Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

25
Mar 15

“A new species of Metoposaurus from the Late Triassic of Portugal and comments on the systematics and biogeography of metoposaurid temnospondyls.”
(Journal of Vertebrate Paleontology)

 

img_472x263$2015_03_23_20_18_58_114152.jpg

Salamandra gigante de Salir
(há 200 milhões de anos um dos mais ferozes predadores)

 

Metoposaurids are a group of temnospondyl amphibians that filled crocodile-like predatory niches in fluvial and lacustrine environments during the Late Triassic. Metoposaurids are common in the Upper Triassic sediments of North Africa, Europe, India, and North America, but many questions about their systematics and phylogeny remain unresolved. We here erect Metoposaurus algarvensis, sp. nov., the first Metoposaurus species from the Iberian Peninsula, based on several new specimens from a Late Triassic bonebed in Algarve, southern Portugal. We describe the cranial and pectoral anatomy of M. algarvensis and compare it with other metoposaurids (particularly other specimens of Metoposaurus from Germany and Poland). We provide a revised diagnosis and species-level taxonomy for the genus Metoposaurus, which is currently represented with certainty by three European species (M. diagnosticus, M. krasiejowensis, M. algarvensis). We also identify cranial characters that differentiate these three species, and may have phylogenetic significance. These include features of the braincase and mandible, which indicate that metoposaurid skulls are more variable than previously thought. The new Portuguese bonebed provides further evidence that metoposaurids congregated in fluvial and lacustrine settings across their geographic range and often succumbed to mass death events. We provide an updated paleogeographic map depicting all known metoposaurid occurrences, which shows that these temnospondyls were globally distributed in low latitudes during the Late Triassic and had a similar, but not identical, paleogeographic range as phytosaurs.

 

(texto: tandfonline.com/doi/abs/10.1080/02724634.2014.912988#.VRK8ro5tPh7)

 

“Foi descoberta em Portugal o fóssil de uma salamandra que viveu na época dos dinossauros e que era um dos maiores predadores da Terra há cerca de 200 milhões de anos. As escavações decorreram na zona de Loulé, no Algarve.”
(FCT – Universidade Nova de Lisboa)

 

img_472x263$2015_03_23_20_21_01_114157.jpg

Octávio Mateus
(um dos investigadores envolvidos na descoberta da grande Salamandra de Salir)

 

A equipa de paleontólogos identificou esta espécie de anfíbio desconhecida até agora, dando-lhe um nome que serve de homenagem à região onde se encontrava: Metoposaurus algarvensis (ver imagem das escavações).

 

"Esta descoberta é o exemplo de um achado de uma época da qual conhecemos muito pouco em Portugal, o Triásico, há cerca de 200 milhões de anos, altura em que viveram alguns dos primeiros dinossauros", explica Octávio Mateus, um dos paleontólogos envolvidos na descoberta. O trabalho envolveu investigadores da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, do Museu da Lourinhã, das Universidades de Edimburgo e Birmingham, no Reino Unido e ainda do Museu de História Natural de Paris.

 

Estes anfíbios primitivos são parentes distantes das verdadeiras salamandras actuais. Os metopossauros faziam parte do grupo ancestral do qual os anfíbios modernos - tais como sapos e salamandras - evoluíram. "A riqueza do local era impressionante. A jazida tinha uma densidade de vários crânios por metro quadrado", diz Octávio Mateus. Esta espécie agora investigada chegava a atingir 2 metros de comprimento, vivia em lagos e rios, de forma semelhante aos crocodilos actuais. O habitat seria semelhante à ilustração seguinte.

 

A descoberta revela que a distribuição geográfica deste grupo de animais era maior do que se pensava. Restos fósseis deste tipo de animais foram encontrados em África, Europa e América do Norte mas as diferenças na estrutura do crânio e mandíbula dos fósseis encontrados em Portugal revelaram que estes pertenciam a uma nova espécie.

 

Apenas uma fracção do local - cerca de 4 metros quadrados - foi escavado até agora, e a equipa irá prosseguir o trabalho para descobrir novos fósseis. O estudo foi publicado no Journal of Vertebrate Paleontology. Steve Brusatte, cientista da Universidade de Edimburgo, e um dos autores do estudo, sublinha: "Este novo anfíbio parece saído de um filme de monstros. Era tão comprido como um pequeno carro e tinha centenas de dentes afiados e uma grande cabeça chata, que se parece com uma tampa de sanita. Este era o tipo de predador feroz que os primeiros dinossauros tinham que enfrentar, muito antes dos dias de glória doTiranossaurus Rex e do Brachiosaurus."

 

(texto: fct.unl.pt/noticias/2015/03/foi-descoberta-em-portugal-o-fossil-de-uma-salamandra-que-viveu-na-epoca-dos-dinossauros)

 

[O artigo publicado pela Universidade de Edimburgo “Amphibian was top predator, fossils show” pode ser consultado em: www.ed.ac.uk/news/2015/supersalamander-240315]

 

(imagens – fct.unl.pt)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:13

Março 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9



29
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO