Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Espaço ─ Objetos Andando por Perto

Quarta-feira, 08.12.21

“Logo em meados de janeiro de 2022 (e seguindo-se a outros dois em dezembro de 2021 um pouco menores), com um asteroide de dimensão entre 1,5Km/2,0Km ─ um monstro, um grande calhau ─ a passar a apenas 2 milhões de Km da Terra.”

Screenshot 2021-12-08 at 19-47-48 Asteroid 7482 (1

Comparando a dimensão do asteroide 7482 (cerca de 1.732m)

─ Já um “grande-calhau” ─

com a altitude do monte Everest (perto de 8.849m)

 

Todas as 24 horas cumprindo a sua rotação girando em torno do seu eixo (virtual), percorrendo durante um ano com o seu movimento de translação a sua habitual trajetória em torno do SOL (a sua estrela de referência),

─ Acompanhando o movimento de todo o SISTEMA SOLAR (o sistema planetário onde o nosso planeta se integra) e da galáxia à qual pertence, a VIA LÁCTEA ─

Com o 3ª planeta mais distante do SOL incluído no plano do seu Sistema, por sua vez fazendo parte de um conjunto ainda mais vasto a sua galáxia, a percorrer desde que evoluiu até à sua 1ª forma (surgida há mais de 4,5 biliões de anos) indo até aos dias de hoje (ano de 2.021DC),

─ Agregando neste conjunto Sistemas (só o nosso e utilizando como seu limite a heliosfera tendo perto de 100 UA de diâmetro) e Galáxias (a nossa tendo cerca de 100.000 anos-luz de diâmetro) ─

Conjuntamente com todo este imenso e extraordinário agregado de material interestelar, incluindo estrelas, planetas, asteroides, cometas, poeiras, etc. (mencionando apenas os mais conhecidos e pondo de lado por ex. os fantásticos e ainda pouco compreendidos “buracos negros”),

1024px-1994_PC1_orbit_2022.jpg

Trajetória do asteroide 7482 na sua aproximação à Terra

─ tendo um período orbital de pouco mais de 1,5 anos ─

com o ponto de maior aproximação a dar-se a 18 de janeiro

 

Ao longo de todo este tempo visto como podendo ser analisado/interpretado em diferentes escalas (tão díspares com as humanas e as cósmicas), percorrendo, atravessando para tal a profundidade escura e imensa do Espaço

─ Com extensões de anos e anos-luz (milhares/milhões/biliões, para nós nada) ─

Num percurso a ser concretizado de uma forma ou de outra (evoluindo/transformando-se) até “um infinito” (bem determinado, mas ainda por nós incompreendido), sendo a própria dimensão de um ponto relativa.

Isto tudo porque até ao fim do próximo mês (os dois primeiros, até ao fim deste ano) ainda estar previsto a passagem por perto (da Terra) de alguns,

─ Pela sua dimensão podendo ser considerados de “monstros” ─

Asteroides (três), o 1º passando a pouco mais de 10 DL da Terra (11 dezembro, diâmetro d=759m), o 2º a pouco mais de 14 DL (17 dezembro, d=1.093m) e o 3º a pouco mais de 5 DL (18 janeiro, d=1.732m).

snapshot.jpg

Bola de fogo observada (V=23Km/s) no passado domingo (por 15’’)

a atravessar o céu noturno sobre o mar Mediterrânio (ocidental),

tal como aqui registado do sul da Península Ibérica

 

Os dois primeiros ─ asteroide 4660 e asteroide 163889 ─ a uma menor velocidade (6,6Km/s e 5,6Km/s), o terceiro ─ asteroide 7482 ─ sendo mais veloz no cumprimento da sua trajetória em torno do Sol (19,6Km/s), dos três e em princípio o mais “assustador” (mas sem razão não existindo risco de impacto) sendo sem dúvida o maior, ao mesmo tempo passando mais perto:

Designado como 7482, previsto passar mais perto da Terra a 18 de janeiro de 2022, a quase V=20Km/s (o jato comercial mais rápido tendo uma média de nem V=0,3Km/s) ─ distância Terra/Lua nesse dia 18 de janeiro de nem 2.000.000Km, a nível mesmo do nosso Sistema Solar (nem nos atrevendo a ir, ao nível de uma galáxia) sendo muito pouco,

Semelhante a uma viagem de automóvel na Península Ibérica, mas entre Faro e Albufeira.

Desde pequenos e grandes objetos circulando no nosso Sistema, orbitando a nossa estrela (aproximando-se/periélio, afastando-se/afélio dela) e na aproximação à mesma passando nas proximidades da TERRA,

Podendo-se mencionar desde os grandes (impacto de asteroides como o que levou à extinção dos Dinossauros há 65 milhões de anos) até aos mais pequenos (como as bolas de fogo, uma das últimas tendo sido observada no sul de Portugal na madrugada do passado domingo, 5 de dezembro), naturalmente aquando da sua passagem (ou possível impacto),

Tendo repercussões diferentes (no nosso planeta e ecossistema).

(imagens: spacereference.org ─ wikipedia.org ─ Meteors/youtube.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 21:25