Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Outra Vez Não!

Terça-feira, 09.02.21

COVID-19 em 09.02.2021

(terça-feira)

Valores

(evolução face ao dia anterior)

Casos de Infeção/dia

2.583 (+78)

Óbitos/dia

203 (+7)

Nº Doentes Internados

6.070 (-274)

Nº Doentes em UCI

862 (-15)

 

Esta terça-feira 9 de fevereiro com a Organização Mundial de Saúde a (WHO) a confirmar a não presença do vírus em Wuhan antes de dezembro de 2019 (disseminando o vírus e originando a pandemia) ─ não diabolizando um pouco mais os chineses (animais racionais como nós) ─ indicando simultaneamente não se ter identificado ainda o (possível) animal transmissor do vírus SARS CoV-2 provocando este surto de Covid-19 ─ livrando para já alguns animais (irracionais como o Pangolim e o Morcego) da sua perseguição e morte.

 

mw-860.jpg

Então em regime presencial

─ 18 de novembro do ano passado

hoje em videoconferência

(aparentando maior abertura)

 

No dia em que decorre mais uma reunião no INFARMED ─ “autoridade nacional autónoma tendo por missão regular e supervisionar os setores dos medicamentos e produtos de saúde” (wikipedia.org) ─ tendo como protagonista o vírus SARS CoV-2 (curiosamente apenas com a presença dos especialistas e com os políticos a assistirem por videoconferência), a informação agora divulgada de que o pico de infeções terá sido atingido a 29 de janeiro: uma notícia há muito esperada e excelente ─ para o nosso país já num estado social e económico calamitoso ─ fazendo renascer em todos nós e de novo a esperança (o nosso último apoio a  morrer) de um regresso à normalidade (o mais possível próxima da de 2019), mas que por outro lado nos provoca um imenso “arrepio na espinha” ao vermos os abutres (oriundos do público como do privado) a contorcerem-se freneticamente tentando desde já aproveitar em seu benefício e unilateralmente, a informação (infelizmente apenas parte dela) então disponibilizada. E apesar dos novos avisos dos nossos especialistas (na essência aparentemente escutados, mas parcial e estrategicamente ignorados) como o foi anteriormente (não aceite pelas autoridades responsáveis) o do encerramento imediato das escolas (nem se devendo ter iniciado o 2º período) ─ sendo a interrupção sucessivamente adiada e contribuindo diretamente para o alastrar da epidemia ─ temendo-se que face à possibilidade de nos abrirmos de novo (uma das três vias principais de transmissão do vírus) alguns (até para ainda poderem salvar a sua face) o façam apressadamente, antes do tempo: como será o caso da Educação, mal possa (quando nunca deveria iniciar as aulas presenciais antes do 3º período), criando de novo ajuntamentos e reabrindo as portas de contágio e as vias de transmissão deste vírus mortal (sendo as três principais as vias Famílias/Lares, Famílias/Empresas e Famílias/Escolas). Assim como o da Saúde (criticável em muitos aspetos como, abandonando os especialistas e apoiando os políticos) com os seus responsáveis mesmo vendo a situação explosiva que aí vinha ─ dando sinais desde o fim do Verão (oscilações visíveis e preocupantes, nos valores infeções/óbitos) ─ para além da total subserviência à Economia (por irracional/inadequada dado o ponto de todo este processo), a não se prevenirem com recursos (materiais/humanos), a deixarem os hospitais explodirem e a permitirem (já sem alternativas deixando-se levar) o caos gerir-se a si próprio.

 

767243.jpg

Origem do coronavírus

não estará nos morcegos

ou num acidente de laboratório

(sol.sapo.pt/09.02.2021)

 

Mas graças à contribuição voluntária e não remunerada (isto sim sendo solidariedade efetiva, não apenas palavras de circunstância) do cidadão comum ─ tão atacado e humilhado, sendo responsabilizado pelos números (COVID-19) do Natal e do Ano Novo (desmentido por muitos especialistas, vindo por inação/indecisão o problema mais de trás) e no entanto pelo duro combate travado sendo um herói (aí se encontrando muitos dos infetados/mortos) ─ com os números finalmente a regredirem apesar dos parasitas lá em cima (indevida e imoralmente) ainda instalados (vejam só todas as histórias, já em torno da vacina). Pelo que abrir as portas antes do tempo, face a toda a informação no presente disponível (dado estar a vida de milhões de portugueses em causa) ainda-por-cima ignorando (de novo) todos os ouvidos e conselhos especializados (politicamente), deveria ser evidentemente condenado, julgado e penalizado. Questionando-nos no dia de hoje encerrada mais esta reunião de 9 de fevereiro tendo como tema a Evolução da Pandemia (no INFARMED) ─ sabendo-se que felizmente os políticos assistiram à mesma à distância, deixando os especialistas falarem livremente, não se intrometendo e aconselhando-lhes o silêncio ─ sobre o que “acontecerá depois”, deglutidos os especialistas (e filtradas as conclusões) entrando em ação os políticos: só podendo ser sustidos (neste sobe/desce insustentável) pelo vírus (morrendo-se) ou por nós (sobrevivendo-se).

 

Provas?

(perante o imperturbável Henrique Barros ─ corresponsável pelos últimos episódios desta pandemia, como o do encerramento das escolas ─ até pelo que antes disse, sugeriu e levou a concretizar e para nosso prejuízo, o epidemiologista do regime)

 

Ministra da Saúde reduziu decisão de Manuel Carmo Gomes (de deixar de participar nas sessões de especialistas conhecidas por reuniões do INFARMED) a “uma questão de agenda” (do epidemiologista crítico do governo) e garantiu que encara propostas alternativas como “formas de progredir”. Epidemiologista pôs em causa a resposta “gradualista” do Governo à pandemia de Covid-19 durante a reunião no INFARMED.” (jornaleconomico.sapo.pt/09.02.2021)

 

(imagens: António Pedro Santos/sicnoticias.pt/18.11.2020 ─ AFP/sol.sapo.pt)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:22


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.