Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Eleição e Ómicron ─ Ainda faltando 2 S’s!

Domingo, 16.01.22

Sabendo-se das características da penúltima e da última variante do vírus SARS CoV-2, a 1ª sendo de mais lenta contaminação/infeção, mas mais mortal, a 2ª sendo de mais rápida contaminação/infeção, mas muito menos mortal, sabendo-se que uma nova replicação deste coronavírus terá de conjugar estas duas características, num extremo poderemos estar no fim da linha de evolução deste vírus (desaparecendo ou tornando-se Endémico, integrando-se no nosso quotidiano de vida como a gripe) ─ o mais expetável ─ ou então no outro extremo e permanecendo-se ainda com o estatuto de Pandemia, surgir uma outra variante mais rápida na ação e mais elevada na taxa de mortalidade (provocada) ─ o menos expetável como se viu introduzindo-se  1ª vacina e tendo-se ainda o Homem (presente e atento) para combater o Vírus: um ser vivo microscópico contra a espécie dominante.

Imagem1.jpg

Não ligando às ELEIÇÕES de 30 de janeiro de 2022 e prosseguindo o seu caminho iniciado contabilisticamente em MARÇO de 2020, com a nova variante do coronavírus o ÓMICRON já esmagadoramente MAIORITÁRIA, a manter as suas características diferenciadoras do seu antecessor a variante DELTA, infetando muito mais rapidamente ─ mais pessoas em muito menos tempo ─ mas com esse crescimento significativo de infeções não se refletindo no crescimento do nº de óbitos, bem pelo contrário: se no mesmo período do ano passado com muitos menos infetados se atingiu o nº máximo de 303 óbitos/dia (por duas vezes), este ano com esse valor de infetados/dia a ser cerca de 2,5X o máximo atingido (no ano passado), com o número correspondente de óbitos/dia (este domingo 16 de janeiro de 2022) a atingir as 33 (mortes) ─ cerca de 9X menos (em 2022 comparando-se com 2021), sendo esclarecedor. No entanto não evitando o crescimento de Internados e de doentes em UCI (em estado grave/crítico) podendo provocar novo “congestionamento” hospitalar ─ o caos no SNS (consultas, tratamentos, operações, etc.) ─ e ao mesmo tempo provocando uma explosão de pedidos de baixa médica por obrigação de confinamento, afetando as empresas (não se produzindo) e obviamente o rendimento familiar (não se trabalhando, sendo penalizado). Com o pico máximo desta nova vaga, podendo já ter sido ultrapassado, estar a ser atingido ou então estando mesmo aí e por perto a “rebentar” ─ tanto faz ─ tendo-se Governo ou não se tendo e habituados como estamos às nossas autoridades e responsáveis (por vezes nem se vendo e assim expondo ao perigo, com a sua ausência e omissão, os seus já tão sacrificados e não compensados “Exércitos da Saúde”) ─ nem agindo nem reagindo e esperando ordens “vindas de fora” ─ até ao fim deste mês e devido às Eleições, o Ómicron e a Pandemia irem perdendo progressivamente protagonismo (matando menos o Ómicron e agora com a Economia substituindo o vírus, a poder gora ela matar-nos mas de fome), tendo como momento podendo ser decisivo o “Momento Eleicron”. Adiando-se, analisando-se e só depois tomando-se uma decisão (aí, já sem custos eleitorais) a sua aplicação vindo logo a seguir, num outro “momento” este sendo designado como “o mais oportuno”. Até lá e estando-se nas mãos de Eleição e de Ómicron (não sobrando mãos, só pés para fugir) ─ e esperando-se pelo “Momento Eleicron” ─ restando esperar, ajoelhar e rezar.

[S’s = Semanas]

(dados: dgs.pt ─ imagem: Produções Anormais)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 20:25


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.