Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Covid-19 PT/21.07

Quarta-feira, 21.07.21

Tendo-se de recuar a 10 de fevereiro de 2021 (então com 4.387 Infetados/dia) ─ aí com a “vaga de janeiro” já na sua fase descendente para se atingir um nº de Infetados/dia superior ao de hoje (4376 Infetados/dia) e por outro lado tendo-se de recuar a 22 de março de 2021 (então com 16 Óbitos/dia) ─ aí já em fase de Desconfinamento ─ para se atingir um nº de Óbitos/dia superior ao de hoje (13 Óbitos/dia), confirmando-se mais uma vez (como se tal fosse necessário tendo existido uma vaga idêntica, mesmo que de menor intensidade e notando-se menos, no Verão anterior) esta “vaga intermédia de Verão”: de momento com o seu pico de atividade a estar previsto (conforme os especialistas e as suas versões ) entre a 1ª semana de agosto e meados desse mês.

Imagem1.jpg

Na região de turismo do Algarve como na sua capital administrativa Faro, ou turística como Albufeira, ou mesmo outro concelho qualquer do litoral ou do interior, lá vivendo igualmente algarvios e outros residentes permanentes (e temporários, nacionais como estrangeiros), com a crise económica e social a alastrar-se/agravar-se ainda mais este ano, depois de ter entrado em coma (a partir do Verão de 2020), arriscando-se a nunca mais de lá sair, tendo de optar entre manter-se vivo (artificialmente, com ajuda exterior) ou deligar as máquinas (de suporte de vida). Numa região sem alternativa, dada a sua “monocultura turística” e ainda-por-cima com um parâmetro dito de Saúde, mas de obtenção indireta (depois de “tratamento”) ─ o “Algoritmo” deles ─ a sobrepor-se a todos e a decidir tudo.

Imagem2.jpg

Na evolução dos diferentes parâmetros Covid-19 (infetados, internados, casos graves/críticos, óbitos) nestes últimos 7 dias, com os valores a manterem ainda a mesma tendência de crescimento (mas muito menor nas consequências como óbitos, se comparadas com os da vaga anterior), no entanto nunca indo atingir números semelhantes ao registados em janeiro 2021. Com os dois parâmetros indiretos resultantes de combinações, equações, fórmulas e outros fatores, um ou outro talvez desconhecido ou injustificado ─ R(t) e taxa de Incidência (nº de casos/100.000 habitantes num período de 14 dias/2 semanas) ─ um deles o R(t) mantendo a sua tendência de descida (1,14 para 1,09), o outro a taxa de Incidência a sua tendência de subida (336,3 para 409).

(dados: dgs.pt ─ imagens: Produções Anormais)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:50

UK Covid-19 Freedom Day

Segunda-feira, 19.07.21

“Na Inglaterra enquanto os jovens sem qualquer tipo de restrições e muitos deles nem sequer estando vacinados, faziam a contagem decrescente para se atingir o dia 19 (passagem de domingo, para segunda-feira) ─ como se se tratasse, da Passagem de Ano ─ na manhã do denominado “1º Dia de Liberdade” (o mesmo dia) os trabalhadores mantendo as mesmas medidas de segurança e de proteção, mesmo estando percentualmente mais vacinados, mantinham o procedimento normal tido nos dias anteriores (semana de trabalho). Os primeiros (os mais jovens, melhores transmissores do vírus) não usando máscara, os segundos continuando a usá-la (mas mesmo que vacinados e por causa dos outros, podendo recair).”

Screenshot 2021-07-19 at 18-33-38 Revelry, and ala

Dia da Liberdade Reino Unido 19 julho 2021

 

Neste dia 19 de julho de 2021, mais de 16 meses depois do início da Pandemia de Covid-19 (dia que ainda há poucos dias e segundo os Conservadores, apoiados pelo 1º Ministro Boris Johnson, se propunha poder ser declarado, dada a relevância da data, como “feriado nacional”), é declarado finalmente e no cumprimento do prometido pelas autoridades do Governo (algo já por diversas vezes adiado) o “Dia da Liberdade”: deixando para trás todas as restrições (de prevenção e de segurança) até ontem utilizadas contra esta Pandemia, baseando-se a justificação para tal ato e mudança radical de procedimento, na já grande percentagem de pessoas (completamente) vacinadas, mesmo podendo não ter atingido ainda a tão falada e não menos controversa (para uns 70%, para outros só aos 100%)  “imunidade de grupo”.

Imagem1.jpg

Covid-19 Portugal 2021

 

A 17 de julho (segundo a “ourworldindata.org”) com o Reino Unido a ter 53% da sua população completamente vacinada (Portugal 46%) ─ ainda o Reino Unido na vanguarda Mundial no nº de vacinações completas ─ e 15% só com 1 de 2 doses aplicadas (Portugal 18%) ─ sendo agora o líder no nº de pessoas só com 1 dose de 2, o Canadá (pouco mais de 20%); globalmente com mais de 26% da população Mundial já tendo recebido pelo menos 1 de 2 doses da vacina, tendo-se administrado no total mais de 3,7 biliões de doses, numa média atual de quase 30 milhões de vacinas/dia. Mesmo para o Reino Unido, nem sequer tendo atingido os 60% de completamente vacinados e como tal estando ainda longe do valor “mínimo e limite para a imunidade de grupo” (os tais 70% iniciais), sendo evidente tal medida ser tomada cedo de mais, contrariando a esmagadora opinião das autoridades científicas e quando ainda-por-cima assistimos a uma nova “vaga intermédia de Verão” do coronavírus (outra estirpe/variante, agora a “delta”).

Imagem1.jpg

Covid-19 Algarve 2021

 

E se a vacina contra o vírus SARS CoV-2 e a doença a este associado a Covid-19, tem surtido resultados como se parece confirmar com os números apresentados (de Infetados/Internados/Óbitos) nesta nova “vaga de Verão” (se comparada com a anterior, a de janeiro 2021) ─ com o crescimento do nº de Infetados a não se refletir como anteriormente no nº de Óbitos, sendo o valor deste último (parâmetro) muito menor (antes por cada 100 Infetados originando-se 5,5 mortes, depois por cada 100 Infetados originando-se 0,2 mortes, 25X menos) ─ também se tendo de mencionar que praticamente nenhum país tendo até hoje atingido sequer os 50% de completamente vacinados (exceção feita ao Reino Unido, ao Canadá e a Espanha), utilizando-se uma vacina de 2020 quando já deveríamos ter a de 2021 (no mínimo um reforço).

Um dia em que Portugal registou +1.855 Infetados (UK, +39-950), +8 Óbitos (UK, +19), com 1.032 doentes hospitalizados (+51 doentes do que ontem, com 181 em UCI). Com a região do Algarve a apresentar +231 Infetados e +2 Óbitos (hoje, 25% do total nacional). Na campanha de vacinação com mais de 4,7 milhões de portugueses completamente vacinados (46%) e com mais de 6,5 milhões (64%) com 1 dose de 2 (a serem administradas), dados de ontem.

(dados: dgs.pt ─ imagens: Alberto Pezzali/Associated Press/latimes.com

e Produções Anormais)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:42

“Não Temer o Vírus” e “Vacinar, Vacinar, Vacinar”

Domingo, 18.07.21

[Sendo necessário, em ritmo militar.]

No final deste domingo 17 de julho de 2021, 2º ano Covid-19 (a caminho do 17º mês) e 1ª ano de vacinação (a caminho do 7º mês), das quase 10,5 milhões de doses administradas, com perto de 4,2 milhões estando já completamente vacinados (40%) e com perto de 6,3 milhões tendo tomado 1 de 2 doses (60%). Obra de um militar (de 60 anos), quando muitos civis com a mesma idade (ou mais novos), já estão reformados (ou prontos para se transferirem, feito o seu estágio no setor público, para o seu verdadeiro mundo a iniciativa privada).

Imagem2.jpg

Infetados

1 de Janeiro 2021 a 15 de Julho de 2021

 

Determinando a razão entre o Nº de Infetados e o Nº de Óbitos ao longo deste ano de 2021 (durante 196 dias/28 semanas/14 períodos), em três pontos distintos dos respetivos gráficos ─ ponto inicial, ponto de pico máximo e ponto final ─ chegando-se à conclusão de que se no ponto inicial o Nº de Infetados era 70X o Nº de Óbitos (no ponto de pico máximo 51X), já no seu ponto final o Nº de Infetados era 453X o Nº de Óbitos: sendo pois muito menor as consequências mortais, mesmo com um nº muito superior de Infetados (com Covid-19).

Algo fácil de constatar observando-se e comparando-se os dois gráficos (aqui representados), muito semelhantes na sua evolução (no mesmo período de tempo e atravessando a vaga anterior) exceção feita à sua “fase final” com a curva de “Infetados” a ser bem mais expressiva do que a ligeiríssima curva de “Óbitos”.

Imagem3.jpg

Óbitos

1 de Janeiro de 2021 a 15 de Julho de 2021

 

Podendo-se desde já destacar dois fatores podendo ter contribuído maioritariamente para a diminuição desta correspondência ─ diminuindo muitas vezes mais, o nº de mortes ─ apesar de mais contagioso sendo esta variante do vírus muito menos “mortal” (talvez mais graças a Nossa Sra. de Fátima, nunca à civil M. Temido de A. S.) e com a campanha de vacinação em curso sendo uma arma fundamental (podendo tornar-se num êxito, graças à liderança de um militar. H. G. e Melo) para diminuir drasticamente as vítimas desta luta prevendo-se prolongada.

Tentando-se agora adivinhar o que se seguirá a esta “vaga de Verão”, quando a vaga que antes mais se temia, seria aquela a surgir depois do Verão (fim do 3º trimestre/início do 4º trimestre de 2021): por essa altura e mantendo-se o ritmo (do “militar”), com 100% da população portuguesa completamente vacinada.

(dados: dgs.pt imagens: Produções Anormais)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:09

Covid-19 PT ─ Temido Será o Vírus

Sexta-feira, 16.07.21

Quando Portugal regista (desde março de 2020) um total de 923.474 Infetados e 17.194 Óbitos (e ainda com 949 hospitalizados); e dos cerca de 10,2 milhões de portugueses (no fim do dia 15 de julho, faltando ainda o dia de hoje, 16 de julho) com 4,1 milhões completamente vacinados (uns 40%) e a caminho dos 6,2 milhões com 1 dose de 2 administrada (uns 60%).

Num momento em que a Ministra da Saúde dá mais importância ao tratamento de dados (Transmissibilidade e Incidência) ─ para posteriormente, justificar as suas ações ─ do que aos próprios dados (Infetados/dia, Internados, UCI e Óbitos/dia) ─ divulgados, antes de “tratados” ─ pondo de lado os parâmetros favoritos da Ministra (indiretos, utilizando equações e fórmulas), optando pelos mais visíveis (os resultando de observação direta) e não me deixando levar pela “Matriz de Risco” ─ tão acarinhada pela Ministra (talvez pela forma, talvez pela apresentação, talvez pelas cores) ─ apresentando aqui dois gráficos (1 e 2) podendo-se consultar a evolução da epidemia (de Covid-19, desde 25 de janeiro de 2021), posteriormente passando a pandemia e estando cada vez mais próxima da sua passagem (oficial) a Endemia.

Imagem1.jpg

Gráfico 1

 

[Entre os diferentes Eventos Covid-19 PT ocorridos em Portugal nestes últimos dias, destacando-se sem dúvida o caso que até poderia integrar um site de notícias alternativas, paranormais ou de origem em outros mundos (talvez paralelos, que não o nosso), com um determinado número de jovens ao ser vacinado com a 1ª dose da vacina contra a Covid-19, momentos depois da sua administração e como que se desligando (automaticamente, algo/alguém colocando-os OFF), caindo (desmaiando/perdendo os sentidos), para poucos segundos depois, se levantarem (sendo colocados de novo ON) regressando (sem conseguirem explicar ou aperceber-se bem do sucedido) ao seu estado dito normal. Inicialmente culpando-se a vacina, suspendendo por horas a sua administração, para de seguida sendo ilibada, voltar a ser administrada. De resto com mais esta situação, não sendo como tantas outras, completamente esclarecida (propositadamente adiada, para assim ser esquecida), indo cair no “buraco das memórias Covid-19” (nem sequer sendo analisada, tendo sido ilibada a fornecedora farmacêutica da vacina em causa).]

Imagem2.jpg

Gráfico 2

 

Olhando-se para o gráfico 1 relacionando a evolução Infetados/dia e Óbitos/dia, sendo clara a não correspondência atual do nº de Infetados com o nº de Óbitos, ao contrário do registado em períodos com valores semelhantes (na vaga anterior, de janeiro 2021) ─ de Infetados: por exemplo no 17º dia assinalado no gráfico 1 (10 de fevereiro) com 4.387 Infetados/dia, registando-se 161 Óbitos/dia (5829 Internados e 853 em UCI), enquanto no 171º dia assinalado (no mesmo gráfico, a 14 de julho) com 4.153 Infetados/dia, registando-se apenas 9 Óbitos (742 Internados e 161 em UCI) ─ quase 18X menos vítimas mortais. Quanto ao gráfico 2 para além de se verificar um acompanhamento lógico da evolução dos parâmetros “Internados e UCI”, relativamente ao nº de Infetados/dia (e sua consequência, Óbitos/dia), sendo mais uma vez clara a semelhança da evolução das curvas Internados/UCI – descendo/subindo uma descendo/subindo a outra. Ao contrário do para muitos confusos casos (resultando da mistura/manipulação de parâmetros, dando maior valor a uns, do que a outros fatores) ─ ou problema, talvez de compreensão nossa, não dos privilegiados ─ de por um lado o R(t) descer e por outro lado, a Incidência continuar a crescer.

(dados: dgs.pt ─ imagens: Produções Anormais)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:41

Por Aqui Nada de Novo (Só Pior)

Quinta-feira, 15.07.21

Neste 14º período de 14 dias (2 semanas) contados desde o início deste ano (de 2021) ─ passados 196 dias dos 365 do ano, mais de 50% ─ para termos a nível nacional números de Infetados superiores aos registados neste último período (38.294 Infetados/2 semanas), tendo-se de recuar ao 3º período (aí com 92.986 Infetados/2 semanas): período de tempo entre o fim de janeiro e meados de fevereiro de 2021, quando a “vaga de janeiro” estava no seu máximo.

Imagem1.jpg

Covid-19 Algarve 2021

(Infetados e Óbitos)

 

No decurso de uma “nova vaga” (Covid-19), com o pico máximo de atividade anunciado para meados deste mês (de julho), mas agora tendo sido adiado por uns quinze dias (recordando que uns já apontavam esse pico, para meados de agosto), relativamente à evolução desta “nova vaga intermédia de Verão” seja a nível de Portugal ou da região do Algarve, nada havendo de novo a declarar (nada de positivo, seja na área da Saúde, como na área Económica) com o “Turismo do Algarve” prestes a colapsar (do topo à sua base): com medidas mais restritivas a serem de novo impostas e abrangendo um maior nº de pessoas, face a um novo crescimento do vírus e a um nº insuficiente de cidadãos vacinados (e nesse cenário incluindo-se o Algarve), sugerindo-se para além de um 1º Verão Covid-19 com resultados bem negativos (o de 2020), seguindo-se este ano com um 2º Verão Covid-19 podendo desta vez acompanhar o nosso estertor.

A 14 de julho de 2021 dos 10,2 milhões de portugueses com 4,0 milhões (39,2%) a já estarem completamente vacinados e com 6,1 milhões (59,8%) a já terem tomado 1 de 2 doses. Mantendo-se o ritmo (100.000 a 150.000 vacinas por dia) atingindo-se os 100% dentro no mínimo de 40 dias ─ lá para o fim de agosto (a parir do dia 23).

(dados: dgs.pt ─ imagem: Produções Anormais)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:57

Covid-19 PT/14.07

Quarta-feira, 14.07.21

Sendo visível observando os dois gráficos a subida do nº de Infetados/dia tanto em Portugal como no Algarve, sendo acompanhada igualmente a nível nacional (como regional) pela subida do nº de indivíduos Internados e em UCI (estado grave/crítico). E como se verifica no gráfico inferior, com o nº de Óbitos/dia a nível da região do Algarve (assim como a nível nacional) a não acompanhar este crescimento (do nº de Infetados/dia), sendo muito menor que o registado na vaga anterior (de janeiro de 2021) ─ fazendo-nos lembrar a evolução Infetados/dia e Óbitos/dia, ocorrida no decurso do Verão anterior (1º Verão Covid-19). Hoje na região do Algarve registando-se +441 Infetados.

Imagem1.jpg

Imagem2.jpg

Verão de 2020 ao qual se seguiu a “vaga de novembro” e passado o Natal e o Ano Novo (2020 para 2021), dando origem à violenta “vaga de janeiro de 2021” ─ atingindo os 16.432 Infetados/dia e os 303 óbitos/dia ─ neste momento e parecendo repetir-se o processo (do 1º ano com Covid-19, iniciado em março de 2020), atravessando-se o 2º Verão Covid-19, mas agora já com uma “nova vaga” declarada, podendo repetir-se de seguida uma nova vaga como a do outono de 2020, prevista (já há algum tempo) para depois do fim do Verão de 2021: esta sim (e a acontecer) podendo ser relevante, dependendo do coronavírus (estirpe/variante) e (do êxito) da nossa campanha de vacinação.

(dados: dgs.pt ─ imagens: Produções Anormais)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 20:27

Covid-19 PT/11.07

Segunda-feira, 12.07.21

Nestes últimos 28 dias (14 de junho a 11 de julho e a nível nacional),

Imagem1.jpg

Vírus SARS CoV-2

Depois de epidemia e de pandemia, seguindo-se a endemia

(sendo absolutamente necessário as vacinas)

 

Com o nº do Infetados a subir de 625 para 2323 (3,7X), com o nº de Internados a subir de 340 para 672 (quase 2X) e com o nº de doentes em UCI a subir de 77 para 153 (quase 2X) ─ e ainda com a taxa de Incidência a subir de 84,5 para 272 (3,2X) e com o índice de transmissibilidade R(t) a subir de 1,09 para 1,18 (1,1X) ─ estando-se provavelmente numa “vaga de Verão intermédia” em nível de gravidade e como tal de consequências (em nº de infetados/óbitos) muito menor do que o da vaga anterior (a “vaga de janeiro de 2021”), mas algo parecida com a “1ª vaga de Verão intermédia” (ocorrida no ano passado/de 2020).

Falando-se das consequências desta Pandemia Covid-19 ─ provocado por este coronavírus (invisível, propagando-se pelo ar, mortal) ─ tendo-se igualmente de falar na intervenção do Homem na resolução deste problema, desde logo e até pela sua contribuição positiva (até agora não desmentida) ─ e sendo-o inegavelmente ─ tendo-se de destacar a vacina sem a qual a situação hoje em dia seria bem pior: hoje (dados de domingo relativos a sábado, já estando pois ultrapassados) com 3,7 milhões de portugueses já tendo a vacinação completa (36%) e com 5,9 milhões já tendo tomado 1 de 2 doses (58%) ─ 9,6 milhões de portugueses com proteção ou com um mínimo de proteção (ou seja 94%).

A nível Mundial registando-se um ligeiro crescimento global especialmente no nº de infetados/dia, destoando dessa tendência e curiosamente (estando nele incluído o Brasil) o continente da América do Sul (ambas as tendências infetados/óbitos/dia negativas). Num total Mundial pela uma da manhã desta segunda-feira (01.00) de 187.617.639 Infetados e de 4.048.919 Óbitos (e ainda 78.320 em estado grave/crítico ou UCI). Com o trio Índia/Indonésia/Reino Unido a liderarem no presente o nº de Infetados/dia (acima dos 30.000/dia) e com o trio Indonésia, Rússia e Índia a liderarem no nº de Óbitos/dia (acima dos 700/dia).

(dados: dgs.pt ─ imagem: Produções Anormais)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 02:23

Surfando a Vaga de Verão com o Certificado Covid-19 na Mão

Sexta-feira, 09.07.21

“Nunca se podendo esquecer a campanha de vacinação ─ com 58% dos portugueses tendo tomado já uma dose, 36,5% tendo já a vacinação completa, ou seja, quase 95% com um mínimo de proteção (contra a Covid-19) ─ vindo desta a maior oposição ao alastrar desta Pandemia de SARS CoV-2 (e suas estirpes/variantes).”

Agora que dizem estarmos a atravessar uma “nova vaga Covid-19”, a constatação de que mesmo estando a um nível muito semelhante no nº de Infeções/dia registado já na fase de decrescimento da “vaga anterior” (a “vaga de janeiro”) ─ 3.194 Infetados/7 Óbitos em julho contra 2.583 Infetados/203 Óbitos em janeiro ─ se por um lado o nº de Infetados/dia até cresceram 24%, por outro lado o nº de Óbitos/dia desceu drástica e felizmente nesse mesmo período (de 5 meses), sendo hoje 29X menor.

Imagem1.jpg

De uma ponta à outra do gráfico c/ o nº de infetados não tendo a mesma correspondência c/ o nº de óbitos, do lado esquerdo sendo maior e do lado direito menor

Uma clara indicação de que apesar de ser mais rápido no contágio/infeção do que o coronavírus anterior (da “versão inglesa” passando-se para a “versão inglesa/indiana”) ─ comparando a vaga de março de 2020 (a 1ª) com a de janeiro de 2021 (a última) ─ a sua tradução em número de Óbitos é “imensamente” inferior, sendo pois (e no fim) menos mortal. Apesar de ter o inconveniente de sendo mais pessoas infetadas num menor espaço de tempo, sendo simultaneamente inevitável que o nº de internados hospitalares cresça rapidamente (não significando o seu transito para UCI, mas um caso de sobrelotação).

“Esta sexta-feira (09.07) registando-se a nível nacional +3.194 infetados (+323 no Algarve) e +7 óbitos (0 no Algarve), com vários concelhos algarvios na zona vermelha (taxa de incidência): Loulé (1016), Albufeira (997), Faro (714), Lagos (700), Olhão (627), Portimão (588) e Silves (516) ─ os concelhos acima dos 480."

(dados: dgs.pt ─ imagem: Produções Anormais)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:49

Suspensos, Algo Paralisados, Nesta Mini Vaga de Verão

Sexta-feira, 09.07.21

“Pelas 21.30 desta quinta-feira 8 de julho e ultrapassados os 186 milhões de Infetados por Covid-19 em todo o Mundo (2,4% da população Mundial), tendo-se já deixado para trás o número aterrador de mais de 4 Milhões de Mortos (4.022.501 ou seja 0,05% da população Mundial)”.

Imagem1.jpg

Covid-19 Algarve em 2021

Entrados numa nova vaga cinco meses depois do pico máximo da vaga anterior (a vaga de janeiro de 2021) ─ a pior de todas as vagas, tendo no seu ponto mais alto de atividade, atingido o nº de 16.432Infetados/dia e de 303 óbitos/dia ─ e verificando-se ainda o crescimento da generalidade dos indicadores Covid-19 ─ apontando-se o atingir de um pico máximo de atividade do coronavírus lá para o início da segunda quinzena de julho ─ tendo-se criado neste último período como que um ambiente geral de paralisia e de suspense, balançando-se os pratos da balança e o seu pêndulo central (de um lado/do vírus, para o outro/do Homem), conforme os avanços êxitos/eficácia do vírus (suas estirpes/variantes) e a campanha êxitos/eficácia da vacinação: tentando-se adivinhar como decorrerá esta “nova vaga de Verão” (tornando-se talvez numa vaga muito semelhante, à “vaga de Verão” de 2020) e qual será a perspetiva futura face à vaga há muito anunciada, como chegando depois do fim desta estação, ou seja, logo pelo início da estação do Outono (fim de setembro/início de outubro). Esperando-se nesse momento não se repetir o percurso de 2020 conduzindo-nos à pior vaga Covid-19, a de janeiro de 2021, sabendo-se que por essa altura (fim deste Verão) e como compromisso do nosso Governo e das suas autoridades responsáveis (feito perante todo o povo português), Portugal terá atingido a “Imunidade de Grupo” (seja isso o que for na altura ─ indo de 70% a 100% ─ ainda assim visto como um escudo protetor, mesmo que emocional e talvez um pouco virtual). É certo que com uma campanha de vacinação utilizando ainda a vacina de 2020, tendo (para manter/reforçar o seu efeito) certamente que ser reforçada (no mínimo com mais uma outra dose, talvez mesmo misturando-a com uma outra vacina que não a da 1ª dose) ─ enquanto se espera pela 2ª versão atualizada da mesma, a vacina de 2021 (tal como sucede com o vírus da gripe) ─ neste momento em Portugal e dos seus cerca de 10,2 milhões de cidadãos, tendo 3,7 milhões (36%) já completamente vacinados e 5,9 milhões (58%) com a vacinação incompleta (só 1 de 2 doses), num total (completa + incompleta) de 9,6 milhões (ficando por esclarecer nem 6%). 36% de completamente vacinados (para já) sendo pouco (1 em cada 3 pessoas) com o tempo, entretanto escasseando (já se estando nesta “mini vaga de Verão”).

Screenshot 2021-07-09 at 00-03-09 (Imagem WEBP, 77

Covid-19 Portugal 2021

Com os nossos representantes civis demonstrando a sua total incapacidade, tendo de chamar os militares ─ sob a coordenação do Vice-Almirante Henrique Gouveia e Melo ─ para estes executarem de uma forma eficiente, a missão devendo ter sido executada pelos primeiros.

[No meio de toda esta confusão e a partir da segunda quinzena do mês (de julho), podendo haver outra grande invasão, reabrindo-se completamente as portas da ilha de sua majestade (britânica) a todo o Mundo exterior: esperando-se que não se abrindo simultaneamente, a “caixa de Pandora”. Tal como o Governo o diz, descartando-se (de possíveis responsabilidades, sendo suas) ─ terminado o “estado de graça” do povo ─ sendo agora um problema da “nossa única responsabilidade”, tendo forçosamente de optar entre morrer de fome ou morrer de doença, talvez no final morrendo de ambos (sendo a vida, sendo o destino). “Tendo-se que ter fé (sendo escravos)”.]

(dados: dgs.pt ─ imagens: Produções Anormais e MadreMedia/Lusa/24.sapo.pt)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:24

Surfando a Vaga de Verão

Quarta-feira, 07.07.21

[Para alguns sendo esta a 5ª Vaga Covid-19 ─ 1ª Vaga (março 2020), 2ª Vaga (Verão 2020), 3ª Vaga (novembro 2020), 4ª Vaga (janeiro 2021), 5ª Vaga (Verão 2021) ─ podendo ser mais perigosa a 6ª Vaga (prevista para depois do Verão).]

Disparando o número de Infetados/dia ─ hoje ultrapassando a barreira dos 3.000 ─ e com os restantes parâmetros Covid-19 a demonstrarem uma tendência de subida ─ com a taxa de incidência (a 14 dias) a quase duplicar ─ não se tendo feito nada entretanto (de visível/impactante/motivador), para se suprir a visível falta de recursos materiais assim como de recursos humanos (não se querendo gastas/investir dinheiro na Saúde), recomeçando a instalar-se a confusão no SNS, com os hospitais a atrasarem consultas e intervenções cirúrgicas, no sentido de desviar esses ainda tão escassos recursos, para a mais que provável reabertura das áreas (exclusivas) Covid-19.

Imagem1.jpg

Para se atingir um nº de Infetados/dia superior ao registado hoje 7 de julho (3.285), tendo-se de recuar a 11 de fevereiro (já na curva descendente da vaga anterior e tendo ultrapassado o pico máximo de atividade do coronavírus), aí registando-se 3.480 Infetados/dia: então registando-se 167 óbitos/dia, contra os 8 óbitos/dia registados hoje (20X menos). Esta nova vaga sendo agora evidente face à subida simultânea da taxa de incidência (nº casos/100.000 habitantes, período de 14 dias) ─ subida de 92% e do índice de transmissibilidade R(t) ─ subida de 3%.

Imagem2.jpg

Apesar de mais rápido e de mais fácil contágio, com esta estirpe/variante do coronavírus (delta) a ser menos mortal do que tinha sido na vaga anterior (de janeiro deste ano) ─ com o mesmo número de Infetados tendo-se agora comparando-se, 20X menos mortes ─ podendo, no entanto, dada a rapidez de contaminação encher de novo os hospitais, apesar de com casos menos graves e não implicando a entrada (casos graves/críticos) em UCI (registando-se muitos menos mortos).

Uma vaga só podendo ser moderada (não evoluindo) dada a grande contribuição da campanha de vacinação ─ mesmo que executada inicialmente por uma cambada de incompetentes (sob a responsabilidade do Ministério da Saúde e do seu Ministro) e estando pouco mais de 1/3 da população vacinada (pouco mais de 50% com a vacinação incompleta).

E com todas as vacinas e tratamentos a terem que ser aceites (a ocidente, como a oriente), sendo todos eles um contributo para a nossa Saúde e para o tão desejado regresso à normalidade (o mais próxima possível, da de 2019).

(dados: dgs.pt imagens: Produções Anormais)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:23