Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

17
Mar 20

Mais uma vez evidenciando como os nossos órgãos dos sentidos nos podem induzir em erro, uma imagem (1) do que poderia muito bem ser (para Mika Zinkova) a do Cristo-Rei do Rio de Janeiro (Brasil) – uma estátua de 1931 na sua famosa posição de braços abertos: tal como poderia ser em Portugal numa réplica de 1959, a do Santuário Nacional do Cristo-Rei (localizado na margem sul do rio Tejo no concelho de Almada).

 

Mila-Zinkova-sw1_1583968771_lg.jpg

1

Farol  das Ilhas Farallon

10.03.2020

(costa de São Francisco na Califórnia)

 

E com o seu observador ao capturar esta imagem a estranhar o que os seus olhos lhe proporcionavam − usufruindo de um registo fotográfico estranho, belo e não tanto raro como isso (até como o mesmo, apresenta no seu canal do YouTube) – até porque o Cristo-Rei (do Rio de Janeiro) se localizava (não a ocidente, ao largo da costa da Califórnia, no oceano Pacífico) a oriente, no litoral brasileiro virado para o oceano Atlântico e a mais de 11.000Km de distância (do local onde se encontrava aquando do registo).

 

1024px-Fata_Morgana_Example.jpg

2

Fenómeno Fada Morgana

Um barco flutuando como que suspenso no ar

(2012/Queensland na Austrália)

 

De facto e como seria obvio não se tratando de uma imagem do Cristo-Rei do Rio (nem de outra qualquer réplica sua) mas da imagem (4) de um farol das ilhas Farallon (costa de São Francisco/Califórnia/EUA) apresentando visualmente e à distância (dos nossos olhos) esta cor e forma como resultado de um efeito ótico – uma miragem denominada Fada Morgana: “uma feiticeira (Fada Morgana) meia-irmã do Rei Artur que, segundo a lenda, era uma fada que conseguia mudar de aparência.” (wikipedia.org)

 

fatamorgana_zinkova_2000.jpg

3

Fenómeno Fata Morgana

Criando a ilusão do aparecimento de uma vaga no horizonte

(2008/costa norte-americana do Pacífico)

 

Para lá da miragem e da ficção com este fenómeno (nada estranho apesar de mais habitual noutras regiões, apenas meteorológico) a ter uma explicação científica: devido a uma inversão térmica (intensa) verificada perto da superfície terrestre (entre camadas de ar quente e de ar frio), podendo-se obter uma imagem invertida de um determinado objeto (como se usássemos uma lente, alterando a velocidade de uma onda atravessando dois meios e até alterando-lhe o aspeto e a cor em seu redor), imagem essa distorcida e como que parecendo flutuar.

 

Farallon_1957_CGNW.jpg

4

Farol das Ilhas Farallon

1957

(Coast Guard Museum Northwest)

 

Um fenómeno visível da parte da manhã e em dias depois de uma noite fria com amanhecer frio, mais comum de se observar em vales (e entre montanhas elevadas), no Ártico e na Antártida. Mas por vezes surgindo noutros locais, com uma das mais célebres (segundo a Wikipédia) a ser a que aparece a sul de Itália (estreito de Messina). E com outros efeitos produzidos (pela nossa Feiticeira, a Fada Morgana):

 

Light passing through this layer can be distorted and stretched in fantastical ways, causing ghost ships to float in midair (3), turning the full Moon into a rectangular block, and raising false walls of water (2).” (spaceweather.com)

 

(imagens: Mika Zinkova/youtube.com – Timpaananen/wikipedia.org

− Mika Zinkova/nasa.gov − Coast Guard Museum Northwest/wikipedia.org)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:31

Março 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO