Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

07
Fev 14

Ficheiros Secretos – Albufeira XXI

(Mundo Sequencial – Transmissão Indiferenciada por Pulsação e Contacto)

 

“Acordei às oito no cumprimento do dever: duas horas depois abdiquei definitivamente dos meus direitos”. Simplesmente por Intervenção Exterior: Divina, Alienígena ou Humana.

 

Simplesmente por Intervenção Exterior: Divina, Alienígena ou Humana

 

...

A partir das janelas as vítimas só tinham visto um rápido flash, seguido de imediato e sem dor pela violenta implosão registada no local. As notas do seu diário tinham a última entrada registada no início da manhã desse dia e que apenas dizia: “Parece que tudo mudando não muda, comigo constantemente perdido da frente para trás e de trás para a frente. Não sei mesmo o que agora me espera”. Entretanto a BCRS (Biologic and Cybernetic Reproduction Systems) já se tinha protegido previamente das futuras sequelas do passado e a sua intervenção – como o futuro o comprovava – tinha sido um sucesso completo: a linha de ADN tinha sido eficazmente preservada e positivamente continuada.

...

A pequena particularidade tinha sido finalmente ultrapassada. Desse modo o programa pode continuar a desenvolver-se tranquilamente, com o operador a ausentar-se rapidamente e a ir a correr almoçar: a cantina estava prestes a fechar e só passadas umas quatro horas é que voltava a abrir. Sentou-se sozinho no canto da mesa perto da janela e daí, enquanto comia, pode apreciar a vasta e iluminada superfície lunar, carregada de crateras e com umas quantas elevações espalhadas mais para norte. A sua superfície era árida e deserta, só se vendo na planície situada mais a norte uma nuvem de poeira que se erguia lentamente sobre o solo, talvez originada pelo transporte de algum carregamento de minério. Já perto do fim da refeição o intercomunicador tocou: era chamado pelo seu supervisor de programação para discutirem em conjunto o aparecimento da particularidade – dentro de uma hora – solicitando-lhe este que viesse acompanhado do relatório sumário e preliminar de danos causados/solucionados, relacionados com a mesma. Saiu da sala e voltou ao trabalho: tudo estava a funcionar normalmente. Levantou-se e foi fazer o relatório: só não sabia ainda, como explicar o sucedido.

...

Desde que a VIRGIN se lançara em direcção à Lua, o conglomerado liderado por Mister RH tomara nas suas próprias mãos o início da colonização lunar: enquanto a Rússia e a China brincavam com os seus veículos telecomandados, espalhando-os sem critério e por puro espectáculo pela imensa vastidão do espaço, a empresa privada decidira substituir-se à poderosa organização espacial ligada ao estado norte-americano – a NASA – e dirigir todas as suas baterias para a conquista dum único e proveitoso objectivo, a Lua. Com todas as prioridades de investimento dirigidas para o satélite da Terra e contando com o apoio técnico e financeiro de retaguarda por parte do estado – a NASA serviria como backup oficial, garantindo a presença e toda atenção por parte do estado – em poucos meses foram montados os módulos que constituiriam o núcleo central da base, a partir dos quais mais tarde se chegaria à constituição da primeira urbe lunar. Mas a grande explosão de desenvolvimento registada nos anos que se seguiram sobre a superfície da Lua, não veio bem da parte de cima mas sim do seu subsolo: primeiro foram os minérios, depois os vestígios da presença anterior de outras civilizações, depois a descoberta da Máquina e finalmente o momento tão desejado e no entanto tão adiado, o ponto cronológico estabelecido para o início do contacto. Com a Máquina na sua posse e a neutralidade tácita dos estrangeiros, o acesso a outras tecnologias foi só mais um passo, não para a Humanidade como era hábito anterior, mas para o fortalecimento do conglomerado dominado por Mister RH. Agora que tinham acesso a velocidades superiores à da Luz dominavam as grandes distâncias, podendo lançar-se para lá da fronteira dos planetas interiores, à conquista de outros mundos e de outras direcções inovadoras. O sonho da utilização de projecções opcionais em situações de realidades desfavoráveis, modelando-as sem as alterar era o próximo alvo a atingir: a partir daí seriam eles próprios a criar e implementar a simulação. Nada de extraordinário num mundo infinito de sobreposições sucessivas.

 

...

Do outro lado da Lua as criaturas de Allen Hills controlavam até ao mínimo pormenor todas as acções realizadas pelos terrestres sobre a superfície da Lua, ao mesmo tempo que monitorizavam todos os movimentos em que estes pudessem por em causa o acordo previamente estabelecido, sobre limites e áreas de influência: o primeiro aviso dirigido aos terrestres fora efectuado aquando das suas primeiras visitas tripuladas ao satélite, especialmente a partir da primeira alunagem efectuada pelos astronautas das missões Apollo. Inicialmente com uma presença não muito evidente – mas deliberada e impositiva – aquando da chegada dos veículos pioneiros vindos do planeta Terra, a sistemática intromissão dos terrestres sobre este satélite estratégico e ali colocado com uma função de observação e acompanhamento temporário e preparação das condições futuras para um novo salto orbital, começou a tornar-se cada vez mais insuportável: uma reunião restrita e secreta fora realizada no próprio planeta Terra, com as criaturas de Allen Hills a imporem tudo o que queriam aos terrestres e a criarem um período alargado de proibição de entrada na Lua ou na sua órbita de influência de qualquer tipo de missão tripulada. Em troca ofereciam tecnologia avançada a este grupo restrito de terrestres – privilegiando-os nesse sentido – o que para as criaturas não constituía qualquer tipo de perigo para a sua segurança, dado o nível rudimentar para a sua civilização dos aparelhos e elementos fornecidos. Os terrestres acabaram por aceitar o acordo proposto pelas criaturas instaladas na Lua, pois começavam agora a compreender todo o poder e avanço tecnológico desta civilização da qual já suspeitavam da sua existência há quase trinta anos, desde que em Dezembro de 1984 tinham descoberto o meteorito de Allen Hills na zona gelada da Antárctida: na prossecução do Projecto ANSMET um grupo de exploradores tinha aí descoberto o célebre meteorito de Marte – apresentando estruturas evidentes de vida extraterrestre muito semelhante às existentes na Terra – além de muitos outros artefactos não revelados e desde aí secretamente analisados e mesmo em certos casos ensaiados.

...

A primeira projecção conhecida do Sistema Solar apresentava-o como um grande estrutura espalhando-se por milhões de anos-luz, com uma jovem estrela no seu centro e trazendo todo este conjunto atrás de si numa viagem por todo o Universo: mas a particularidade que o tornava especial era a presença de vida no planeta situado mais próximo dessa estrela. O planeta orbitava a estrela com um período de translação constante, levando atrás de si um outro corpo celeste que, também orbitando a estrela, orbitava ao mesmo tempo esse planeta: tratava-se de um satélite artificial criado e aí colocado para acompanhar toda a evolução da vida nesse sistema ao longo de todo o seu processo reprodutivo e evolutivo. Após a fecundação desta zona-óvulo do Espaço por impacto directo de uma fantástica e brutal quantidade de matéria excitada, pelo movimento e pela energia libertada durante este verdadeiro acto sexual de prazer e procriação, o novo Ser surgiu expondo a sua marca e identidade: a Vida.

...

O sistema poderia ser visto duma forma simplificada e perceptível para todos, como uma simples partícula um átomo – com o centro aparentemente estático e pesado a ser orbitado por um conjunto variável doutros corpos “excêntricos”, mais livres e dinâmicos.

...

“Desde o início dos tempos a espécie desenvolveu-se em torno da sua estrela-mãe o Sol, aproveitando sofregamente a paisagem luxuriosa que o planeta graciosamente lhe oferecia – num processo que parecia intemporal e sem fim claramente visível (por passividade na acção) – e usufruindo duma forma egocêntrica e levada até ao limite, de todas as delícias que este paraíso original lhe ia proporcionando, nunca pedindo algo em troca. Acompanhava-a um outro corpo celeste, responsável pela manutenção temporária do equilíbrio ambiental que sustinha a evolução desta nova espécie e pela preparação do seu salto seguinte no seu quadro evolutivo de aperfeiçoamento e expansão: a Lua, esse corpo celeste eremita colocado no centro do Sistema Solar por uma raça diferente mas inovadora e criativa, capaz de construir mundos mesmo que simulados e edificar construções (artificiais) únicas e extraordinárias. A Lua era uma dessas construções. Com o decorrer do seu processo evolutivo o Sol foi estendendo a sua área de influência, forçando a nova espécie a emigrar para corpos celestes similares entre saltos planetários e sempre acompanhada pela Lua: como um electrão residente num átomo activo e excitado, esta procurava libertar-se do poder centralizador do seu núcleo central, saltando entre órbitas e procurando continuamente o exterior, o desconhecido, talvez um parceiro. E esse seria o futuro desta nova espécie, se ela fosse capaz de se impor aos seus medos”.

 

Fim da 3.ª parte de 3

 

(imagens – Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 01:35

Fevereiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO