Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O Trabalho Também Mata

Terça-feira, 18.05.21

Preferindo que se confirmem evidências (como a de que o trabalho em excesso pode matar), em vez de se perder tempo com falsas inovações (veja-se o caso em Portugal da aplicação “Task Force”) ─ sendo estas apenas réplicas (oriundas de um mesmo molde) utilizadas anteriormente (pelos vistos sem efeitos sentidos, pelo menos para nós) e sendo repetidas até à exaustão (para acabar de vez connosco).

work.jpg

Entrados nesta Pandemia já com números sociais e económicos denotando uma grave e contínua crise sistémica, bem refletida por demonstrada na taxa de desemprego ─ com cada vez menos gente a trabalhar e com os restantes, mantendo-se a necessidade do mercado, a terem de trabalhar por si e pelo seu colega entretanto despedido (1 fazendo o trabalho de 2) ─ e vendo-a ainda mais agravada com a chegada do coronavírus paralisando/fechando parcialmente a economia e lançando ainda mais gente para o desemprego ─ passando agora o trabalhador sobrevivente a fazê-lo, por 3 ou mesmo 4 colegas ─ tornando-se notório fazendo uns cálculos e até por claramente visível (e entendível), que os trabalhadores ativos antes do aparecimento deste surto pandémico e ainda mais os sobreviventes saídos deste período de mais de um ano de Covid-19, foram evidentemente forçados a cumprirem um horário para além do contratualmente estipulado, transformando legalmente esse excesso em horas extraordinárias (não se cumprindo, podendo ter consequências, que “ninguém” deseja): e não se recrutando mais pessoal, mantendo-se as necessidades, tendo o trabalhador (queira ou não queira) de trabalhar em excesso.

Screenshot_2021-05-18 New Study Says Working Long

Daí vindo o último estudo realizado por vários investigadores de quase 200 países e levado a cabo sob a responsabilidade da Organização Internacional do Trabalho e da Organização Mundial de Saúde ─ investigando a relação do aparecimento de doenças cardíacas, com o excesso no número de horas de trabalho ─ concluindo-se que executado sob determinadas condições “o trabalho também mata”: trabalhando-se em muitos casos 55 horas por semana, ou ainda mais. Só no ano de 2016 (3 anos antes do início desta crise pandémica) com quase 750.000 indivíduos a morrerem de ataque/doença cardíaca, numa morte provocada por “períodos seguidos e excessivos de trabalho” (mais de 55h/semana): afetando os tendo feito mais anos seguidos estes horários excessivos (mais de 55h/semana, entre os 45/74 anos de idade), especialmente se se estiver entre os 60/74 anos, idade com que deveríamos estar já reformados (e financeiramente estabilizados), vivendo-se em média nem 80 anos e que se saiba uma só vez.

60a28ce62600007983b43311.jpg

Verificando-se um maior risco de morte e de género entre os homens e geograficamente, ocorrendo mais para os lados do Oceano Pacífico (ocidente) e da Ásia (sudeste). Mas sendo o excesso de trabalho a razão para estas mortes e sendo apesar das diferenças o mesmo sistema económico e ideológico a dirigi-lo (a este como a oeste) ─ obtenção da mais-valia máxima possível (do objeto), a qualquer custo mesmo humano (do sujeito), já que tempo é dinheiro ─ ocorrendo um pouco por todo o lado. Um primeiro passo para depois de se falar do desgaste rápido do homem e das despesas de manutenção que o mesmo representa, sujeitando-o a trabalhar 2X, 3X, 4X mais, fazendo-o “explodir” provando já estar inadequado e para seu bem (e do sistema, do coletivo a preservar) sendo substituído pelas máquinas tornando-se então excedentário. E com aqueles que não o sendo pensando estar acima, mais tarde ou mais cedo chegando a sua hora e aí tendo de optar entre abandonar progressivamente a sua componente biológica ou existindo possibilidade fugir (podendo esse destino quanto mais tarde se fizer essa opção, ser a morte).

(consulta: boingboing.net/sciencedirect.com/who.int

─ imagens: boingboing.net/huffpost.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:52

TASSY a Cadela-Terapeuta Agora Reformada

Segunda-feira, 03.05.21

No passado dia 30 de abril de 2021 com mais uma funcionária-de-saúde a atingir a data da sua reforma, depois de oito anos consecutivos passados na companhia da sua colega terapeuta ─ colaborando com ela e auxiliando-a na sua missão

E0QOIgAXoAMD7G5.jpg

Sendo especialmente reconhecida por toda a sua dedicação e excelente trabalho (por si desenvolvido, na sua unidade de saúde), através da realização de uma “festa-de-despedida” acompanhada por muitos agradecimentos, aplausos e algumas recordações, dos seus colegas de trabalho e (tendo-os acompanhado, ou tendo outros falado dela) dos doentes:

E0QOLV9X0AQ6rYf.jpg

No dia da sua passagem à reforma com a cadela TASSY de 12 anos de idade (2/3 da sua vida passando-a a trabalhar na área da Saúde, terapia/recuperação) sendo pela última vez acompanhada pela sua dona, colega e terapeuta Gary Azevedo,

E0QOLWbXMAENCyL.jpg

Atravessando até à sua saída final (triunfal, merecida, sendo um animal irracional) os corredores do hospital da localidade norte-americana de Modesto (um Centro Médico da Califórnia), sendo ainda aplaudida por todos os aí presentes ─ aguardando propositadamente por ela ─ e recebendo no caminho um prémio simbólico (um pequeno bolo) e o respetivo certificado (comprovativo/profissional).

E0QOLW_XEAIfFam.jpg

E antes de abandonar de vez a sua função, o seu emprego/o seu trabalho de oito anos (um pouco mais do que isso), passando o testemunho para a sua sucessora a cadela Bria, agora a nova colaboradora da terapeuta-voluntária Azevedo.

E assim passados mais de oito anos a trabalhar (pelos outros, pelos racionais), aos doze ainda lhe restando tempo para viver e para descansar, algum espaço para usufruir (algo de/para si).

(imagens: Doctors Medical Center/@dmcmodesto/twitter.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 20:03

Covid-19 PT ─ A Luta pelo Poder ─ Marcelo Vs. Costa

Segunda-feira, 29.03.21

“Mais apoios sociais para trabalhadores independentes, gerentes, pais em teletrabalho e profissionais de saúde. Marcelo promulga medidas que Governo considerou "inconstitucionais." (Madremedia/28.03.2021/24.sapo.pt)

 

mw-860.jpg

 

Marcelo promulga medidas de apoio social urgentes e lembra que Governo pode recorrer ao TC (mas não tem maioria absoluta).

(29.03.2021/ZAP/aeiou.pt)

 

Conhecendo-se a fragilidade deste Governo de António Costa (minoritário na Assembleia da República) e ─ sabendo-o na sua mão ─ o poder crescente do Presidente Marcelo Rebelo de Sousa (justificando-se, podendo a qualquer momento demitir o Governo),

 

Eis que depois de alguns avisos anteriores deste último (sugestões/conselhos de Marcelo, nem todos sendo respeitadas por Costa) “engolidos, mas não digeridos” pelo primeiro (como é o caso da Educação tendo-se iniciado já o regresso às escolas, quando o presidente sugeriu fazê-lo ─ lembrando o sucedido no Natal ─ mas só depois da quadra festiva da Páscoa),

 

Marcelo o Presidente resolve final e claramente (para todos os que queiram ver) pôr “os pontos nos Is” comunicando e colocando por escrito “o que ele acha sobre a situação, o que falta fazer e o que deve ser ainda adicionado”:

 

Para que ninguém nem sequer Costa o 1º Ministro diga “desconhecer os seus pensamentos” (de Marcelo), se necessário e assim a situação o exija demitindo o Governo.

 

Voltando à carga com as suas medidas (anteriormente não tendo passado na AR) e insistindo nelas mais uma vez (de novo na AR após Marcelo o ter promulgado), até para ver qual será agora a reação de Costa, cada vez mais isolado (mesmo no seu partido) e podendo até perder o apoio (tácito, estratégico, preparativo) de Marcelo:

 

covid19_ilus_651.jpg

 

Índice médio de transmissibilidade R(t) subiu ligeiramente, mas continua abaixo de 1 (nível considerado seguro).

(29.03.2021/lifestyle.sapo.pt)

 

Com Costa não obedecendo a Marcelo podendo começar a ver a “luz ao fim do túnel”, indicando-lhe a curto-prazo o fim do seu trajeto a porta de saída ─ e abrindo essa porta às suas ideias, à sua ideologia e no fim ao seu partido.

 

Ainda-por-cima (“um presente envenenado” para Costa) introduzindo medida extras que à primeira vista ninguém contestará, sendo estas urgentes, de apoio e de solidariedade tanto individual (ajudando o cidadão) como coletiva (ajudando as empresas):

 

Costa a não ter argumentos contra, senão “falar no dinheiro gasto” ─ invocando um aumento orçamental impossível e ilegal de assumir ─ quando noutras situações o dinheiro parece não faltar “caindo na bolsa de alguns como enormes gotas-de-chuva numa tempestade”. Sendo essas medidas (c/ Marcelo a favor e c/ Costa contra) de novo mandadas pelo Presidente à AR (a ver se agora são aprovadas e passam).

 

Um aumento dos apoios sociais aos trabalhadores e empresas (incluindo trabalhadores independentes/empresários), um aumento do apoio a pais em teletrabalho (tendo de trabalhar e ao mesmo tempo no mesmo local e por períodos, “dividir-se” de modo a cuidar dos filhos) e medidas excecionais tendo em conta o esforço dos profissionais de Saúde (tão sacrificados, tão elogiados, tão abandonados).

 

32088530-f123-11ea-a47b-c056d6659aa1.jpg

 

Covid-19 rouba emprego a 104 mil pessoas no último ano. Desemprego cresceu mais de 30% face a janeiro do ano passado. Confinamento do início do ano com mais impacto do que o de março de 2020.

(23.02.2021/R. Oliveira e A. Ribeiro/cmjornal.pt)

 

Pelo que a partir de hoje e depois de muito “baralhadas” (bem ou mal, com batota ou não) as cartas (deles os predadores), “estas estão definitivamente lançadas na mesa” esperando-se (nós, as presas) pelos próximos episódios:

 

De um lado puxando Marcelo, do outro puxando Costa e connosco ainda-por-cima sendo obrigados a pagar bilhete, para ver este espetáculo (miserável de manutenção ou de sucessão).

 

E então questionando-nos estando os nossos Chefes tão ocupados, “se sobra algo para dizerem e nos salvarem desta Pandemia?

 

Em riscos de cairmos no abismo económico, não nos matando o “bicho” pela doença, matando-nos o “sistema” (que escolhemos/votamos/entregamos) ─ estagnado, mas beneficiando em milhões uma minoria (retirando-nos “o pão & a água”, “o emprego & a saúde”) ─ pela fome.

 

“Os três diplomas do parlamento - todos com origem em apreciações parlamentares de decretos do Governo - foram aprovados em 3 de março, com o PS a votar isolado contra o dos apoios sociais e o da saúde e a abster-se no das famílias (juntamente com Iniciativa Liberal, neste diploma).” (Madremedia/28.03.2021/24.sapo.pt)

 

(imagens: José Sousa Goulão/LUSA/expresso.pt ─ sns.gov.pt ─ uk.finance.yahoo.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 21:26

O Plano Aparecendo aos Frangalhos

Domingo, 07.03.21

“Premature unrealistic

COVID-19 will end soon.”

(WHO/wset.com)

 

Imagem1.jpg

Óbitos no Algarve em 2021

 

E perante o desespero instalado (na cabeça da maioria dos portugueses) afetando ora a área da Saúde ora a área da Economia (duas áreas onde os lobbies abundam) ─ para já não falar do bárbaro ocupando a pasta da Educação (sempre ansioso por se abrir, mas só e sempre para alguns) ─ andando-se constantemente à boleia, para a frente e para trás, alienados de tudo e de todos e no salve-se quem puder ─ e só a meio por insistente pressão da Entidade (o presidente) com os seus súbditos planificando (o governo) ─ o mais que garantido espanto por parte dos patrões e dos trabalhadores ligados à Indústria Hoteleira do Algarve (prostrada ou já colapsada) ao saberem aproveitando uma linha de fuga oriunda do Covidário Governamental (depois de horas e horas de profunda reflexão e planificação) que trabalho, só lá para o mês de maio. Devendo-se questionar estas Altas Entidades (tão bem alimentadas, física como pelos vistos ─ deixando-os falar e calando ─ mentalmente) de forma a explicarem-nos como sobreviveremos ainda mais dois meses, sem nada que fazer e de mãos a abanar. O problema a ser não termos Governo e muito menos um plano (pretensamente a ser criado/parido/inserido nuns extraordinários 15 dias).

 

[Num fim-de-semana em que entre muitos anúncios (de desconfinamento público-privado), diversas promoções (dadas eventuais aberturas) e levado pelo mercado (o que faz funcionar a economia), o povo começa já a sair à rua (tentando de uma forma ou de outra libertar-se), batendo recordes de confinamento (60% na rua, esta sexta-feira 5 de março) como se já estivéssemos a desconfinar (quando o mesmo período se iniciará o mais cedo a 17 de março, depois da apresentação do plano a 11 desse mesmo mês).]

 

(dados: dgs.pt ─ imagem: Produções Anormais)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:56

Dilema ─ E agora?

Sábado, 06.03.21

[Apostas Mútuas Desportivas”:Num caso podendo-se morrer da doença (1) e no outro podendo-se morrer de fome (2). Mas já agora onde estará o outro símbolo disponível (X)?]

 

thumbs.web.sapo.jpg

No 1º dia de venda pública de testes rápidos Covid-19 na Alemanha,

com os mesmos a esgotarem-se em poucas horas.

E se fossem vacinas?

Acontecendo o mesmo, tal como se passa atualmente com os Estados,

esgotadas as vacinas não as tendo.

 

Com os números da saúde a continuarem nitidamente em descida e com os outros números (cada dia que passa indicando estarmos mais próximos do colapso socioeconómico) revelando uma pressão económica a aumentar ─ tornada obsessiva e podendo passar rapidamente a explosiva ─ aumenta cada vez mais a distância (o fosso) entre estas duas áreas ─ Saúde e Economia ─ com a segunda inevitavelmente e de acordo com o processo em curso (levando à garantia da nossa sobrevivência) “a engolir” a primeira: podendo-se morrer da doença (se não formos eficazes no seu tratamento, na saúde), podendo-se morrer de fome (devido à doença e ao confinamento, destruindo empresas/empregos, na economia).

 

Imagem1.jpg

Notando-se nalguns países (ultrapassado o pico máximo, em descida Covid-19)

um novo crescimento de infeções (depois de uma acentuada descida),

deixando os especialistas de sobreaviso (até por informação da WHO/OMS)

para o possível aparecimento de uma nova vaga:

daí o avanço e recuo nalguns deles.

 

E encontrando-nos neste momento e em Portugal (como noutros países do mundo, mais ou menos avançados na doença) entre dois caminhos alternativos (pelo menos o que nos é oferecido/servido) ─ “abrir (1) ou fechar (2) até com a hipótese Nem (X)na prática secundarizando uma das áreas de modo a tornar a outra a protagonista, suspeitando-se que a 17 de março e depois de apresentado “o plano” (mais de um ano depois do início desta tragédia, nada mau?) ─ ainda por cima pressionado por um dos mais fortes lobbies nacionais, o da Educação ─ as autoridades cedam e abram progressivamente as portas (antes da Páscoa), para mais uns 2 milhões: podendo estar-se novamente a convidar, alguém para entrar.

 

(dados: dgs.pt ─ imagens: 24.sapo.pt e Produções Anormais)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:39

Covid-19/Portugal ─ Nova Vaga

Sábado, 13.02.21

Entregue a produção das vacinas aos privados,

logicamente com a lei do mercado a prevalecer:

vacinas prioritariamente para quem pagar mais.

(e em vez de se revoltarem, c/ político a gritarem “paguem”)

 

Divulgados este sábado os últimos números da Pandemia Covid-19, registando-se na região do Algarve um total acumulado de 19.319 infetados (+295/hoje, cerca de 19% do total nacional/dia) e de 295 óbitos (+11/hoje, cerca de7% do total nacional/dia). Adicionalmente com o número de internados a nível nacional a indicar 4.850 doentes (-380 do que ontem), desses com 803 em UCI (-43 do que ontem). Com os diferentes parâmetros (e respetivos valores) a continuarem em descida.

 

Imagem1.jpg

 

Com os números de infeções/óbitos e de internados/UCI a continuarem a encorajar-nos (renovando-nos a esperança) ─ e mantendo-se estes em nítida descida ─ abrindo-se a perspetiva de que mantendo as nossas cautelas, cumprindo as regras (de prevenção) ─ máscaras, mãos, distanciamento e efetuando-se as testagens e as vacinações necessárias (rapidamente e em massa), brevemente tudo se resolverá voltando-se ao (novo) normal e (gradualmente) ao desconfinamento geral.

 

Imagem2.jpg

 

Colocando nas nossas mãos (da população em geral e não na dos políticos) a verdadeira resolução deste gravíssimo problema sanitário (uma Pandemia já perto dos 2,5 milhões de mortes globais), tendo simultaneamente e agregado ao mesmo (problema de saúde), enormes repercussões económicas: concluindo-se que não havendo alternativas, “não trabalhando não se comendo e não se comendo não se trabalhando”. Pelo que não se assumindo (a crise terrível que atravessamos) caindo-se no precipício.

 

Imagem3.jpg

 

Em função de todas as informações, dados fornecidos e na melhor das hipóteses, com o desconfinamento a poder ocorrer depois da Páscoa (início do mês de abril) ─ nunca antes (só muito parcialmente) ─ abrindo-se progressivamente à economia, desbloqueando-se as fronteiras (aéreas/terrestres) e reiniciando-se (nas escolas) as aulas presenciais ─ para além do necessário reapetrechamento (em equipamento e em pessoas) das tão castigadas unidades de saúde (centros de saúde e hospitais).

 

Isto se os nossos governantes e políticos não se anteciparem e atirarem tudo pelo cano abaixo: com o Costa (e o Tiago) impaciente e Marcelo a afirmar (nas atuais condições), nem pensar.

 

(imagens: Produções Anormais)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:19

Outra Vez Não!

Terça-feira, 09.02.21

COVID-19 em 09.02.2021

(terça-feira)

Valores

(evolução face ao dia anterior)

Casos de Infeção/dia

2.583 (+78)

Óbitos/dia

203 (+7)

Nº Doentes Internados

6.070 (-274)

Nº Doentes em UCI

862 (-15)

 

Esta terça-feira 9 de fevereiro com a Organização Mundial de Saúde a (WHO) a confirmar a não presença do vírus em Wuhan antes de dezembro de 2019 (disseminando o vírus e originando a pandemia) ─ não diabolizando um pouco mais os chineses (animais racionais como nós) ─ indicando simultaneamente não se ter identificado ainda o (possível) animal transmissor do vírus SARS CoV-2 provocando este surto de Covid-19 ─ livrando para já alguns animais (irracionais como o Pangolim e o Morcego) da sua perseguição e morte.

 

mw-860.jpg

Então em regime presencial

─ 18 de novembro do ano passado

hoje em videoconferência

(aparentando maior abertura)

 

No dia em que decorre mais uma reunião no INFARMED ─ “autoridade nacional autónoma tendo por missão regular e supervisionar os setores dos medicamentos e produtos de saúde” (wikipedia.org) ─ tendo como protagonista o vírus SARS CoV-2 (curiosamente apenas com a presença dos especialistas e com os políticos a assistirem por videoconferência), a informação agora divulgada de que o pico de infeções terá sido atingido a 29 de janeiro: uma notícia há muito esperada e excelente ─ para o nosso país já num estado social e económico calamitoso ─ fazendo renascer em todos nós e de novo a esperança (o nosso último apoio a  morrer) de um regresso à normalidade (o mais possível próxima da de 2019), mas que por outro lado nos provoca um imenso “arrepio na espinha” ao vermos os abutres (oriundos do público como do privado) a contorcerem-se freneticamente tentando desde já aproveitar em seu benefício e unilateralmente, a informação (infelizmente apenas parte dela) então disponibilizada. E apesar dos novos avisos dos nossos especialistas (na essência aparentemente escutados, mas parcial e estrategicamente ignorados) como o foi anteriormente (não aceite pelas autoridades responsáveis) o do encerramento imediato das escolas (nem se devendo ter iniciado o 2º período) ─ sendo a interrupção sucessivamente adiada e contribuindo diretamente para o alastrar da epidemia ─ temendo-se que face à possibilidade de nos abrirmos de novo (uma das três vias principais de transmissão do vírus) alguns (até para ainda poderem salvar a sua face) o façam apressadamente, antes do tempo: como será o caso da Educação, mal possa (quando nunca deveria iniciar as aulas presenciais antes do 3º período), criando de novo ajuntamentos e reabrindo as portas de contágio e as vias de transmissão deste vírus mortal (sendo as três principais as vias Famílias/Lares, Famílias/Empresas e Famílias/Escolas). Assim como o da Saúde (criticável em muitos aspetos como, abandonando os especialistas e apoiando os políticos) com os seus responsáveis mesmo vendo a situação explosiva que aí vinha ─ dando sinais desde o fim do Verão (oscilações visíveis e preocupantes, nos valores infeções/óbitos) ─ para além da total subserviência à Economia (por irracional/inadequada dado o ponto de todo este processo), a não se prevenirem com recursos (materiais/humanos), a deixarem os hospitais explodirem e a permitirem (já sem alternativas deixando-se levar) o caos gerir-se a si próprio.

 

767243.jpg

Origem do coronavírus

não estará nos morcegos

ou num acidente de laboratório

(sol.sapo.pt/09.02.2021)

 

Mas graças à contribuição voluntária e não remunerada (isto sim sendo solidariedade efetiva, não apenas palavras de circunstância) do cidadão comum ─ tão atacado e humilhado, sendo responsabilizado pelos números (COVID-19) do Natal e do Ano Novo (desmentido por muitos especialistas, vindo por inação/indecisão o problema mais de trás) e no entanto pelo duro combate travado sendo um herói (aí se encontrando muitos dos infetados/mortos) ─ com os números finalmente a regredirem apesar dos parasitas lá em cima (indevida e imoralmente) ainda instalados (vejam só todas as histórias, já em torno da vacina). Pelo que abrir as portas antes do tempo, face a toda a informação no presente disponível (dado estar a vida de milhões de portugueses em causa) ainda-por-cima ignorando (de novo) todos os ouvidos e conselhos especializados (politicamente), deveria ser evidentemente condenado, julgado e penalizado. Questionando-nos no dia de hoje encerrada mais esta reunião de 9 de fevereiro tendo como tema a Evolução da Pandemia (no INFARMED) ─ sabendo-se que felizmente os políticos assistiram à mesma à distância, deixando os especialistas falarem livremente, não se intrometendo e aconselhando-lhes o silêncio ─ sobre o que “acontecerá depois”, deglutidos os especialistas (e filtradas as conclusões) entrando em ação os políticos: só podendo ser sustidos (neste sobe/desce insustentável) pelo vírus (morrendo-se) ou por nós (sobrevivendo-se).

 

Provas?

(perante o imperturbável Henrique Barros ─ corresponsável pelos últimos episódios desta pandemia, como o do encerramento das escolas ─ até pelo que antes disse, sugeriu e levou a concretizar e para nosso prejuízo, o epidemiologista do regime)

 

Ministra da Saúde reduziu decisão de Manuel Carmo Gomes (de deixar de participar nas sessões de especialistas conhecidas por reuniões do INFARMED) a “uma questão de agenda” (do epidemiologista crítico do governo) e garantiu que encara propostas alternativas como “formas de progredir”. Epidemiologista pôs em causa a resposta “gradualista” do Governo à pandemia de Covid-19 durante a reunião no INFARMED.” (jornaleconomico.sapo.pt/09.02.2021)

 

(imagens: António Pedro Santos/sicnoticias.pt/18.11.2020 ─ AFP/sol.sapo.pt)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:22

Vacinas Covid-19 ─ Asfixiados em Números, Cada um Querendo o Seu

Terça-feira, 02.02.21

[Dá-me a minha vacina, já!]

 

Uns dados sobre as vacinas contra a Covid-19 já aprovadas e em circulação, aqui deixados para neste novo confinamento, pensarmos (pelo menos nos intervalos que eles nos dão) um pouco mais (no que estamos metidos).

 

COVID Vaccine carousel banner landscape.jpg

 

Pouco mais de um ano passado sobre o aparecimento do vírus SARS CoV-2 (o bicho microscópico que paralisou o Mundo) e da Pandemia de Covid-19 (a doença provocada pelo bicho) ─ nos finais do ano de 2019, eclodindo violentamente na Europa em 2020 ─ eis que o mercado (global) nos oferece (para já) 11 vacinas (aprovadas) estando ainda outras 79 em preparação (20 já na fase 3, ou seja, perto da aprovação e do mercado).

 

Utilizando cada uma delas no seu fabrico e aplicação diferentes tecnologias, todas podendo provocar reações secundárias (em princípio não mortais ─ apesar dos poucos ensaios realizados ─ mas por vezes tendo de proteger certos grupos etários ou possuidores de outras doenças graves) e ainda com algumas a serem promovidas comercialmente (no ocidente as ocidentais) enquanto outras não (as oriundas do oriente).

 

Entre elas (onze vacinas já aprovadas) estando ─ entre as aprovadas em mais países ─ a vacina PFIZER (EUA/Alemanha) aprovada em 55 países (c/ 8 ensaios realizados), a OXFORD/ASTRAZENECA (Grã-Bretanha) aprovada em 43 países (c/ 16 ensaios realizados), a MODERNA (EUA) aprovada em 37 países (c/ 5 ensaios realizados), a SPUTNIK V (Rússia) aprovada em 16 países, a   BBIBP-CORV (China) aprovada em 11 países (c/ 6 ensaios realizados).

 

Num momento da nossa história em que assistimos ao “Eixo Económico-Financeiro do Mundo” a deslocar-se para oriente, com o centro a deslocar-se de Washington para Pequim. Sendo o impacto do vírus apenas mais um sinal.

 

Para além da COVISHIELD (Índia) aprovada em 8 países, da CORONAVAC (China) aprovada em 5, da INACTIVATED (China) aprovada em 2 e ainda da EPIVACCORONA, da AD5-NCOV e da COVAXIN. Ou seja, 6 países presentes na produção de vacinas ─ EUA (2 vacinas), Alemanha (1), Grã-Bretanha (1), Rússia (2), China (4), Índia (2) ─ com o Ocidente a apresentar 3 vacinas (27%) e o Oriente 8 (73%).

 

No entanto com o Ocidente a ter uns 135 países a aprovarem a vacina e o Oriente apenas uns 45 (3 X menos) a aprovarem a mesma. E em função dos resultados/eficácia (divulgadas) das diferentes vacinas contra a Covid-19 (valores aproximados das 5 apresentando maior eficácia),  com a EPIVACCORONA (Rússia) a afirmar ter uma eficácia de 100%, a PFIZER (EUA/Alemanha) 95%, a MODERNA (EUA) 94%, a SPUTNIK V (Rússia) 91% e a OXFORD/ASTRAZENECA (GB) 70%.

 

Para no fim chegarmos mais uma vez à conclusão de estarmos nas mãos da iniciativa dita privada (no fundo subsidiada pelo estado) ou estatal, ou seja, mais uma vez subalternizando a nossa Saúde à poderosa e omnipresente/omnipotente Economia.

 

(imagem: internationalsos.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 14:13

O Milagre dos Hospitais

Sexta-feira, 29.01.21

Covid-19:

Variante do Reino Unido

(50% mais transmissível)

em “crescimento exponencial"

(alertas internacionais começaram a surgir em meados do mês de dezembro)

em Portugal.

(hoje já 35%/40% dos casos totais)

 

Screenshot_2021-01-29 (Imagem WEBP, 775 × 436 pix

E se ainda continuassem as escolas abertas?

 

Numa altura em que Portugal ainda hoje (29.01) é o 6º país da Europa em novos casos de contágio pelo vírus SARS CoV-2 e o 8º país europeu no número de vítimas mortais, a constatação face à evidente ultrapassagem da nossa capacidade hospitalar e à incapacidade oficial  e governamental de suster na sua origem o vírus (Escolas/Famílias/Empresas), de que só um “Milagre na Saúde” poderá de alguma forma combatê-lo, amortecer o seu embate e finalmente sustê-lo: colocando-nos de corpo e alma ao lado de todos os profissionais da saúde e de muitos outros colaboradores fundamentais como os bombeiros e a polícia, esperando que a restante população o faça igual e solidariamente, ajudando direta ou indiretamente, na direção da resolução deste gravíssimo problema (não só de Saúde, mas como consequência Económico) coletivo.

 

Só nos questionando se “mesmo vencendo o vírus” ─ podendo ser tarde, podendo ser crónico ─ alguma vez recuperaremos  a “nível económico e profissional”. No Algarve podendo ser um desastre (este ano, o segundo fechado), prolongando-se, antecipando a catástrofe (sendo o turismo na região algarvia, assumido como uma monocultura).

 

(texto inicial: a partir de 24.sapo.pt/29.01.2021 ─ imagem: tek.sapo.pt)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:48

Nova Normalidade

Sábado, 26.12.20

Globalmente com mais de 80 milhões de infetados e a caminho dos 1,8 milhões de mortos e a nível de vítimas mortais com os EUA a liderarem no Hemisfério Norte (mais de 338 mil de óbitos) e o Brasil a liderar no Hemisfério Sul (mais de 190 mil de óbitos).

 

Screenshot_2020-12-26 Portugal Coronavirus 391,782

Coronavírus (Covid-19) em Portugal

1ª/2ª Vaga

 

Pensando que ainda há meio ano (durante a 1ª Vaga) Portugal e o Mundo tremiam de medo e de terror face ao nº de infetados pelo coronavírus e pelo nº de vítimas mortais associados ao covid-19 ─ com o nº máximo de vítimas mortais diárias em Portugal a atingir os 37 ─ convenhamos que perto do final deste ano de 2020 (O Ano da Pandemia) com os números de infeções/óbitos clara e inequivocamente a dispararem (chegada da 2ª Vaga), parecemos mesmo estarmos já a percorrer os tempos da Nova Normalidade: esmagado o Trabalho e a Economia, nem se pestanejando face  à brutalidade dos números oriundos do Desemprego e da Saúde (inevitavelmente secundarizada) ─ em Portugal com o número máximo de vítimas mortais a atingir os 97 (mais de 2,5X).  Em Portugal a 26 de dezembro de 2020 com o número de infetados a ser de 391.782, o número de vítimas mortais de 6.478 e o número de recuperados de 315.126 (504 indivíduos em cuidados intensivos); e em número de vítimas mortais a ser o 38º país no mundo (17º Europeu).

 

Nas mãos de grandes corporações multinacionais controlando o Mundo Económico-Financeiro e o acesso à Sociedade e ao Mundo do Trabalho e no cumprimento de um modelo há muito estagnado e em modo concentracionário, regressivo e implosivo, de modo a atingirmos de novo o estatuto (de novo escravo/cobaia) faltando apenas estregarmos o nosso certificado de Saúde.

 

(imagem: worldometers.info)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 02:40