Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Invasão do Planeta Marte

Quinta-feira, 11.02.21

Na sequência da apresentação de alguns cenários colocando a Terra em causa ─ INVADERS FROM MARS (William Cameron/1953), THE DAY MARS INVADE EARTH (Maury Dexter/1962) e MARS ATTACKS (Tim Burton/1996) ─ mais uma resposta adequada por parte do nosso planeta colocando Marte no seu lugar.

 

p.jpg

MARCIANOS

Querendo destruir a civilização terrestre

apenas para se divertirem

 

Ultrapassada a Lua (o nosso único satélite natural, localizado a pouco mais de 384 mil Km da Terra) e apontando todas as nossas baterias para Marte (o 4º planeta mais afastado do Sol, localizado a uma distância média de 225 milhões de Km) ─ distando Marte da Terra, 585X mais que da Lua ─ eis que 3 sondas espaciais terrestres (todas lançadas em julho de 2020) chegam entre 9 e 18 de fevereiro ao Planeta Vermelho, duas delas para além do orbitador sendo acompanhadas pelo respetivo Rover (a chinesa e a norte-americana): uma sonda dos Emiratos Árabes Unidos (chegando a 9.02) ─ juntando-se pela 1ª vez às potências espaciais ─ outra da China (chegando a 10.02) e finalmente uma terceira dos EUA (chegando a 18.02), por sinal além do Rover transportando (numa ação espacial pioneira) um helicóptero (o Ingenuity).

 

nextstopmars.jpg

HOPE

Lançada do Centro Espacial Mohammed bin Rashid

no Dubai/UAE

 

Colocando o itinerário Terra/Marte no topo das preferências das viagens espaciais, não só por iniciativa do estado (pública) mas igualmente privada (empresas aeroespaciais). E mantendo este objetivo como uma prioridade (alcançar Marte) ─ talvez para explorar o planeta, talvez para o utilizar como entreposto (ignorada a Lua, nela se podendo fazer o mesmo) ─ entrando em órbita e (no caso de 2 das sondas) tocando a superfície marciana. Intensificando o volume do transito local, cada vez apresentando mais vestígios (nos céus e à superfície) de uma presença alienígena: neste caso sendo os terrestres (para os marcianos, caso existam) os estranhos oriundos de uma terra estranha (a Terra).

 

0c7e539acf272de2b75aff96eb6934cc.jpg

TIANWEN-1

Lançado do Centro de Lançamentos Espaciais

de Wenchang/China

 

E assim chegando repentinamente a Marte outras 3 sondas espaciais ─ HOPE (UAE), TIANWEN-1 (CHINA) e PERSEVERANCE (EUA) ─ na prossecução do objetivo final e comum (dos terrestres) de colonizar Marte e aí criando um entreposto possibilitando o alargamento das viagens interplanetárias e o caminhar (extravasando o Sistema Solar) para as Interestelares: fazendo a viagem contrária (tendo-nos visitado no passado, como ainda ontem, com o artefacto Oumuamua) dos nossos deuses astronautas. No caso da UAE com a concretização da sua 1ª viagem interplanetária tendo como destino Marte (c/ o seu orbitador), tornando-se o quinto país a atingir o planeta (depois dos norte-americanos, russos, chineses e europeus) e lá se fixando (orbitando no céu marciano) observando e estudando (entre outros e durante um ano) os fenómenos ocorridos na sua atmosfera ─ e tal como os outros planeando viagens (talvez) tripuladas à Lua (2024) e ainda a Marte (2117).

 

Blast-off-Mars-2020-080520-1024x682.jpg

PERSEVERANCE

Lançado de Cabo Canaveral

na Flórida/EUA

 

Já no caso das sondas chinesas e das norte-americanas ambas equipadas com o seu respetivo Rover (veículo motorizado utilizado para se movimentarem na superfície marciana), no caso da missão conduzida pela NASA (chegando a 18 de fevereiro) utilizando a sonda PERSEVERANCE, com esta a ter a particularidade (única e extraordinária) de para além de lá chegar, aterrar e explorar, ainda estar preparada para ─ fazendo uma recolha de solo marciano ─ abandonar o planeta e reenviar (aproveitando a viagem de volta) as amostras para a Terra (determinante para se saber se alguma vez existiu Vida em Marte). Relativamente à sonda chinesa e à sua projetada missão ─ “Tianwen-1 Mars Mission” ─ com a mesma a já se ter inserido em órbita do planeta Marte (hoje dia 10 de fevereiro), para lá para o mês de maio enviar até à sua superfície (pretensamente rica em água, que não à superfície) o seu módulo de aterragem (pondo de lado os EUA cliente habitual, com os únicos países a fazê-lo desde há quase 50 anos ─ depois dos russos falharem e aí abandonarem ─ a serem os chineses).

 

(imagens: punverse.blogspot.com ─ AP Photo/Jon Gambrell/phys.org

─ Luo Yunfei/China News Service/Getty Images ─ nasa.gov)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 01:58


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.