Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

18
Out 17

Incêndio de Pedrogão + Incêndio do Pior Dia do Ano > 100 Mortos

(num curto período de apenas 4 meses)

 

Num momento em que o número de vítimas mortais certamente ultrapassará as 100 pessoas e nem querendo pensar na Catástrofe Ambiental com o certo desaparecimento de muitos Ecossistemas (por mais pequenos que sejam sempre fundamentais, até pela diversidade e manutenção de equilíbrios).

 

Uns dizendo ser Natural outros do tipo Artificial

 

1.jpg

 

Vivo num país que posto perante uma verdadeira carnificina (veja-se a área ardida, o tipo de população aí residente e os combustíveis altamente inflamáveis colocados em seu redor) mantem a sua inadmissível indiferença de modo a assim proteger mesmo que para além do limite (a linha vermelha de sangue) o seu quotidiano monótono sustentado numa mera remuneração unicamente para sobreviver (desde a base até ao topo): um povo trabalhador dirigido por Analfabetos (por diversos esquemas aceites, equiparados a doutores) e por essa mesma razão mentalmente desfalcados (sem cultura e sem memória e dispondo de pouco tempo) ‒ Trabalhar, Comer, Dormir e no meio Procriar ‒ e sem força (psíquica) para se opor à violência (física), instalada em todo o lado (no Espaço) e a qualquer momento exercida (no Tempo) apenas aplicando a Lei escrita por eruditos: para se manterem no poder sabendo não ser necessário demonstrar competência (mas certificação curricular), mas no meio da catástrofe e de maior incompetência (estando tudo preparado, mas terminando num caos) deixando a violência avançar (certamente por travagem mental, ao contrário sendo um crime, no mínimo na escala moral), a incerteza pairar (face a mais uma paulada levada, com gente ainda mais traumatizada) e o esquecimento prevalecer (assim se mantendo o Poder). Lavando-lhes a alma (cada vez com mais pecados numa fila sem fim), dando tempo para os cadáveres (para contar e para esconder, estudar e fortalecer) e para confortar o Povo (banalizando as mortes tal como o faz com os Direitos do Homem), assim seguindo em frente Marchando contra os Canhões (neste caso contra os Incêndios e numa Guerra Total).

 

2.jpg

 

Mas como ainda existem pessoas com alguma cultura e memória (mesmo que desmotivados pelo branqueamento dos novos escrivas, certificando a História Oficial e transformando-a em historinhas com dinheiro, mulheres e muitos tiros) passando parcialmente incólumes pelos filtros do Poder (apesar de uma forma ou de outra, sendo marginalizados e como tal penalizados) ‒ praticamente impossível dada a (altíssima) toxicidade ambiente (convenientemente embrulhada com o apoio dos Média e em forma de laço decorando o embrulho) ‒ estando ainda em aberto um vasto espaço reflexivo (algo se encontrando neste oceano de 7,5 biliões de Almas) onde possamos pensar e daí tirar ilações (se possível levando a conclusões). Numa História que nos poderá recolocar não num tempo (curto para nomear responsáveis e deixando tudo na mesma) antecedendo o Evento ‒ unicamente servindo para a proteção e salvaguarda do Sistema ‒ mas nas verdadeiras Origens e nas Causas dessas Raízes (permitindo a eclosão do Evento), em vez de enriquecer o Sistema enchendo-o de Ervas Daninhas: em Portugal bastando recuar (até para melhor compreender as últimas gerações) pelo menos uns Cem Anos (rigorosamente 107) para em 2017 chegarmos finalmente a Outubro (já com pelo menos 100 mortos, a uma média de 25/mês) e assim à 2ª Fase de um mesmo (e atrás referido) Evento.

 

3.jpg

 

Tomando-se como referência o Dia da Implantação da Republica (5 de Outubro de 1910), estendendo-se no tempo e passando pelo Golpe ditatorial do 28 de Maio (de 1926) ‒ colocando Salazar no poder por cerca de 40 anos ‒ atravessando toda a Revolução antes/durante/depois (de 25 de Abril de 1974) e antes de chegar ao Evento (mortal) do ano 2017 jamais esquecendo o Marco Histórico (por Formativo, de uma Geração sem culpa, mas rasca e no poder) da Chegada do Dinheiro: no dia 12 de Junho de 1985 com o 1º Ministro de Portugal Mário Soares a assinar o Tratado de Adesão de Portugal à CEE (com muita oposição política, vinda da esquerda como vinda da direita) ‒ com o país por essa altura a atravessar uma grave crise económico/política com causas internas como também externas (daí a urgência na ação do socialista Mário Soares) ‒ e como consequência nas eleições seguintes perdendo a maioria e entregando-a (verdadeiramente de mão beijada e hoje constatando-se Infelizmente) a Cavaco Silva. De todos os políticos atravessando os séculos XX/XXI e a partir daí tentando-se descobrir o Novo Monarca do Século (Atravessando Regimes Republicanos num nº máximo de anos) ‒ numa tentativa de reflexo do ícone (de alguns ou de muitos) Salazar ‒ tendo logo e em 1º (36 anos no Poder como 1º Ministro) António de Oliveira Salazar e indubitavelmente em 2º (20 anos no Poder como 1º Ministro ou Presidente da Republica) Aníbal Cavaco Silva (e só depois surgindo o promotor da entrada Europeia o 1º Ministro socialista de nome Mário Soares ‒ 15 anos no Poder como 1º Ministro ou Presidente da Republica); e já agora adicionando ainda Américo Tomás (um indivíduo de baixo perfil passando despercebido) o Presidente de Salazar e de Marcelo Caetano (16 anos no poder como Presidente da Republica e peça decorativa).

 

4.jpg

 

E depois de quase meio século de ditadura (com Oliveira Salazar) e de mais de uma década para entrar na Europa (com Mário Soares) só faltando mesmo apanhar (aparentemente e não para todos) mais vinte anos de bolsos cheios (acompanhados de cabeças vazias, entre escravos e leigos e com os bancos a pôr/dispor) preparando a Tormenta pós-Aníbal Cavaco Silva (o que se viu e o que se vê especialmente a nível político desde a base até ao topo): num tempo após a Bomba (guiada pelo Homem do Leme) mas morrendo-se das radiações (e com o artefacto afastado há já quase 20 meses). Hoje com Marcelo e Costa e o país menos inclinado (e já depois de levar com um triplo torpedo ‒ Barroso, Sócrates e Coelho) ‒ e estando entre 2011/2015 mesmo à beira do abismo ‒ chegando o Tempo dos Incêndios na Era da Geringonça com um Ministro em questão (MAI/Constança Urbano de Sousa/50 anos e nascida em Coimbra) e outros pedindo a demissão (sobretudo a oposição PSD/CDS mas também o BE): como se o problema fosse apenas de Um (a Ministra), mesmo sem plano de ação (por não ser prioritário) e sem conjugação de saberes (com a presença de eruditos mas sempre apoiando os Bombeiros). Constança Urbano de Sousa (especializada em direito e nomeada pelo 1º Ministro para o MAI em 26.11.2015) tendo à sua guarda os assuntos Internos assim como (direta/indiretamente tanto faz, mas integrando a cadeia) os Incêndios, a Proteção Civil e os Bombeiros.

 

“Para mim seria mais fácil pessoalmente ir-me embora e ter as férias que não tive, mas agora não é altura de demissões”.

 

“Não é nos momentos mais difíceis que as pessoas abandonam o barco. Não, não ia resolver o problema. O que precisamos de ter aqui são ações”.

 

“Quero deixar um apelo às pessoas para que adequem os seus comportamentos às situações que se estão a viver. Têm de colaborar com as autoridades e obedecer às ordens”.

 

(Constança Urbano de Sousa/observador.pt)

 

Incêndio

Local

Nº mortos

Nº feridos

Área ardida

Danos materiais

17 Junho 2017

Em redor Pedrogão Grande

(Leiria)

64

254

53.000ha

500/48/372 Casas/empresas/postos trabalho afetados; 500 milhões de prejuízos

15 Outubro 2017

Viseu, Coimbra, Guarda,

C. Branco

41

71

54.000ha

(só no dia 15)

Ainda s/dados confirmados (238 casas destruídas só em Pampilhosa da Serra)

Total

2 Eventos

105

325

107.000

(Em Atualização)

Quadro dos incêndios de Pedrogão Grande (1º Evento) e do Pior Dia do ano (2º Evento)

Valores aproximados/em atualização (17/10)

 

5.jpg

 

No dia 15 de Outubro de 2017 (um Domingo) confirmando-se o cenário já por muitos previsto (que não do Governo, das Autarquias, da Proteção Civil e dos carreiristas políticos) e devido ao tempo seco (devido a uma seca prolongada provocada pela falta de chuva), à vegetação em ponto de rebuçado (cobrindo o solo com um espesso manto sem qualquer humidade e pronto a arder) e à escassez de acessos (muitos deles por limpar e intransitáveis), com populações (aí instaladas) isoladas e de pouca densidade (espalhadas por montes e vales) ‒ e inexistentes sistemas de proteção e de segurança (das populações) ‒ repetindo-se um trágico Evento de proporções idênticas (senão pior) ao anterior, ocorrido há 4 meses em torno de Pedrogão Grande. E só a 17 de Outubro perante esta nova tragédia (não só pela mesma e pelas vítimas, como pela ausência criminosa de meios ‒ para combater os incêndios ‒ lançando populações inteiras para o interior de uma enorme Fogueira), com a presença do Presidente e face às palavras de uma presente (exigindo a demissão imediata da Ministra), se demitindo Constança (a até aí líder do MAI) por iniciativa própria e mensagem (pondo Costa também a arder) e aceite por Costa sob ultimato de Marcelo (apoiado pelas palavras duras, da senhora a ele abraçada ‒ num pedido irrecusável transmitido ao subalterno). Um exemplo de como um individuo (pelo menos sendo pratica comum e generalizada no esquema político-administrativo atualmente em vigor em Portugal) completamente desenquadrado da área sobretudo em compreensão (sendo-lhe atribuído um lugar apenas por mera nomeação superior), ocupa um cargo de Alta Responsabilidade, sem no mínimo saber algo, como por exemplo o que fazer (para além de ser um Ministro em clara autogestão, deixando-se levar pela corrente desta vez forte de mais e no final engolindo-o e só então desaparecendo). Um responsável que já há um ano dizia que já estava tudo pronto (e preparado para os Incêndios), reafirmando-o em 2017 antes do início da época (dos Fogos) e repentinamente (já com todos a clamar por reforços, investigações à Proteção Civil/e à sua ação e apoio aos desprezados Bombeiros/a única força real) sendo apanhado por um Fogo e logo depois por um outro (à segunda não sendo certamente surpresa) ‒ carregando atrás de si quase meio milhar de vítimas (entre feridos, mortos, desaparecidos e os nunca catalogados) e colocando mesmo em risco a vigência de um Governo ‒ ainda em boas graças mas queimando-se em fogo lento (para gáudio da oposição e dos incendiários).

 

No fundo sendo todos nós os verdadeiros Queimados (como sempre com o Povo a ser o Mexilhão). E como episódio irrelevante e só para entreter os políticos, com Constança Urbano de Sousa (a Ministra no pelourinho) a apresentar a demissão neste dia 18 de Outubro dia de precipitação (devendo-se talvez agradecer a uma outra senhora a chegada tão desejada da chuva, terminando de vez com os incêndios e com a incapacidade de muitos ‒ Ofélia nome de furacão).

 

Algo lógico de acontecer ao escolher-se um como nós (não sendo nós melhores até pelas consequências desse ato) ‒ ao metermos na urna um cheque ao portador e com a quantia em branco (ficando então desfalcados e sem qualquer argumento): sendo a Culpa de quem lá os põe (mesmo em Democracia sempre uma minoria) e não de quem se aproveita (apenas para ganhar dinheiro). Como sempre A Bem da Nação!

 

(imagens: TVI24/euvi@tvi.pt)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 12:05

18
Ago 17

Morte ao Patrão, Viva o Gerente e cale-se e Cabrão

 

25abril2.jpg

25 Abril 1974

Num tempo onde ainda existiam jornais e Jornalistas

(tipógrafos, contadores e construtores – mas nunca certificadores da verdade)

Agora transformados em escrevinhadores e trocadores de secretárias

 

Pouco tempo depois do 25 de Abril de 1974 e verificado tal Evento tratar-se efetivamente e apenas de um simples Golpe de Estado (e não de uma Revolução como muitos pensavam, verificando tal ser falso poucos meses depois – a festa do Povo durou apenas 1 semana entre o 25 de Abril e o 1º Maio desse ano) onde param os militares e os civis (ingénuos por apolitizados) que fizeram o tal golpe dito e sonhado como uma Revolução? Em lado nenhum – ou não tivessem sido os militares utilizados pelos capatazes (paus mandados dos patrões) para darem cabo de todos eles (os patrões seus beneméritos) abusando dos ex-colegas, simples trabalhadores e agora no fim da escola.

 

1

 

Como se já não bastasse termos sido desprezados por um Presidente dito da Republica (seu grupo restrito e financeiro de amigos, novos-ricos, de Peniche ou até mesmo pertencendo a quadrilhas de criminosos, muitos deles a contas com a Justiça ou fugidos e escondidos no anonimato ou na sombra) – com Mário Soares a conseguir os milhões ao entrar na CEE e com Cavaco Silva a distribui-lo generosamente por amigos e associados como se fosse ele o descobridor e dono do Tesouro,

 

2

 

Como se já não bastasse termos sido ludibriados por um Primeiro-Ministro implacável para com o seu Povo (roubando-o na sua remuneração do trabalho e mentindo-lhes descaradamente) e só se importando com a saúde financeira dos Bancos (onde o Povo tinha o dinheiro desaparecido entretanto e dividido entre o Bom/talvez o vejas um dia e o Mau/perde a ideia de o voltares a ver) – de tal modo que se devesses vinte (euros) e o chefe da banda fosse o Passos Coelho ficavas logo sem o restante (ou seja a casa e se necessário o recheio) indo viver para debaixo da ponte,

 

3

 

Como se já não bastasse estes dois indivíduos atrás citados (o Aníbal e o Coelho especializados em roubo e manipulação) destruindo paciente e eficazmente Portugal durante mais de trinta anos – e dando origem a supermonstros destacados e individualizados, de diversos quadrantes ditos políticos, tanto do destes como do dos outros (como Duarte Lima e José Sócrates apenas existindo como tentáculos agarrados à cabeça do polvo algarvio e chamado Silva) – e nunca esquecendo as tristes noites do reinado do Coelho em que meios mortos em casa nem saímos à rua generalizando o silêncio (à noite parecendo um cemitério),

 

549706_303977176386747_2032326239_n1249b03f.jpg

1 Maio 1974

Cidade do Porto

Num Mundo talvez de Sonho (Imaginado) transformado num Pesadelo (Real)

E como sempre banalizado (entre hordas de mortos e de feridos)

 

(ainda bem que do meio do nevoeiro surgiu o derrotado para nos salvar, com a sua geringonça e pelo menos temporariamente; vindo aí uma nova bolha criada mais uma vez nos EUA mas que os mesmos acabarão por vender como já anteriormente o fizeram à Europa, destruindo-a mais uma vez e mais um pouco por estratégia e sub-interesse face ao poderoso eixo asiático; e até mesmo com Christine Lagarde/o Strauss-Khan feminino a sugerir a mudança da sede do FMI dos EUA/detentor das impressoras para a China/maior detentor de dólares e ouro)

 

4

 

Como se já não bastasse os incêndios, a queda de andores ou até a queda de árvores − e como consequência o número crescente de vítimas logo na altura do Verão período durante o qual a esmagadora maioria do povo tem ferias (de momento perto de oitenta mortos e ultrapassando 180 feridos) – pelos vistos sendo algo de vulgar dado não existirem culpados, ninguém ser investigado e tudo já se ter passado (os mortos não protestaram e os vivos estão meio-mortos)

 

5

 

E como se já não bastasse continuarmos a ver todo o território a arder em todos os sítios e cantos onde existem árvores (continuadamente responsabilizando velhos, alcoólicos, deficientes e outros paralíticos psíquico-físicos por esses mesmos atos, deixando em liberdade os verdadeiros instigadores dos incendiários – quem paga para receber algo em troca − e os Iluminados que talvez por essa mesma rezão e devido à sua chama de intelectualidade brilhante ainda potenciam mais esses incêndios − hoje desde que se seja certificado num sector sabe-se de tudo e de todos os sectores), ainda-por-cima acabando por cobrir uma grande parte do país por um manto atmosférico de fumo denso, de odor a queimado e por vezes irrespirável (com os algarvios a chamarem os bombeiros para um incêndio local quando o mesmo decorria bem distante e a norte do rio Tejo),

 

6

 

Só faltava mesmo que no meio de toda esta desgraça social (por política) e com todos os profissionais a eles agregados e dependurados procurando protagonismo − quando deviam ser castigados por incompetência, irresponsabilidade e falta total de correspondência profissional face ao mencionado no seu certificado oficial (oportunistas procurando um emprego que não um trabalho bem remunerado) – ainda nos abanassem (os nossos deuses e santos e talvez como penitência) com dois pequenos sismos um mais acima outro mais abaixo (só para assustar talvez só para alertar) e tal como no tempo do fascismo víssemos e confirmássemos o alarme instalado entre as super-comadres, com uma tentando manter de pé a Geringonça (no tempo do anterior 1º Ministro um espaço de poder ocupado por uma guilhotina saudosamente recordada pelo seu restrito grupo de acólitos agora refugiados no armário e no entanto sempre à espreita pelo buraco da fechadura e prontos para atacar a presa) enquanto o outro (como se nada tivesse a ver com o assunto mesmo sendo eleito como nosso paizinho e tutor) tentava salvar a pele disfarçando-se de ovelha mas sendo na verdade um lobo: sabendo que findo o período e não tendo optado, um dia passará a presa sendo então perseguido pelos seus ex-amigos predadores.

 

Daí a frase que ficou e que ainda traduz o Golpe: “As Putas (como nós somos tratados) ao Poder que os Filhos (agora e face ao caos pelos mesmos instalado, julgando-se Faróis e autoproclamando-se Mentes Brilhantes e Iluminadas) Já lá estão”.

 

(imagens: projecto25a.blogspot.pt e Sérgio Valente/RR)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:41

11
Ago 16

Enquanto os incêndios na ilha da Madeira parecem estar a perder força – com o maior incêndio a registar-se na extremidade oposta à cidade do Funchal – no Continente toda a zona interior/litoral norte parece estar a arder.

 

canvas madeira.jpg

Ilha da Madeira

(hoje)

 

Imagens registadas por satélite neste dia 11 de Agosto de 2016 (à porta de um novo, quente, seco e provavelmente ventoso fim-de-semana de Verão), que no caso da Madeira parecem significar os momentos finais de um incêndio significativo (com destruição e vítimas).

 

canvas continente.jpg

Portugal Continental

(hoje)

 

Já no caso de Portugal Continental e com as condições climatéricas a convidarem ao reacendimento e até ao aparecimento de novos incêndios, prevê-se mais uma noite duríssima de combate ao fogo para todas as corporações de bombeiros, voluntários e populares.

 

Última Hora:

“A aldeia de Vilarinho das Quartas, no Soajo, Arcos de Valdevez, situada na área do Parque Nacional da Peneda Gerês (PNPG) está a ser evacuada por causa dos fogos, disse à Lusa o presidente da Câmara local.” (24.sapo.pt)

 

(imagens: worldview.earthdata.nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:54

“No incêndio da Madeira com o seu responsável máximo a chegar a recusar inicialmente a oferta de ajuda exterior (afinal de contas já tinha 50 elementos no terreno) para no final e face às dimensões do desastre apresentar números verdadeiramente dramáticos e desde já expressos em milhões (para já 55 milhões de euros só no concelho do Funchal). Qual a participação/responsabilização do mesmo?”

 

Enquanto a esmagadora maioria dos portugueses felizardos (indivíduos com algum dinheiro no bolso mesmo que seja emprestado) está a banhos no Algarve – com a nossa E-LITTLE a invadir a sua capital Albufeira (e eu a pensar como plebe que era Faro) – o resto de Portugal parece ter sido de novo entregue nas mãos dos promotores móveis de incêndios: desde as zonas do interior/litoral norte do continente (entre outros Viana do Castelo, Águeda, Aveiro e Viseu) até às encostas sul da Madeira (logo do lado do Funchal e afetando toda a costa sul da ilha).

 

canvas.jpg

Ilha da Madeira – Imagem de satélite – 10 Agosto 2016

 

Uma tradição incendiária desde há muito implementada em Portugal (por vezes interrompida até ao crescimento duma renovada zona verde) e que cada vez nos aproxima mais das áreas secas e desérticas do norte do continente africano (tendo como exemplo próximo o reino de Marrocos). Numa responsabilização que nunca poderá ser exclusivamente remetida para loucos, alcoolizados e velhinhos dementes (e mesmo para aqueles todos que imitando o maior proprietário – o Estado – não fazem por mera e lucrativa imitação a manutenção dos seus terrenos), mas estendida àqueles que assumindo a responsabilidade pelo sector tentam atirar para cima das costas de outros (entenda-se os seus subordinados) todo o ónus do desastre. Fáceis de encontrar na estrutura política e na sua máquina administrativa – concessionada por períodos de tempo pelos eleitores (eleições) e eleitos (nomeações).

 

Com os incêndios a provocarem imensa destruição na fauna/flora local, a deslocação em fuga de mais de um milhar de pessoas, a destruição de várias instalações e casas de habitação que foi encontrando pelo caminho, o aparecimento no mínimo de 5 vítimas (3 mortos e 2 feridos) e até a chegada dos incêndios ao interior da cidade do Funchal. E com notícias negativas a começarem a chegar para o turismo da Madeira, como consequência das notícias divulgadas mundialmente sobre mais esta catástrofe registada na região: com turistas a tentarem anular a sua programada estadia na ilha.

 

(imagem: worldview.earthdata.nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:10

09
Ago 16

“Um incêndio na localidade de Ameal, em Castanheira de Pera, obrigou à evacuação da praia das Rocas e está a ameaçar algumas habitações, segundo o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Leiria e o município.” (24.sapo.pt)

 

“Enquanto se banham tranquilamente nas Águas

Os Portugueses vão vendo o seu Ecossistema a Arder.”

 

image-download.jpg

09.08.2016

 

Com as temperaturas em Portugal Continental a atingirem um valor máximo médio de 38.2⁰C (a média de todas as máximas registadas), o passado Domingo (7 de Agosto) tornou-se o dia mais quente deste ano.

 

Tudo isto porque além do nosso território estar a ser afetado pelo movimento de uma massa de ar quente e seca, ainda temos os ventos de quadrante leste para ajudar a prolongar a festa.

 

Os maiores valores registaram-se nos distritos de Évora (44.8⁰C), Santarém (44.7⁰C) e Coimbra (44.6⁰C).

 

Sendo que em Lisboa as temperaturas mínimas atingiram um máximo histórico durante o período da noite (de sábado para Domingo), com o termómetro a marcar uns extraordinários 27.9⁰C – um máximo já com mais de 50 anos (27.8⁰C em 1964).

 

Uma justificação para que ainda hoje persistam vários incêndios em Portugal (nem sequer aqui incluindo o incêndio na Madeira), ajudados pela continuação das altas temperaturas, pelo baixíssimo teor de humidade dos terrenos e ainda pela presença constante de ventos de intensidade e direção variável.

 

Incêndios bem visíveis na imagem de satélite e afetando sobretudo hoje (terça-feira, 9) o litoral norte de Portugal. E como curiosidade com as temperaturas em Albufeira a registarem um máximo de 34⁰C (mais fresco em 3⁰C junto ao mar como na Praia dos Pescadores).

 

Última Hora (Funchal):

 

“O cenário de incêndios registados hoje no Funchal complicou-se a partir das 18:00, devido ao aumento da intensidade do vento e à alteração da sua direção, havendo algumas zonas com "fogo descontrolado", disse o presidente da câmara, Paulo Cafôfo.” (24.sapo.pt)

 

(dados e imagem: IPMA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:59

27
Jul 12

Se for necessário recorramos aos extraterrestres – mesmo que os achemos diferentes, não o são na realidade!

 

Clone humano intergaláctico representando a Coligação Aliada Extraterrestre

 

Fontes fidedignas de reconhecida credibilidade e há muitos anos residentes no Algarve, com acesso privilegiado a informações confidenciais de interesse notório para o desenvolvimento económico e social da região, noticiaram que alguns privilegiados se reuniram secretamente esta semana para uma troca de pontos de vista, num local ainda por identificar situado no Barlavento Algarvio, tendo como tema prioritário e fundamental de análise, a crise turística na região e os trágicos incêndios ocorridos no último fim-de-semana.

 

Apoiando as duras críticas à ação da Proteção Civil no combate aos incêndios na região de Tavira e de São Brás de Alportel, o representante da C.A.E. apoiou firmemente a opinião indignada da generalidade das entidades oficiosas presentes, que voltaram a solicitar a quem responsável o reforço das estruturas de combate aos incêndios e a sua centralização nos corpos de bombeiros, únicas estruturas com provas dadas e passado formativo, neste campo estratégico para a preservação da integridade e da independência nacional.

 

Existência de uma base subterrânea extraterrestre na proximidade do aeroporto de Beja?

 

O representante da C.A.E. informou ainda todos os presentes nesta reunião, que em defesa dos interesses da coligação tripartida da qual é representante – Extraterrestres, Chineses e Algarvios – propôs a constituição no mais curto espaço de tempo de um Conselho Criminal, para a deteção e eliminação imediata de todos aqueles que por omissão e hipocrisia, proporcionaram a ocorrência destes fenómenos artificiais e de consequências tão brutais: não se podem esquecer os crimes deixando soltos os criminosos, apenas para que alguns deles os possam continuar a praticar ou a defender e inocentar.

 

Arma de raios laser adquirida numa loja chinesa da região

 

Atónito e sobressaltado com os terríveis incêndios que deflagraram na zona sul do país especialmente no Sotavento Algarvio, um representante independente de uma organização não-governamental aliado da causa extraterrestre, colocou sobre a mesa e com a legitimidade de residir num dos locais mais afetados – local de nascimento e residência contínua dos seus pais e avós – a possibilidade de eliminar desde já da face da terra, todos aqueles que se têm servido dela com o único objetivo do aumento contínuo do seu lucro, dispondo à sua vontade e prazer – e sem um pingo de sangue de vergonha – do povo que dizem representar e defender, escravizando-os indignamente sob a bandeira da falsa salvação e da defesa da causa pública.

 

Para a concretização deste nobre objetivo e por receio de recusa da proposta a apresentar na reunião cuja ordem de trabalhos na altura ainda revelava contornos temáticos muito pouco definidos – mas com a autorização prévia da C.A.E. – foi posta à disposição do público consciente desta zona um artefacto militar defensivo com as mais avançadas tecnologias e com apreciável potência de intervenção. Todas as instruções de uso e correta aplicação acompanhavam o aparelho, nas três línguas da coligação. Não foi convocada a ASAE.

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 01:55

Junho 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO