Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Covid-19 Portugal ─ Chegou a 4ª Vaga

Quarta-feira, 23.06.21

Face à evolução dos diferentes parâmetros associados à evolução da Pandemia de Covid-19 ─ com todos eles em crescimento contínuo ─ refletidos no crescimento do nº de Infetados/dia e no aumento de doentes hospitalizados (alguns deles em estado grave/crítico) ─ o início do reconhecimento por parte de alguns epidemiologistas de que já estaremos numa 4ª Vaga de SARS CoV-2: e de que a mesma poderá atingir o seu pico de atividade máxima dentro de mais ou menos um mês. Pelo que depois de o Reino Unido ter adiado o fim do seu Desconfinamento cerca de um mês, eis que agora Portugal arrisca (depois da 1ª fase do Desconfinamento iniciado a 14 de junho) a seguir o mesmo caminho, podendo igualmente adiar o início da 2ª fase (confirmando-se esta 4ª vaga) marcada para 28 de junho: e se passando-se tudo bem (não parecendo tal atualmente, seja por cá, como pela “Ilha”) britânicos só lá para Agosto, correndo-se agora o risco (depois de possíveis cortes de turistas, vindos de outras origens) ─ até pelas possíveis “cercas” ─ de portugueses “nem por um canudo”. Confirmando-se esta Vaga sendo certamente o fim do Verão, uma catástrofe para o Turismo, um rude golpe para a Economia e para toda a região turística do Algarve.

Imagem1.jpg

Covid-19 PT

junho 2021

 

Nos últimos 14 dias com o nº de Infetados/dia a crescer de 890 para 1020 (15%), com o nº de Internados a crescer de 307 para 450 (47%), com o nº de doentes em estado grave/crítico (em UCI) a crescer de 70 para 101 (44%), com o índice de transmissibilidade (R(t)) a crescer de 1,05 para 1,18 (12%) e com a taxa de Incidência a crescer de 74,8 para 119,3 (59%). Indicadores como se vê apontando todos no mesmo sentido (de crescimento de atividade do coronavírus), introduzindo-nos numa nova fase desta Pandemia (de Covid-19), que quando muito (muitos de nós) estaríamos à espera de chegar, mas lá mais para o último trimestre de 2021: ou não tivessem já sido administradas (sendo os portugueses mais de 10 milhões) quase 7,4 milhões de vacinas, afirmando-se brevemente (uns mesitos, talvez depois do Verão) atingirmos a “imunidade de grupo” ─ isto apesar de mais de 4,7 milhões de portugueses ainda estarem na 1ª dose (vacinação incompleta, 46%) e apenas mais de 2,6 milhões terem tomado as duas doses (vacinação completa, 25%), um “fracasso”. A 100.000 vacinas/dia concretizadas ininterruptamente, tendo-se que dispor de um mínimo de 120 dias para se atingir os 100% de vacinados ─ ou seja, no início de novembro (a “imunidade de grupo” a 70%, lá para meados de setembro). Dando um título a este empreendimento (e conhecendo o currículo dos seus produtores e diretores) deslocando-se com especial “atrito” sobre os peões, podendo-o chamar de “Missão Impossível”.

Imagem2.jpg

Covid-19 PT

junho 2021

 

Esta terça-feira em Portugal atingindo-se os 866.826 Infetados e os 17.074 Óbitos, com os hospitais a recomeçarem a “encher” com novos casos de Infetados (hoje +1.020) e mais pessoas Internadas (+7 passando a 450) ou em estado grave/crítico (+4 passando a 101). Dos 1.020 Infetados de hoje sendo 648 de Lisboa e Vale do Tejo (região das 6 vítimas mortais, 100% do total de hoje), 121 do Norte, 101 do Centro e logo a seguir 70 do Algarve e com as regiões preocupando mais no presente até pela evolução do índice R(t), a serem (dados de 18.06) Lisboa e Vale do Tejo (R(t)=1,20) e ainda o Algarve (R(t)=1,19). Na taxa de Incidência destacando-se pela negativa de novo LVT (167,8) e ainda os Açores (156,9), com o Algarve nos 101,5. Relativamente à região do Turismo do Algarve três concelhos estando em risco de parar ou de recuar (por taxa de incidência superior a 120), sendo eles Albufeira (265) ─ o concelho em pior situação, ultrapassando os 240 casos/100.000 habitantes ─ Lagos (155) e Loulé (135).

(dados: dgs.pt ─ imagens: Produções Anormais)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 01:17


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.