Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


De Cá e De Lá

Sábado, 01.02.14

Vulcão Sarychev

(de cá)

 

Tal como o que acontece com todos os seres vivos existentes à face da TERRA, também o próprio planeta como um organismo vivo tem por vezes necessidade de manter os seus equilíbrios internos e externos, manifestando-se assiduamente através da ocorrência aqui e ali dos mais diversos fenómenos naturais – como é o caso dos sismos e dos vulcões. Se no primeiro caso e com excepção dos efeitos sonoros provocados, certos sismos passam por vezes despercebidos, já o fenómeno vulcânico apresenta efeitos muito mais intensos e significativos, desde os efeitos sonoros provocados pelas fortes erupções até aos efeitos visuais provocados entre outros, pela lava saída do seu interior.

 

Sarychev visto do espaço

(ISS)

 

Neste caso trata-se do vulcão SARYCHEV localizado nas ilhas Kuril – um conjunto constituído por mais de cinquenta ilhas situadas a nordeste do JAPÃO – tendo esta imagem sido recolhida a 12.06.2009 a partir da Estação Espacial Internacional, na fase inicial de mais uma das suas erupções: como se pode ver o vulcão lançou para a atmosfera uma extensa pluma de cinzas e outros materiais piroclásticos de cor acastanhada – acompanhados ainda por uma corrente vertical de cor esbranquiçada – acabando todos estes materiais expulsos por atingir grandes altitudes e por encobrir parcialmente a luz vinda do Sol. A última grande erupção (também com produção de lava) registou-se em 1989.

 

Cometa Siding Spring

(de lá)

 

Ao contrário daqueles corpos celestes que nos acompanham visualmente durante toda a nossa curta vida – duma forma directa utilizando exclusivamente o nosso órgão da visão ou duma forma indirecta recorrendo a instrumentos ópticos – os COMETAS têm órbitas de tal forma excêntricas no espaço (e como tal extensas no tempo), que na esmagadora das vezes só os vemos bem lá ao longe e uma única vez na vida, a atravessarem o SISTEMA SOLAR a caminho do seu periélio. Vindos da cintura de Kuiper (ainda no interior do sistema) ou das mais escuras e profundas zonas do Universo exterior, estes viajantes misteriosos apresentam-se sempre perante a Humanidade rodeados duma auréola de medos e de incertezas – mas simultaneamente de encantos e de belezas – sentimentos talvez provocados por factos ocorridos no passado com outros astros seus semelhantes e em que estes poderão ter tido participação directa (provocando alterações climáticas temporárias – sismos, erupções, tempestades) ou indirecta (por associação aleatória de factos mesmo que estabelecida duma forma incorrecta – peste e outras doenças). Mas o seu lado encantador – por ser único e misterioso – com o seu núcleo, cabeleira e cauda estendendo-se por milhões e milhões de quilómetros deste espaço infinito, marcando duma forma ostensiva e poderosa a sua presença secular, acabam sempre por emergir e por nos colocar de novo na sua contínua demanda. Talvez como se fosse um dos muitos mensageiros de Deus viajando pelo mundo fora à procura do novo sujeito a fecundar e do próximo organismo vivo a conceber.

 

Siding Spring visto do espaço

(NEOWISE)

 

A partir do telescópio espacial NEOWISE (recentemente reactivado) a NASA oferece-nos esta imagem do (ainda) distante cometa C/2013 A1. Tendo um encontro marcado com o planeta MARTE por onde passará num voo rasante a 19 de Outubro deste ano, este cometa também conhecido como SIDING SRING encontrava-se no passado dia 16 de Janeiro a mais de 570 milhões de quilómetros do Sol. A aproximação deste corpo celeste ao planeta Marte irá decorrer durante as próximas oito semanas e meia e se por um lado o perigo duma provável colisão parece impossível de se concretizar, por outro lado o cometa poderá passar tão perto do planeta que este último corre o sério risco de ser envolvido por todo o material que segue, logo atrás do núcleo central do astro-viajante.

 

(imagens – space.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:58

Cometa C/2013 A1 ao encontro de Marte

Quinta-feira, 30.01.14

“Comparado com ISON (para os terrestres) o espectáculo proporcionado pelo cometa SIDING SPRING será indescritível (para os marcianos)”

 

Trajectória do cometa

 

No dia 19 de Outubro de 2014 o cometa C /2013 A1 passará a uma distância do planeta Marte situada entre um mínimo de 89.000Km e um máximo de 173.000Km (*) – segundo os últimos cálculos realizados. Isto se por acaso não colidir com o planeta, hipótese considerada muito remota. O cometa foi descoberto no dia 3 de Janeiro de 2013, apresentando um diâmetro (estimado) compreendido entre 1 e 3Km. Na sua passagem nas proximidades do Planeta Vermelho provocará uma intensa chuva de meteoritos, a qual já é considerada um acontecimento único e proporcionador dum momento épico, pelo menos no que diz respeito a Marte e aos seus improváveis habitantes, os marcianos. Deslocar-se-á na altura a uma velocidade média de 56Km/s.

 

Passagem do núcleo, da cabeleira e da cauda do cometa

 

No distante planeta Marte a NASA contará com a presença dos seus representantes aí colocados e que terão o privilégio de acompanhar este acontecimento histórico em directo. Isto se tudo não passar de mais um imenso flop como foi o caso do grande fracasso de previsão cometido com Cometa do Século (o cometa ISON, que se desintegrou ao atingir o seu periélio e que deixou meio mundo a olhar para o céu sem nada para ver).

 

Par de Corpos Celestes

Distância entre eles (km)

Terra – Lua

356.577 – 406.655

Marte – Cometa (*)

89.000 – 173.000

Tabela de distâncias

 

Como podemos constatar pela tabela anterior o cometa C/2013 A1 também conhecido como SIDING SPRING, passará a uma distância inferior a metade da distância que separa o nosso planeta (a Terra) do seu único satélite natural (a Lua). A única preocupação advém das consequências negativas que poderá provocar a passagem rasante do cometa nos equipamentos instalados no solo de Marte ou movimentando-se na sua órbita: é que durante a passagem do cometa C/2013 A1 nas proximidades do planeta Marte, “a sua cabeleira e a sua cauda” envolverão o planeta e todo o espaço situado à sua volta, com um extenso manto de gás e partículas.

 

(imagens – Web)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 12:36