Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

24
Set 16

“Todos os anos mais ou menos por esta altura e quase que perdida a Esperança (ainda-por-cima mais uma vez) os reformados da Terra e os seus fieis seguidores (pois com o andar dos ponteiros do relógio chegará a sua altura) procuram no Espaço exterior e no Universo Infinito o seu caminho para a Vida e a sua solução para a Morte.”

 

Com as persistentes e ininterruptas menções (e orientações) diariamente adicionadas nas intrincadas e por vezes obscuras redes de comunicação Global (agora disponibilizadas pela WEB) – de certos temas no mínimo bizarros neste caso particular tendo como tema a existência de pelo menos mais um planeta principal pertencendo ao nosso Sistema Solar – torna-se cada vez mais evidente por mais que se queira afunilar o tema (da existência de outros planetas), que o nosso conjunto planetário até pela definição de limite (uma mera abstração) poderá ser mais extenso do que o antes afirmado: apoiando-se em imagens reais mas de interpretação duvidosa para se afirmar perentoriamente a existência de um outro planeta (agora não sendo o X por despromoção de Plutão mas transformando-se no IX numa nova adaptação) numa órbita mais longa e muito mais distante.

 

Festa do Fim-do-Mundo

Este ano com Nibiru

 

20160214_0142_c3_512.jpg

SOHO – LASCO C3

14-02.2016 – 01:42

 

“Neste ano de 2016 marcado pelas Presidenciais Norte-Americanas, com o tema recorrente e existencialmente necessário do Fim-do-Mundo Apocalíptico (até para nos desintoxicarmos do nosso miserável quotidiano, aventurando-nos numa outra forma de realidade o imaginário) a ser personificado por um corpo celeste capaz de nos destruir.”

 

O que em princípio seria uma tese de fácil aceitação não fossem as interpretações tão divergentes e até mesmo inaceitáveis (mesmo para qualquer leigo minimamente informado): indo desde um corpo celeste circulando em torno do Sol com um período orbital de milhares de anos (de mais de 3 a menos de 40) e movimentando-se para lá da órbita de Neptuno (apoiando-se em escritos de astrónomos sumérios), até ao cenário absurdo por coexistência impraticável de um corpo monstruoso colocado entre o Sol e a Terra. Só possível de existir na mente perturbada dos teóricos da conspiração (transformando um erro num facto e originando o Apocalipse) capazes de ver mais além mas numa visão distorcida (ou de outra realidade): neste Verão de 2016 e à falta de melhor tornada a primeira referência para o próximo Fim-do-Mundo. Num Evento anual de catarse emocional.

 

[Existem textos específicos sobre o Sistema Solar e o movimento dos planetas em torno do Sol, na sua ordem correta. Os Sumérios consideravam o Sistema Solar um conjunto de 12 planetas, contando o Sol e a Lua. O décimo planeta era chamado por eles de Nibiru, um planeta além de Plutão com uma orbita muito extensa. (wikipedia.org)]

 

(imagem: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:30

26
Ago 16

E num certo dia do mês de Agosto de 2016, cumprindo as diretivas extrapoladas das orientações estratégicas para a Europa a aplicar pelos EUA, a Alemanha decidiu mais uma vez (e como se tivesse algum voto na matéria) promover o produto vermelho Putin, equiparando-o a um Evento Trágico e Apocalíptico e avisando a população da eminente chegada do Diabo.

 

article-1104459-02EF4148000005DC-445_468x384.jpg

Invasão Russa da Grã-Bretanha

 

Após o aviso emitido há alguns dias atrás pelas autoridades alemãs aconselhando os seus cidadãos a guardarem comida e bebida para o caso de se verem de uma forma inesperada confrontados com um cenário de desastre apocalítico, eis que mais dois países Europeus talvez preocupados com a iniciativa preventiva e securitária tomada antes pela Alemanha, aconselham agora os seus cidadãos a prevenirem-se e a armazenar: referimo-nos neste caso à Finlândia (fazendo fronteira com a Rússia/inimiga) e à Republica Checa (fazendo fronteira com a Alemanha/amiga).

 

Deixando desde logo todo o mundo num nível máximo de preocupação e de alerta, ainda-por-cima num ano em que muitos teóricos da conspiração nos falam insistentemente da chegada de um novo corpo celeste ao interior do nosso Sistema Solar (talvez um planeta ou até mesmo um mini sistema planetário), provocando à sua passagem alterações drásticas no comportamento de todos os corpos celestes que o compõem: fazendo uma tangente ou uma secante mas podendo sempre provocar um Evento.

 

Não sendo esta a teoria a ser pensada e concretizada de imediato (um pouco difícil de engolir dado a monotonia do nosso quotidiano e a nossa dificuldade de aceitar algo que não nos tenha sido ensinado) – e que em certo aspeto seria a mais compatível com a existência de Vida no Universo para além da nossa (no fundo a nossa próxima Fronteira a derrubar para a reconquista da Esperança) – a outra alternativa seria um absurdo provocatório e um verdadeiro apelo à III Guerra Mundial.

 

E com todo este espetáculo mediático englobado e intrincado num complexo trajeto de ainda mais esperança e desilusão, confluindo todo este cenário num pântano oportunista e ideológico de meras crenças e convicções (sem ética por exclusivamente financeiras e objetivas) e optando por uma orientação sem alternativa e inevitável, já que pondo em causa as diretivas a cumprir para a nossa sobrevivência como espécie (dominante) estaríamos sempre a desafiar e a colocar em causa a hierarquia e o poder da Estrutura.

 

(imagem: dailymail.co.uk)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:20

10
Abr 16

O Super Vulcão

 

“Three super-eruptions at Yellowstone appear to have occurred on a 600,000-700,000 year cycle starting 2.1 million years ago. The most recent took place 640,000 years ago – suggesting Yellowstone is overdue for an eruption.”

(bbc.co.uk)

 

yellowstone-magma-pocket.jpg

A enorme caldeira vulcânica debaixo de Yellowstone

 

Já com tantos desastres a acontecer em terra (naturais e artificiais) e contando ainda com a ameaça proveniente de todos os objetos conhecidos ou desconhecidos em aproximação ao nosso planeta (como o para já teórico NONO PLANETA), só nos faltava mesmo virem-nos agora relembrar de mais um pormenor que diretamente para uns e indiretamente para outros, poderia também pôr em causa o eco ambiente onde habitamos e a nossa sobrevivência: o SUPERVULCÃO norte-americano localizado no estado do Wyoming e conhecido pelo nome da sua enorme caldeira (com uma área de quase 4.000Km²) e pelo parque natural onde está inserido – YELLOWSTONE.

 

Com os especialistas neste tipo de fenómenos a voltarem a falar na forte possibilidade de um dia destes o vulcão entrar de novo em erupção (a sua última grande erupção ter-se-á registado há cerca de 360.000 anos), afetando imediata e diretamente metade do território dos EUA e pondo em causa de, no mínimo no prazo de algumas décadas, algum tipo de vida aí poder sobreviver. Provocando uma imensa destruição, no mínimo 1.000.000 de mortos em toda a região rodeando o vulcão, muitos outros milhões de feridos e desalojados e certamente o colapso dos EUA. Para já não falar das consequências (em todas as áreas) para o resto do mundo.

 

E como assim para ajudar à festa, com a USGS a informar-nos (ou então a avisar-nos) ainda com mais detalhe para as graves consequências caso algum dia destes se concretizasse um EVENTO deste calibre (ao nível de extinção): culturas completamente destruídas, exterminação de muitas espécies, contaminação dos cursos de água, aumento exponencial de doenças respiratórias e ainda o desmoronamento de todas as infraestruturas básicas de apoio à sobrevivência do Homem. Já imaginaram um mundo em que a potência que hoje tudo domina e tudo controla (a seu bel-prazer e sem qualquer tipo de contestação ou necessidade de ajuda), um dia desapareça do mapa sem nos deixar algo ou sequer nos avisar?

 

Yellow-Stone-430277.jpg

Um vulcão em contagem decrescente e muito perto do zero

 

No entanto e apesar de tudo aquilo aqui exposto segundo esses mesmos especialistas poderemos estar descansados: um vulcão deste tipo muito provavelmente não entraria em erupção nos próximos 10.000 anos (segundo a USGS).  O que vindo de autoridades tão credenciais no mundo da sismologia e da vulcanologia nos poderia deixar mais descansados, mas como preposição (supostamente) verdadeira sendo imediatamente neutralizada pelos não menos especialistas da Fundação Europeia da Ciência – destacando estes que uma erupção vulcânica desta dimensão além de poder originar uma tragédia a nível planetário muito mais grave do que a provocada por um impacto de um asteroide com a Terra, poderia lançar simultaneamente o nosso planeta e todas as espécies aí existentes num período de alterações climáticas extremas no mínimo de 1.000 anos.

 

Nunca esquecendo que segundo esses mesmos cientistas o intervalo (previsível) de 10.000 anos para uma nova grande erupção na caldeira do SUPERVULCÃO de YELLOWSTONE poderá ser demasiado extenso, podendo o mesmo Evento ocorrer num tempo muito mais próximo e ainda mesmo este século. Talvez contando ainda com o contributo suplementar do hipotético NONO PLANETA (circulando no interior ou muito próximo do Sistema Solar), que segundo muitos cientistas poderá na realidade existir (foram detetadas algumas variações no comportamento de certos objetos pertencentes ao Cinturão de Kuiper) e que segundo muitos outros curiosos (da ciência) existirá mesmo, estará cada vez mais perto de nós e acabará com a sua presença por perto, por nos afetar e tocar (e ao planeta Terra). Veremos o que acontece atá ao ano 2100.

 

(imagens: WEB)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 12:02

06
Fev 16

É Carnaval Ninguém leva a Mal – Sem Receio é Ver para Crer
Evento Astronómico
(Fabricado pela NASA)
5 de Março de 2016
(Acerta/Não Acerta/Aceitam-se Apostas)

 

Dia 5 de Março um corpo celeste com 30 metros de extensão observado apenas por três vezes, com um período orbital desconhecido e com uma trajetória incerta por nunca confirmada, passará por aqui e talvez muito por perto. Certamente que não haverá impacto, nem nada como Chelyabinsk (aí o corpo celeste que explodiu no ar e provocou uma forte onda de choque, tinha apenas 20 metros de extensão).

 

asteroid20160202-16.jpg

A previsão pendular da NASA
(com um intervalo de erro ˃ 14 milhões)

 

No próximo dia 5 de Março o asteroide 2013 TX68 passará mais uma vez pelo seu periélio na sua trajetória de aproximação ao Sol. Com uma extensão aproximada de 30 metros se este asteroide entrasse na atmosfera terrestre ao explodir e desintegrar-se produziria uma onda de choque com o dobro da energia do seu homologo de Chelyavinsk. Dando origem ao aparecimento de uma bola de fogo e possivelmente de uma cratera de impacto.

 

Um asteroide que passou há cerca de dois anos atrás a 2 milhões de quilómetros da Terra mas cuja trajetória ainda é incerta (dado ser um corpo celeste muito pouco observado desde a sua descoberta) para a sua passagem de 5 de Março. Passando a uma distância do nosso planeta que poderá ir de um máximo tranquilo de quase 14,5 milhões de quilómetros a um mínimo preocupante de pouco menos de 18.000km.

 

Um acontecimento que pelos vistos não parece preocupar minimamente os responsáveis da NASA, apesar dos seus cálculos (praticamente baseados em nada) apontarem para coordenadas de passagem do asteroide no seu ponto mais próximo da Terra, com um erro máximo e desprezível de 14.482.000km – o que traduzido em miúdos significará que o asteroide poderá passar sem que se faça notar, poderá impactar a Terra ou poderá até já ter passado ou deixado de existir. Cientifico não é?

 

E como forma de concluir esta estranha e surpreendente notícia contando com a delirante (e por vezes parecendo mesmo idiota) colaboração científica da NASA, ficamos aqui a pensar como é possível que uma das maiores agências espaciais do mundo e muito provavelmente composta por técnicos dos mais conhecedores que por cá existem, possa dar uma resposta como esta reveladora de tanta ignorância e de tanta incompetência (irresponsável por poder ser criminosa). Se não acreditam vejam como no mesmo tempo da entrevista ao diretor do CNEOS (um centro de estudos da NASA sobre objetos circulando nas proximidades da Terra e localizado no JPL na Califórnia) o mesmo afirma uma coisa (a sugestão é que possa existir uma hipótese de impacto) e o seu contrário (que esse impacto nunca ocorrerá). Talvez que seja para a próxima (e até apontam uma data – para o ano para os fins de Setembro). Hipóteses (Paul Chodas – Diretor do CNEOS):

 

Hipótese A

 

"This asteroid's orbit is quite uncertain, and it will be hard to predict where to look for it.”

 

Hipótese B

 

"The possibilities of collision on any of the three future flyby dates are far too small to be of any real concern."

 

Restando-nos apenas ficar aqui à espera da chegada desse dia, altura em que verificaremos qual das duas hipóteses é válida (A ou B). Ficando no entanto já com a certeza que a verdade estará certamente numa delas – virtude de termos uma NASA infalível até na ignorância. Como assim o asteroide pode já nem existir (e nós a falar dele).

 

maxresdefault.jpg

ISS – Satélite de órbita baixa a caminho das 100 mil órbitas
(situado a cerca de 400km da Terra e orbitando-a em pouco mais de hora e meia)

 

Tipo de Satélites
(dependendo da sua órbita)

 

Satélite Órbita Baixa Órbita Média Órbita Alta
Distância à Terra 180 – 2.000km 2.000 – 35.780km ≥ 35.780km
Objetivo Científico Navegação e Monitorização Telecomunicações e Meteorológico
Velocidade Alta Média Baixa
Exemplo Aqua (GPS) (atmosférico)
Duração orbital 99mn (horas) 23h 55mn 04s
Tipo Sun-synchronous Semi-synchronous e Molniya (russo/latitudes elevadas) Geo-synchronous

(a 42.164km de distância localizam-se os satélites geoestacionários assim chamados por darem a sensação de estarem parados no espaço – devido à velocidade do satélite igualar a velocidade da Terra)

 

Já agora e como se vê na tabela anterior, se por acaso um asteroide passasse a cerca de 18.000km do nosso planeta, mesmo que este não fosse minimamente afetado pela sua passagem (tão à tangente) certamente que os seus satélites (artificiais) o poderiam ser: o que seria dramático (se tal cenário se concretizasse) para a sobrevivência (social e tecnológica) da Terra. Seriam afetados serviços hoje em dia considerados fundamentais e imprescindíveis para o funcionamento e sobrevivência da sociedade (como se ficássemos todos sem eletricidade) desde a Navegação até ao Tempo e passando pelas Comunicações.

 

(imagens: NASA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:59

26
Jan 16

An unidentified object flew over the city of Blagoveshchensk in the Russian Far East, breaking apart and leaving a blazing trail across the sky on Sunday.

 

E se a Terra estivesse agora em conjunto com o seu sistema a atravessar uma região mais confusa e um tanto congestionada do espaço (com tudo a girar à volta e com todos meio tontos)? Uma região de maior movimentação entre os diferentes elementos presentes, desde o maior ao mais pequeno interagindo entre si. Corpos celestes, sistemas planetários, galáxias e até mesmo universos. Que periodicamente ou não também compartilham espaços – por todos serem feitos de matéria e de energia (em constante movimento).

 

snapshot A.jpg

1

 

An alleged meteor or comet, as some local residents suggest, brightened the sky between 9-10 p.m. GMT, January 17 in the Amur Region. “It looked like a plane’s trail but way bigger and brighter.”

 

Se tal acontecesse e sobre interação de sistemas (ou então de planetas simplificando o problema e reduzindo-lhe as dimensões), as probabilidades de se verificar um evento de consequências mais ou menos secantes (como um impacto direto) seriam naturalmente maiores. Suponhamos então que um dia um tal evento ocorre: um planeta até aí de existência desconhecida aparece nos radares terrestres descrevendo uma trajetória alongada e com um período de milhares de anos – acabando por integrar o sistema e tornando-se o seu nono planeta. Aproxima-se do seu periélio e aí dá-se a interação. Uma perturbação temporária atravessa o Sistema Solar libertando energia e deslocando matéria. Com o movimento a implicar choques como numa mesa de bilhar: falhando, tocando ou caindo no buraco.

 

snapshot B.jpgsnapshot B2.jpg

2-3

snapshot C.jpgsnapshot D.jpg

 4-5

 

After streaking through the sky, the object exploded, disintegrating into a number of pieces with a dazzling flash. “At 9:40 p. m. GMT, January 17 the object exploded, but the sound came in after eight minutes. It was quite loud.”

 

Mas voltemos aos meteoritos: corpos celestes oriundos maioritariamente do Cinturão de Asteroides com outros (em menor número) resultantes da fragmentação de certos cometas (vindos do Cinturão de Kuiper). Visitantes usuais destas paragens na sua trajetória em torno do Sol, numa corrida contra o tempo e repetida no espaço (e talvez com uma missão) – ou não fossem estes corpos possíveis depósitos de água. E pela sua natureza e também pela sua velocidade podendo ser desprezáveis ou pelo contrário catastróficos: dependendo o efeito provocado pela sua passagem da sua massa, da sua densidade, da sua velocidade e da sua distância em relação ao planeta (neste caso a Terra) – numa trajetória externa, tangente ou secante.

 

B7oj3WnIEAATYbe.jpg

Vestígios da passagem do objeto voador nos céus da região russa de Amur

 

On February 15, 2013, a 10,000-ton meteorite hit the Earth near the Russian city of Chelyabinsk. Its explosion inflicted damage on the infrastructure and injured 1,500 people with glass shattered by the shockwave.

 

E só de pensarmos nas consequências imediatas da sua velocidade média de deslocação (um indicativo para o tempo máximo de preparação de que a Terra disporia após ser dado o alerta) é só refletirmos um pouco: supondo que a velocidade média dum destes corpos celestes anda pelos 25km/s (dependendo a sua velocidade – podendo chegar aos 35/70km/s – da influência de muitos fatores como o da sua distância ao Sol – mais baixa se estiver afastado mais alta se estiver perto) e que quiséssemos dispor de um mínimo de 24 horas para nos prepararmos, teríamos que avistar este corpo viajante dirigindo-se para a Terra no mínimo quando ele estivesse a mais de 2 milhões de quilómetros de distância (ou seja 5,6 LD). E a essa distância para o mesmo ser detetado, qual teria que ser a sua real dimensão (certamente sabendo que nessa falsa peneira, por mais que nos esforcemos muitos monstros passarão)? E se tudo correr mal então será uma questão de horas (para evacuar a Terra?).

 

Na Rússia esteve-se perante dois simples meteoritos.

 

(1-2-3-4-5: trajeto do meteorito de Amur/Rússia ocorrido em 17 de Janeiro deste ano)

 

(texto/inglês/imagens: #метеорит #falcon9/Astro Channel/sputniknews.com – última imagem: Konstantin Pivkin/ufosightingshotspot.blogspot.pt)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:54

01
Jul 15

Agora que a Alemanha começa a gritar de dor com o flagelo que se começa a abater sobre a sua economia (veja-se a evolução de novos investimentos, importações e exportações), surge agora o problema da Grécia (um Estado) e a inflexibilidade do FMI (simples credores de dinheiro domiciliados nos EUA). Mas desde que a Alemanha perdeu o seu parceiro estratégico (a Rússia), que a mesma anda à deriva.

 

Greece-EU-Occupation.gif

E cinco anos depois a história continua

 

A Grécia acaba de ultrapassar a data limite de pagamento (aos representantes dos seus credores) da quantia de 1,5 biliões de Euros. Relembre-se que o novo Governo grego herdou uma dívida monstruosa dos seus antecessores (socialistas e direita) e face à situação económica e financeira catastrófica em que o país se encontrava (défice perto dos 180% do GDP), ao esperar ingenuamente uma mudança na Europa (contrariada com a surpreendente e no mínimo estranha vitória de David Cameron na Grã-Bretanha e com a Europa em stand-by aguardando os resultados de outras eleições extremamente importantes e próximas), levou pelo contrário com uma pancada irredutível e definitiva do FMI (afinal de contas eles representam o Banco Mundial) e como costume, com a apatia e a indiferença de todos os outros países deficitários e subjugados. Com a Alemanha (e mais uma vez em menos de 100 anos) a controlar a jogada e a querer decidir o destino de todo um continente (através do BCE): mas agora sob controlo norte-americano e tendo como objectivo a Rússia. Não é pois de espantar (mesmo que para um leigo) que a própria Alemanha, os seus bancos e o próprio BCE (directa ou indirectamente), apresentem contabilidades que de um momento para o outro possam ter as suas perspectivas radicalmente alteradas, tal o nível de toxicidade que se suspeita existirem em muitos dos produtos financeiros desses bancos (com muitos economistas a afirmarem que a dívida grega poderá chegar a ser apenas 1% da potencial dívida coberta/encoberta alemã): e para que tal aconteça basta que a própria Alemanha continue com a sua política auto-suicidária, continuando a hostilizar os pobres da Europa e até a própria Rússia. Os EUA agradecem.

 

(imagem – roarmag.org/2011)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 02:00

17
Ago 14

Novos Ficheiros Secretos – Albufeira XXI

(Guerra Biológica)

 

A primeira ideia que me veio à cabeça é que se tratavam de panelas de pressão – mas não!

 

Logo no primeiro dia à frente da minha empresa de serviços dedicada ao Catering recebi por parte duma unidade hoteleira da minha cidade um pedido urgente para um almoço a realizar no dia seguinte pelas 13h00 e a ser servido numa grande sala dum conhecido espaço multiusos a exactamente mil convidados. O pedido era feito duma forma exigente e pormenorizada, insistindo particularmente na apresentação dum prato nobre principal que consistiria – como não poderia deixar de ser numa terra de pescadores do litoral sul algarvio – numa cataplana de peixe e de marisco locais. O único problema residia no facto incontornável por contratual das mil cataplanas que teriam que ser confeccionadas individualmente, completamente à vista dos seus consumidores e ficando prontas a ser degustadas todas à mesma hora.

 

Estava perante um verdadeiro exército robotizado capaz das mais delicadas operações – como cozinhar!

 

Foi aí que me surgiu a ideia brilhante de utilizar o kilobot, um simples robot de fácil construção associado à utilização de tecnologia ligada aos nanobots e que adaptado às minhas necessidades poderia resolver num instante o meu problema: já me estava a ver comandando um exército constituído por um milhar de cataplanas banhadas a cobre e brilhando ao Sol, marchando ordenadamente e formando um quadrado perfeito em direcção aos seus já extasiados e salivados degustadores, surpreendidos na sua derradeira visão (ocorrida mesmo antes do contacto) pelo odor antecipado e talvez traidor (por não vir acompanhado) dos vapores transmitidos pelo ar. A empresa contratada era de origem asiática, garantindo ter disponível em menos de seis horas as mil máquinas necessárias. Na sua essência o Evento foi em si mesmo um indesmentível momento sucesso, com todos os convidados a saírem completamente satisfeitos com o produto gastronómico apresentado e com este maravilhoso prazer partilhado e pelos órgãos dos sentidos replicados. Mas o pior aconteceu mesmo depois do final (o Atentado): na execução da tarefa de recolha às suas unidades de armazenamento e de transporte, juntamente com as unidades de kilobots surgiram os respectivos convidados (infelizmente e por manipulação do seu ADN já irreversivelmente inutilizados).

 

(imagens – Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:14

24
Abr 14

CHEGOU, casou, voltou a casar, VIU a Tecnoforma, politizou e VENCEU

(biografia telegráfica do Dr. Avalanche)

 

Ajuda Externa

 

No dia 21 de Junho de 2011 e sem que ninguém do povo contasse verdadeiramente com isso Portugal foi atingido por um míssil oriundo dos Estados Unidos da América e dirigido ao coração da Europa que terá feito ricochete na Alemanha e posteriormente se terá separado em várias ogivas dirigindo-se uma delas inevitavelmente na nossa direcção. O míssil terá sido direccionado para Portugal através da utilização dum feixe de sinalização – emitido através de um raio laser – instalado num artefacto localizado por essa altura na cidade de Lisboa e construído secretamente por um casal de cientistas residentes em Coimbra no decorrer do século passado. O impacto do míssil atingiu brutalmente a sociedade portuguesa, esmagando-a como se esta tivesse sofrido os piores efeitos duma avalanche e praticamente não deixando sobreviventes: apenas um grupo extenso de zombies, cada vez mais violentos e sem massa cerebral. Passados quase três anos sobre o Evento a continuação do Inverno Nuclear ainda é a nossa única e inevitável opção e enquanto esmagados ainda somos ignorados sob as toneladas de desperdícios com que nos soterraram, à superfície eles ainda discutem o seu futuro enquanto olham para o buraco – que vai de Santa Comba a Boliqueime – e nos vêm bem lá no fundo.

 

(imagem – Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:07

18
Mar 14

Uma década depois sobre o Evento Mundial do 9/11 pode-se agora afirmar categoricamente e duma forma irrevogável que entre os coveiros da Civilização Ocidental – para muitos uma das poucas fortalezas de esperança na altura ainda existente (e resistente) – Portugal e os portugueses estiveram inequivocamente presentes (como sempre para as coisas más mas lucrativas para alguns): e no roteiro da Guerra lá aparecem os Açores (Portugal) e Durão Barroso (Primeiro-Ministro de Portugal).

 

Em 11 de Setembro de 2001 – com a queda das duas torres do complexo do WTC – morreu definitivamente a esperança dum Mundo que, talvez ingenuamente (no fundo somos todos crianças e acreditamos verdadeiramente em tudo o que nos dizem), ainda acreditava profundamente no seu tão propalado e idílico Futuro (promovido pelas elites no poder mas pelos vistos para sua única e exclusiva protecção).

 

Demolição Perfeita – excluindo as milhares de vítimas (colaterais) provocadas

 

Desde os primeiros momentos e dado o número crescente de indícios contraditórios face à esmagadora e inevitável narrativa oficial, muitos afirmaram – apesar de o fazerem muito compassadamente e de início em círculos restritos e muito fechados (nestes casos o medo de vinganças e represálias tem destes efeitos) – podermos estar em presença dum “Inside Job”.

 

A Al-Qaeda e o na altura reconvertido em Anjo Negro (ou Diabo) Bin Laden – anteriormente um Anjo Branco ao serviço do Ocidente, na sua luta heróica travada no Afeganistão contra o outro Diabo Vermelho – terão sido usados como bodes expiatórios preferenciais na construção dos álibis dos verdadeiros culpados por este crime hediondo. E a identificação destes criminosos era fácil de descobrir, bastando olhar e querer compreender o que era o WTC e o que por lá se passava nessa altura ou então compreendendo o que dali iria resultar raciocinar mais um pouco e ver quais os verdadeiros interessados – e que com ele lucraram – neste evento indescritível.

 

Entre subidas e descidas de acções e compras e vendas antecipadas e verdadeiramente divinatórias; entre o início da perseguição a minorias desprotegidas (com deveres e sem direitos) e responsabilizadas pelo sucedido; e entre o verdadeiro motivo para este assalto à mão armada à matéria-prima de outros países só porque eram governados por um ditador enquanto os salvadores apoiavam outros bem pior; todos estes acontecimentos tornam-se (pelo menos) agora de fácil compreensão bastando “parar, escutar e olhar” – isto se não quisermos também ser trucidados por este comboio cheio de mercenários, amantes do poder e do dinheiro como únicas referências culturais (numa mente já desprovida de memória)

 

Hoje o Mundo já não existe encontrando-nos todos à deriva. O problema é que enquanto for a casa lá ao fundo que esteja a arder – e isto apesar de morarmos em casas ligadas entre si – não nos preocupamos muito ou mesmo nada com o que está a suceder, esperando sempre que em último caso seja aquele que manda – mas que em quem ninguém já acredita – e que tendo pena de nós, nos venha a correr ajudar. Até morremos continuaremos condicionados a acreditar na beleza da Branca de Neve e na bondade dos Sete Anões, apesar de até deles os mesmos (que os aceitaram e utilizaram) dizerem mal: a moeda e o poder esmagaram a Humanidade transformando-nos em passivos e tristes escravos.

 

Este edifício (WTC 7) não foi atingido por nenhum avião

 

Quase 13 anos após esta tentativa de Golpe de Estado – pelos vistos bem sucedida – eis alguns factos irrefutáveis sobre os acontecimentos do 9/11 (dos 25 factos apresentados no artigo de Humans Are Free):

 

  1. Nano Thermite was found in the dust at Ground Zero;
  2. The total collapse of WTC 7 in 6.5 seconds at free fall acceleration (NIST admits 2.25 seconds);
  3. Dick Cheney was in command of NORAD on 9/11 while running war games;
  4. Osama Bin Laden was NOT wanted by the FBI for the 9/11 attacks;
  5. 100s of Firefighters and witness testimony to BOMBS/EXPLOSIONS ignored by the 9/11 Commission Report;
  6. On September 10th, 2001. Rumsfeld reported $2.3 TRILLION missing from the Pentagon;
  7. Towers were built to withstand a Boeing jet(s). “I designed it for a 707 to hit it”, Leslie Robertson, WTC structural engineer;
  8. BBC correspondent Jane Standley reported the collapse of WTC 7 (Soloman Brothers building) 20 minutes before it happened;
  9. Insider trading based upon foreknowledge. ‘Put Options.’ Never identified insiders made millions;
  10. At least 7 of the 19 listed highjackers are still alive (BBC).

 

Com os políticos de Portugal sempre em cima do acontecimento e no entanto invariavelmente muitos anos atrasados – talvez uma lembrança genética do Estado Novo – a correrem apressadamente quase que dois anos depois sobre o atentado a caminho dos Açores, prontos a assinarem por baixo (mas mesmo por baixo!) a declaração autorizando os norte-americanos a invadirem o Iraque e a destruírem as diabólicas (por inexistentes) armas de destruição maciça. Recompensados mais tarde como Durão Barroso com uma reforma (pessoal) dourada e deixando todos nós e o país com a famosa imagem de sermos uns atrasados e imbecis. Perdão: Um povo imbecilizado e resignado, humilde e macambúzio, fatalista e sonâmbulo, burro de carga, besta de nora, aguentando pauladas, sacos de vergonhas, feixes de misérias, sem uma rebelião, um mostrar de dentes, a energia dum coice, pois que nem já com as orelhas é capaz de sacudir as moscas; um povo em catalepsia ambulante, não se lembrando nem donde vem, nem onde está, nem para onde vai; um povo, enfim, que eu adoro, porque sofre e é bom, e guarda ainda na noite da sua inconsciência como que um lampejo misterioso da alma nacional, reflexo de astro em silêncio escuro de lagoa morta.” (Guerra Junqueiro)

 

(texto em inglês e imagem – humansarefree.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 21:46

24
Jan 14

 

Decorre entre quarta-feira e sábado (22 a 25) na estância alpina de Davos na Suíça, o 44.º Fórum Económico Mundial (WEF). Estarão presentes neste importante evento global 2.500 personalidades seleccionadas entre a nata das elites da nossa sociedade, entre executivos (1.500), investidores, políticos (48), banqueiros (20) e até algumas das mais destacadas celebridades internacionais – para além da esmagadora maioria dos bilionários (80) e de muitos mais milionários. Como pormenor adicional e paralelo à realização deste Fórum Económico, o mesmo ocorre no preciso momento em que 85 bilionários detêm uma riqueza equivalente à de mais de 3.500.000.000.000 de pessoas – mais de metade da população mundial, estimada em cerca de 7 biliões.

 

(dados – sott.net)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:10

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO