Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Sem Comer & Sem Beber (e c/ Covid-19) Ter Arma Não Chega

Domingo, 16.01.22

“With the world's most powerful military, a huge economy, and a leading role in international institutions such as the UN and NATO, the USA is a superpower. The rise in power and importance of China and re-emergence of Russia will continue to challenge the global dominance of the USA.” (The USA's international influence/bitesize/bbc.co.uk)

Tentando desvendar o súbito e já tardio interesse dos EUA ─ o 4º país no Mundo em área com quase 9,4 milhões de Km² e o 3º país em população com cerca de 331 milhões de habitantes ─ na China ─ 0 3º país no Mundo em área com cerca de 9,7 milhões de Km² e o 1º país em população com cerca de 1,44 biliões de pessoas ─ ou seja, de um país da América do Norte (EUA) sensivelmente com a mesma área do seu alvo um país da Ásia (China), mas apenas com pouco mais de 20% da população deste último,

p06ggmm0.jpg

Porta-aviões USS Bonhomme Richard

Marinha dos EUA

Bastando olhar ─ não sendo o caso dos EUA, apresentando sempre como “cartão de apresentação e visita”, a “referência Mundial de troca” a sua moeda o Dólar e por outro lado, o poderio do seu inigualável e planetário “Complexo Industrial-Militar” ─ para o sector da sua Industria Alimentar (da China), tal como ocorrido na generalidade dos setores da sociedade chinesa especialmente desde o início do século XXI (emergindo e tornando-se cada vez mais visível e notório o seu forte desenvolvimento, expandindo-se económica e financeiramente para lá das suas fronteiras e começando progressivamente  a “abraçar o planeta”),

Conquistando a Terra (daí o aparecimento do Imperador Joe Biden, na defesa dos interesses do Imperio Ocidental) e partindo já para a Conquista do Espaço (aí estando o Império já a perder terreno/para o seguinte, começando a ficar irreversivelmente para trás),

E então erguendo bem alto a bandeira do Novo Imperio Oriental (sob a liderança de um novo Imperador) entronizando o novo Imperador Oriental XI Jinping:

Tendo-se de comer e de beber para sobreviver e sendo o ramo da Industria Alimentar, a base e alicerce (o suporte) de qualquer agregado populacional, sociedade ou civilização ─ para além de obviamente, o setor da Energia ─ com a China e como sempre a precaver-se, dominando de tal forma a produção que sendo-lhe em muitos pontos suficiente e até excedendo o solicitado internamente, exportando crescentemente e com o controlo cada vez maior deste ramo/produtos, alimentando o Resto do Mundo e de uma forma indireta (deliberada ou não/consciente ou não), tornando-o dependente, da China.

07namibia1-superJumbo.jpg

A China na Namíbia, África

O novo Poder Mundial, Imperial e Colonial

Algo que jamais o atual império Planetário Ocidental liderado pelos EUA e atualmente tendo como comandante e líder espiritual Joe Biden ─ impondo a sua vontade e a do Hemisfério Norte Ocidental dominante, o mais rico e científico-tecnologicamente avançado ─ permitirá, sabendo-se por trás da China estar outro adversário igual e potencialmente perigoso a Rússia, juntos e como categorizados como representantes do “Eixo do Mal” podendo exceder-se face às suas ambições “imperiais” (já há muito tendo sido atribuídas), destruindo no seu caminho e impiedosamente (como pagãos que são) todos os valores Ocidentais Católico-Romanos, de Liberdade e de Democracia, norte-americana, na sua/nossa defesa.

Querendo os EUA manter o seu Império (a qualquer custo, dos outos) e com os seus súbditos mais leais colocados perante si ajoelhados e a rezar ─ a Europa (perdida, sem líderes) ─ sendo lançadas com “pedras e fisgas” sobre o poderoso “Urso Russo” ─ tentando paralisar e absorver a atenção da Rússia com a Ucrânia desviando a atenção russa de assuntos mis importantes ─ por outro lado (e sendo esse o objetivo norte-americano) permitindo aos EUA concentrarem todas as suas forças de pressão sobre a China,

3351.jpg

A 1ª base externa da China

(Djibouti, África)

Tendo mais tarde ou mais cedo os EUA (mal a Pandemia der tréguas) de assumir o que para já apenas afirma, unicamente atuando mesmo que com chantagem e com coação como prevenção, definitivamente atacando e surpreendendo a Rússia e a China de todas as formas imaginárias e possíveis (existindo muitos a atribuir o papel forçado de “bodes-expiatórios, o dólar sendo infindável e eterno pagando tudo), com os Média a complementarmente (destruindo-se o físico, destruindo-se logo de seguida a mente, num “serviço completo”) terem uma função preponderante (de condicionamento).

E no caso do Ramo Alimentar e dada a possibilidade de um dia os chineses, “matarem o peixe pela boca” ─ um dos mais graúdos e necessitados (dada a sua grande voragem) a serem os EUA ─ estando a China a nível de produção/controlo (dispondo da maior massa de mão-de-obra do planeta Terra, mais de 20% da população do planeta) cada vez mais avançada e absoluta (controlando esses mercados, sendo de longe o maior produtor, dominando a distribuição e os preços) a nível de três alimentos de base como estes,

─ Em meados deste ano de 2022 com a China a controlar quase 70% das reservas de Milho, 60% das reservas de Arroz e mais de 50% das reservas de Trigo ─

rice-production.jpg

China com 20% da população Mundial

A Maior Economia Agrícola Global

Os EUA com os seus veículos aéreos, terrestres, aquáticos e marinhos, ocupados e utilizados presencialmente ─ colocando de lado drones e mísseis, entre eles e caso a “festa” aqueça (por determinantes) de âmbito nuclear, só necessitando de carregar no botão ON ─ não consentindo a “Inversão” (de Impérios) mas,

Cheios de Covid-19 e sendo obrigados a regressar a casa e ainda-por-cima com os seus stocks alimentares em baixa ─ tal como já se verifica nos EUA e nos seus supermercados, com certos produtos por escassos mesmo sendo essenciais deixando as prateleiras vazias, como consequência das sanções impostas à China (apenas por ser o que é), levando os EUA por tabela ─

Acreditando os chineses que permanecendo os norte-americanos na região ou então optando pela viagem de retorno, poderem em qualquer dos casos, sofrer de restrições alimentares, sofrer de “fome”, em vez de ripostarem à ação provocatória dos EUA respondendo-lhes da mesma forma recorrendo ao armamento “convencional” utilizado nestas situações,

Bombardeando-os, mostrando não só a sua capacidade imediata de resposta caso usasse “armas com balas reais”, mas simultaneamente mostrando a sua grandiosidade e serenidade, tão necessárias nestes cenários pré-sucessão ─ aqui de Impérios, caindo um e erguendo-se outro, naturalmente, como uma serpente mudando de pele ─ com Milho, Arroz e Trigo.

(imagens: bbc.co.uk ─ nytimes.com ─

AFP/Getty Images/theguardian.com ─ millermagazine.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 20:35

ET Metálico no Menu de um Micróbio T

Quinta-feira, 12.12.19

[ET: Extraterrestre T: Terrestre]

 

Metal-loving microbe prefers eating meteorites than earth rocks

(Kerry Hebden/room.eu.com)

 

MeteoriteLovingMicrobe.jpg

The meteorite dubbed NWA 1172 (left)

M. sedula cells colonizing the surface of the meteorite particles (right)

 

Apresentando um micróbio terrestre vivendo em ambientes extremos (níveis de acidez elevada) e tendo como seu alimento predileto material proveniente de meteoritos (fragmentos atingindo a superfície da Terra), calhando estar presente neste tipo de material extraterrestre metais enriquecendo-lhe (certamente e pela reação posterior) a sua dieta alimentar, como que parecendo dançar atingindo o êxtase: a Metallosphaera sédula (1 mícron de diâmetro). Podendo viver praticamente em todo e qualquer lado (mesmo no interior do corpo humano) especialmente como “facilitador em proveito próprio das digestões”, gostando ao mergulhar nelas (extraindo-lhes com prazer a energia necessária) dos alimentos sendo ricos em metal. E daí pensando-se nas rochas marcianas e de como estes micróbios reagiriam (se adaptariam/evoluiriam) em Marte, fazendo-se a experiência (tendo um exemplar de meteorito e o micróbio) e revelando-se os resultados: utilizando-se uma amostra do meteorito NWA 1172 e exemplares do micróbio Metallosphaera sedula (ou M. sédula) e constatando-se de imediato “o amor gastronómico do micróbio pela amostra metálica extraterrestre− nela se fixando (o micróbio terrestre no meteorito extraterrestre metálico) e suscitando a possibilidade da existência de Vida (para além de na Terra) em Marte , no Universo.

 

[artigo: Metal-loving microbe prefers eating meteorites than earth rocks/Kerry Hebden/09.12.2019 room.eu.com/news/metal-loving-microbe-prefers-eating-meteorites-than-earth-rocks]

 

(imagem/legenda: Wikicommons/Milojevic et al, Nature, 2019/room.eu.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 10:15

Antártida e Aquecimento Global

Quinta-feira, 21.11.19

[E para deixar desde já alguém com “água-na-boca”, umas imagens da Antártida via Paul Nicklen e National Geographic Portugal.]

 

antar5.jpg

 

Lobo Marinho (↑)

Krill (↓)

 

antar6.jpg

 

 Para quem a Cultura e a Memória é importante, pretendendo-se (a aquisição de) algo de substantivo − e deixando para os outros, os adjetivos – focando-se aqui na questão (atual) do Aquecimento Global e nas consequências do mesmo, no que toca ao continente gelado da Antártida: com as subidas nas temperaturas (provocando o Degelo dos Polos) a alterarem o clima da região, certamente que modificando as suas condições ambientais (do ecossistema antes existente) e podendo dar origem a novas migrações − abrangendo toda a fauna (nela incluindo o Homem) e toda a flora − assim como à mudança dos hábitos alimentares. Ainda-por-cima num ato cultural baseado em experiências diretas e pessoais, proporcionando-nos (e usufruindo-se com imenso prazer) um quadro cronológico explicativo (e objetivo) da evolução registada na Antártida, como vista por uma criança (então − 1988 − com 9 anos) ao longo da sua infância viajando (num veleiro) por esta região polar com os seus pais e irmão: e constatando anos depois (já nos 40 anos) a mesma (a península da Antártida) − tal como a conhecera antes − ter praticamente “desaparecido”.

 

Um artigo da responsabilidade da National Geographic e publicada no Sapo (a 21.11), sem dúvida a ler: “Antárctida − Como o aquecimento está a mudar o que os animais comem, onde descansam e se reproduzem” em

 

[nationalgeographic.sapo.pt/natureza/grandes-reportagens/

1989-antarctida-uma-fenda-no-mundo]

 

antar8.jpg

 

Icebergue (↑)

Cria de Pinguim (↓)

 

antar10.jpg

 

E se colocando a questão de se o Aquecimento Global poderá mudar alguma coisa na Antártida (ou noutra qualquer outra região da Terra), com a resposta a ser claramente SIM tanto nas migrações (onde descansar, onde se reproduzir) como na comida (mudando-se de ambiente, mudando-se a alimentação): desde que se compreenda que não sendo o Mundo (apenas) a Preto & Branco (sendo-se por exemplo, por Trump ou contra Trump) − não nos deixando alternativa, mesmo sabendo-se serem faces da mesma moeda (ou seja, iguais) – as causas para tal Aquecimento Global (Degelo dos polos e/ou Alterações Climáticas) residirá maioritariamente na Evolução Geológica e Natural da Terra (integrada num Sistema muito maior) e apenas minoritariamente (apesar das suas “manias de grandeza”) na Interferência Artificial do Homem. E levando-a (a Terra) até ao extremo, com um dos (como espécie) a poder afirmar desde logo a sua extinção (e pelas suas próprias mãos) a ser precisamente o Homem.

 

E tal como antes regressando a casa e depois de larga ausência já não conhecíamos ninguém (como se o passado, nunca tivesse existido) − destruída a Memória − o que será quando regressarmos a casa e ela já não existir − destruída a Cultura? Nada, porque antes, já teremos deixado de existir.

 

(imagens: Paul Nicklen e National Geographic Portugal/nationalgeographic.sapo.pt)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:16

À Caça do Atum

Terça-feira, 19.06.12

Na tradicional gastronomia algarvia, andamos sempre atrás dele – há muito desaparecido das mesas e até das águas do mar: só se for seco e congelado ou encerrado para engorda em viveiros.

 

Um Mamífero observa Outro, tal como Nós

(assim é lindo e dá prazer)

 

As Orcas também gostam de Atum

 

Um grupo de orcas foi avistada um destes dias a passar próximo da costa do Algarve, aproximadamente a 12 Km ao largo da cidade de Albufeira. É um caso raro o avistamento na nossa costa – nestas condições e a esta distância – destes mamíferos, na sua viagem à procura de alimentos, neste caso do saboroso (e em vias de extinção) atum algarvio.

 

(segundo notícia CM)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 13:52