Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

29
Nov 17

Do Grande Líder Norte-Coreano Kim Jong Un

 

“A Coreia do Norte é o "adversário mais antigo" dos Estados Unidos. Os norte-americanos ajudaram a dividir a península coreana no fim da Segunda Guerra Mundial e então travaram uma guerra contra a Coreia do Norte na década de 1950. A Guerra da Coreia começou quando a Coreia do Norte invadiu a Coreia do Sul. As Nações Unidas com os Estados Unidos como sua principal força vieram em ajuda aos sul-coreanos. A China por sua vez interveio em favor do norte com a União Soviética lhes dando apoio logístico e político.” (wikipedia.org)

 

la-1511966810-hp9h55mujx-snap-image.jpgicbm-intercontinental-ballistic-missile-north-kore

Figura 1/2

Reações em Pyongyang após o lançamento bem-sucedido do ICBM (míssil balístico intercontinental) norte-coreano em 29 de Novembro de 2017 (esta 4ª feira)

 

Mais uma vez desafiando os EUA (A Maior Potência Militar do Planeta) e colocando toda a restante Comunidade Internacional a Olhar para o Céu (como sempre sem saber o que fazer enquanto os norte-americanos não disserem algo) ‒ e naturalmente com a Rússia a olhar de longe e a China a olhar de perto (estando do outro lado da fronteira) ‒ a Coreia do Norte acaba de lançar um novo Míssil Balístico Intercontinental (e eventualmente nuclear) segundo os seus dirigentes (com o Grande líder Kim Jong Un à cabeça) capaz de atingir os Estados Unidos da América e de transportar uma Bomba (termonuclear e miniaturizada).

 

Com o míssil balístico a ser lançado de território norte-coreano esta quarta-feira dia 29 de Novembro (de 2017) e no seu trajeto ascendente (descrevendo um arco) atingindo uma altitude demonstrativa da sua capacidade de atingir território dos EUA; apesar de alguns especialistas afirmarem não ser afirmativa a possibilidade desse míssil transportar uma Bomba devido ao peso adicional da arma/ogiva nuclear então transportada (não suportando o peso).

 

No entanto com o mesmo míssil (Hwasong-15) a bater o recorde de velocidade e de altitude, elevando-se (com a sua carga) a mais de 4500Km e acabando por cair no mar do Japão passados pouco mais de 50 minutos e a cerca de 1000Km do seu local de lançamento (na base de Sain Ni na Coreia do Norte).

 

la-1511966969-enc9y15hdb-snap-image.jpgnorth-korea-may-announce-completion-of-nuclear-pro

Figura 3/4

Kim Jong Un autorizando o teste do ICBM norte-coreano (em 28/11/2017) e perante o que poderá ser uma arma termonuclear miniaturizada (a ser colocado no míssil)

 

Havendo sempre a possibilidade de dadas as capacidades demonstradas por este Míssil Balístico Intercontinental (até pelo seu arco de trajetória) o mesmo poder evitar (na sua passagem) o território japonês (passando a grande altitude e evitando o agudizar de conflitos políticos), atravessando todo o oceano (a uma V=27000Km/h) e tendo um alcance perto dos 13000Km (quando a costa oeste norte-americana dista de cerca de 10000Km da costa norte-coreana).

 

E face ao Perigo representado pela possível Arma Nuclear posta à disposição de um dos maiores inimigos da América ‒ o ditador e líder da Coreia do Norte KIM JONG UN ‒ com os EUA a pedirem a convocação de mais uma reunião extraordinária do Conselho de Segurança da UN (uma forma de se manifestar deixando tudo na mesma) mais uma vez apoiado pelos seus Fieis Aliados/Subordinados (a Europa Ocidental) e sob o olhar atento e curioso da Rússia e da China: com a segunda a começar a ser gradualmente (e se nada se fizer exponencialmente) o novo Centro Económico e Financeiro Mundial, dominando o Novo Eixo Global e tendo a Coreia do Norte como fronteira (e aliado).

 

Nestes tempos de Guerra em que o Eixo Económico-Financeiro Mundial se tem vindo a deslocar progressivamente para o Continente Asiático (com a Europa Ocidental a ficar irremediavelmente para trás por delegação de competências nas chefias Aliadas sob comando norte-americano) ‒ substituindo o Eixo Velho/sediado na América (e na Europa Ocidental) pelo Eixo Novo/sediado na Ásia e tendo a sua base na China ‒ não se entendo o aparente processo de estender a Guerra a toda a Ásia, iniciada no Médio Oriente (e provocando os russos na Síria) e estendendo-se até à Península da Coreia (e provocando os chineses na Coreia do Norte): e com a Europa (EU) de permeio com a crise na Ucrânia (independente desde 1991 e entrando em Guerra Civil em 2014) e o seu conflito com a Rússia (de Vladimir Putin).

 

(imagens: 1/3 - latimes.com e 2/4 - businessinsider.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 20:14

Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

13
16

20
22

26


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO