Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

19
Dez 11

As ditaduras actuais têm todas apoiantes ou cúmplices, que apenas se distinguem uns dos outros, pela ocasião e opção de negócio que tomam, em determinado momento especulativo.

 

Coreia do Norte – Kim Jong-Il e o seu filho Kim-Il-Sung

 

A sequência hereditária de um poder familiar e paternalista é uma consequência lógica da evolução das sociedades actuais, concentradas num só pólo de desenvolvimento económico e social e com uma segurança fortemente implantada, de modo a poder estreitar ao máximo o filtro dos canais de comunicação, petrificando-os ilusoriamente com imagens de força e poder: o que no entanto e com a ajuda de muitos, não deixa de funcionar.

 

Estados Unidos da América e Coreia do Norte – Albright e Jong-Il

 

Os Estados Unidos podem ser considerados como cúmplices, de uma situação que apenas lhe interessa manter intermitentemente à superfície. Utilizam para isso discursos agressivos, mas ocos de acção e concretização em objectivos. E não é invocando a velha questão da Declaração dos Direitos Humanos, em que ele é o Rei e o Senhor da implementação definitiva do desprezo e desrespeito pelas condições de vida em diversas situações de guerra, que veremos milagrosamente o mundo mudar de paradigma – é que a vida já não suporta mais hipocrisia.

 

Rússia e Coreia do Norte – Medvedev e Jong-Il

 

A Rússia pode ser considerada como apoiante – mesmo que não assumido – do regime norte-coreano. A deslocação do mundo económico e financeiro mundial para os mercados asiáticos é já uma realidade, da qual a velha Europa dos rendimentos garantidos ainda não se apercebeu, mesmo depois dos sinais de revolta no mundo árabe (colonizados), que antecederam o despertar da crise profunda na própria Europa (colonizadores). A Rússia ainda poderá ter um papel decisivo no futuro da Europa – seja ele qual for – devido à sua posição central entre o oeste e o este, enquanto a Grã-Bretanha procurará em desespero de causa, manter a sua bolsa em plena actividade, estabelecendo eixos de comunicação privilegiados com o sistema financeiro americano e mundial – pelo menos enquanto o dólar existir. Quanto à Alemanha ainda não aprendeu com a sua derrota e com o genocídio que provocou durante a 2.ª Guerra Mundial e mais uma vez com a colaboração da França, pretende conquistar a Europa, não se apercebendo que ela já não é nem nunca mais voltará a ser, aquilo que já tantas vezes desejou, mas que sempre alguém destruiu.

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:34

Outubro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9


21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO