Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O Que Nos Mantem Vivos?

Quarta-feira, 11.01.17

O Cinturão de Van Allen!

 

our-changing-world-and-the-mounting-risk-of-a-cala

The magnetic field and electric currents near Earth generate complex forces that have immeasurable impact on our everyday lives

 

No sentido de nos relembrarmos de que a Terra poderá ser mesmo um dos poucos pontos deste Universo onde existe Vida (orgânica e por réplica, em tudo idêntica à nossa), convém recordar que das várias ameaças que pendem diariamente sobre o nosso planeta (e sobre a nossa sobrevivência como espécie), quatro das causas mais previsíveis e capazes de provocarem consequências extremas e ate mesmo catastróficas para todo este ecossistema potencialmente único (pelo menos neste Universo integrado no meio de outros idênticos), poderiam muito bem ser (e escolhidas em poucos segundos) os cometas e os asteroides pelos efeitos provocados por possíveis e devastadores impactos com a Terra (sismos, erupções, tsunamis, efeito de estufa) e as tempestades solares e cósmicas atravessando todo o Espaço a grande velocidade e podendo atingir diretamente o nosso planeta, não só pela enorme energia transportada mas pela sua elevada radioatividade.

 

Que como todos nós sabemos tem (ao longo destes últimos biliões de anos) moldado corpos celestes como o nosso vizinho planeta Marte – coberto de crateras de impacto e sobrecarregado de raios mortais – um corpo aparentemente morto, seco e desértico e sem vestígios de atmosfera (pelos vistos podendo ter uma função protetora).

 

Esquecendo-nos no entanto de um pormenor extremamente importante senão mesmo fulcral para a sobrevivência do Homem e da sua Civilização (como o afirma Joseph Pelton), o Cinturão de Van Allen.

 

Our changing world and the mounting risk of a calamitous solar storm

As Earth’s magnetic poles continue to shift our likely nemesis is a massive solar storm

(Joseph N. Pelton/IAASS)

 

Magnetic-mapping-of-Earth-by-the-ESA-Swarm-Satelli

Magnetic mapping of Earth by the ESA Swarm Satellite

(red shows where the magnetic field is strengthening and blue shows where it is weakening)

 

The natural protective shield created by the Van Allen belts, that are held in place by Earth’s magnetic poles, are increasingly at risk of being greatly diminished. ESA’s Swarm mission satellites are designed to measure Earth’s magnetosphere. These satellites confirm what we had begun to suspect - that Earth’s magnetic poles are apparently in a process of shifting from North to South and South to North. Swarm measurements confirm that Earth’s Magnetic North has now shifted down to Siberia and continues to head South.

 

Modelling carried out by the Max Planck Institute in Germany in 2015 suggests that during this shift the shielding provided by the Van Allen belts will essentially go haywire and be reduced to perhaps 15 per cent of its former protective capacity.

 

This means the potential of enormous risk to electric power grids with maybe thousands of electrical transformers burned to a crisp. It also means vital satellites for communications, broadcasting, global navigation and timing, weather forecasting, synchronising the Internet and assisting with aircraft take-off and landing could be suddenly rendered inoperable or severely degraded. As we add more people, more vital infrastructure and move to a highly urban environment with perhaps 70 per cent of all people living in urban centres, the vulnerability of humans all over the globe is growing.

 

A loss of vital infrastructure around the world could mean the failure of transportation, communications and power systems that could put millions of people at risk due to disease, starvation, water shortages or other dangers.

 

issue8-Chart-showing-the-Magnetic-field-level-repr

Chart showing the Magnetic field level represented by a gauss or a tesla

(i.e. 10,000 gauss)

 

Um planeta de um Sistema centrado numa pequena estrela de classe espectral G2V (de cor branca e com a sua fotosfera composta esmagadoramente por hidrogénio e hélio), localizado a cerca de 150 milhões de Km (1 UA) da mesma e com os raios deste corpo celeste extremamente quente (t = 5500⁰C à superfície) e luminoso, a concretizaram a visão fantástica de um mundo extraordinário por si originado (o Sol) e contendo Vida (organizada e inteligente como o Homem).

 

Movimentando-se pelo Espaço já há alguns biliões de anos e hoje já contendo milhares e milhares de espécies uma delas sendo o Homem – ultrapassando os 7 biliões.

 

Segundo muitos dos cientistas e apesar da nossa estrela (o Sol) se encontrar num período de baixa atividade (com o aparecimento de poucas manchas solares e de emissões de CME), com o nosso planeta (a Terra) a poder estar simultaneamente a atravessar um período de tempo de uma certa incerteza (no que à sua proteção e segurança diz respeito), dado o notório enfraquecimento do seu precioso e vital cinto de proteção (Cinturão de Van Allen) numa consequência provocada pela atual e progressiva deslocação do campo magnético terrestre (com o Pólo Norte já hoje já instalado algures na Sibéria).

 

Deixando-nos num impasse de previsão face a uma possível mudança dos polos magnéticos terrestres.

 

(imagens, legendas e texto/itálico: room.eu.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 21:32


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.