Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

03
Jan 17

O único corpo celeste a que até hoje tive verdadeiramente acesso foi o planeta Terra local onde sempre vivi: todo e qualquer outro corpo até agora vislumbrado feito à vista desarmada ou utilizando suplementos (óticas).

 

Como o Sol (e as suas manchas solares), a nossa Lua e até o distante Saturno (e os seus famosos anéis) – mas nunca esquecendo as estrelas iluminando de noite o céu e as estrelas-cadentes (pequeníssimos meteoritos) perdendo-se na escuridão.

 

Meteorito e vulcão isso não.

 

C0vgaVnUUAQk_Et.jpg large.jpg

Meteorito no céu noturno da Guatemala

(28.12.16)

 

No dia em que a tradicional chuva de meteoritos (resultado da desintegração de um cometa ou de um asteroide) provenientes da direção da outrora e agora extinta constelação QUADRANTIDS atinge o seu pico máximo de registos (na madrugada do dia 3 Janeiro) – e em que os observadores localizados no Hemisfério Norte poderão ter o prazer de usufruir desse fenómeno no início de todos os anos – eis que na América Central os seus observadores mais atentos acabam de registar no passado dia 28 de Dezembro (passada 4ª feira) a passagem de um objeto voador atravessando os ares da Guatemala, El Salvador, Nicarágua e Costa Rica.

 

m1.jpgm2.jpg

(1-2)

Meteorito atravessando o céu da Costa Rica

 

Aparentemente com o objeto desintegrando-se sobre a Guatemala, mas com outros testemunhos relatados durante o mesmo período de tempo a afirmarem o mesmo ter atravessado a Costa Rica, passando mesmo sobre o seu vulcão TURRIALBA atualmente ativo (em erupção). Pela sequência de passagem nos diversos territórios e apesar de serem relatos diferenciados no espaço podendo tratar-se do mesmo objeto cruzando os céus de sul para norte (4:22 UTC observado na Costa Rica e 4:28 UTC observado na Guatemala). Algo que muito naturalmente surpreendeu todos aqueles que iam observando a erupção do vulcão Turrialba.

 

m3.jpg

(3)

Sobrevoando os céus na proximidade do vulcão Turrialba

 

Numa travessia da atmosfera terrestre que para os observadores locais terá durado cerca de 30 segundos, mais certamente tratando-se de um meteorito mas para alguns devido à velocidade apresentada podendo tratar-se apenas de lixo espacial. Mas que na realidade provocou um acontecimento visual não muito comum de se ver, ao depararmo-nos perante um vulcão em plena erupção a ser sobrevoado por um objeto voador desconhecido deixando atrás de si todos os fragmentos provocados pela sua progressiva desintegração: um vulcão do planeta Terra sendo visitado por um viajante, alienígena e fixando aqui residência.

 

(imagens: watchers.news)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:48

10
Abr 16

O Super Vulcão

 

“Three super-eruptions at Yellowstone appear to have occurred on a 600,000-700,000 year cycle starting 2.1 million years ago. The most recent took place 640,000 years ago – suggesting Yellowstone is overdue for an eruption.”

(bbc.co.uk)

 

yellowstone-magma-pocket.jpg

A enorme caldeira vulcânica debaixo de Yellowstone

 

Já com tantos desastres a acontecer em terra (naturais e artificiais) e contando ainda com a ameaça proveniente de todos os objetos conhecidos ou desconhecidos em aproximação ao nosso planeta (como o para já teórico NONO PLANETA), só nos faltava mesmo virem-nos agora relembrar de mais um pormenor que diretamente para uns e indiretamente para outros, poderia também pôr em causa o eco ambiente onde habitamos e a nossa sobrevivência: o SUPERVULCÃO norte-americano localizado no estado do Wyoming e conhecido pelo nome da sua enorme caldeira (com uma área de quase 4.000Km²) e pelo parque natural onde está inserido – YELLOWSTONE.

 

Com os especialistas neste tipo de fenómenos a voltarem a falar na forte possibilidade de um dia destes o vulcão entrar de novo em erupção (a sua última grande erupção ter-se-á registado há cerca de 360.000 anos), afetando imediata e diretamente metade do território dos EUA e pondo em causa de, no mínimo no prazo de algumas décadas, algum tipo de vida aí poder sobreviver. Provocando uma imensa destruição, no mínimo 1.000.000 de mortos em toda a região rodeando o vulcão, muitos outros milhões de feridos e desalojados e certamente o colapso dos EUA. Para já não falar das consequências (em todas as áreas) para o resto do mundo.

 

E como assim para ajudar à festa, com a USGS a informar-nos (ou então a avisar-nos) ainda com mais detalhe para as graves consequências caso algum dia destes se concretizasse um EVENTO deste calibre (ao nível de extinção): culturas completamente destruídas, exterminação de muitas espécies, contaminação dos cursos de água, aumento exponencial de doenças respiratórias e ainda o desmoronamento de todas as infraestruturas básicas de apoio à sobrevivência do Homem. Já imaginaram um mundo em que a potência que hoje tudo domina e tudo controla (a seu bel-prazer e sem qualquer tipo de contestação ou necessidade de ajuda), um dia desapareça do mapa sem nos deixar algo ou sequer nos avisar?

 

Yellow-Stone-430277.jpg

Um vulcão em contagem decrescente e muito perto do zero

 

No entanto e apesar de tudo aquilo aqui exposto segundo esses mesmos especialistas poderemos estar descansados: um vulcão deste tipo muito provavelmente não entraria em erupção nos próximos 10.000 anos (segundo a USGS).  O que vindo de autoridades tão credenciais no mundo da sismologia e da vulcanologia nos poderia deixar mais descansados, mas como preposição (supostamente) verdadeira sendo imediatamente neutralizada pelos não menos especialistas da Fundação Europeia da Ciência – destacando estes que uma erupção vulcânica desta dimensão além de poder originar uma tragédia a nível planetário muito mais grave do que a provocada por um impacto de um asteroide com a Terra, poderia lançar simultaneamente o nosso planeta e todas as espécies aí existentes num período de alterações climáticas extremas no mínimo de 1.000 anos.

 

Nunca esquecendo que segundo esses mesmos cientistas o intervalo (previsível) de 10.000 anos para uma nova grande erupção na caldeira do SUPERVULCÃO de YELLOWSTONE poderá ser demasiado extenso, podendo o mesmo Evento ocorrer num tempo muito mais próximo e ainda mesmo este século. Talvez contando ainda com o contributo suplementar do hipotético NONO PLANETA (circulando no interior ou muito próximo do Sistema Solar), que segundo muitos cientistas poderá na realidade existir (foram detetadas algumas variações no comportamento de certos objetos pertencentes ao Cinturão de Kuiper) e que segundo muitos outros curiosos (da ciência) existirá mesmo, estará cada vez mais perto de nós e acabará com a sua presença por perto, por nos afetar e tocar (e ao planeta Terra). Veremos o que acontece atá ao ano 2100.

 

(imagens: WEB)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 12:02

24
Jul 15

Maiores eventos sísmicos registados em Portugal Continental desde o início deste ano de 2015 e afectando sobretudo a zona sul do nosso país (à excepção do caso de Sintra aqui inserido por ser o último registado na rede antes do de Monchique e servindo como termo de comparação):

 

Data Magnitude (Ritcher) Epicentro Profundidade
22.07 3.4 5km NE Monchique 4km
19.07 3.2 4km oeste Sintra 18km
31.03 3.3 40km O/NO Cabo S. Vicente 26km
11.03 2.8 16km SO Albufeira 22km
03.03 2.5 6km SO Loulé 8km
13.02 3.9 (Aumento da actividade sísmica na zona do Banco D. João de Castro) (Localizado em pleno oceano entre a ilha Terceira e de S. Miguel)

(Estações da Rede Sísmica do Continente)

 

No mapa seguinte fornecido pela organização EMSC/Earthquakes a serem também salientados os sismos ocorridos nos últimos quinze dias em Portugal Continental, destacando-se entre eles os quatro pontos assinalados a amarelo (3, 4, 5 e 6) e uns outros quatro pontos (1, 2, 7 e 8) assinalados a branco (observando da esquerda para a direita) – com a indicação adicional de local/região/data/profundidade/magnitude:

 

T34_44_-12_-2.2weeks.jpg

Sismos registados na zona Euro Mediterrânica
(Portugal – últimos quinze dias)

 

1: Açores – Cabo de S. Vicente – 14.07 – 7km – 2.3
2: Açores – Cabo de S. Vicente – 10.07 – 31km – 2.0
3: Continente – Lisboa – 18.07 – 15km – 3.2
4: Continente – Monchique – 22.07 – 18km – 3.4
5: Continente – Castro Verde – 22.07 – 6km – 2.4
6: Continente – Fronteira sul Portugal/Espanha – 20.07 – 19km – 2.4
7: Estreito de Gibraltar – Mediterrâneo – 10.07 – 77km – 2.6
8: Estreito de Gibraltar – Mediterrâneo – 16.07 – 10km – 2.5

 

(sequência cronológica: 7, 2, 1, 8, 3, 6, 4, 5)

 

img_757x426$2015_07_22_23_21_28_473663.jpg

O Comandante dos Bombeiros de Monchique

 

Tudo isto a propósito de dois dos últimos sismos registados em Portugal (a 18 na região de Lisboa e a 22 na região de Monchique) ambos com magnitudes acima de 3. Nos dois casos não se tendo verificado danos pessoais ou materiais. Mas o que me mais interessa é o de Monchique, até porque é o que fica mais perto (de Albufeira) e por possuir uma conhecida fonte de águas termais (nas termas das Caldas de Monchique). Apenas porque quando aqui cheguei ainda ouvi falar do (actualmente inexistente) vulcão de Monchique, que sempre entendi como uma mensagem de que naquela zona de barreira do Barlavento Algarvio há muitos milhões de anos teriam existido manifestações eruptivas e escorrências de correntes de lava (como alguns vestígios de cones vulcânicos localizados em Lagos ainda comprovam), no presente resumidas a manifestações mínimas de movimentos (e manifestações) geológicos externas da Terra, através do aparecimento à superfície deste tipo de águas vindas do seu interior e com características termais (e curativas).

 

(dados: ipma.pt – imagens: emsc-csem.org e cmjornal.xl.pt)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:13

23
Jun 15

“Num Mundo onde a Espécie Dominante (o HOMEM) não respeita a Natureza e o Ambiente que a sustenta (a TERRA), nada mais é necessário dizer em defesa da Mesma.”

 

Tendo de novo entrado em erupção no passado dia 19 de Junho (sexta-feira), o vulcão do Monte SINABUNG (localizado na Indonésia) volta a ameaçar as populações habitando em seu redor. Aconselhadas há muito a abandonarem esta zona perigosa (toda a zona envolvendo o vulcão tem-se mantido nos últimos tempos extremamente instável), as populações têm resistido até ao último segundo em deixar para trás a sua casa e todos os seus bens, ainda por cima situadas numa zona agrícola tão fértil e tão rica.

 

2354346576879.jpg

Vulcão do monte SINABUNG em erupção
Karo
Igreja abandonada numa das encostas
(Sumatra – Indonésia)

 

Mas a natureza não se limita a obedecer ao que nós pensamos e desejamos obter dela: tratando-nos como a restante matéria, a sua transformação é ininterrupta e evolutiva, sendo os seres humanos apenas mais um elemento constituinte deste puzzle infinito e sempre indefinido. Hoje em dia o Homem continua a ser unicamente mais uma das muitas peças não significativas da grande máquina: nunca se conseguindo impor como espécie dominante e desse modo (como consequência desse trauma) entretendo-se a destruir a própria espécie. E para além disso em vez de contemplar como prioritário o melhoramento do relacionamento do Homem com a Terra, nunca querendo assumir os seus limites respeitando o de todos os outros e com isto recusando o seu lugar bem abaixo na hierarquia do Universo. E se fossemos frangos de aviário?

 

(imagem – rt.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:27

03
Jun 15

Mais uma vez e talvez agora de uma forma muito mais violenta, o vulcão indonésio SINABUNG ameaça entrar em erupção a qualquer momento: sem aviso e provocando desde já a fuga de milhares.

 

CGCSrJUUsAAaFTV.jpg

Indonésia – Vulcão do Monte Sinabung

 

Enquanto sismólogos e vulcanólogos espalhados por todo o mundo continuam bastante activos nas suas observações e registos diários dos mais relevantes eventos envolvendo alterações geológicas como terramotos e vulcões, no oceano Pacífico e para não destoar do estado actual de desenvolvimento dos movimentos da crosta terrestre (e do seu interior), a actividade sísmica e vulcânica no Círculo de Fogo têm-se mantido em níveis elevados e preocupantes.

 

Depois do mais recente sismo de magnitude 8.5 registado nas costas do Japão (com epicentro localizado a quase 900km de Tóquio a cerca de 600km de profundidade), eis que agora é o vulcão do monte Sinabung a colocar uma região da Indonésia em estado de alerta, obrigando à evacuação de mais de 6.000 pessoas.

 

Com o crescimento da quantidade de lava produzida nos últimos dias pelo vulcão e por motivos óbvios de segurança, procedeu-se à evacuação de toda a área em redor do vulcão num raio de 7km.

 

No entanto os especialistas temem que com este recrudescimento de actividade do vulcão Sinabung (e devido ao efeito das fortes pressões exercidas pela circulação da lava), aliado à fragilidade das encostas que o mesmo já apresenta, o seu cume possa em qualquer instante entrar em colapso e dar origem ao aparecimento de uma perigosíssima nuvem piroclástica.

 

(imagem – Janine Krippner/@janinekripper)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:43

28
Abr 15

“Mesmo que nos proíbam de ler e de pensar poderemos sempre viajar: percepcionando e imaginando. Como nos sonhos. Para que confirmem a realidade.”

 

A Natureza comporta uma variedade tão grande de texturas e de cores, que em determinadas situações e originadas no ventre de sua mãe (a Terra), a mesma nos pode proporcionar momentos de estupefacção, de medo e de puro prazer.

 

calbuco-5.jpg

Erupção no vulcão Calbuco
(Chile – 22.04.2015)

 

Na imagem anterior temos um desses exemplo (em que se impõe o usufruto), com o quotidiano monótono mas habitual de um determinado número de pessoas vivendo tranquilamente o seu dia a dia, a ser inopinadamente perturbado e interrompido por um fenómeno fora do normal, gerador de medos e incertezas mas motivador e multiplicador de desejos. Ou não fossem os órgãos dos sentidos a fonte da bossa emoção.

 

(imagem – Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 02:06

08
Dez 14

Vulcão da Ilha do Fogo intensifica de novo a sua actividade
Depois de destruir a localidade de Portela seguiu-se-lhe Bangaeira
E com a lava do vulcão a continuar a avançar rapidamente

 

Quando o vulcão da Ilha do Fogo parecia estar a entrar numa fase de aparente acalmia, eis que este volta a aumentar de actividade durante este fim de semana, expelindo mais lava para o seu exterior e fazendo com que a mesma começasse de novo a avançar sobre o terreno que o rodeava.

 

_79451311_79451310.jpg

 

E depois de destruir quase na sua totalidade a pequena localidade de Portela, a lava continuou a avançar sobre a localidade da Bangaeira, acabando também por a atingir com grande intensidade destrutiva (70% da localidade já destruída).

 

_79452282_79452281.jpg

 

O avanço agora mais rápido da corrente de lava sobre o terreno (a lava está agora mais fluida) tem destruído tudo à sua passagem, desde culturas, casas, estradas e outras infra-estruturas básicas.

 

fogo_lava_flow_dec_7_2014.jpg

 

O que tem dificultado a evacuação imediata de muitas pessoas em perigo, dado muitas das estradas estarem cortadas e muitos locais serem de acesso difícil ou estando mesmo inacessíveis (devido à presença de grandes barreiras incandescentes e fumegantes de lava do vulcão).

 

_79451958_79451957.jpg

 

E com a lava a deslocar-se agora a uma velocidade de mais de 700 metros por dia (velocidade superior à da semana passada) e sem sinais de abrandamento da actividade do vulcão da Ilha do Fogo, o futuro de toda esta ilha que faz parte do arquipélago de Cabo Verde poderá estar em causa, se entretanto e como aconteceu na última erupção de 1995 o vulcão não acalmar e acabar de novo por adormecer.

 

(imagens: bbc.com e thewatchers.adorraeli.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:18

02
Dez 14

Vulcão em Erupção

 

2254.jpgCAPE VERDE VOLCANO ERUPTION b.jpg

 

Na república independente de Cabo Verde o vulcão da ilha do Fogo entrou de novo em erupção. Tendo despertado há já vários dias do seu prolongado silêncio de quase duas décadas (a última erupção registou-se em 1995), o vulcão tem vindo nos últimos tempos a expelir lava para o seu exterior, a qual no seu trajecto lento em direcção ao mar tem vindo a destruir culturas, estradas e casas de habitação, pondo em causa toda a organização social e a sobrevivência local.

 

CAPE VERDE VOLCANO ERUPTION.jpg

 

E Talvez Acalmia

 

“A Chã das Caldeiras acordou esta manhã de segunda-feira, 01, mais calma. Houve um abrandamento da intensidade sísmica e as lavas que se moviam para a Portela em direcção ao Sul estão paradas. A única via alternativa que dá acesso à Chã não foi afectada. A outra preocupação neste momento é com a emissão de gases, uma média de 8.000 toneladas de dióxido de enxofre por dia. Nos últimos dias, tem sido possível detectar o cheiro a enxofre nas zonas de Patim, Monte Grande e na Cidade de São Filipe. Já nas zonas mais próximas da Chã, regista-se uma queda de areia fina.” (asemana.publ.cv)

 

(imagem – Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:57

23
Nov 14

Na antiga colónia portuguesa (e agora estado independente) de Cabo Verde, o vulcão de Chã das Caldeiras entrou em erupção. De modo a tranquilizar a sua população a Ministra da Administração Interna informou que “a situação estaria sob controlo”.

 

vulcao-1.jpg

 

Sendo Cabo Verde um arquipélago (com nove das suas ilhas habitadas) e tendo a sua capital situada na ilha de Santiago, é na ilha do Fogo e no seu Parque Nacional que encontramos o foco desta última erupção (na zona de Mosteiros).

 

fogo_1.jpg

 

Além do material lançado para a atmosfera o vulcão tem também começado a expelir lava a partir de dois pontos diferentes. Podendo segundo um especialista atingir dimensões idênticas às de 1951, considerado um dos piores em muitos anos.

 

(imagens – oceanpress.info)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 21:42

28
Set 14

“Ontake is a major sacred mountain, and following older shamanistic practices actors and artists have gone to the mountain to put themselves into trances in order to get divine inspiration for their creative activities.”

(wikipedia.org)

 

 

 

A erupção do segundo maior vulcão japonês localizado no Monte Ontake e iniciada sem qualquer tipo de aviso prévio no último sábado, já provocou até ao momento mais de trinta mortos e mais de meia centena de desaparecidos (que poderão estar vivos ou mortos): aqueles que não conseguiram escapar à avalanche súbita de pedras e de cinzas expelidas subitamente pelo vulcão (e que os engoliu literalmente), devido à velocidade e toxicidade desta espessa nuvem vulcânica. E a nuvem que os engoliu era tão densa e pesada e as cinzas tão intensas e penetrantes, que nem ver ou respirar se conseguia.

 

 

Cerca de 250 pessoas foram apanhadas de surpresa durante a sua visita à zona em redor do cume do vulcão – um passeio turístico usual nesta altura do ano para observar (além do vulcão) a queda das folhas do Outono – não tendo existido nenhum aviso prévio ou outro tipo de alerta: os responsáveis apenas tinham registado pequenos sismos na região, mas nada de preocupante ou que pudesse sugerir o que depois se iria passar. E enquanto todos passeavam tranquilamente aproveitando o que de belo a Natureza lhes oferecia Ontake entrou em erupção.

 

 

A queda de cinzas foi de tal forma rápida e intensa que em muito pouco tempo cobriu com um espesso manto de pó toda a zona envolvendo o Monte Ontake: cinzas vulcânicas extremamente tóxicas e atingindo quase 20cm de espessura. Num local considerado um interessante roteiro turístico, excelente para a realização de grandes caminhadas entre a natureza, bem fornecido de refúgios de montanha e outros locais de descanso e abrigo e atravessado por caminhos bem assinalados e construídos. Mas o problema é que a Natureza é sempre imprevisível e jamais o Homem a conseguira dominar: só mesmo destruindo-se!

 

(imagens – Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:27

Outubro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9


22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO