Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

01
Mai 14

Ficheiros Secretos – Albufeira XXI

[O Terrorismo Artificial Induzido (entre as vítimas) e a criação Natural do Super-Homem (entre os Escolhidos)]

 

“A nossa capacidade de compreendermos e aceitarmos o que nos é proposto para a recriação e fundação dum Novo Mundo, depende de como o interiorizamos, de como cumprimos as regras, do seu resultado imediato e da aceitação final e sem qualquer tipo de dúvidas de tudo o que dizem de nós – sujeitando-nos ao Superior infinito e assim incorporando-nos em Deus”.

 

Os seis pontos EIA (Estações de Intervenção Ambiental) colocados previamente no percurso respeitavam integralmente as indicações que tinha seguido com o seu manual de instruções e estavam de acordo com o plano de percurso que transportava consigo, produzido anteriormente pelos simuladores e agora bem visível no seu monitor. No exterior a carga luminosa estava dentro dos limites de segurança, não existindo em princípio perigo de ser visto e localizado. O objectivo secundário desta missão era verificar a reacção de seres vivos organizados, estruturados e num processo acelerado de desenvolvimento, face a registos inesperados e anormais de violência não esclarecida e fundamentada e sua possível invasão por radicalização e necessidade de retaliação sequencial, doutros níveis exteriores originalmente neutros e aparentemente desligados, mas agora inexoravelmente chamados a este espaço alterado e definitivamente contaminado. Uma tese de doutoramento deste nível ao ser apresentado no Conselho Local da Federação, certamente que teria um grande e profundo impacto, nesta pequena galáxia deste tão vasto universo. À volta do duplo tinha-se instalado um silêncio estranho e comprometedor: de certo que não demoraria muito a entrar-se no sexto acontecimento previsto.

 

No Limbo – Além de Tortura é Negar a Experiência de Passagem

(Um Simples Envelope como Elemento Libertador)

 

A triangulação fora definida por três pontos: um situado no santuário do Cristo Rei e os outros dois no Zoológico de Lisboa – um na minha posição a outra na do meu duplo. No santuário de Almada o espectáculo da luz imóvel e cintilante estacionada sobre a cabeça da estátua do filho de Deus juntara já a sua volta mais duma centena de curiosos, que dialogando entre eles sobre o estranho fenómeno – enquanto iam olhando a bola de luz e verificando se algo se modificava – iam congeminando nas suas cabeças cenários explicativos para o inesperado acontecimento, uns mais fantásticos do que outros. Entretanto chegara à base da estátua um jipe da GNR acompanhado por outro veículo da protecção civil. Juntaram-se assim ao já largo número de pessoas que aí se encontravam a observar, mais três elementos militares devidamente armados e dois outros elementos vestidos à civil – por acaso a mulher do presidente da junta e o seu filho acabado de se licenciar. Conferenciaram com os guardas ainda por uns momentos, dirigiram-se para a base do monumento do Cristo Rei e solicitaram ao funcionário que se encontrava ao serviço para lhes dar acesso ao interior e à zona do elevador: olhando uma última vez para o exterior ainda viram o povo em histeria a apontar freneticamente para o Céu. A bola de luz brilhou então mais intensamente, surpreendendo todos os presentes e cegando-os instantaneamente; de seguida contraiu-se violentamente e como que desapareceu; e sem que tivessem tempo para digerirem o momento nem compreenderem minimamente o que lhes estava a acontecer, um flash definitivo com origem no topo da estátua e no ponto brilhante explodiu em redor, varrendo toda a zona adjacente ao santuário e desintegrando tudo em redor. O espaço em redor estava agora completamente deserto, enquanto que do outro do Tejo uma luminosidade estranha cobria a zona onde estava instalado o zoológico, ouvindo-se ao longe e vindo do local sons repetidos e familiares, que pareciam ser de tiros e de fortes explosões: suportada nos seus três vértices a aplicação estava finalmente pronta a ser accionada.

 

A imperceptível cúpula electromagnética que cobria a zona de intervenção envolvendo o jardim zoológica estava agora activa, criando com a sua presença uma barreira de protecção contra acções agressivas que pudessem surgir do exterior e ao mesmo tempo disponibilizando aos agentes no terreno o acesso total aos seus sistemas de comunicação e aos seus instrumentos e ferramentas técnicas de introdução territorial e controlo mental.

 

Inicialmente foi só diversão. Recorrendo a uma religião matriarcal assente na Bruxaria e baseada na crença em entidades mágicas e sobrenaturais e nas suas relações profundas e poderosas com a Natureza, o duplo pôs imediatamente em prática a crença pagã nos quatro elementos, introduzindo no próximo episódio zoológico o símbolo do Pentagrama e dos seus quatro elementos físicos Ar, Fogo, Água e Terra – acrescidos dum quinto elemento de ligação o Éter, Espírito ou Alma. Com cada um desses cinco elementos colocados numa das seis Estações de Intervenção Ambiental (EIA) e uma outra aplicada como retorno – e simbolicamente representada por uma árvore (composta pelos quatro elementos físicos e solidificada pelo espírito). Mas sem nenhuma associação lógica (visível) com aquilo (sensações) que proporcionariam.

 

A primeira EIA a ser activada iniciou o seu procedimento automático mal os agentes do corpo de intervenção se introduziram no seu perímetro reservado: mal os seis elementos do corpo de intervenção violaram a zona de segurança a estação de intervenção explodiu, lançando no ar uma infinidade de pequenos círculos (brilhantes) circulando a grande velocidade e criando com o impacto da luz transportados pelos raios solares um arco-íris nunca antes visto, de cores intensas e contrastantes, parecendo frio e duro e de limites excepcionalmente cortantes. Os círculos pareciam ter uma estrutura fina e metálica, seccionando o espaço a grande velocidade: em poucos segundos os seis elementos tinham desaparecido no ar, restando no solo alguns pingos de sangue e um ou outro minúsculo resto de tecido orgânico – que as curiosas e laboriosas formigas do parque tratavam já por fazer desaparecer. No ar os conjuntos circulares incorporaram-se num só, a estrutura implodiu, desaparecendo no seu interior. Então e face ao avanço da restante força policial, o segundo e o terceiro EIA iniciaram os seus procedimentos intrusivos: enquanto o duplo não conseguia suster uma pequena gargalhada sem nenhum tipo de intenção senão o da libertação de ansiedades e de tensões espectáveis e naturais em seres humanos – precisamente o meio onde se encontrava – ao fundo a água da piscina onde os golfinhos actuavam transbordava, avançando duma forma organizada e como se tivesse vida própria, em direcção à restante força aí presente. Do interior da terra saiu então um relâmpago de luz e de fogo que atingiu violentamente os dois primeiros elementos que seguiam à frente da coluna, criando em seu torno uma enorme nuvem de fumo que tudo rapidamente encobriu. Qual não foi o espanto da restante coluna ao ver sair dessa densa e escura nuvem um ser que parecia o Diabo acompanhado por um outro que poderia ser um dragão: logo a seguir e controlando-os com uma dupla trela vinha o profeta Moisés. O espectáculo foi lindo e brutal. Enquanto o dragão ia queimando vivos todos os elementos que encontrava do seu lado, deixando uma amálgama de corpos queimados e retorcidos a escorrerem em fusão pela superfície sólida do parque, do outro lado o Diabo atacava os restantes, perfurando os seus corpos com os seus dardos malignos e enviando-os directamente para o Inferno. No meio – onde estava a Virtude – Moisés chamava a si os arrependidos e utilizando sabiamente a sua feitiçaria e as suas poderosas artes mágicas, separava as águas invasoras e abria o caminho para a salvação: e aproveitando a oportunidade os poucos sobreviventes não pensaram duas vezes e escaparam-se correndo como loucos entre as duas muralhas de água. Como assim, Deus tinha reservado um lugar no Céu para os pobres de espírito. Quanto à quarta EIA ela foi definitiva, logo seguida pela activação da quinta, como elemento fundamental e de ligação espiritual. Uma tempestade de areia instala-se agora sobre toda a zona envolvendo o Zoológico de Lisboa, criando um espectáculo isolado e fantástico que contrastava com o movimento acelerado e ininterrupto da capital: àquela hora do dia o movimento nas ruas era intenso, registando-se alguns engarrafamentos no acesso à ponte e à zona de Sete Rios. Visto do céu toda a zona do zoológico estava soterrada sob uma densa nuvem de areia, cobrindo-o como se de uma manta protectora se tratasse e parecendo ali estar como segurança para algo ou para alguém não identificado, ou então como solução para a prática de qualquer coisa de estranha, indefinida e provavelmente perigosa: se a areia do deserto encobria ainda hoje muitos dos segredos da História do Mundo, aquela que ali se encontrava não era natural, não só porque era exterior ao meio ambiente e ao espaço que agora indevidamente ocupava, como também por se revelar (apenas) uma sombra do original – “Vejam, estou fazendo uma coisa nova! Ela já está surgindo! Vocês não a reconhecem? Até no deserto vou abrir um caminho e riachos no ermo”. (Isaías 43-19)

 

O Gravador de Bobines

(Um belo exemplo duma espécie em extinção mas de Alta-Fidelidade)

 

E quando finalmente a nuvem se dissipou (tal como veio se foi) no Zoológico nada se mexia: entre alguns amontoados dispersos de areia e como se o local não tivesse sido conveniente limpo e aspirado, parecia estar-se agora perante um outro cenário surreal mas estranhamente reconhecível, fazendo lembrar apesar de numa escala limitada e talvez redutora, o exército de terracota do imperador chinês Shiuang. Não se tratava aqui de milhares de cavalos ou de guerreiros ocos e de areia, mas de umas dezenas de figuras estáticas, mortas e sem significado, que um pouco por todo o lado polvilhavam o Zoológico de Lisboa, anunciando definitivamente (apesar de administrativamente temporária) a sua morte e descodificando para quem ainda queria ver, o verdadeiro sentido da vida: tudo o que era transitório era definitivo e a transformação do mundo nunca estaria sujeita ou condicionada à cronologia e oportunidade dos humanos.

 

Depois era só abrir o Envelope.

 

Sem que nada o fizesse prever o velho gravador de bobines que se encontrava encostado numa das estantes da sala de estar começou inesperadamente a trabalhar. Tratava-se dum velho aparelho da TEAC de gravação e leitura de alta-fidelidade, utilizando os antigos carretos de fita magnética que mais tarde dariam origem às famosas e na altura revolucionárias cassetes.

 

Fiquei a olhar para ele atentamente tentando compreender o que ali se estava a passar: é certo que provavelmente o aparelho estaria ligado à electricidade mas há anos que não lhe tocava, não entendendo por esse motivo como é que este começara a funcionar. E ainda por cima nenhum som perceptível vinha do aparelho. A campainha da porta tocou e fui atender: o meu irmão mais velho entrou a correr na sala e foi logo ligar a televisão. Pelas suas palavras meio atabalhoadas e incompreensíveis algo de inesperado se teria passado lá fora e as estações estariam a dar em directo. “Lá fora está um caos do caraças com polícias armados por todo o lado. As pessoas como eu já fugiram. Parece mesmo um filme de guerra como se estivesse no deserto: não se via nada lá para dentro mas acabamos por fugir mesmo no fim com a tempestade a mover-se de novo, sabia lá o que podia acontecer. Dentro do Zoológico nem vi nada a mexer. Ainda pensei que fosse publicidade mas com aquele aspecto só se fosse com magia, bruxos ou extraterrestres” – não parando de falar duma forma excitada e nervosa até conseguir sintonizar um canal de notícias. Já nem me lembrava do gravador de bobines que lá continuava a rodar sem que nada se ouvisse.

 

A violência á um sistema de vida que se baseia num simples facto: é proveitosa desde que o sujeito tenha jeito e vocação para idealizar e concretizar esse objectivo. No fundo não pode ter ideologia nem remorsos que o limitem, nem religião ou pecados que o impeçam. E os Observadores Externos sabiam disso tantos anos se tinham dedicado à evolução da espécie humana e de todo o ambiente que o enquadrava. Os humanos eram susceptíveis às mais pequenas alterações registadas no exterior do seu corpo, por vezes não compreendendo o que era adaptação e querendo de imediato passar ao registo seguinte de aplicação, sem repararem que nem sequer haveria necessidade para tal e que o improviso era muitas das vezes de consequências aleatórias e contraditórias: como instrumento a violência também era uma arte e para muitos grupos a forma mais realista e preparatória para inevitável transição que aí vinha. O que interessava não era o que se passava nesta fase de integração da espécie humana no Universo – fazendo-a apenas compreender a sua forma inicial visível, projectada e apresentada como Matéria limitada apesar de infinita (pelo seu espaço multidimensional de transformação que nós limitamos ao nascimento e à morte) – mas sim generalizar o conhecimento dos extremos neste estado evolutivo e de preparação do nosso trajecto mutacional (físico para espiritual) para melhor se aproveitar o desenvolvimento da Alma em todos os outros mundos destes Universos. A violência seria sempre uma opção por temporária e não repercutível do outro lado da fronteira, além de ser eficaz na nossa autodeterminação: por isso ser tão interessante de utilização em todas as experimentações e outras simulações reais. Aliás não teria nenhum interesse repetir momentos em cenários inexistentes: para os Observadores Externos um caso meramente ocasional mesmo que deliberadamente propositado – tinha que se analisar todas as hipóteses – podia ser uma boa ocasião de estudo e uma janela de oportunidades para outras sugestões, simulações e até simplificações.

 

Acordamos caídos no chão da sala. Se tivéssemos estado inconscientes não tínhamos noção como tal tinha acontecido. A televisão estava ligada e o gravador de bobines tinha parado. Lá fora ainda era de dia e o céu estava claro. E as notícias fixavam-se no Zoológico e no acidente ainda por esclarecer ocorrido em torno da estátua do Cristo Rei.

As imagens que chegavam vinham carregadas de interferências estáticas mas para lá do que podia ver parecia estarmos em presença dum filme a preto e branco: as formas eram perceptíveis mas irradiavam uma cor cinzenta e sinistra. Só se viam edifícios, vultos imobilizados e um ou outro ruído distante que parecia vir da zona onde se encontravam a maioria dos primatas. Entretanto o duplo regressara e em conjunto com o original e para desse modo finalizarem com sucesso a sua missão, abriram o envelope e soltaram o seu conteúdo no ar: milhões de nano partículas luminosas dirigiram-se então para as jaulas dos macacos e fizeram o trabalho para que tinham sido fabricadas. As azuis aceleraram logo os primatas e as vermelhas diluíram as grades das respectivas jaulas, colocando-os finalmente em completa liberdade e convidando-os à aventura e à Evangelização mútua. Em grupos ordenados desceram em grande algazarra até à porta de entrada do Zoológico, onde do lado de fora também se concentrara já uma grande multidão entre civis e militares, que os observava em aproximação perplexos mas também aterrados. E quando as centenas de primatas se imobilizaram no terreno e um dos gorilas se dirigiu para o portão balbuciando uns sons que inacreditavelmente pareciam palavras de uma frase só possível de ser construída por um ser humano, a Violência tão característica como resposta humana apareceu, instalando-se como previsto da forma mais brutal e sanguinária. Mas os primatas do zoológico ripostaram e demonstraram que tal como o macaco tinha evoluído para o homem também este não era um seu exclusivo e que deste modo Deus até podia ser um outro macaco doutro ramo evolutivo, podendo este Deus alternativo e complementar identificar-se com eles e na sua transformação e integração, transformar-se de Deus em Macaco – From God To Ape. Com um simples varrimento o Grande Gorila líder dos Primatas introduziu-se com todos os da sua espécie no buraco que entretanto e mesmo ao lado deles se abrira, desaparecendo e deixando atrás de si o filme recebido e ainda em projecção e um verdadeiro Zoológico Sintético repleto de criaturas replicada na sua mais exigente perfeição. Aqui as cópias seriam melhores que o original. Ainda tentei por o gravador a funcionar mas por mais que o tivesse repetido nunca mais funcionou: só me lembro de ter sonhado com ele e de ter estado em contacto com alguém do outro lado da vida. Até a fita se enrolou e ficou irrecuperável.

 

Era estranho ver-se neste Universo Vivo e Infinito seres vivos racionais e inteligentes que sobrepondo-se duma forma prepotente e violenta sobre todas as outras as espécies vivas envolvidas – com ela compartilhando um espaço comum e aglutinado num cenário projectado para eles (e por eles) pela Natureza – ainda eram capaz de se retratar como possível vítima dum ambiente não considerado (mas real e da sua autoria), como se tal só pudesse acontecer se não fosse a sua intervenção. Talvez tivessem visto O Planeta dos Macacos.

 

Fim da 2.ª parte de 2

 

(imagens – Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:16

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Maio 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

16

23



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO