Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

03
Jul 18

'Sonar Anomaly' Isn't a Shipwreck, and It's Definitely Not Aliens, NOAA Says. Turned out to be a Rocky feature.

(livescience.com)

 

DgteTRwU8AELH1K.jpg

Anomalia desvendada

Nem um barco naufragado, nem uma nave alienígena, apenas um recife rochoso

(talvez com alguns destroços metálicos resultantes de acidentes c/ barcos e c/ aviões)

 

Numa viagem (em princípio de 11 dias) iniciada em 22 de Maio e planeada para terminar a 2 de Julho (deste ano), o navio de exploração oceânica (sob responsabilidade da NOAA) OKEANOS EXPLORER (levando a cabo mais uma das suas expedições) deslocou-se recentemente para uma zona marítima localizada na costa sudoeste dos EUA (norte do oceano Pacífico), com o objetivo de aí investigar, analisar e tentar descobrir a origem de um Anomalia Sonora (desconhecida) anteriormente detetada por um Robot Submarino: como sempre deixando (desde logo e como se não suspeitássemos de tudo o que seja oficial) a dúvida pairando no ar sobre o verdadeiro motivo da organização desta nova expedição (sob a direção da Administração Nacional Atmosférica e Oceânica do Governo dos EUA) às já tão conturbadas regiões terrestres como marítimas do oeste deste país e continente (Estados Unidos e América), levantando-se no decorrer do processo (iniciado no registo do tal Robot Aquático) hipóteses das mais variadas para este tipo de manifestação (eco sonoro) desde poder ser o reflexo de um Barco (já antigo) afundado, à presença de alguma nave Extraterrestre (ou qualquer outro tipo de artefacto alienígena) ou então e muito simplesmente (o mais certo para esta zona observada) de um fenómeno Geológico (com algum ou nenhum impacto ambiental, alterando minimamente o nosso Ecossistema):

 

MTUzMDI5MTI4Mg==.jpg

Vista da marca profunda provocada no leito rochoso do oceano

Como registado pela NOAA e pelo seu barco Okeanos explorer

(com a cor branca a indicar uma grande reflexão e uma superfície dura)

 

Ocorrido e localizado numa região do Globo terrestre (a nível de sismos e de vulcões) das mais ativas (geologicamente falando) ‒ o Anel de Fofo do Pacífico ‒ consideravelmente suscetíveis e vulneráveis a este tipo de fenómenos (até pela sua frequência e presença próxima de fatores intensificadores) ou não tivesse essa mesma região a presença da zona de subdução de Cascadia (podendo provocar um grande terramoto e um mega tsunami devastando toda a costa), a presença da famosa linha de falhas de San Andreas (há muito prometendo o Big One) e até mais para leste e para o interior dos EUA a presença de um dos maiores vulcões existentes na Terra o Super Vulcão de Yellowstone (adormecido mas sempre presente e demonstrando um crescente de atividade nos últimos meses ‒ provavelmente no cumprimento normal de mais um dos seus ciclos de atividade, ou não). Inicialmente com os investigadores a inclinarem-se para os restos de algum navio aí afundado (sendo esta uma rota de considerável tráfego marítimo muito utilizada comercialmente e até durante a II Guerra Mundial), pelo meio e dada as dúvidas levantadas (e pelos vistos para alguns não respondidas) com os (sempre presentes e apesar de tudo felizmente) teóricos da conspiração a falarem em Ovnis (ou não se sugerisse o acontecimento sonoro poder refletir a presença de algum tipo de metal) para finalmente se verificar ser apenas o reflexo sonoro de uma simples pedra, calhau ou rochedo (facto confirmado presencialmente pelo ROV ‒ veículo submarino de exploração operado por controlo remoto):

 

DguWmkqUcAAKy0S.jpg large.jpg

Não sendo uma anomalia provocada por terrestres ou extraterrestre

Limitando-se essa anomalia a um fenómeno inequivocamente geológico

(e desse modo aproveitando-se para o estudo da flora e da fauna aí residente)

 

“The Okeanos sonar anomaly appears to be geologic in origins. The team will continue to circumnavigate this rocky feature. This rocky feature is great habitat for many species including the many fish already seen.”

(NOAA Ocean Explorer ‒ @oceanexplorer/twitter.com)

 

Pelo que todo este alarido apenas devido a um reflexo sonar (oriundo de um Robot) obtido a partir de um objeto situado no interior do oceano Pacífico (e a grande profundidade), poderá ter tido a virtude de (considerada esta ação como não isolada) se partir para um melhor conhecimento de toda a fauna e flora habitando e reproduzindo-se neste mundo submarino (e oceânico), ainda tão desconhecido e misterioso apesar de estar numa parte importante da costa da Carolina do Norte: com os seus corais e esponjas, com os seus desfiladeiros profundos, com possíveis depósitos de gás, com placas tectónicas e falhas … dando a essa região boas oportunidades de uma profícua evolução futura (económica), mas tomando sempre em consideração (por extremamente relevante e jamais podendo ser esquecida) a seção geológica do Globo terrestre entretanto aqui focada. E para já sem barcos e tesouros nem ovnis e extraterrestres, mas continuando a investigação nada sendo de ignorar e tudo de esperar.

 

“Okeanos is headed back to the surface after investigating the "Big Dipper" Anomaly. While the anomaly was geologic in origins it yielded many fish species and other fauna.”

(NOAA Ocean Explorer ‒ @oceanexplorer/twitter.com)

 

Encerrado este episódio e dada a grande atividade sociológica e geológica registada neste Hemisfério Terrestre (Norte) ‒ onde a nossa Civilização se mistura e concentra (das maiores áreas tendo a Rússia/1º e a China/3º, com maior população a China/1º e a Índia/2º) e a grande proximidade ou partilha com a Ferradura se torna bem evidente (o Anel de Fogo do Pacífico) ‒ ficando-se à espera dos Novos Episódios desta única e Grande Aventura (tendo como protagonista o Homem), desejando-se (desde que colocados perante a nossa Morte física) que se transforme e evolua Sem Fim: encontrando-se o verdadeiro centro (do nosso Mundo entre Mundos) onde a nossa construção se mostrou (e se disseminou) e só a partir daí se descobrindo a Alma (o seu significado e presença).

 

n0vljqs5mznndxy7j9wz.jpg

Once upon a time it was quite popular to depict the human body in terms of machinery. The idea was that all of the functions and organs of the body could be equated on a one-to-one basis with machinery and technology.

(Ron Miller/Your Body, the Machine … Literally/gizmodo-com)

 

Talvez algo de inexistente (a Alma) traduzida a Evolução (produzindo Inteligência) em mais um (de muitos) processo Mecânico: “No qual fenómenos eletromagnéticos dispersos mas reativos se juntam (formando um bolo composto por Matéria e Energia em constante Movimento), formando uma unidade artificial, organizada e temporária, antes de se diluir e incorporar a Estrutura (evoluir) ‒ tal como constataríamos numa Máquina (à nossa Imagem e Perfeita).

 

E como tudo tendo o seu contrário sendo a frase seguinte um elemento de prova (no mínimo da relação inequívoca Homem/Máquina):

 

The Danger is not Machines Becoming Humans, but Humans Becoming Machines.”

(David Gelernter/bigthink.com)

 

(alguns dados: Laura Gegge/livescience.com ‒ imagens: @oceanexplorer/twitter.com e gizmodo.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 12:17

Julho 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
13

15


29


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO