Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Morreu Otelo, o Eterno Coordenador do MFA

Domingo, 25.07.21

“Dirigindo as operações da revolução a partir do posto de comando no quartel de operações no Regimento de Engenharia n.º 1, na Pontinha, nos arredores de Lisboa.” (25.07.2021/MadreMedia/24.sapo.pt)

Recuando a 25 de abril de 1974 e à constituição da Junta de Salvação Nacional (liderado pelo General António de Spínola), levando nem um ano depois à sua extinção e substituição pelo Conselho da Revolução (liderado pelo Presidente Costa Gomes),

image.jpg

Reunião do 1º CR presidido por Costa Gomes e contando com a presença de Otelo

(entre militares, 3º à direita contando a partir do Presidente)

 

─ 1ª reunião do Conselho da Revolução realizada a 25 de março de 1975 (11 meses depois da Revolução do 25 de abril)

Recordando ainda deste período conturbado da evolução da que seria, a futura classe política portuguesa (ainda hoje persistindo ou entretanto tendo sido descontinuada), nomes de civis relevantes (no seu percurso de vida política) como Mário Soares e Álvaro Cunhal e de militares (decisivos no Golpe) como o do incontornável Capitão Salgueiro Maia e do controverso Capitão Otelo Saraiva de Carvalho: o Capitão de Abril Otelo, nascido na antiga Lourenço Marques (hoje Maputo, capital de Moçambique) e falecido hoje em Lisboa (no Hospital Militar) aos 84 anos de idade.

Passados mais de 47 anos sobre o “25 de abril” (e como sempre acontece, com a minoria maioritária, os hoje quase 8 biliões de almas) com o seu importante papel na História (recente) de Portugal ─ até como símbolo da transição de regimes ─ nunca sendo devidamente reconhecido: pertencendo ele aquela camada intermédia de portugueses (aqui utilizando a sua experiência militar) reconhecendo não ser através da Guerra e da manutenção das colónias, que se poderia garantir (deixando de se manter isolado face ao crescimento e desenvolvimento da Europa) o futuro de Portugal.

otelo.jpg

Desiludido c/ o processo social, económico e político, levando aos dias de hoje

(sendo tal como muitos de nós e nesta curta vida, um homem por completar)

 

Infelizmente afastando patrões e trabalhadores das decisões sociais e económicas fundamentais, através de um golpe aparentemente impercetível (mas sustentado) colocando no poder os “fiéis, mas perigosos” gerentes e capatazes ─ os parasitas e intermediários ─ ainda hoje no poder ou não tendo tido sucesso (pretendido), chamando de novo a si (como se nada tivessem a ver com a anterior queda destes) os antigos patrões.

No dia da morte de Otelo Saraiva de Carvalho morrendo mais um bocado daquela festa memorável que foi e será para sempre o 25 de abril de 1974 (e os curtos momentos verdadeiramente revolucionários que se lhe seguiram), mesmo que a História deste Novo Regime (o Espaço e o Tempo não desaparecem, desaparecemos todos nós) a queira apagar, nunca o conseguindo existindo sempre vestígios (na terra, no mar, no ar e até para além dele) da nossa passagem pela Terra (dela saindo e nela reentrando).

(imagens: Arquivo DN/tsf.pt ─ asvoltasdomarreta.blogspot.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:47


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.