamente três semanas (a 6 de Novembro) – com o cenário final a poder ser completamente diferente (mas no final e como sempre, tudo se encaixando de novo) – mas restando desde já a certeza que o período de forte convulsão política se manterá mesmo após as Eleições Intermédias de Novembro.

 

Coincidindo com o início (temporal e antecipado) do Tour Clinton (Bill Clinton & Hillary Clinton) talvez como lançamento (espacial e alargado) da recandidatura (dita/não confirmada a terceira/decisiva de Hillary). E dependendo a sua apresentação – e logicamente Estreia & Revelação (a 3ª de Hillary) – dos resultados de 6 de Novembro (naturalmente com duas versões para o que der e vier). E Donald Trump que se cuide.

 

(imagens: metro.co.uk/Getty – JurogalayDailymotion/youtube.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:41

10
Out 18

“No dia 28 de Outubro de 2018

O BRASIL virará convictamente à DIREITA.

Faltando saber se como todos ESPERAM (agora ainda ACREDITAM)

Se com algum tipo de SORTE (já que também acreditam no azar).”

 

Com JAIR BOLSONARO (46.03% – mais de 49 milhões de votos) e FERNANDO HADDAD (29.28% – mais de 31 milhões de votos) a decidirem no próximo dia 28 de Outubro (2ª volta das eleições presidenciais brasileiras) qual deles será o próximo Presidente do Brasil, dada a percentagem obtida (na 1ª volta), a fidelidade dos seus votantes (maioritariamente conservadores), as possíveis alianças futuras (com outros candidatos já afastados da corrida) e a sua campanha em crescendo (inclusive nos Média), o candidato dito da Extrema-Direita e apoiado pelo PSL/Partido Social Liberal JAIR BOLSONARO, é sem sombra de dúvida o grande favorito.

 

E mesmo com a aliança confirmada com outras forças de esquerda (e até do centro) tornando-se muito provavelmente numa missão impossível a remontada do candidato apoiado pelo PT/Partido dos Trabalhadores FERNANDO HADDAD, essencialmente devido à colagem do mesmo ao trio (agora para muitos diabólico) PT/Lula/Dilma (nunca esquecendo Temer) e ao grande volume do caudal de votantes (sempre em crescendo) entusiasmados com a chegada do Messias o Donald Trump Brasileiro.

 

grafico.jpg

 

Composição do Senado (81)

Composição da Câmara de Deputados (513)

(depois e antes das Eleições Brasileiras de Outubro de 2018)

 

grafico2.jpg

 

No que diz respeito às eleições para Senadores (81 lugares em disputa) e para Deputados (513 lugares em disputa),

 

No novo Senado com o MDB (partido de Temer) a manter a maioria relativa (12 senadores) – e no entanto perdendo 6 senadores (o grande derrotado) – com o PSDB (partido de Alckmin) a ser segundo (perdendo 4 senadores), com o PT (apoiando Haddad nasw presidenciais) a ser sexto (anteriormente 3ª força política, agora perdendo 3 senadores) e em contraponto (pela positiva) com o PSL (do fenómeno Bolsonaro) a estrear-se e a eleger 4 senadores. Sem dúvida que virando à direita;

 

E dirigindo agora a nossa atenção para a nova Câmara de Deputados e sua futura constituição (num total de 513 deputados) confirmando-se a viragem do eleitorado à direita mais vinda do centro (com a maior deslocação a ocorrer do centro para a direita) do que propriamente (e como seria de esperar) da esquerda: com a representação de esquerda praticamente a manter-se (nos 137/138 deputados), com o centro a perder mais de 60 deputados (passando de 137 para 75) e com a direita (inesperadamente e tal e qual um Vampiro) a apoderar-se desses lugares (passando de 238 a 301 deputados). Ou seja a maioria mesmo que relativa.

 

1536894194696.jpg

15391828455bbe10fd48897_1539182845_3x2_lg.jpg

Bolsonaro e Sanders

(segundo Sanders com Bolsonaro a integrar-se num novo eixo de poder autoritário, incluindo políticos como Trump/EUA, Putin/Rússia, Duterte/Filipinas e Erdogan/Turquia)

 

Já agora e complementarmente (já que aqui se falou do 45º Presidente norte-americano o republicano Donald Trump) deixando aqui e agora a opinião emitida ainda ontem (terça-feira dia 9 de outubro) pelo Democrata e ex-candidato (presidencial contra Hillary Clinton/nas Primárias Democratas) o nova-iorquino BERNIE SANDERS – logicamente sobre Bolsonaro (o Trump da América do sul):

 

“Bolsonaro tem um longo histórico de ataques contra emigrantes, minorias, mulheres e a população LGBT. Bolsonaro, que disse adorar Donald Trump, exaltou a ditadura militar brasileira e afirmou, entre outras coisas, que, para lidar com o crime, a polícia deveria ser utilizada a atirar em mais criminosos.”

(Júlia Zaremba/folha.uol.com.br/10.10.2018)

 

(imagens: exame.abril.com.br e José Luis Magana/AP/ folha.uol.com.br)

 

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:01

08
Out 18

E tal como já se previa apesar de todos os fazedores-de-opinião (neste caso portugueses e levando-nos a refletir sobre a sua utilidade) com o pior candidato a ganhar as eleições nesta 1ª volta (entre os residentes em Portugal) – e logo com 56% o que lhe daria a vitória logo à 1ª volta – a ser (ao contrário do que todos os portugueses pensariam) Jair Bolsonaro.

 

Bolsonaro – 46%

(49 milhões)

Haddad – 29%

(31 milhões)

 

xmontagem-haddad-bolsonaro1.jpg.pagespeed.ic.eq34n

Jair Bolsonaro Vs. Fernando Haddad

(Reencontrando-se na 2ª volta a 28 de Outubro)

Agora c/ um atacando o PT e c/ outro procurando o apoio do centro

 

Justificando mais uma vez o estado caótico

(e de evolução imprevisível – dado o populismo/no seu pior sentido já aí reinante)

 

Em que se encontra a situação económica e social no Brasil

(neste caso com intervenção aparentemente neutra dos EUA não se colocando claramente ao lado de nenhum dos lados em conflito),

 

O candidato mais extremista às Presidenciais do Brasil de Outubro de 2018

(e candidato do PSL/Partido Liberal Brasileiro de extrema-direita)

 

JAIR BOLSONARO

 

Ganhou claramente a 1ª volta atingindo os 46% dos votos

(mais de 49 milhões de votos).

 

Deixando o que agora será o seu grande adversário para a 2ª volta das Presidenciais

(e candidato do PT/Partido dos Trabalhadores pró-Lula)

 

FERNANDO HADDAD

 

Nos 29% das intenções de voto

(mais de 31 milhões de votantes).

 

Candidato

Partido

Votos

(em milhões)

Percentagem

(%)

Jair Bolsonaro

PSL

49.3

46

F. Haddad

PT

31.3

29

Ciro Gomes

PDT

13.3

13

Geraldo Alckmin

PSDB

5.1

5

João Almoêdo

NOVO

2.7

3

Cabo Daciolo

Patriota

1.3

1

H. Meireles

MDB

1.3

1

Marina Silva

Rede

1.1

1

(Candidatos com mais de 1% dos votos – 8 de 13)

 

Uma diferença de cerca de 17% (uns 18 milhões de votantes)

 

– Com vantagem de Bolsonaro sobre Haddad –

 

Nas intenções de votos entre ambos (registados nesta 1ª volta) deixando-nos prever uma 2ª volta (Presidencial) de resultados para já incertos (ainda faltando quase três semanas para a suas realização): mas certamente com Jair Bolsonaro (sempre a subir nas intenções de voto) partindo da Pole Position.

 

E com mais de 20% dos eleitores brasileiros não tendo comparecido nas urnas (uns 30 milhões de votantes) e com todas as coligações possíveis ainda suscetíveis de se concretizar (mas dado o cenário político atual podendo não ser conseguida ou até ser contra produtiva),

 

Bastando a BOLSONARO

(para Vencer)

Manter-se no rumo

(pelos vistos certo, diga o que diga)

 

1024px-Urna_eletrônica.jpeg

Máquina eletrónica de voto

(Acusada de fraude pelos apoiantes de Bolsonaro)

A favor de Haddad e não permitindo a vitória de Jair na 1ª volta

 

E a HADDAD

(não conseguindo substituir Lula)

Mudar de rumo

(coligando-se e esperando um milagre):

 

Mas para tal tendo que ter o apoio doutros anteriores (e mais influentes) candidatos (e quantos mais melhor).

 

Seja como for e tal como Paulo Portas já previa (só que desejando que tal acontecesse, logo na 1ª volta)

 

– Ontem à noite na TV e tal como se fosse uma Pitonisa

(acertando certificando o produto – paciência fica para a próxima)

 

Muito provavelmente com Jair Bolsonaro a ser o próximo Presidente.

 

Num cenário de eleições incluindo (para além do Presidente) Senadores e Deputados e onde até dois dos seus (5) filhos (de diferentes mulheres de Jair Bolsonaro) foram igualmente eleitos: num Efeito Bolsonaro (um Sinal, um Aviso) tendo outro – Donald Trump – como modelo.

 

Ficando-se a saber algo mais no fim do dia 28 de Outubro.

 

(imagens: globo.com – wikipedia.org)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:49

07
Out 18

Hoje escolhendo-se o sucessor do trio LULA/DILMA/TEMER – num cenário de corrupção generalizada – associando perigosamente Política e Justiça (Eleitos e Nomeados): e podendo lançar definitivamente (pelo menos por muitos e muitos anos) o Brasil num Novo Abismo Antidemocrático (depois de tantos anos de Ditadura Militar).

 

xO-ex-presidente-Lula.jpg.pagespeed.ic.nJi6z1r5t6.

Lula da Silva

 

A menos de 24 horas de se saberem os resultados das Presidenciais no Brasil – com as eleições (1ª volta) a decorrerem hoje dia 7 de Outubro de 2018 – um total de 13 candidatos se perfilham no painel de potenciais Presidentes (bastando para ser eleito/nesta 1ª volta obter 50% dos votos+1 voto):

 

Candidato

Parido/Movimento

Orientação

Percentagem

Jair

Bolsonaro

PSL

Extrema- Direita

40

Fernando

Haddad

PT

Esquerda/pró-Lula

25

Ciro

Gomes

PDT

Esquerda

15

Geraldo

Alckmin

PSDB

Centro/Reformista

8

João

Almoêdo

NOVO

Direita/Liberal

3

Marina

Silva

Rede Sustentabilidade

Esquerda/Ambientalista

3

Alvaro

Dias

Podemos

Centro/Cristão

2

Henrique

Meireles

MDB

Esquerda

2

Cabo

Daciolo

Patriota

Extrema-Direita

1

Guilherme

Boulos

Psol

Esquerda

1

João

Goulart F

PPL

Esquerda

0

José Maria

Eymael

DC

Democracia Cristã

0

Vera

Lúcia

PSUT

Extrema-Esquerda

0

 

04out2018---jair-bolsonaro-concede-entrevista-a-tv

Jair Bolsonaro

 

Com todos os cidadãos brasileiros maiores de 18 anos a serem obrigados a participar neste ato eleitoral a decorrer este Domingo (exceção feita aos maiores de 16 anos/menores de 18 anos e aos maiores de 70 para os quais o voto é facultativo), com as urnas a encerrarem por volta das 21:00 (hora de Portugal), com as primeiras indicações a surgirem pelo final de Domingo (lá pela meia-noite) e com os resultados (finais) a serem divulgados durante a madrugada de segunda-feira (já dia 8 de Outubro): e pelo que todas as sondagens indicam com BOLSONARO e HADDAD a passarem à 2ª volta (confirmando-se esta previsão realizando-se a 28 de Outubro) com as alianças posteriores (à 1ª volta) a decidirem o próximo Presidente do Brasil.

 

Olhando para as derradeiras projeções para estas Presidenciais Brasileiras (deste Domingo/desta 1ª volta) com o Brasil o mais tardar no final deste mês (de Outubro) a eleger um novo Presidente, mesmo vencendo (na 1ª/2ª volta) na consulta eleitoral, tendo um número maior da população contra ele do que a seu favor (certamente mais rejeitados na consulta do que apoiados na votação): Bolsonaro (o candidato da extrema-direita) com uma taxa de rejeição entre o eleitorado de 43% (contra os 40% apoiando-o/-3%) e Haddad (o candidato apoiado por Lula) com uma taxa de rejeição de 36% (contra os 25% apoiando-o/-11%).

 

2018-10-07t113005z_1724682265_rc1812762c70_rtrmadp

Fernando Haddad

 

E para lá de toda a Corrupção generalizada (e Institucionalizada) que progressivamente vai destruindo todos os alicerces económicos e sociais do Brasil (com a colaboração de uma falsa Justiça atualmente na cama com o poder) – uma das maiores potenciais económicas mundiais – com a particular curiosidade do principal preso (político) ser LULA, não por ser o maior corruptor passivo/ativo comprovado e no poder (como o poderiam ser muito mais logicamente as grandes empresas e os grandes empresários) mas por ser (para os seus maiores apoiantes como o era então Temer) quem estava potencialmente mais à mão (livrando-se desse modo outros de serem igualmente acusados de Corrupção): acusado sem qualquer prova por um arrependido (um tubarão da construção) e assim sendo impedido de (muito certamente e segundo todas as sondagens) ser de novo eleito.

 

Provavelmente (Infelizmente) continuando tudo na mesma, exceto no crescimento do sofrimento brasileiro (e dos seus cerca de 210 milhões de cidadãos): com o grande favorito e candidato do PSL Jair Bolsonaro – o Messias do Brasil – tal como muitos outros políticos populistas de direita ou de esquerda, a recorrer às minorias sociais e económicas manipulando-as, para reforçar a sua igual minoria tornando-se por adição maioria. Apesar da sua adoração pelos militares, pela tortura e execuções (policiais/ilegais), pelo seu machismo evidente assim como pelo seu declarado racismo (num país multicultural e multirracial onde mais de 50% da população não é branca).

 

(imagens: Nelson Almeida/Afp – Record TV – Amanda Perobelli/Reuters)

 

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:15

22
Dez 17

Realizado o ato eleitoral para o novo parlamento da CATALUNHA (tido como A Solução), tudo ficou na mesma (parecendo mesmo de propósito) ‒ colocando de novo o processo (a iniciativa) nas mãos dos autores do artigo (155).

 

INDEPENDENTISTAS ‒ 70 mandatos

NÃO INDEPENDENTISTAS ‒ 57 mandatos

(Expetantes ‒ 8 mandatos)

 

1513891600_657702_1513899921_noticia_fotograma.jpg

Carles Puigdemont

Com os seus apoiantes JUNTS/CAP a ficarem em 2º mas juntamente com os seus aliados Independentistas ERC e CUP mantendo a maioria no Parlamento da Catalunha

 

P/C

Eleições 2015

Eleições 2017

Cidadãos

25

36

JUNTS/CAP

62

34

ERC

-

32

PSC

16

17

Podemos

11

8

CUP

10

4

PPC

11

4

(P/C: Partido/Coligação)

 

Com a vitória de CIDADÃOS nas eleições da CATALUNHA um partido centrista e anti independentista (e de uma forma algo surpreendente) derrotou todas as formações Independentistas (3) sendo de todos os candidatos o mais votado: com 36 mandatos conquistados (dos 135 no total) sendo o mais representado no parlamento, deixando logo atrás de si o JUNTS/CAP de Carles Puigdemont (com 34 mandatos) e a Esquerda Republicana/ERC (com 32 mandatos).

 

 Opção Política

Eleições 2015

Eleições 2017

Variação

Independentistas

72

70

-2

N/Independentistas

52

57

+5

Expetantes

11

8

-3

(Maioria com 68 mandatos)

 

E tendo como grandes derrotados o PODEMOS (de esquerda) /perdendo 3 mandatos, a extrema-esquerda/CUP/perdendo 6 mandatos e sobretudo com uma estrondosa derrota o PPC (versão catalã do PP) /perdendo 7 mandatos; e com os socialistas do PSC a serem a 4ªforça alcançando mais um mandato. No final do dia 21 de Dezembro e na sequência do Artigo 155 (decretado por Madrid) perdendo os Independentistas 2 mandatos (passando do 72 para 70), os expetantes do PODEMOS 3 mandatos (passando de 11 para 8) e ganhando os Anti Independentistas 5 mandatos (passando de 52 para 57): mantendo-se a Maioria pela Independência com 70 mandatos (maioria 68) e os oposicionistas com 52.

 

(imagem: Stephanie Lecocq/ EFE/EL PAÍS)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:11

19
Dez 17

[21 de Dezembro de 2017/quinta-feira]

 

Após o referendo de 1 de Outubro, da declaração de Independência em 10 de Outubro, da sua votação e aprovação em 27 de Outubro e finalmente da instituição do célebre artigo 155 ‒ retirando nesse mesmo dia (27) o Estatuto de Autonomia à Catalunha e destituindo o Governo ‒ realizam-se este dia 21 as Eleições convocadas pelo Governo de Madrid para a constituição de uma nova Assembleia Parlamentar: correndo-se o risco (face ao que já se pensava antes e agora confirmado pelas sondagens) de que o ambiente político se mantenha indefinido e com o decorrer e o arrastar da crise o problema ainda se agrave mais.

 

H_3295977_20171218221537-kueD-U433743568350lpE-992

Último Debate

7 Candidatos às Eleições de 21 de Dezembro de 2017 na Catalunha

(da esquerda para a direita Xavier García Albiol/PPC, Miquel Iceta/PSC, Marta Rovira/ERC, Jordi Turull/JUNTS+CAP, Inés Arrimadas/Ciutadans, Xavier Domènech/PODEM e Carles Riera/CUP)

 

No próximo dia 21 de Dezembro de 2017 (quinta-feira) realizam-se as Eleições para o Parlamento da Catalunha: marcadas pelo Governo Central de Espanha aquando da dissolução do anterior Governo Autonómico (liderado por Carlos Puigdemont) e justificada pela Declaração (unilateral e ilegal) da Independência da Catalunha (uma das regiões espanholas com Estatuto de Autonomia). E como é do conhecimento público com representantes e líderes dos partidos e outras organizações políticas que apoiavam o anterior Governo Autónomo da Catalunha (dando-lhe a necessária maioria parlamentar), a estarem mesmo que em liberdade cerceados de alguns dos seus direitos (já que associados à tentativa ilegal de separação de Espanha), outros a estarem presos (não desejando abandonar a sua terra e a sua luta, ficando e já tendo sido pronunciados) e ainda outros exilados (não desejando ser detidos por considerarem essa ação desproporcionada e por estratégia pessoal).

 

Com um total de 11 candidaturas apresentadas aos 4 círculos eleitorais da Catalunha (mas com algumas delas a não o confirmarem) ‒ círculos de Barcelona, de Gerona, de Lérida e de Tarragona ‒ e no final com 7 partidos/coligações a entrarem na corrida pela conquista do Parlamento e do próximo Governo Catalão (em princípio a tomar posse no início de 2018): sucedendo assim ao traidor e fugitivo (segundo Madrid) Carlos Puigdemont. Para já e segundo as últimas sondagens com a luta pela vitória a travar-se entre a ERC (Esquerda e pela Independência) e o Ciutadans (Centro e contra a Independência) e com as mesmas (sondagens) a apontarem para uma vitória dos Independentistas (congregando ERC, JUNTS/CAT e CUP) mas sem maioria absoluta (o que acontecia anteriormente): com a ERC a atingir os 23,0%, seguido por Ciutadans com 22,6%, do JUNTS/CAT com 17,0% e do PSC (socialistas) com 15,3% (e com o remanescente a sobrar para o PODEM/de esquerda com 7,9%, para o PPC/de direita ‒ a filial do PP e único apoiante a mais de 100% das medidas tomadas pelo Governo de Madrid ‒ com 6,1% e finalmente para a CUP com 6,25).

 

E assim com os Independentistas (ERC/CAT/CUP) a ficarem pelos 46%, com os Autonomistas/Não Independentistas (Ciutadans/PSC) a ficarem pelos 38%, com os Independentistas ou não Independentistas/Autonomistas (PODEM) a ficarem pelos 8% e finalmente com os fiéis incondicionais de Madrid (PPC, o PP da Catalunha) quedando-se pelos 6% ‒ e certamente caso se entendam (ERC/CUP/CAP com o PODEM/Podemos da Catalunha) podendo mesmo os pró-Independentistas formar (de novo) o próximo Governo (com ou sem Carlos Puigdemont incluído no JUNTSXCAT). Apresentando o estudo (média das últimas sondagens) os seguintes resultados:

 

Partido/Coligação

Eleição 2015

Resultados

(mandatos)

Eleição 2017

Sondagens

(mandatos)

Variação

(+/-)

ERC

-

(34)

-

Ciutadans

25

31

+6

JUNTS/CAP

(62)

(25)

-

PSC

16

21

+5

PODEM

11

9

-2

CUP

10

8

-2

PPC

11

7

-4

135 mandatos ‒ maioria 68

(comparando 2015 com 2017, com JUNTS/CAP a perder ‒ (-3) ‒ face a ERC+JUNTS/CAP)

 

No próprio dia 21 e encerradas as urnas ficando-se a saber o que adiantou este novo ato eleitoral. A partir daí voltando-se de novo a ouvir falar do assunto (em toda a comunicação social até na portuguesa) até hoje como que adormecido (certamente com os jornalistas temporariamente anestesiados) nas prateleiras dos média: e se entre 27 de Outubro e 21 de Dezembro era como se nada se tivesse passado (curiosamente só saindo neste período intermédio, silêncio ou notícias pró Governo) certamente que a partir desse dia (próxima quinta-feira) muito se falará apesar de o mais certo é nada ter mudado entretanto. Aí se questionando o que virá a seguir (dada a irredutibilidade dos Independentistas e de um Governo/PP que já não deveria lá estar)? Sendo o mais certo neste Mundo (podre e corrupta) da Política podermos (convictamente) afirmar, Pobres dos Espanhóis e Pobres dos Catalães! (e nunca esquecendo a nossa sorte de nos termos conseguido libertar do jugo de Espanha dando mais tarde origem a Portugal, algo na mesma altura não alcançado pela Catalunha a outra região então entrando na mesma luta mas sendo infelizmente derrotada).

                                                                                                                              

(dados: wikipedia.org e elperiodico.com ‒ imagem: Jon Nazca/Reuters)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:32

02
Out 17

PSD ‒ 4

PS ‒ 3

 

Realizadas as Autárquicas em Albufeira ficou tudo na mesma: PSD 4 vereadores (e a Presidência) e PS 3 vereadores. Numa estratégia brilhante (da direita) de eliminação (do VIVA) e de aproveitamento (dos seus votantes) ‒ já que concorrendo com duas listas (PSD e VIVA) o PSD arriscava-se a perder. Ao contrário do que fez a esquerda que apresentando outra lista (BE) arrumou com o PCP-PEV e deu a maioria ao PSD (facilitando-lhe a conquista do 4º vereador).

 

carlos-silva-e-sousa.jpg

 Carlos Silva e Sousa (PSD)

 

Tendo em consideração que nas eleições autárquicas de 1 de Outubro de 2017 no concelho de Albufeira, (1) votaram mais 222 eleitores do que nas eleições de 2013 (2), concorreram mais dois partidos (BE e PAN) com um total de 1256 votos, (3) a coligação PCP/PEV perdeu 669 votantes (o grande derrotado da noite) e sobretudo (4) não tendo participado o movimento VIVA por rejeição da sua candidatura (em 2013 tendo obtido 1534 votos), sendo fácil de concluir que em 1 de Outubro a grande transferência de votos (2203) veio de (3) e de (4), adicionando-se ainda mais os votos vindo de (1) dando um total de 2425.

 

Sendo esses 2425 votos e a sua distribuição pelos partidos/coligações concorrentes que decidiram o vencedor entre as 6 candidaturas apresentadas à Câmara (colocado fora o VIVA). Com o PSD a aumentar a sua votação em 987 votos, com o PS a aumentar 447, com o CDS/MPT/PPM a aumentar 17 e com os restantes 1256 a distribuírem-se pelo BE (742) e pelo PAN (514).

 

 

C

 

A

 

F

 

 

P/C

%

Mandatos

%

Mandatos

%

Mandatos

V

PSD

42.6

4

39.3

10

38.8

22

3

PS

34.5

3

34.9

8

37.8

24

1

BE

5.4

0

5.9

1

5.4

2

0

PCP/PEV

4.7

0

5.8

1

5.4

1

0

PAN

3.8

0

4.6

1

2.9

1

0

CDS/MPT/PPM

2.7

0

2.9

0

3.0

0

0

(C: Câmara A: Assembleia F: Freguesia P/C: Partido/Coligação V: Vitória)

 

Em conclusão e além da derrota do PCP/PEV (em 2013 a 218 votos de eleger um vereador em vez do VIVA e agora sendo ultrapassado pelo BE e com o PAN um pouco abaixo) com o PSD a ser o grande vencedor graças à exclusão do VIVA: dos 1534 votos de 2013 com o PSD a receber uma transferência de 1044 e o PS de 490 em 2017. E com essa transferência superior à do PS em 554 votos, sendo o suficiente com os 563 que o PSD já trazia de 2013 (num total de 1117) para vencer as Autárquicas com 1103 votos de diferença (como se vê nestes cálculos sendo pouca significativa a diferença final/-14).

 

Ricardo-Clemente-Albufeira-770x410.jpg     manuela-jorge-net-ao-alto-1.jpg

 Ricardo Clemente (PS) e Manuela Jorge (PCP/PEV)

 

Assim com o poder político na Câmara de Albufeira a manter-se por mais 4 anos nas mãos do PSD (agora sem a necessidade do VIVA), graças a uma estrondosa derrota do PCP/PEV e com o PS (outra grande derrota) a nem sequer saber aproveitar o Bom funcionamento (para já) da Geringonça, para aproveitar o clima positivo (em torno do PS nacional) e ganhar. Já na Assembleia Municipal (21 elementos) e apesar da vitória, com o PSD em minoria (10/21) face à oposição PS/BE/PCP-PEV (10/21) e ao elemento do PAN (1/21). Já no caso das Juntas de Freguesia com o PSD a não conseguir atingir a maioria de elementos eleitos (22 em 50) vencendo o PS (24) ‒ e com os outros 4 elementos a serem do BE/PCP-PEV/PAN (2/1/1).

 

E com o PSD a ganhar em 3 das 4 freguesias (p/Presidência das mesmas) sendo a única exceção Paderne onde venceu o PS. Numas eleições com um resultado um pouco surpreendente (depois do ciclo PS ainda no ciclo PSD) até para os animais irracionais.

 

(imagens: sulinformacao.pt/região-sul.pt/postal.pt)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 12:57

Fevereiro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9


23


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO