Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

10
Abr 15

“Não basta arranjar um bode expiatório em caso de acidente para nos convencerem que o próximo voo é seguro. Depois dos dois acidentes mortais registados com dois aviões das linhas aéreas da Malásia, já ninguém acredita (como explicação) em coincidências ou outros derivados tóxicos.”

 

Germanwings co-pilot may have spiked captain’s drink
(nypost.com)

 

germanwings-co-pilot.jpg

Lubitz e o que restou do Airbus A320

 

O assunto relacionado com o despenhamento nos Alpes franceses do Airbus A320 da companhia de aviação alemã Germanwings (ocorrido no passado dia 24 de Março), pelos vistos continua verdadeiramente explosivo e fumegante, com suposições verdadeiramente surpreendentes a serem divulgadas por instituições oficiais, quando o seu dever deveria ser o de contenção e o de investigação – nunca o de imediata (e circunstancial) condenação.

 

Com o co-piloto Andreas Lubitz a ser acusado do assassinato de 149 pessoas ao atirar deliberadamente o Airbus contra as montanhas do maciço alpino (no seu trajecto Barcelona Dusseldorf) – um indivíduo que estaria afectado tanto psíquica (depressão) como fisicamente (visão), que se libertara do seu piloto com um estratagema bem pensado num momento preciso do trágico voo e que de seguida apontara o avião em descida acelerada em direcção ao solo (como se fosse aterrar) – como o comprovaram as gravações obtidas a partir da primeira caixa negra do Airbus A320 e rapidamente reveladas a toda a comunicação social, apontando segundo os investigadores institucionais (os únicos que a ouviram) para uma acção deliberada por parte do dito co-piloto (fechando-se no cockpit, apontando o avião para os Alpes e tranquilamente deixando-se ir – como o comprova a sua respiração normal).

 

No entanto muitas pessoas independentes e que já assistiram um pouco por todo o mundo a casos muito semelhantes ou apenas nalguns pontos coincidentes, acham que tanta explicação apenas sobre um ponto entre tantos pontos necessários de investigar, pode não ser o caminho para se chegar à verdadeira solução: muitas das vezes não passando (a solução) de uma simples opção (seja de quem for e por que razão for).

 

E como tal desconfiam. Tudo se agrava no cepticismo dessas pessoas quando outros factores interligados e resultando de mais outras suposições delirantes (pois não se apoiam em factos) se adicionam e com o tempo (não com indícios) se tornam certezas.

 

Ainda poderemos aceitar que a segunda caixa negra apareça sem cartão de memória, desapareça de seguida e de novo apareça mas agora completa. Ainda poderemos acreditar que todos os dados desta segunda caixa confirmem os da primeira e as duas em conjunto confirmem os investigadores – que por sua vez já de tudo sabiam, mesmo antes de o confirmarem).

 

Agora quando se acrescenta cada vez que se fala e para nosso maior convencimento mais um corno ao já tão cornudo Diabo, o povo só desconfia. E com isso se resolve mais uma desconfiança que até as crianças notaram.

 

Como é que o co-piloto resolvera o problema do xixi de modo a obrigar o piloto a ir à casa de banho?

 

Pelos vistos foi agora introduzido no guião deste imenso e real filme/tragédia um novo, fundamental e extremamente esclarecedor dado: cronometricamente falando o co-piloto teria colocado propositadamente no café do piloto um medicamento (diurético), que no exacto momento a determinada altitude e velocidade o forçara a sair do cockpit e dirigir-se ao WC. Pois.

 

(imagem – AP/Reuters)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 21:41

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Abril 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9



27


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO