Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

07
Fev 15

Introdução à ESTRELA DE ROCK apresentando as nossas ARARAS

 

fora81583c06_242x136.jpg

As Araras

 

Eles têm cérebro e como tal não são estúpidos. Eles têm instrução e como tal compreendem o mundo. Eles sabem o que nos espera e como tal preparam o seu futuro. Eles têm o privilégio de viverem num período central da nossa não totalmente esclarecida evolução, na qual diversas imagens pairando misteriosamente no ar e quase tornadas transcendentais por inexplicavelmente postas de lado, nos conseguem ainda transmitir por diversos meios e estratagemas fantásticos um conjunto misto de odores e de conhecimentos fundamentais. Eles passaram pelo passado (recorrendo à memória), pelo presente (recorrendo à cultura) e daí perspectivaram o futuro (recorrendo ao conhecimento). Eles compreenderam os mecanismos do poder.

 

Desde o dia em que um indivíduo em interesse próprio controlou todos os outros em nome destes (poder do REI), passando pelo dia em que um grupo de indivíduos em interesse próprio e da população controlou todos os outros em nome destes (poder do ESTADO), continuando ainda pelo dia em que um colectivo de grupos em interesse próprio e de indeterminados (sujeitos e objectos) controlou todos os outros (poder das CORPORAÇÕES no qual hoje vivemos) e terminando no dia em que assumida definitivamente a automatização como realidade e a mecanização como imaginário, o indivíduo foi definitivamente dispensado por excedentário e extinto por definição (de vida por parte da novo indivíduo – a MÁQUINA como nossa réplica perfeita).

 

E como deverá acontecer com qualquer outro ser vivo existente na área de conforto que este extraordinário planeta lhe oferece (simplesmente em troca de nada), no caso de irresponsavelmente (como tem sucedido) o começarmos a envenenar e destruir sistematicamente em vez de pelo contrário usufruirmos da sua oferta graciosa e constantemente renovada, não será de admirar que os protegidos eleitos pelo nosso poder do nosso papel (de voto), se tentem safar o melhor possível: além de serem pedagógicos, ainda abrem os olhos a alguns. Como já tinha sugerido no início têm cérebro, instrução e seguem as pistas como cães.

 

“É mais de uma estrela rock que está a fazer a promoção do próximo concerto do que propriamente de alguém que tem uma dívida de 317 mil milhões às costas”.
(António Vitorino – Presidenciável PS)

 

25449F9E00000578-0-image-a-33_1422925067160.jpg

A Estrela de Rock

 

Com afirmações (como a anterior de AV e a seguinte de SL) proferidas esta sexta-feira por tão ilustres e eruditos personagens da política contemporânea portuguesa (e pelos vistos e infelizmente futura, dado estarem a candidatar-se com estas afirmações aos lugares da frente), não vejo muito sinceramente como é que alguma vez sairemos deste buraco onde Portugal se enfiou, onde a Europa nos entalou e onde mais cedo do que muitos pensam, nos acabarão por enterrar.

 

Se querem ver o que com grande probabilidade nos poderá acontecer num futuro próximo se esta tendência continuar a prevalecer (e já que a nova temporada está prestes a recomeçar), convido-vos a ver com alguma abertura e com vontade de a partir daí fazerem algumas associações mentais (talvez criativas, talvez inovadoras), a série The Walking Dead com reinício marcado para dia 9 de Fevereiro na FOX.

 

Caso contrário o nosso futuro será dedicado exclusivamente a tratar dos nossos dinossauros, ou então e como única alternativa possível de outras subespécies pretensamente também extintas (pelo menos enquanto não seguirmos, o mesmo caminho destes).

 

Como muitas vezes acontece nestes espectáculos mediáticos emitidos pelos diversos órgãos de comunicação social escrita ou falada, estes artistas portugueses são invariavelmente acompanhados à guitarra na sua majestosa e superior actuação (que o seu currículo político desde logo lhe confere) por outro grande personagem do mesmo quilate e da nossa eterna classe política, ainda por cima oriundo da mesma fornada e decidido a colaborar neste grande pagode.

 

oligarchy-thinking.jpg

 

E assim para rematar (ou gracejar, como queiram):

 

“Não sei se a música é muito afinada. É pesada, hard rock, heavy metal”!
(Santana Lopes – Presidenciável PSD)

 

Já agora o motivo pelo qual estas velhas araras tiveram a necessidade urgente de falar, aproveitando a oportunidade que lhes era dada para gozar e criticar, e ainda por cima e descaradamente (como se os outros fossem asnos) darem conselhos aos outros, eles que pelo que fizeram e nos proporcionaram tanto têm a ensinar (por sinal em nada originais e tal como as suas frases e ideias utilizadas, construídas e plagiadas sobre a comunicação social estrangeira, neste caso inglesa): medo medinho de serem engolidos pelo torvelinho da História e poderem ser ultrapassados (em notoriedade) por uma comum Estrela de Rock.

 

Greece's rock-star finance minister Yanis Varoufakis defies ECB's drachma threats
(telegraph.co.uk)

 

“I will tell Mr Schäuble that we may be a Left-wing riff-raff but he can count on our Syriza movement to clear away Greece’s cartels and oligarchies”.
(Yanis Varoufakis – Ministro das Finanças da Grécia)

 

(imagens: rr.sapo.pt – dailymail.co.uk/EPA – occupy.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:14

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Fevereiro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

18
20

22


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO