Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

19
Nov 17

O que verdadeiramente interessa (para além de se saber se era um dos dois astronautas ou então um extraterrestre quem aparecia refletido) é conhecer-se a razão pela qual o Homem abandonou há 45 anos as suas viagens à Lua ‒ quando um camionista faz essa quilometragem em poucos anos de estrada (ida e volta).

 

Para nos entretermos (neste caso certamente para nos entreterem) porque não fazer como o Site UFO SIGHTINGS HOTSPOTS e recordar uma das fotos publicadas pela NASA sobre a missão APOLLO 17 (a última do projeto e também com alunagem) e tendo como protagonista um dos seus ASTRONAUTAS: passeando sobre a superfície da LUA no seu fato espacial (analisando e filmando o cenário) e através do seu visor ver o que poucos Homens viram a tão curtíssima distância (e refletindo neste espelho o mundo lunar exterior).

 

AS17-141-21608HR.jpg

Para uns mais um caso de Fake News

(o Homem nunca esteve na Lua)

 

Acontecendo que ao analisarmos com um pouco mais de atenção o registo original (AS17-141-21608/OF300) e particularmente o VISOR do capacete do astronauta (como se sabe e sendo uma superfície polida, tendo uma grande com capacidade refletora), funcionando este como uma tela onde um filme é projetado, no mesmo se podendo ver tudo o que de frente vê o nosso astronauta: e aí surgindo uma das primeiras dúvidas, ao juntar-se à rocha (integrada no cenário) uma outra coisa mas estranha.

 

AS17-141-21608HR b.jpg

Para outros apenas o outro astronauta

(ou não fossem 2 os do módulo lunar)

 

Refletido no visor do capacete separando-o do ambiente exterior, uma outra figura (muito semelhante a um astronauta) surgia sobre a superfície lunar, em princípio num tempo e espaço tornando o facto impossível: com os dois astronautas da missão (Cernan e Schmitt) afastados um do outro (em princípio), tornando o reflexo de um deles (para benefício dos mais crentes) algo de muito improvável. Deixando-nos Água na Boca para um simples esclarecimento e para a indicação do motivo para o abandono da Lua (vai fazer 45 anos).

 

Apesar de a Terra ser hoje em dia dominada pela IDEIA de que se o HOMEM é um Ser Limitado no Espaço e (sobretudo para nós) no TEMPO (ainda vemos o Espaço como ele seria há biliões de anos, mas tendo um Tempo extremamente curto para o fazer) ‒ daí a sua necessidade de sucesso no mais curto espaço de tempo, o que nos levaria desde logo (e de novo) até à LUA ‒ a nossa elite científica (agora controlada por sobrevivência e/ou acomodação pelas mais diversas corporações privadas e pelos seus delegados de propaganda, os políticos) apoiada por alguns Milionários/Visionários nas suas Crises (Existenciais) de Crescimento, apontam atualmente para mais longe (como será o caso de ELON MUSK, da sua SPACE X e da colonização de MARTE) deixando para trás a LUA (apenas a 384 400Km da Terra) e apontando para o PLANETA VERMELHO (podendo-se localizar a 55/400 milhões de Km da Terra): nem sequer utilizando a Lua (aí instalando uma Colónia) como um Entreposto Interplanetário.

 

(imagem: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 14:33

16
Jan 17

No dia da morte do astronauta norte-americano EUGENE CERNAN a pergunta que mais uma vez se coloca continua a ser a mesma (infelizmente por nunca ter tido uma resposta válida): por que diabo o Homem abandonou a Lua (que nem a 400.000Km da Terra fica) há já quase 50 anos (ainda por cima tendo agora como objetivo Marte)?

 

800px-AS17-145-22224.jpg

Eugene Cernan no interior do módulo lunar/LM

Comandante da missão Apollo 17

(Orbitando e pousando na Lua – Dezembro de 1972)

 

Quando um dia o Homem olhou para a Lua e decidiu de uma forma irreversível que esse seria o momento ideal para o início da sua conquista, provavelmente o comandante da missão APOLLO 11 o astronauta NEIL ARMSTRONG (o 1º Homem a pisar a Lua) e o comandante da missão APOLLO 17 o astronauta EUGENE CERNAN (o último homem a ter pisado a Lua), nunca imaginariam nos seus sonhos mais extremos as consequências para o desenvolvimento da Humanidade (Científicas, Tecnológicas e de Mentalidades) que o seu feito extraordinário e para muitos impossível de se concretizar iria provocar no futuro desse ecossistema chamado TERRA – e naturalmente no desenvolvimento da sua espécie dominante o HOMEM.

 

Hoje 16 de Janeiro de 2017 (dia em que o astronauta norte-americano Eugene Cernan nos deixou) num momento de grande tristeza e de um grande amargo de boca, deixando-nos por momentos levar (como num sonho) pelos trilhos da nossa memória e recriando de novo o passado edificado em toda a Cultura e conhecimento (por nós interiorizado), revivendo num tempo presente tão perdido como monótono, um episódio fantástico da nossa História talvez só comparável aos grandes tempos dos Descobrimentos: como qualquer criança ao crescer antes evoluindo em Terra (em casa com a sua proteção) depois fora dela (abandonando ao crescer a sua zona de conforto).

 

800px-Apollo_17_Cernan_on_moon.jpg

Eugene Cernan no exterior do LM

Filmado pelo seu colega Harrison Schmitt

(vendo-se à direita na imagem o rover e a sua antena)

 

Numa aventura nunca antes levada a cabo fora do nosso ecossistema, envolvendo o voluntário abandono por parte do Homem do seu habitat natural e de sobrevivência, deixando para trás todas as hipóteses de recuo ou de auxílio e tendo apenas como contrapartida e recompensa final a busca do desconhecido, de outras realidades e do conhecimento do Universo: no caso da conquista da Lua e apesar de tudo o de precioso que a mesma nos facultou (para a organização, desenvolvimento e transformação da sociedade) – comparem pelo menos no que toca à Esperança e ao Entusiasmo a Terra com Sonhos dos anos 60 com a Terra com Pesadelos dos dias de hoje – com o amargo de boca a dever-se à total incompreensão (e falta de respeito por todos aqueles que gastaram toda a sua vida na tentativa da concretização deste projeto claramente UNIVERSAL) pela atitude tomada pelos EUA em terminar definitivamente o programa Apollo, esquecendo a Lua (como se já lá não estivesse e não tivéssemos lá estado) e abandonando de vez os voos tripulados para outros corpos celestes (ficando-nos por viagens de Vaivém entre a Terra e a ISS – e entregando de mão beijada às máquinas o prazer da Aventura e o poder da Descoberta. Certamente algo que não desejaria Eugene Cernan.

 

E com o seu colega de missão HARRISON SCHMITT (piloto de comando do módulo lunar e geólogo) a passar a ser agora o último Homem ainda vivo a pisar a Lua (pisando a Lua aos 37 anos e hoje j com 81 anos).

 

(imagens: NASA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:55

Setembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO