Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Copa América ─ No Top 3 do Ranking Mundial Covid-19

Quarta-feira, 02.06.21

Adiada em 2020 e já indo em três sedes ─ a derradeira e infelizmente (sabendo-se quem é o seu presidente, como se vê tudo permitindo) sendo o Brasil ─ temendo-se o pior. Sendo curioso de aguardar (ainda, adicionalmente) a reação dos países em princípio presentes (na Copa América) assim como do Resto do Mundo.

Imagem1.jpg

Jair Bolsonaro

(presidente do Brasil)

 

E com a Copa América de 2021 (na sua 47ª edição) ─ adiada de 2020 por desistência da Colômbia, posteriormente da Argentina (país organizador/país substituto) e devido à Pandemia Covid-19 (ainda em curso na Colômbia, na Argentina, como em toda a América do Sul), por insistência da Confederação Sul-Americana de Futebol (CONMEBOL) a manter-se nas datas inicialmente marcadas (13 junho/10 julho), realizando-se agora no Brasil: uma opção/alternativa tendo o total apoio do seu presidente Jair Bolsonaro.

Analisando-se os números das duas últimas semanas de Pandemia Covid-19 na América do Sul (comparando-os e estudando a evolução dos seus parâmetros), numa tentativa de confirmar (ou não, como boa) a opção da CONMEBOL como a melhor (localização de momento) entre ao vários países constituindo-a, verificando-se que apesar da Colômbia (+28/+8) e da Argentina (+7/+12) apresentarem más prestações na sua luta contra esta Pandemia, no Global e apesar de uma ligeira descida nos seus parâmetros, o Brasil (-7/+2) se encontra bem pior: a nível Global sendo o 3º país em nº de Infetados (1º EUA, 2º Índia) e o 2º país em nº de Óbitos (1º EUA, 3º Índia).

Ou seja,  o Campeão do Continente Sul-Americano em COVID-19 com os seus quase 17 milhões de Infetados (podendo ser o dobro) e estando já a caminho do meio milhão de Óbitos (indo entrar dentro em breve no Inverno): nada aconselhável para a realização de uma competição deste tipo, numa altura fulcral para o Brasil tendo em conta a Pandemia, a sua não contenção, a ausência da aplicação de regras básicas obrigatórias, a falta de testagem/vacinação, o aparecimento de diversas estirpes/variantes, o início da estação mais fria e ainda, a presença de público (e logo o brasileiro) nos espetáculos (acumulando-se no interior do estádio, no seu exterior, como em muitas outras concentrações, associadas ao Evento ─ com ou sem TV).

Imagem2.jpg

Estádio do Maracanã

(Rio de Janeiro)

 

Porque não escolher o Perú, o país da América do Sul de momento com melhores números Covid-19 (-16/-49), em vez de se optar por um outro para além de “bem pior” na evolução desta Pandemia, tendo à sua frente um Presidente negacionista ainda pior que o nosso responsável da DGS (no início com as mesmas tretas sobre o vírus e as máscaras, progressivamente emendando, mas não dando o braço a torcer, deixando outros tentar/inovar), com Jair Bolsonaro (o Presidente-Negacionista e Extremista) mesmo perante as evidências contrárias ao afirmado (pelo próprio), insistindo na mentira: de que se trata de uma simples constipação, de que se pode dispensar a máscara e já agora de que este vírus é um bluff, não existindo e como prova tendo ele (sempre exposto, a pé, de mota, a cavalo, etc. e nada apanhando, estando ali bem forte e rijo) nem sabendo bem o que isso é (o SRS CoV-2 e o COVID-19).

[Copa América pelo menos e para já ─ e desde que Jair Bolsonaro não se exceda ─ sem público nos estádios, algo que até seria de esperar com este presidente, ou do lado de cá do oceano não se fosse realizar ─ e por aqui com público ─ o Europeu de Futebol.]

Uma situação na sua base em tudo igual às opções tomadas em situações semelhantes e sendo no entanto aí  e da mesma forma (de intervenção) assumidas por outros países ditos não extremistas, não ditaduras, não racistas (social e culturalmente, não apenas na cor), mas Humanistas e Democráticos, como se comprova “no deixa andar” e no “aproveita para testar” ─ tal como sucede agora em Portugal ─ já que a Economia tem que andar e não havendo cobaias antes necessariamente tendo que as haver durante e depois: e se o Brasil ignora os números, Portugal vai alargando os seus limites, em ambos os casos alargando-se o horizonte de intervenção do coronavírus, a incidência do mesmo e o número de mortos diluindo-se aos poucos e como sempre (e como com tudo, não só os objetos, agora também os sujeitos) na “Espuma dos Dias”.

Imagem3.jpg

Brasil

(sepultura de vítima do coronavírus)

 

Que venha aí a Copa América, que venham aí os britânicos, que se faça tudo e algo mais, já que o Governo tendo a noção do que faz (cheio de Iluminados, de Mentes Brilhantes, de colegas de escola de António Costa, sem sombra de dúvida uma “garantia”), sendo necessário (mesmo podendo estar de férias) regressando sempre (e recuando ao Antigo Regime, berço do Novo Regime) mesmo que “dentro de momentos” e “lamentando a interrupção” dado à mesma “sendo alheio”. Apenas nos tendo que compenetrar que chegado o Verão e face aos nossos compromissos Turísticos (maioritariamente com os da “Ilha”, não integrando a UE), primeiro estando o topo da Economia e para os restantes (nós, os portugueses) sendo apenas um período de “breve interrupção” regressando “passados uns momentos”: a tempo de testarem/vacinarem os mais novos antes do início do próximo ano letivo, entusiasmando os pais com “tal atenção” e assim preparando-os para as Autárquicas, tendo estes melhor noção em quem (consciente e responsavelmente) devem votar (neles, pois claro, tendo a vacina/a arma na mão).

Em Portugal decorrendo um teste (ontem em Lisboa, hoje no Porto, amanhã onde a necessidade calhar) que será bastante útil para a justificação a apresentar (Viva o Futebol, uma das portas de entrada da Política) pelo nosso irmão Jair Bolsonaro.

(imagens: Reuters/Getty/thesun.co.uk)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:28


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.