Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

17
Nov 14

“It is with regret and sadness we announce the death of money on November 16th 2014 in Brisbane, Australia.” (Russell Napier of ERIC)

 

us_president_barack_obama_r_sits_alongside_prime_m

Tony Abbott, David Cameron e Barack Obama

 

Já todos sabemos há muito tempo (pelo menos desde o tempo dos nossos avós aquando da Grande Depressão de 1923/32) que o mercado económico e financeiro mundial poderá estar à beira de um colapso superior a todos os que até hoje já se registaram: só que agora começamos a perceber melhor que se o colapso ocorrer mesmo, os Bancos nunca acabarão apenas mudarão o seu paradigma. E quem saltará (da prancha do barco pirata para ser comido pelos tubarões) serão os depositantes (especialmente os grandes), aqueles que até hoje e em troca de um dividendo por vezes miserável, têm sustentado os mesmos bancos. E não me venham cá com a conversa de que esses (os depositantes) são investidores minoritários e de pouca influência na economia e nas finanças globais, pois todos nós sabemos que são eles os maiores detentores actuais de dinheiro vivo (em moeda e não em plástico informatizado), além de terem sido até hoje aqueles que salvaram o mundo capitalista, mantendo-o à tona de água e salvando-o de afogamento, enquanto o seu dinheiro ia cobrindo os picos máximos da terrível doença do capitalismo (selvagem). Como o que se passa com uma rede eléctrica, em que geradores de reserva existem (sendo extremamente importantes, senão mesmo prioritários) pela necessidade momentaneamente de cobrir picos de consumo: se tal não acontecesse toda a rede entraria em colapso. E nenhum de nós poderá afirmar que ainda não tinha sido avisado, pois Chipre foi há muito pouco tempo.

 

 

0,,18066645_303,00.jpg

Brisbane G20

 

Russell Napier Declares November 16, 2014
The Day Money Dies
(Tyler Durden – zerohedge.com)

 

"On Sunday in Brisbane the G20 will announce that bank deposits are just part of commercial banks’ capital structure, and also that they are far from the most senior portion of that structure. With deposits then subjected to a decline in nominal value following a bank failure, it is self-evident that a bank deposit is no longer money in the way a banknote is. If a banknote cannot be subjected to a decline in nominal value, we need to ask whether banknotes can act as a superior store of value than bank deposits? If that is the case, will some investors prefer banknotes to bank deposits as a form of savings? Such a change in preference is known as a bank run."..."Large deposits at banks are no longer money, as this legislation will formally push them down through the capital structure to a position of material capital risk in any "failing" institution."..."From November 16th 2014 the large-scale deposit at a commercial bank is, at best, a lesser form of money, and to many it will cease to be money at all as its nominal value can fall and it could cease to be accepted as a medium of exchange."

 

(imagem – Web)

 

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 12:32

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9


24



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO