Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

24
Mai 15

Talvez pertençamos todos à mesma raça de alienígenas que um dia apareceu, viu e replicou: ele próprio, em diversos níveis, em estados diferenciados, mas referenciando-se sempre à mesma matriz. Baseada na Matéria, na Energia e no Movimento, as grandezas símbolos da Vida Inteligente (sendo o Homem o exemplo) e da Evolução do Universo (como um Organismo Vivo e de Desejo).

 

38_albuf02resize.jpg

 

A última noite tinha sido fantástica: estávamos no início do Verão, a noite estava verdadeiramente espectacular, a rapariga que me acompanhava no mínimo igualava-a em beleza e as drogas como o álcool começavam finalmente a surtir o efeito pretendido. Andamos pela zona da marina até cerca das duas da manhã, aí deixando para trás (chateados connosco mas já bastante tocados) os nossos companheiros de diversão nocturna: uns já se tinham dirigido para uma das discotecas da cidade, outros ainda se encontravam na zona adjacente onde se situava o porto de abrigo, enquanto três casais no qual me incluía decidiram regressar aos seus respectivos apartamentos. Com o calor da noite e com os vapores corporais que ambos exalávamos, o desejo tornara-se exponencial e insuportável, com os nossos corpos a tornarem-se fisicamente incontroláveis e quase que se unindo no percurso para casa. Os primeiros momentos (apesar de já um pouco esvanecidos) ainda ficaram na minha memória, mas à medida que os primeiros momentos decorriam, tudo foi desaparecendo até cairmos de vez na cama como que inanimados. Devemos ter adormecido. Na retina ficara no entanto um momento de prazer inesquecível, que em instantes de sobressalto sonhador por vezes me invadiam a mente como se estivesse de novo em penetração e muito perto do orgasmo: com os corpos completamente suados e febris colara-me a ela pelas costas e com o meu membro rigidamente erecto e pulsando cada vez mais freneticamente de desejo, penetrara-a abundantemente por trás – vindo-me com uma forte explosão de esperma, que rebentando no interior da sua húmida e sedosa vagina ainda mais forçou a penetração e o seu orgasmo final. Com o meu esperma a escorrer pelas suas belas coxas suadas e brilhantes e ainda com os nossos corpos a tremer de sensações.

 

3_461.jpg

 

Por volta das sete horas da manhã tive o primeiro vislumbre da nova realidade. Primeiro encontrava-me (ao contrário do que imaginava) sozinho no meu apartamento (a minha companheira desaparecera, apesar de ainda serem visíveis sinais evidentes da sua passagem); depois uma janela estava totalmente aberta quando tal nunca deveria ter acontecido (os roubos eram sempre um grande risco naquela zona razão pela qual mantinha as janelas sempre fechadas); e finalmente o dia além de já ter começado a aquecer parecia muito mais seco do que no dia anterior (o que até era estranho dado a meteorologia prever um dia mais fresco). Fui até à janela para a fechar, mas inevitavelmente observei o espaço que se abria diante de mim, do lado de lá e até ao fim do meu horizonte visual: um espaço despido e desolado, sem as construções que aí existiam e que como tal aí deveriam continuar e com o local onde antes se situava a marina completamente seco, abandonado e sem uma pinga de água ou de Vida minimamente observável. Parecia um cenário resultante de uma terraplanagem, ao mesmo tempo que toda a água aí existente tinha desaparecido na sua totalidade e de um modo inexplicável. O ar que vinha do exterior estava extremamente seco e pesado e quando pus a cabeça do lado de fora da janela, ainda pude ver de um dos lados da mesma uma ou outra silhueta do que anteriormente fora um edifício, enquanto ao olhar para o outro lado me apercebi da razão porque ali ainda me encontrava: era como se uma explosão horizontal tivesse destruído tudo à passagem, deixando de pé um número reduzidíssimo de edifícios protegidos por um cerro salvador um pouco mais elevado. Mas o meu espanto disparou atingindo o estado de incredibilidade máximo, quando observando melhor a zona do canal que ligava a marina ao porto de abrigo, não vi água aí nem sequer mais à frente: onde estaria o mar?

 

319745.jpg

 

No interior do apartamento nada funcionava. Nem o telemóvel tinha rede. Decidi então sair: ali isolado não iria a lado nenhum (nem sequer se ouviam vozes de outras pessoas ou qualquer outro tipo de som nas proximidades) e face à situação desconhecida e provavelmente perigosa com que me deparava, tinha mesmo que sair dali e procurar auxílio com urgência (face ao cenário varrido e obliterado que me rodeava, só tinha mesmo que fugir dali). E foi ao abrir a porta para o exterior que me deparei com o estranho ser esverdeado. Os seus olhos intrusivos perscrutavam-me minuciosamente o mesmo acontecendo a tudo o que se encontrava em meu redor. Depois fixou-se apenas em mim. Aí senti que a sua mente me invadia, percorrendo todas as memórias acumuladas no meu cérebro e aprofundando algumas das minhas acções (para ele talvez mais importantes) daí decorrentes. E a última intimidade a ser violada foi a praticada na noite anterior. Notei logo que a expressão da sua face se alterou e mesmo sendo um estranho para mim, pareceu-me ver nele um sorriso de satisfação, expresso pelo movimento dos seus olhos (penetrantes) e pelo movimento dos seus lábios (brilhando como metal). Como que para confirmar a sua descoberta o estranho ser pôs-se a cheirar, atingindo um ponto em que parou e como que se metamorfoseou: na realidade tinha diante de mim um ser certamente alienígena, aparentemente do sexo feminino e que bem vistas as coisas poderia passar facilmente por uma das belezas presentes numa qualquer série de ficção científica. Não percebi muito bem o que me acontecera, mas estava perante uma mulher. E por telepatia entre ambos, as suas intenções foram claramente entendidas: teria que reproduzir integralmente (cara ela), toda a intimidade visionada. Em troca sobreviveria e seria um escolhido.

 

universos paralelos.jpg

 

A alienígena fazia parte de um grupo restrito de batedoras, responsáveis pela verificação no local do produto aí simulado. Com a experiência natural de uma organização evolucionista, com um trabalho referenciado e elogiado num percurso de vários milhares de anos (como o foram as intervenções lideradas por Pentesileia na Guerra de Tróia e da sua irmã Hipólita num dos trabalhos de Hércules), as Amazonas assumiam agora e em exclusivo, o controlo da sua própria grelha. Na sua retaguarda e num outro nível de intervenção, um outro grupo comandava à distância a execução da aplicação, socorrendo-se de tecnologias de projecção avançada, orientada por programas sobrepostos (que levavam à criação de réplicas reais ou virtuais) e dirigida por um aparelho de altíssima velocidade de processamento, capaz de atingir estados apreciáveis de equilíbrio entre energia e matéria. O que se criava neste espaço, fosse ou não um holograma (o DNA, a galáxia), seria sempre visível: a única questão (dúvida) só poderia ser aqui colocada se vindo do ser (inteligente) aí simulado. E era simples: partilhariam eles a rede (real) ou seria a deles a outra (virtual)? Seriam pioneiros, futuros Deuses ou nada?

 

As Amazonas eram oriundas das mais distantes regiões da zona fronteira do nosso sistema planetário. Tinham vindo de um corpo celeste localizado na misteriosa região da Nuvem de Oort (onde estava instalado e em actividade contínua o poderoso super-computador), também conhecido na Terra como um planetóide de nome Sedna (situado a um ano-luz de distância). Sendo destacadas para um agregado constituído em torno de uma estrela de pequeno porte e ainda relativamente jovem (pertencente a uma conjunto adjacente à galáxia de ANDROMEDA), o objectivo desta nova e importante etapa de introdução de vida e de colonização de novos territórios, apontava como destino científico e de experimentação os planetas interiores de um dos seus Sistemas mais interessantes, situado numa zona apresentando boas condições de habitabilidade e onde a vida era susceptível de surgir (por inserção prévia) e se reproduzir (com evolução controlada). Actualmente era um subgrupo de nível três na sua fase intermédia de avaliação: o Sistema Solar tinha agora o seu último campo de ensaio localizado no seu terceiro planeta, depois da anterior opção ter sido infelizmente abandonada (por erros de programação na manipulação experimental do ADN nesse caso introduzido) e simultaneamente transferida para uma nova e mais adaptada grelha de simulação, com todo o conjunto projectado migrando em direcção ao centro e recomeçando de novo o processo (fazendo de novo RESET mas aproveitando em back-up todo o trabalho até aí concretizado e assimilado). Só que nesta nova etapa os resultados continuavam a não ser os mais desejados. E restavam apenas duas opções verdadeiramente viáveis, não envolvendo grandes acréscimos de meios de intervenção: os quais a confirmarem-se poderiam levantar grandes dúvidas sobre a continuação do processo e levar até ao encerramento desta grelha (fosse definitivo por implosão ou temporário por suspensão). Deste modo ou se optava abdicando da simulação ou então formatando o disco e reiniciando-se o processo: com outro hardware e noutro contexto. Se nos tempos mais recentes (considerando o espaço-tempo como infinito) Marte acolhera a Vida (um planeta que poderá muito bem ser a imagem do nosso futuro – um espelho); se por um acaso qualquer a Terra posteriormente a preservara e transformara (um cataclismo devastara Marte migrando a vida para cá – replicando-a); porque não ser agora a vez, de outro mundo a receber o benefício (por exemplo Vénus)? Como se uma estrutura fosse evoluindo em direcção ao seu centro de gravidade e atingido o mesmo (o olho da sobreposição de planos) fosse penetrada e fecundada, explodindo por reacção (interacção de parâmetros paralelos e independentes – apesar de em princípio coexistirem em conjunto mas separadamente) e do nada criando vida.

 

File_2011526164735.jpg

 

Antes do fim da manhã dirigi-me até ao sítio anteriormente combinado com a mulher e fiquei a aguardar a sua chegada. Nem me acreditava no que me estava a acontecer. Diante de mim toda a costa da cidade estava seca, pejada de pedras e de múltiplos desperdícios: parecia mesmo que estava a olhar para uma das muitas imagens de Marte, mas com algumas estruturas artificiais ainda há vista e simbolizando a presença (momentos antes) de vida. Se alguém sobrevivera estaria escondido ou então diminuído. A alienígena compareceu e aí deixei-me finalmente subjugar e partimos. Certamente que um dia acordaria deste sonho e um novo mundo se abriria perante mim.

 

A algumas centenas de quilómetros da superfície da Terra fomos então introduzidos numa nave espacial de grandes dimensões que já nos esperava logo à saída dos anéis protectores de Van Allen; e que após a nossa chegada arrancou de imediato em direcção à região dos planetas exteriores. Já no novo habitáculo fui conduzido pela alienígena até um compartimento privado, onde esta me pediu delicadamente que aguardasse um pouco pelo seu regresso e que ali me instalasse e usufruísse de tudo o que visse à disposição. A sorrir colocou-me nas mãos dois pequenos livros e deixou a escolha ao meu critério. E enquanto com uma das suas mãos me apertava fortemente o membro, com a outra pegava-me numa das mãos e fazia-me sentir os seus seios firmes, quentes e erectos. De desejo. Saiu. E deixando a escolha ao acaso e à necessidade do momento, peguei naquele que parecia mais pequeno e de mais fácil leitura: chamava-se Projecto Jesus Cristo e passava-se num mundo como que gémeo da Terra. E que começava assim...

 

Fim da 1.ª parte de 2

 

(imagens – Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 21:13

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Maio 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9



26
30



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO