Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

02
Mai 19

[Depois de Moçambique − com IDAI e KENNETH − sendo agora a vez da Índia com o ciclone FANI.]

 

India Orders Mass Evacuations as 'Extremely Severe' Cyclone Nears

(Hillary Leung/Time/May 2, 2019/yahoo.com)

 

ni_vis_sat_tropicalindex_0.gif

À direita com o Olho do ciclone FANI

Oriundo da Baía de Bengala no norte do oceano Índico

E já muito próximo da costa nordeste da Índia

 

Como se pode ver no mapa (anterior) apresentando-nos uma imagem via satélite do norte do oceano ÍNDICO, sendo bem visível no cumprimento do seu percurso (previsto pela meteorologia) a rápida aproximação de uma grande tempestade, atravessando a Baía de Bengala e dirigindo-se para a costa nordeste da ÍNDIA: tratando-se do ciclone FANI (em intensidade equivalente a um furacão de Categoria 4) podendo originar rajadas de vento (máximas) na ordem dos 250Km/h e simultaneamente transportando consigo elevada precipitação, originar nas regiões mais atingidas (durante a sua passagem) grande destruição (material), inundações, deslizamentos de terra e inevitavelmente vítimas humanas (entre feridos/mortos/desaparecidos). Num cenário muito semelhante ao ocorrido recentemente em Moçambique (aqui com 2 tempestades num curto intervalo de tempo a abaterem-se sobre o país – as tempestades tropicais Idai e Kenneth) – causando mais de 1000 vítimas mortais (e ainda hoje Maio,3 com o regresso da chuva a aumentar ainda mais as preocupações, dada a persistência das inundações) – mas podendo no caso da Índia (até pela sua elevada densidade populacional) ter consequências ainda mais gravosas.

 

190501104226-tropical-cyclone-fani-forecast-track-

Ciclone FANI

Segundo a CNN com a tempestade a atingir a costa leste da Índia amanhã

Sendo de Categoria 3 (rajadas máximas ligeiramente superiores a 200Km/h)

 

Levando as autoridades a declarar o estado de emergência (especialmente a partir da costa nordeste) e a iniciarem um processo de evacuação maciço das populações no trajeto (e zonas próximas) de passagem do ciclone FANI − umas 800.000 – sabendo-se que dos mais de 1.000 milhões de indianos 10% deles (100 milhões) estarão no caminho desta violenta tempestade: classificando-a como uma “Tempestade Ciclónica Extremamente Severa” e prevendo a sua chegada a terra (oriundo do norte do Índico/Baía de Bengala) na próxima sexta-feira, 3 (amanhã):

 

Extremely Severe Cyclonic Storm FANI about 450 km south-southwest of Puri at 0530 hrs IST of 02nd May, 2019. To cross Odisha coast around Puri by afternoon of 3rd May.

(India Met. Dept./@indiametdept/twitter.com)

 

merlin_154270959_7209bc84-d5d9-4aed-be97-7775f64f4

Ciclone FANI em imagem via satélite

Obtida na passada quarta-feira na Baía de Bengala

E com o mesmo já a caminho da costa leste da Índia

 

Segundo as últimas informações sobre a evolução do ciclone FANI divulgadas nos últimos minutos, mantendo-se as previsões anteriores sobre o impacto devastador que poderá ter o mesmo ao atingir o nordeste da Índia, na aproximação deste fim-de-semana (de 3/4/5 Maio): mantendo-se a sua Categoria 4, apesar da CNN apontar para Categoria 3 e outros sugerirem mesmo (caso as condições meteorológicas em redor do ciclone o proporcionem) poder atingir Categoria 5 (com rajadas de vento máximas superiores a 250Km/h). Com a cidade de PURI (e outras regiões/localidades até Brahmapur) mesmo no caminho do Ciclone, a poder ser uma das principais vítimas do ciclone FANI. E com FANI a enfraquecer a partir de sábado/domingo transformando-se numa tempestade tropical com vento e sobretudo muita chuva.

 

(imagens: wunderground.com – cnn.com – noaa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 12:32

25
Mar 19

[A passagem do ciclone IDAI − Portugueses, Indianos e Chineses]

 

A importantíssima colaboração da Diáspora Indiana (e não como todos pensaríamos da Diáspora Portuguesa) na ajuda e solidariedade (por iniciativa própria e no momento certo) ao povo amigo (e que antes os soube acolher) de Moçambique:

 

Indian diaspora supports relief efforts in Mozambique

Helicopters from the Indian Navy have undertaken a number of sorties to evacuate survivors. Additionally, the helicopters have been used to drop food and water.

(Times of Oman/timesofoman.com/25.03.2019)

 

1014583.jpg

1

Com a diáspora indiana a apoiar fortemente

o auxílio às populações moçambicanas

afetadas pelo ciclone Idai

 

Com uma população perto dos 30 milhões (e com um aumento percentual médio de cerca de 3%) − e uma densidade populacional de 38 habitantes/Km² − espalhada por um território de aproximadamente 800 mil Km² − e com 1/3 da população vivendo em centros urbanos – e sendo suportada por numa economia de baixo perfil/praticamente de sobrevivência e baseada na agricultura (ou não fosse o país um dos mais pobres de África e ao contrário de Angola sem riquezas − petróleo/diamantes − no seu subsolo), este país de língua oficial portuguesa e de maioria católica (católicos/24% e muçulmanos/18%), de origem étnica esmagadoramente africana (99%) e com apenas 20% da sua população tendo acesso à utilização de eletricidade, vê-se agora perante um cenário extremo e verdadeiramente dramático (económico/financeiro/social/civilizacional), como resultado de um fenómeno meteorológico extremo protagonizado pela passagem (por Moçambique e entrando pela região da Beira) do ciclone tropical IDAI:

 

Idai 3.jpg

2

Com a marinha indiana

a ser a primeira a responder à crise humanitária

passado o ciclone Idai

 

Causando imensa destruição (material) à sua passagem, atingindo sobretudo e com grande intensidade (ventos fortíssimos/200Km/h e elevada precipitação) a região da Beira (em Moçambique) e no seu trajeto (desde Madagáscar seguindo posteriormente para Moçambique) atingindo ainda outras regiões próximas e até outros países africanos vizinhos (como o Malawi, o Zimbabwe e a África do Sul) − e só entre os residentes nesta antiga colónia portuguesa com o número de vítimas mortais caminhando rapidamente para as 500, parecendo querer confirmar as estimativas iniciais apontando para mais de 1000 mortos.

 

Idai 4.jpg

3

Com o Alta-Comissão Indiana no Maputo a colaborar

com 3 navios da marinha, o INS Sujata, o ICGS Sarathi e o INS Shardul

na ajuda humanitária a Moçambique

 

No fundo mais um território abandonado (sem matéria-prima a cobiçar) por muitos daqueles (como por exemplo António Guterres trocando o lugar de Alto Comissário da UN para os Refugiados, pelo cargo de Secretário-Geral da UN) que o deveriam tornar como uma das referências de intervenção prioritária e obrigatória/senão moral até por humanitária – como os Europeus e os Portugueses (entre eles os antigos colonialistas portugueses e seus apoiantes internacionais) − no presente apenas sendo auxiliados (em maior escala de investimentos) pela Índia e pela China como consequência das respetivas políticas de penetração (económica e global) destes dois gigantes asiáticos em África (substituindo entre outros e talvez com alguma estranheza para os africanos, os seus já conhecidos/por com eles já terem vivido/sobrevivido Europeus).

 

Idai 5.jpg

4

Com a Marinha da Índia a poder orgulhar-se

do salvamento (das cheias) de cerca de 200 pessoas

e da assistência médica (em campos de acolhimento) a quase 1400

 

Daí a estranheza (até para nós em Portugal) de vermos um militar português (valha-nos as pessoas boas, que existem em muitos de nós) a tentar salvar (e certamente a consegui-lo) a vida de moçambicanos em risco de vida (neste caso uma mulher doente), fazendo-o a bordo de um helicóptero indiano:

 

O único ali mais habilitado a fazê-lo ou não falasse português (e querendo-o como se viu levar a cabo e concretizar) como assim o aceitaram (ou não fossem aí/na ajuda todos solidários) os tripulantes indianos.

 

Deixando-nos um amargo de boca sobre tudo o que poderia ter sido feito (por ex-colonialistas e ex-colonizados mas agora tendo acesso ao poder) − mas nunca o tendo sido feito (executado) − postos perante (perplexos) quase nada (de ajuda, solidariedade, dinheiro) e (por outro lado) um monte crescente de abutres (que sempre aparecem nunca nada resolvendo mas penetrando o mercado aparentemente e segundo os mesmos dando-nos nada mais que um pouco de conforto) palrando e aproveitando apenas para aparecer na TV.

 

Idai 6.jpg

5

Uma tempestade tropical causando (para já e só em Moçambique) 500 vítimas mortais (com as previsões a ultrapassarem as 1000) atingindo dramaticamente o país (pessoas e infraestruturas) e como tal afetando (ainda mais) a já tão frágil sociedade moçambicana

 

Por causa destas e de outras a saída da Europa (e de Portugal) de África e a sua substituição pela Ásia e pelo Novo Império Chinês:

 

Connosco a Europa a morrer (veja-se o espetáculo do Brexit) e os EUA para já a ver (não sabendo bem ainda, quem atacar/invadir).

 

thumbs.web.sapo.io.jpeg

6

Com o primeiro de dois aviões C-130 com apoio português às operações de socorro em Moçambique (ocorrido de 4 para 5 de Março) a ser esperado (finalmente) dia 22 (passadas mais de quinze dias) na cidade da Beira ( a região mais afetada)

 

[Compreendendo-se mais uma vez que sendo os portugueses tão fortes em certos parâmetros (e com razão e resultados) – maioritariamente oriundos das bases das hierarquias e como tal (e como deveria ser com todos) tendo-se que fazer à vida − noutros deixamos claramente “mesmo muito, senão tudo” a desejar (comprovado caso após caso) – maioritariamente oriundos do topo das hierarquias (aqui habituados ao deixa-andar deixando o resto (tal como diria Camões) para a inveja. Mas no geral e ignorando os Média (com o seu matraquear incessante, mais manipulador que informativo) um assunto não parecendo despertar grande interesse entre nós – mesmo nas nossas redes/sociais mais interessadas/direcionadas em redor de factos banais. Se ainda fosse para “mironar” sexo ou então cozinha! Mas felizmente e não sendo todos iguais (nem diferentes) com a ajuda portuguesa a aumentar ainda que demasiado tranquila mas com boa-vontade e progressivamente.]

 

(imagens/informação de legendas: 1 @indiannavy on twitter/timesofoman.com – 2/3/4/5 mynation.com – 6 sapo.pt )

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:07

23
Out 18

Num país – a ÍNDIA – com quase 1.300 milhões de seres humanos e cerca de 50 milhões de macacos

 

– Ou seja 26 seres humanos por cada macaco –

 

girl_living_with_monkies_india_fb.jpg

 

Onde numa área mais de 35X a de Portugal 1.000 pessoas são diariamente mordidas por estes nossos primos afastados (pertencendo ambos ao mesmo Reino/Animal, Classe/Mamíferos e Ordem/Primatas),

 

Chegam-nos este mês notícias da ocorrência de atos criminosos e mortais levados a cabo (na passada semana) por um grupo aparentemente organizado de MACACOS e conduzindo à morte (não acidental) de um ser humano:

 

Na sequência de outros ataques (semelhantes) levados a cabo por Macacos contra HUMANOS

 

Como o ataque mortal de um grupo de macacos (ação coletiva) a um vereador de Deli (depois de Bombaim a 2ª maior e mais importante cidade da Índia) e o rapto levado a cabo por um outro macaco (ação individual) levando consigo um bebé (entrando numa casa e roubando-o) posteriormente encontrado morto afogado num poço –

 

Com um outro grupo numeroso destes primatas (neste caso Macacos RHESUS) a atacarem no passado dia 18 de Outubro no estado indiano de UTTAR PRADESH (um estado densamente povoado pelos vistos não só por Homens como simultaneamente por macacos) um residente local de cerca de 72 anos,

 

Deixando-o após um brutal e definitivo ataque praticamente morto (levado ainda ao hospital mas nunca recuperando do seu estado).

 

Numa ação concertada com um Grupo de Macacos Rhesus a surpreender Dharampal Singh (o tal septuagenário indiano) enquanto recolhia madeira numa floresta próxima (para uma cerimónia/ritual Hindu necessitando da presença de fogo),

 

Atirando-lhe tijolos recolhidos nas ruínas de uma casa (próxima) a partir de uma árvore aí posicionada:

 

E fazendo-o até o deixar prostrado, inanimado e às Portas da Morte.

 

(dados e imagem: Paul Seaburn e thestatesman.com/snopes.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:36

15
Set 17

Tendo-se iniciado na passada terça-feira (dia 12) a 4ª prova do Circuito Mundial de Snooker (época 2017/18) a contar para o Ranking Mundial (RM) ‒ o OPEN da ÍNDIA ‒ iniciam-se hoje os quartos-de-final com a participação dos oito jogadores sobreviventes (dos 128 jogadores inicialmente inscritos entrando na pré-qualificação, dos 71 apresentando-se no 1ª dia/antes do heldover e dos 64 apresentando-se à 1ª ronda). Da lista dos 20 melhores jogadores fazendo parte do RM estando presentes apenas 5: John Higgins/ESC (nº 3), Shaun Murphy/ING (nº 5), Stuart Bingham/ING (nº 9), Mark Allen/IRLN (nº 11) e Anthony McGill/ESC (nº 18) ‒ este último e como detentor do troféu sendo o cabeça-de-séria nº 1 da prova.

cp-01122016221541.jpg

 Anthony McGill/ESC

Detentor do troféu Indian Open 2016

(ao bater na final Kyren Wilson/ING por 5-2)

 

Concluídas as três primeiras rondas da prova com as maiores surpresas a serem a eliminação logo na ronda de Qualificação de Allister Carter/ING (nº 12), Kyren Wilson/ING (nº 13) e Martin Gould/ING (nº 19); de Luca Brecel/BEL (nº 15) e de Stephen Maguire/ESC (nº 20) na 1ª ronda; e de Shaun Murphy/ING (nº 5), Stuart Bingham/ING (nº 9) e Mark Allen/NIRL (nº 11) na 3ª ronda. Sem a presença de jogadores de países de língua oficial portuguesa (caso dos brasileiros ausentes desta prova) restando-nos Alexander Ursenbacher/SUI (nº 101) ‒ descendente de mãe madeirense ‒ eliminado na 2ª ronda pelo também já afastado o norte-irlandês Mark Allen. E dos favoritos (20 melhores do RM) restando Higgins e McGill.

 

 Jogo

Fase

J

N

RM

D (F)

J

N

RM

1

QF

Anthony McGill

ESC

18

15.09

(7)

Zhang Anda

CHI

66

2

QF

Mark King

ING

22

15.09

(7)

Elliot Slessor

ING

85

3

QF

Xu

Si

CHI

112

15.09 (7)

David Gilbert

ING

21

4

QF

Liam Highfield

ING

68

15.09

(7)

John Higgins

ESC

3

5

MF

V1

-

-

16.09

(7)

V2

ING

-

6

MF

V3

-

-

16.09

(7)

V4

-

-

7

F

V5

-

-

16.09

(9)

V6

-

-

Open da índia

(J: Jogador N: Nacionalidade RM: Ranking Mundial D: Data F: Frame V: Vencedor)

 

Terminando o Open da índia no próximo Sábado (amanhã dia 16) com a disputa da Final, com o Vencedor a receber 50.000 £ e com o vencido a ficar-se por 25.000 £ (transformados em pontos para a elaboração da tabela do RM). Seguindo-se a partir do dia 18 (segunda-feira) o OPEN MUNDIAL, com os jogadores a deslocarem-se (agora) da Índia para a China para a disputa da 5ª prova do RM; e até ao fim do mês (de Setembro) com duas Qualificações, disputando-se em Outubro mais três provas contando para o RM: Masters Europeu (na Bélgica), Open da Inglaterra e Campeonato Internacional (na China). Numa época em que Portugal continua fora do circuito mas onde as esperanças ainda se mantêm intactas.

 

QF

 

Anthony McGill 4-0 Zhang Anda

Mark King 4-2 Elliot Slessor

Xu Si 4-0 David Gilbert

Liam Highfield 0-4 John Higgins

 

(imagem: livesnooker.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:31

20
Fev 17

India Launches Record 104 Satellites In A Single Mission

(reuters.com)

 

58a4115a2900002200f267ca.jpeg

Fig.1

 

Numa única missão destinada a colocar ao mesmo tempo vários satélites em órbita da Terra, a Índia acaba de bater um record mundial ao conseguir aí colocar de uma só vez 104 satélites (na passada quarta-feira).

 

Numa iniciativa não só importante para a Índia como para todos os outros países Asiáticos (entre eles a China e o Japão), tentando chegar-se às outras grandes potências (como os EUA e a Rússia) na partilha da exploração da Indústria Espacial: um sector indubitavelmente de futuro e envolvendo biliões (no caso dos 104 satélites colocados agora em órbita da Terra pela Índia sendo 97% deles de origem estrangeira).

 

11.jpg33.jpg

Fig.2/3

 

A missão é mais uma iniciativa da Agência Espacial da Índia ISRO (uma agência governamental fundada em 1969) mundialmente conhecida e já com créditos firmados na área, como o demonstra uma das suas últimas missões espaciais com maior impacto mediático: o da chegada de uma sonda a Marte (módulo MOM) e da sua posterior aterragem no planeta em Setembro de 2014 (módulo Chandrayaan-1).

 

Uma sonda de baixo custo, resultado do esforço de cientistas e técnicos indianos e que apesar de todas as dificuldades com que estes se foram deparando (inerentes a uma 1ªtentatriva), conseguiu colocar um artefacto terrestre num mundo alienígena (no mínimo a mais de 70 milhões de Km de distância) e logo à primeira tentativa.

 

44.jpg66.jpg

Fig.4/5

 

Numa aplicação de tecnologia de ponta simultaneamente bastante eficaz e muito barata – e direcionada aos voos espaciais – e que começa a dar os seus primeiros e grandes frutos (financeiros) antes com o lançamento de 75 satélites e agora com 104 só num único transporte (num aumento de unidades a caminho de 40%). Dos 104 satélites agora colocados em órbita sendo 96 norte-americanos, 3 indianos e com Israel, Cazaquistão, Holanda, Suíça e UAE a terem cada um deles 1 satélite.

 

mccsnap3dview01.jpg

Fig.6

 

Entre as dez maiores Agências Espaciais Mundiais – depois da NASA (EUA), da ROSCOSMOS (RÚSSIA), da ESA (EUROPA) e da JAXA (JAPÃO) e à frente da CNSA (CHINA) – a ISRO (ÍNDIA) é hoje em dia considerada como a 5ªmaior delas.

 

Fundada em 1969 e tendo já lançado os seus foguetões em direção ao Espaço, as suas missões tem-se diversificado entre o lançamento e colocação de satélites em órbita da Terra e o envio de sondas automáticas em direção a alvos mais distantes do nosso planeta, como a nosso satélite natural a Lua (sonda Chandrayaan-1) ou então ao nosso vizinho exterior o planeta Marte (sonda Mangalayaan).

 

Com o seu último feito (e record mundial) a ser a concretização na passada 4ªfeira (dia 15 de Fevereiro) num único foguetão (PSLV-C37) lançado a partir do Centro Espacial de Satish Dhawan em Sriharikota (uma ilha localizada a sul do estado indiano de Andra Pradexe), da colocação em órbita de nada mais nada menos do que 104 satélites artificiais (1 grande e 103 pequenos).

 

Com o orçamento da ISRO a andar neste momento por uns 860 milhões de dólares, mas face ao sucesso da agência com as entidades governamentais da Índia a prometerem um aumento de cerca de 23% (mais de 170 milhões).

 

[Legendas: Lançamento do foguetão PSLV-C37/Fig.1-2-3-4-5 e planeta Marte a partir do módulo orbital/Fig.6]

 

(imagens: huffingtonpost.com e isro.gov.in)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:13

28
Ago 16

“80% da população indiana pratica o hinduísmo, uma religião que encara a vaca como um ser sagrado. No entanto, a Índia exporta, por ano, mais de dois milhões de toneladas de carne deste animal. Como se explica este fenómeno?” (Joana Marques Alves – Jornal i)  

 

Ao contrário do que muitos pensam as vacas são tão sagradas na Índia como no Resto do Mundo: intocáveis na Índia (vamos pensar que aí ninguém as come o que não é verdade) para serem exportadas e comidas até aos ossos no Resto Mundo. Um esquema vicioso aplicado às vacas (com os bois na linha da frente) como também às mulheres (com o homem na última fila).

 

22.jpg

 

Quando a maior Vaca que eu conheci soube por mugidos vindos do exterior que existia um país onde os seus semelhantes nunca eram comidos, a primeira coisa que lhe veio logo à cabeça é para ela este seria certamente um bom território para investir: com todos os bois disponíveis a verem as vacas passear apenas precisava de um local para começar a trabalhar.

 

No entanto e apesar de todo o cenário apresentado apontar para o contrário (até as fotografias das vacas passeando despreocupadas pelas ruas o demonstravam e confirmavam) a Vaca teve um destino trágico no país albergando o Éden: uma rede apanhou a Vaca, reenviou-a para o seu país, onde finou toda comida.

 

(imagem: diariodebiologia.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:25

29
Set 14

Imagem da Lua obtida no passado dia 28 de Setembro a partir da sonda indiana Mangalyaan, lançada a partir da Índia no fim do ano de 2013 e orbitando na altura o satélite natural da Terra a uma altitude de 74.500Km. Numa missão de baixo custo se comparada com os custos da sonda norte-americana Maven (chegada a Marte poucos dias antes).

 

Tempestades de poeiras no norte de Marte

 

Trata-se da primeira missão entre planetas (Terra/Marte) levada a cabo pela Organização de Pesquisa Espacial Indiana (ISRO) – e a quarta organização a atingir o planeta Marte (depois dos Estados Unidos, da Rússia e da Europa). Tendo como objectivo o desenvolvimento de tecnologias para futuras missões interplanetárias e o estudo da superfície de Marte.

 

(imagem – isro.org)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:05

25
Set 14

“Até parece que estão todos numa correria louca de modo a poderem assistir ao vivo e em directo à chegada do cometa (o cometa Siding Spring que em meados de Outubro e na sua trajectória em direcção ao Sol fará uma tangente ao planeta Marte).”

 

No passado dia 22 de Setembro chegou a Marte mais uma sonda de origem terrestre: a sonda MAVEN enviada pela NASA a Marte com o objectivo de estudar a atmosfera envolvendo o planeta vermelho. A imagem seguinte apresenta-nos quatro registos do planeta Marte (obtidos através de um espectrógrafo de ultravioletas) quando a sonda se encontrava ainda a 36.500Km de distância:

 

Imagem da sonda Maven

 

No primeiro registo a cor azulada é provocada pela presença de hidrogénio acima da superfície marciana, com a sua atmosfera a adquirir essa tonalidade particular ao ser atingida pela luz oriunda do Sol; no segundo registo a cor esverdeada – induzida agora por outras radiações de diferentes frequências de ultravioletas e de menores dimensões – indica a presença de oxigénio; no terceiro registo a cor avermelhada é provocada pela reflexão desses mesmos raios solares pela superfície do planeta; finalmente no quarto registo (uma imagem composta) o brilho observado refere-se à presença de nuvens ou de gelo polar.

 

Imagem da sonda Mangalyaan

 

E enquanto a NASA celebrava o êxito de mais uma das suas sondas enviadas em direcção ao planeta Marte, eis que dois dias depois chegava ao mesmo destino uma outra sonda alienígena também oriunda do planeta Terra (após percorrer mais de 670.000.000Km): a sonda indiana MANGALYAAN lançada do Centro Espacial de Satish Dhawan (localizado na ilha indiana de Sriharikota) no mês de Novembro do ano passado. Contando já com uma forte presença de outras sondas espaciais (orbitais e de superfície) provenientes dos Estados Unidos e da Europa, eis que agora chegou a vez da Índia se juntar à grande festa (contando no mês que aí vem com a presença dum cometa).

 

(imagens – Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:09

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13

19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO