Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Se o Preto não é Cor, é este que a Define e a Destaca

Segunda-feira, 09.08.21

“Sendo a profundidade do céu noturno e escuro,

a testemunha vital de tal complemento.”

Observando o registo fotográfico do estoniano MÄRT VARATU (de 6 de agosto de 2021) oferecendo-nos uma perspetiva do céu noturno sobre a cidade de HAAPSALU (cerca de 58,6° de latitude norte),

Mart-Varatu-airglow_1628352300.jpg

Palete de Cores Natural 1

Noites coloridas oferecidas pelo Sol (raios ultravioleta)

interagindo com a Terra (atmosfera)

 

Concordando em absoluto que o céu tal como o vemos todos as noites nunca é completamente escuro ─ muito pelo contrário ─ tendo sempre algo para nos oferecer, desde uma momentânea passagem de uma estrela cadente, a uma noite iluminada de LUA CHEIA,

E passando obviamente pelas noites cheias de estrelas no céu (brilhando com uma miríade de cores, nas profundezas mais ou menos longínquas do Espaço) e ainda, pelas muitas noites em que devido à ocorrência de fenómenos mais próximos,

A atmosfera que nos envolve colaborando, podendo-nos proporcionar outros Eventos de Luz, iluminando e colorindo os céus, de muitas das nossas madrugadas: muitas delas nem vistas, mas pelo menos sendo sonhadas (a dormir, ou acordados).

Explicando-nos (com a colaboração do site spceweather.com) que os raios ultravioletas que todos os dias atingem o nosso planeta muitos deles sendo “filtrados” pelo Sol ─ mas com outros passando e podendo-nos atingir estando expostos (como na praia nos dias de maior calor e nas horas de maior incidência)

Provocando aquando do seu impacto e penetração na mesma camada gasosa exterior protegendo o nosso planeta e à sua passagem, reações químicas,

Persistem mesmo terminado o dia durante o período noturno, oferecendo-nos aí céus com cores e tonalidades diferentes e das mais variadas, fixas ou cintilantes, maiores ou menores, mais ou menos afastadas, umas podendo estar vivas outras por outro lado já mortas (chegando-nos ainda hoje imagens, de antes do seu desaparecimento).

No caso aqui exposto explicando-se o aparecimento no céu noturno das cores verde e vermelha, ambas estando associadas aos nossos conhecidos e atrás mencionados raios ultravioletas (enviados para a Terra pelo Sol), este domingo (uma informação para quem vai à praia) no nível UV9 (muito elevado).

Eduardo-Schaberger-Poupeau-Spotless-Sun-APOD-08-07

Palete de Cores Natural 2

Dias c/ manchas solares sugerindo um aumento de atividade,

agora c/ o Sol apresentando-se limpo de manchas

 

Nessas reações (químicas) iniciadas durante o período do dia (atingindo um pico máximo nas horas de maior calor, entre as 11:00 e as 15:00), podendo-se assistir posteriormente durante o período noturno e quando uma radiação ultravioleta atinge um átomo de oxigénio,

Esta (reação) manifestar-se através da emissão de cor verde (tudo isto a 90Km/100Km de altitude), enquanto ao atingir iões hidroxilos (formados por um átomo de oxigénio e um átomo de oxigénio) então manifestar-se aí de cor vermelha (aí a uns 86Km/87Km de altitude).

E depois de falarmos de algumas cores desta “palete de cores infinita” proporcionada pela “escuridão do céu”, em princípio limitada e claustrofóbica (como se a escuridão ou o silêncio não pudessem ser o oposto daquilo que pensamos ser),

Faltando-nos acrescentar que qualquer noite é boa para colocarmos a cabeça de fora e usufruirmos o céu colocado sobre a nossa cabeça (qualquer dia nem olhando para acima não o conhecendo, confundindo-o, tal como o fazemos ao confundir na sua identificação, uma galinha viva com um frango rodando no espeto):

Podendo-se usufruir gratuitamente de espetáculos de grande beleza (vejam-se as auroras boreais a altas latitudes), ainda por cima na altura em que passando nas vizinhanças da trajetória de um cometa (indo atravessar essa região) ─ cometa 109/P SWIFT-TUTTLE ─

Estarmos cada vez mais próximos da chegada da “Chuva de Estrelas das Perseidas”.

Com a última previsão a apontar os dias ideais como 11/12/13 de agosto e com a frequência de “estrelas” a andar por mais de 100/hora (cerca de 3 a cada 2 minutos, nada de especial) ─ não se confirmando a frequência (sendo ainda mais baixa) podendo até dar para se adormecer.

(imagens: Märt Varatu e Eduardo Schaberger Poupeau/spaceweathergallery.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 11:31

Missão Vénus

Quinta-feira, 03.06.21

Com a NASA a projetar num futuro próximo (final desta década/início da seguinte) duas missões ao planeta Vénus (com um custo de 1000 milhões de dólares), tendo como objetivo estudar a atmosfera do planeta e a sua história geológica ─ visitado pela última vez no século passado.

imagesvenus20191211venus20191211-16.jpeg

Vénus

 

Ao mesmo tempo que estudando a sua atmosfera tentando compreender se alguma vez terá existido um oceano em Vénus, um planeta podendo ter sido muito parecido com o que a Terra é hoje (até mesmo habitável), no entanto na sua evolução transformado num Inferno.

Verificando simultaneamente se em Vénus tal como na Terra (e estudando o seu núcleo central) existe no seu interior movimento de placas tectónicas ─ assim como alguma forma de vulcanismo ─ e de como o mesmo se manifesta ou manifestou desde a sua origem /formação.

Entre os 2 vizinhos da Terra 1 sendo interno (interior à sua órbita, mais perto do Sol que a Terra) o outro sendo externo (exterior à sua órbita, mais afastado do Sol que a Terra) e podendo ter sido num passado bem remoto mundos habitáveis (tendo o Sistema mais de 4,6 biliões de anos),

Restando talvez numa certa sequência (tendo ela existido) o planeta Terra, nele existindo Água, Atmosfera, Proteção e como nosso exclusivo Vida, num Ecossistema único e Extraordinário que um ou outro destes planetas, poderá ter usufruído no passado.

Dos 8 planetas principais integrando o Sistema Solar todos tendo uma história particular, desde os planetas descontinuados como o parecem ser Mercúrio/Vénus/Marte, passando naturalmente por nós de momento os protagonistas e finalmente alcançando os outros:

Para além da possibilidade de um outro planeta podendo ter existido, onde hoje se localiza a Cintura de Asteroides (entre Marte e Júpiter), existindo ainda e após a última ronda (eliminando Plutão e transformando-o num anão) Júpiter, Saturno e Úrano.

Certamente que num futuro esperemos que a não muito longo-prazo (pelo menos acompanhando a evolução do Sol e a Vida no nosso Sistema), ultrapassada a Lua, já instalados em Marte (colonizando-o, instalando lá uma base, um entreposto espacial),

E já com os mesmos tendo contribuído para a nossa expansão (afirmação) ─ como por exemplo o Gigante-Gasoso Júpiter funcionando como 1º escudo protegendo-nos do impacto de objetos, ou com várias das suas luas a poderem ser fontes de água

Podendo um destes Mundos ser a nossa nova casa, tal como com os Navegadores Portugueses o primeiro passo para a Conquista do Espaço e o início da Aventura do Homem na busca de Outros Mundos (outras estrelas e galáxias).

(imagem: NASA)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:32

Pólen Solar

Terça-feira, 01.06.21

Olhando para esta imagem do SOL, rodeado por “densos círculos concêntricos”, proporcionando-nos um espetáculo bem colorido e muito semelhante a outros antes observados ─ tendo como protagonistas o Sol e pequenas gotículas de água existindo nas nuvens

Heiko-Ulbricht-1400-50-mm_1622414207.jpg

Coroa de pólen solar

(Alemanha, 30 maio 2021)

 

Destacando-se, no entanto, uma particularidade podendo distingui-los dos restantes, o de para além da sua maior densidade apresentarem uma tonalidade mais intensa:

Dentro das minhas limitadas observações sendo mais semelhante à imagem do céu lá estando presente o Sol, sendo observado mais para o fim da tarde de um limpo e disponível céu de Verão, aqui sendo intensamente “filtrado” por ocupação de nuvens densas e escuras resultando de fortes e prolongados incêndios, “incendiando o Sol” e colocando todo o céu a arder, em tons-de-fogo, de vermelho.

lg_ponderosapollen.jpg

Pólen de Pinus ponderosa

(espécie de Pinheiro)

 

Como se fosse um foco intenso de uma lanterna-misteriosa, penetrando, tentando ultrapassar o intenso nevoeiro.

E se no 1º caso tínhamos o Sol e as nuvens com gotas de água, no 2º caso o mesmo Sol e o resultado de incêndios originando nuvens de cinzas espessas e escuras, já no 3º caso e envolvendo de novo o Sol (e os seus intensos e luminosos raios solares, fazendo sobressair determinados elementos por reflexão),

1024px-Pinus_ponderosa_subsp._ponderosa_cones_and_

Pinheiro

(originário do Novo Mundo)

 

Tendo agora presente um elemento só presente em determinadas alturas do ano e nos diferentes Hemisférios, introduzindo-se no ar, passando a integrar a atmosfera, as nuvens aí se movimentando e pela sua presença, dando origem a este intenso e belo fenómeno visual:

Encontrando-se mais uma vez a explicação para este efeito ótico (não lá longe no Sol, mas aqui mesmo na Terra) sendo o mesmo provocado num processo reprodutivo (Sexual) pela presença de PÓLEN (neste caso de pinheiro) no ar ─ brilhante, fazendo o papel de espermatozoide e com o Sol a dar-lhe o decisivo impulso.

(fonte: spaceweather.com ─ imagens: Heiko Ulbricht/spaceweathergallery.com ─

Rocky Mountain National Park/nps.gov ─ wikipedia.org)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:24

Espaço, Oceanos e Atmosfera ─ Plástico e Poluição

Terça-feira, 20.04.21

Já tendo tocado a Lua (a mais de 384.000 Km da Terra) e prevendo dentro de alguns anos tocar Marte (hoje perto dos 289.500.000Km da Terra), o Homem já no decorrer do ano 2021 ainda é incapaz de tocar as profundezas dos oceanos: sabendo-se que o local no presente (e conhecido) com maior profundidade ─ a Depressão Challenger localizada nas profundezas do Oceano Pacífico (Fossa das Marianas) a 300Km a sudoeste de Guam ─ se fica (modestamente) nem pelos 11Km (11.994 metros).

 

bdHvHhyRQjZz34M96wz6L7-970-80.jpg

O ar que respiramos (incorporando-o, fazendo parte do nosso corpo)

a ser constantemente invadido por um nº crescente de partículas de plástico

 

Dispondo de toda uma tecnologia avançada e revolucionária criada pelo desenvolvimento científico e pela extraordinária capacidade da mente humana, mas que talvez pela conclusão de que tudo isto um dia terá um fim e dada a exploração desenfreada até agora levada a cabo (no nosso planeta) ─ destruindo a Natureza e transformando-a em matéria-prima, apenas na busca do lucro ─ não tendo qualquer hipótese de recuperação e como tal, orientando o foco futuro de investimento não para o interior (p/ a Terra) mas em direção ao exterior (p/ o Espaço).

 

Dessa forma e como consequência, em vez de tentarmos resolver os problemas internos ─ como é o caso da poluição em terra, atmosférica e oceânica ─ virando-nos para o Espaço profundo e ainda bastante desconhecido (e extremamente perigoso, até pela distância), chegando mesmo a procurar outras Terras alternativas a muitos e muitos anos-luz de distância da Terra, sendo completamente incessíveis para o Homem: dando prioridade à colocação do Homem na Lua (de novo, já lá vão mais de 50 anos) e até em Marte e descurando a observação do que comemos/bebemos e respiramos, o básico, para não termos no futuro problemas sobretudo de Saúde.

 

for_press_release-2000x1200.jpg

Uma tecnologia capaz de nos lançar em ambientes distantes e hostis

no entanto não atingindo na Terra uns míseros 11Km de profundidade

 

E aí, depois da poluição da terra e do mar, chamando-nos à atenção a poluição atmosférica e nela de um outro (grande) problema adicional ─ a proliferação dos plásticos em pequeníssimas partículas no ar que todos os dias respiramos: e se antes afirmávamos que “somos o que comemos” agora também podemos acrescentar que também “somos o que respiramos”. Se pelo lado da Exploração Espacial os recursos financeiros parecem ser imensos, envolvendo não só as agências espaciais do estado como até as da iniciativa privada (veja-se o caso dos EUA, com os privados como a SpaceX a utilizarem verbas do estado ─ em biliões de dólares ─ anteriormente destinadas para a NASA), não sendo pelas verbas dispensadas à preservação do nosso Ecossistema e nele incluindo os humanos (uma miséria, se comparada), que os Estados irão à falência: por exemplo em terra, no mar e no ar “controlando os plásticos”.

 

Segundo um estudo da NOAA (Administração Nacional Oceânica e Atmosférica, norte-americana) com milhares de toneladas de micro plástico circulando na atmosfera, fazendo diariamente parte (a cada microssegundo que passa) do ar que todos nós respiramos: plástico entrando já na nossa cadeia alimentar, até nas garrafas de água que consumimos vindos da própria cápsula (de plástico, ao rodar/abrir largando igualmente partículas para o eu interior). E respirando-se agora um “ar plastificado” tendo-se forçosamente de esperar, consequências negativas (para a saúde) ─ como se já não bastasse até pela camada (protetora) de ozono, o mal provocado pelos aerossóis: destruindo essa camada (daí o aparecimento de “buracos”, felizmente e para já, recuperando) tendo como uma das suas importantíssimas funções a de proteger a Vida da ação dos raios ultravioleta. E passando por ela todos os raios/radiações esterilizando o planeta.

 

(imagens: livescience.com ─ universetoday.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 20:35

Ciclones de Júpiter

Segunda-feira, 16.12.19

“Com a monstruosa tempestade atmosférica parecendo acompanhar-nos desde a nossa infância e sendo uma das imagens de marca do gigantesco e gasoso planeta JÚPITER − a GRANDE MANCHA VERMELHA (para o lado do equador) – agora e com a ajuda de JUNO (e dos novos dados e conhecimentos pela mesma sonda fornecidos) podendo ser acompanhada nos polos (na observação o sul) por grupos de outros ciclones (como que atuando conjuntamente, associando  6/7 elementos) igualmente devastadores por monstruosos.”

 

Sem título1.png

1

Jupiter's South Pole Cyclones

(PIA23556 - 2017)

 

Um registo do Polo Sul de JÚPITER (figura 1) − 2 de fevereiro de 2017 aquando da 3ª aproximação da sonda automática JUNO ao planeta GIGANTE-GASOSO localizado para lá da CINTURA de ASTEROIDES a cerca de 800 milhões de Km do SOL – através dos seus instrumentos e utilizando infravermelhos, medindo a intensidade de calor irradiado pelo mesmo (pela sua ATMOSFERA) e desse modo permitindo-nos entre outros fenómenos detetar a presença (nas suas camadas atmosféricas superficiais) de CICLONES − aqui 6 (1 no centro e 5 em redor):

 

Tempestade monstruosas (até agora pouco conhecidas e pouco estudadas) que se concentram sobretudo nos polos, quando se pensava (anteriormente) que seria mais abaixo e mais perto do equador que elas se concentrariam (assim como a sua influência) − sendo aí mais poderosas − como parecia querer significar a presença “eterna e omnipresente” da GRANDE MANCHA VERMELHA um fenómeno idêntico (se comparado com um fenómeno terrestre, em tudo semelhante) a um FURACÃO.

 

Sem título2.png

2

A New Cyclone Joins the Jovian Fray

(PIA23558 - 2019)

 

Na Terra formando-se durante um certo período (de tempo) e mais em torno do seu equador (logo sendo limitados, no tempo e no espaço)  hoje um ali, amanhã um acolá, por vezes podendo juntar-se − enquanto que em Júpiter sendo contínuos e espalhando-se por toda a camada superficial (e atmosférica) do planeta – todos os dias ou horas, com uns mantendo-se e outros vindo e indo, em grandes grupos (4,5, 6, 7, 8, etc.):

 

De um momento para o outro (e em qualquer coordenada do Monstro) formando-se uma grande tempestade com milhares de Km de diâmetro e com rajadas de vento fácil e normalmente atingindo (inicialmente) os 400Km/h, para de seguida e como habitual outras (tempestades/ciclones) se juntarem, agrupando-se e criando um Monstro Atmosférico e Climático” − neste caso de 2017 num modelo de estrutura pentagonal − certamente que não só (em conjunto com outros grupos) envolvendo o planeta, como atuando em profundidade.

 

E insuportável para a VIDA, pelo menos como nós (os Seres Humanos acompanhados pelos s/ psique) a conhecemos.

 

PIA23560.jpg

3

Cyclones Larger on Jupiter

(PIA23560 - 2019)

 

No segundo registo do Polo Sul do planeta JÚPITER (figura 2) – 4 de novembro de 2019 – aquando da 23ª aproximação da sonda automática JUNO a este PLANETA GIGANTE (o maior do Sistema Solar, cabendo nele todos os restantes 7 planetas e só sendo superado pelo SOL, a estrela de referência), sendo agora visível um agrupamento local (não de 6, mas) de 7 ciclones, com um mais pequeno (canto inferior direito) sendo acompanhado por outros cinco formando um Hexágono e com um outro no seu centro.

 

E para se melhor constatar a monstruosidade destes CICLONES JUPITERIANOS (até para melhor se comparar a sua potência e a sua área de influência e daí se retirando as consequências), com a NASA a sobrepor na imagem original (figura 2) uma outra (figura 3) mas do contorno do estado do Texas e ainda outra mas agora do contorno (dos 50 estados) dos EUA:

 

O ciclone mais pequeno cabendo o Texas e no central todo os EUA.

 

11_stsci-h-p1936a_800.jpg

4

Hubble Space Telescope view of Jupiter

(June 27, 2019)

 

Associada às poderosas forças dos seus campos magnéticas (de Júpiter e pela sua dimensão) e aos mais extremos valores de pressão atmosférico (entre tantos outros fatores importantes para a nossa débil raça humana e para a sua sobrevivência, parecendo o Homem mais uma espécie de aviário), podendo-se estar a visionar − “olhando o Homem para ele a partir do planeta Terra” − a um dos mais belos cenários (figura 4),  ao verdadeiro retrato do INFERNO.

 

Ciclones polares parecendo organizar-se a nível das diversas camadas atmosféricas formando grupos restritos, antes pensando-se (por observação indireta, mais distante) formar grupo até 6 elementos (pentagonais, com um no centro), hoje (por observação “presencial” a apenas 3.500Km e utilizando a câmara da sonda Juno) já se observando outros grupos como os de 7 (hexagonais, ainda com um no centro) e fazendo parte das condições atmosféricas (e ambientais) da superfície (gasosa, numa profundidade de uns 50/70Km) de Júpiter (necessários de compreender, até por possível associação − à Terra):

 

These cyclones are new weather phenomena that have not been seen or predicted before. Nature is revealing new physics regarding fluid motions and how giant planet atmospheres work. We are beginning to grasp it through observations and computer simulations. Future Juno flybys will help us further refine our understanding by revealing how the cyclones evolve over time.” (Cheng Li/Juno scientist/University of California/Berkeley)

 

(imagens/legendas: photojournal.jpl.nasa.gov e nasa/gov)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 10:55

Pôr-do-Sol no Espaço

Quarta-feira, 13.11.19

Proporcionado pelo ex-oficial do Exército dos EUA e astronauta da NASA Jeff Williams (60 anos de idade, sendo natural da cidade de Superior/condado de Douglas County/estado do Wisconsin) durante o período da sua 47ª/48ª Expedição à Estação Espacial Internacional (ISS) abrangendo o período de 18 de março de 2016 a 7 de setembro do mesmo ano:

 

snapshot.jpg

Pôr-do-Sol como observado a partir da ISS

(num retrato do recordista de permanência no Espaço/ISS de 2016)

 

Tendo já anteriormente participado na 21ª/22ª Expedição – início a 30 de setembro de 2009 e conclusão a 18 de março de 2010 – e sendo atualmente o astronauta recordista em permanência no Espaço a bordo da ISS com (um total de) 534 dias 2 horas e 48 minutos (nas 4 expedições).

 

Num conjunto de imagens tendo como tema “A Terra Vista do Espaço” apresentando-nos diversas “retratos” do nosso planeta como visto lá de cima a uma altitude ligeiramente superior a 400Km (com a ISS a deslocar-se a uma velocidade aproximada de 7,7Km/s e fazendo a órbita da Terra em pouco mais de hora e meia)

 

“A luz solar é formada por diversas cores e ao atravessar a atmosfera, dispersa-se devido às partículas existentes no ar. No entanto, as radiações de cada cor dispersam-se de forma diferente, de acordo com o valor de comprimento de onda que apresentam.”

(texto: retirado de um trabalho efetuado por Mikail Ribeiro aluno do 10ºano em 2006/2007 c/ orientação da Professora Laila Ribeiro/A Cor do Pôr-do-Sol/worfpress.com)

 

– Um planeta que quando visto do Céu se assemelha às nossas ideias (feitas/implantas) do Paraíso, quando a realidade cá por baixa só significa “uma só e única coisa” o Inferno (atravessando-se o “olho−do−furacão” vivendo-se temporariamente no Purgatório, um tempo de aparente calma, mas não passando da mais pura ilusão)

 

E concluindo com o momento em que o Sol desaparece para lá do horizonte terrestre, um fenómeno que denominamos como o “Pôr-do-Sol” (anoitecer ou entardecer):

 

117989main_image_feature_347_ys_full.jpg

Pôr-do-Sol como observado a partir da superfície de Marte

(num retrato do Rover Spirit captado na cratera Gusev em 2005)

 

“O comprimento de onda da luz azul permite que o céu apresente a cor azul que vemos durante o dia. Mas ao pôr-do-sol ou ao amanhecer, a luz solar incide obliquamente na atmosfera percorrendo um caminho bem mais longo através da atmosfera terrestre que a luz solar que se vê ao meio-dia.”

(Mikail Ribeiro)

 

E tudo se originando no movimento de rotação da Terra (concretizado em 24 horas).

 

E sobre a Terra redonda (contrariando os teóricos da “Terra Plana) e envolvendo-a na integra, surgindo

 

– Ao pôr-do-sol (com o vermelho e o laranja) mais brilhante que ao nascer-do-sol –

 

“Nesta trajetória mais longa, a luz azul é toda dispersada pela atmosfera (portanto, retirada do feixe de luz branca), pelo que os nossos olhos detetam apenas a luz menos difundida (que sofre menor desvio) como parte da luz amarela, luz laranja e luz vermelha (que apresentam comprimento de onda maior que a luz azul).” (Mikail Ribeiro)

 

O colorido da atmosfera contrastando com a escuridão profunda do Espaço, depois do mesmo se pôr (o Sol) ainda podendo e como se fosse mágico ser visto não fisicamente, mas (como tudo) projetado.

 

E acontecendo por aí o Crepúsculo entre o antes e o depois.

 

(imagens: astronauta Jeff Williams a bordo da ISS/2016/NASA – nasa.gov)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 21:26

Nuvens na Terra, Nuvens em Marte

Segunda-feira, 11.11.19

These are likely water-ice clouds about 19 miles (31 kilometers) above the surface. They are also "noctilucent" clouds, meaning they are so high that they are still illuminated by the Sun, even when it's night at Mars' surface. Scientists can watch when light leaves the clouds and use this information to infer their altitude.” (NASA/JPL-Caltech)

 

22498_PIA23242-16.jpg

Fig. 1

Céu de Marte

7 maio 2019

(SOL 2400/Curiosity Rover)

 

Ao contrário da Terra possuindo atmosfera (camada de gases envolvendo o nosso planeta) entre outros aspetos (como o das radiações ultravioletas) protegendo a Vida nela existente (e todo o seu Ecossistema)

 

E com uma pressão atmosférica de 101,3KPa

 

Marte possui uma atmosfera rarefeita (de baixa densidade) principalmente constituída por poeiras (em suspensão) e apresentando uma pressão atmosférica (média) de 0,6KPA (quase 170X menor que a da Terra).

 

22496_PIA23241.jpg

Fig. 2

Céu de Marte

12 maio 2019

(SOL 2405/Curiosity Rover)

 

E mesmo na sua composição atmosférica sendo diferentes a atmosfera da Terra, nela dominando o nitrogénio (N₂/78%) e o oxigénio (O₂/21%), enquanto no Planeta Vermelho desempenhando o mesmo papel, mas aqui como “filho-pródigo” o dióxido de carbono (CO₂/95%)

 

– Como componentes comuns destacando-se (entre outros) o argónio (Ar/0,9% na Terra e 1,6% em Marte – 3º na composição de Terra/Marte) e o metano (CH₄ − por poder significar, vida orgânica).

 

22497_PIA23243-1000w.jpg

Fig.3

Céu de Marte

17 maio 2019

(SOL 2410/Curiosity Rover)

 

Comparativamente com a atmosfera de Marte se comparada com a da Terra sendo praticamente inexistente.

 

Não oferecendo proteção (da radiação exterior, seja solar e/ou cósmica e nem tendo oxigénio/O₂, nem água/H₂O para poder sobreviver) sendo mortal para o Homem.

 

(imagens: nasa.gov)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:52

Regressando às Vésperas do Halloween

Quinta-feira, 07.11.19

[E a mais uma "Doçura & Travessura".]

 

Nos momentos antecedendo a comemoração do HALLOWEEN 2019, um exemplo dos múltiplos, belos e mágicos cenários, dados a usufruir pela NATUREZA: aqui e com a colaboração conjunta dos RAIOS do SOL e da ATMOSFERA TERRESTRE, com o SOL e a TERRA dando-nos a usufruir, uma avermelhada e brilhante imagem de uma AVE: misteriosa, eletromagnética e tocando-nos a ALMA (temporariamente associada ao nosso corpo físico). Numa transição entre o Inferno (da Terra) e o Céu (Lá em Cima).

 

A ÁGUIA DE FOGO

 

73446289_3104121249662143_7458515695131688960_n.jp

Soledad

Rio Grande do Sul − Brasil

(30.10.2019)

 

“E então a majestosa águia de fogo...o céu em Soledade...Deus é bom.”

(Paulo Henrique Pinheiro/30.10.2019/Facebook.com)

 

Uma decoração Natural − tendo como “Companhia” o Ecossistema Terrestre − surgindo nos céus do BRASIL e segundo uma das suas testemunhas (PHP) representando “uma ÁGUIA, majestosa e simbolizando a bondade de DEUS”: projetada para nós (talvez como um sinal) na nossa atmosfera – ao pôr-do-sol. Segundo cientistas e especialistas no fenómeno, mais um caso natural de um fenómeno conhecido e já ocorrido anteriormente (precisamente com o mesmo tom para o cor-de-rosa, mas não como antes, aí definindo algo).

 

(imagem: Paulo Henrique Pinheiro/Facebook)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:17

Júpiter Tal Como Visto de Cima

Sexta-feira, 01.11.19

[Pela sonda JUNO, pelo Cidadão Cientista Gerald Eichstädt e … por mais alguém/ninguém.]

 

PIA23439.jpg

 

As complexas e coloridas (editadas por um, como os designa a NASA, Cidadão Cientista/CC) movimentações das violentas correntes atmosféricas (JET STREAM) observadas no Hemisfério Norte de Júpiter”, numa imagem obtida pelas câmaras da sonda automática JUNO em 29 de maio deste ano. E com Gerald Eichstädt realçando os “pontos brancos”.

 

Numa região do Hemisfério Norte de JÚPITER, sinais evidentes da presença e da ação de um JET STREAM na sua atmosfera, conhecido como “JET N3” (depois de editados pela NASA e tratados pelo CC Gerald Eichstädt). E tal como a NASA afirma (resultando mais evidente com o tratamento de imagem realizado pelo CC GE), com as diferentes diferenças de cor aí observadas representando (significando) diversos tipos de comportamento da sua ATMOSFERA, do seu topo à sua base. Com o branco (a cor) aqui a ser o protagonista. Num planeta com um diâmetro médio de cerca de 140.000Km (aproximadamente 11X o da Terra) e onde certamente tudo será “muito mais extremo(pelo menos para nós, comparando-se com a TERRA, até pela sua distância ao SOL) incluindo as Tempestades Atmosféricas, ainda-por-cima num planeta considerado um “Gigante Gasoso” (o maior do Sistema Solar, “engolindo todos os outros”, exceto o SOL) e onde não se vislumbra (mas tendo de existir no seu núcleo) a sua parte como (o) componente sólido: onde como na LUA pudéssemos aterrar e tal como Neil Armstrong o fez (fazendo em breve Meio-Século e nem se tendo dado, desde essa altura, mais nenhum passo) lá colocar os nossos pés (deixando-nos de promessas e de adiamentos e de justificações falsas de que o dinheiro não chega, quando todo ele é canalizado para a Indústria de Guerra). E regressando aos “pontos brancos” visíveis na atmosfera de Júpiter (sobressaindo não só pela cor), sendo essas zonas (da atmosfera) entre todas (as rodeando-as) as mais elevadas.

 

Jupiter_diagram.svg.png

 

Modelo apresentando (através de um corte do exterior ao centro) o interior do planeta Júpiter, com o seu núcleo (central, rochoso e gelado) no estado sólido, rodeado por uma espessa camada de hidrogénio metálico, no estado líquido. Sucedendo-se o “H e o He(líquidos/gasosos) e a restante (e exterior) camada atmosférica (mais fina talvez com uns 50Km).

 

Um registo atmosférico do JET N3 podendo atingir os 3.000Km (de altitude) e com as duas “manchas brancas” (espessas, compactas, violentas camadas de nuvens) visíveis no meio de todo o colorido − aparecendo ao centro-direita da imagem − a representarem as regiões da atmosfera (de Júpiter) aparecendo a maiores altitudes: obtido pela sonda JUNO quando (numa das suas várias aproximações − esta sendo a 20ª − programadas a Júpiter) a cerca de 10.000Km de distância do topo das nuvens jupiterianas (latitude 39°N). Júpiter: um planeta Gigante e Gasoso possuindo 2,5X a Massa dos outros sete planetas (juntos) do Sistema Solar (no outro extremo tendo, cerca de 1000X Menos a Massa do Sol) − e composto maioritariamente por Hidrogénio (80%) e por Hélio (10%) − onde um dos seus “sinais de marca” é a “Grande Mancha Vermelha”, bem visível (integrando a camada atmosférica exterior do planeta) – como que “estacionada há muito, muito tempo até pela sua dimensão e forma (fazendo-nos lembrar “o olho-de-um-furacão” na Terra) e simbolizando as violentíssimas tempestades atmosféricas (se comparadas com as do nosso planeta, mesmo as mais violentas, muito menos intensas) em curso á superfície – “GASOSA− de Júpiter.

 

earth-atmosphere-layers.jpg

 

Na Terra com as diferentes camadas atmosféricas envolvendo todo o planeta (mais estreitas e protetoras nos polos) estendendo-se (como se pode ver no gráfico) por mais de 700Km (ainda no seu interior orbitando a ISS), dividindo-se desde o solo até às suas zonas mais exteriores em (5 camadas) Troposfera, Estratosfera, Mesosfera, Termosfera e Exosfera.

 

De tão grande e apesar de tão afastado – entre 740 e 815 milhões de Km do Sol (a Terra a 150 milhões de Km) – sendo a partir da Terra visível a olho nu e de todos os planetas solares sendo aquele a possuir mais luas (ultrapassando já as 80 e podendo uma ou outra ter Água), por um lado e para os Seres Humanos sendo igualmente extremamente agressivo e “impossível de compartilhar”, não só devido ao seu poderosíssimo Campo Magnético (atraindo e esmagando tudo) como devido às suas violentíssimas Tempestades Atmosféricas, as mais habituais com ventos a caminho dos 400Km/h (podendo ser muito superiores, na Terra e existindo, sendo “apenas APOCALÍPTICAS”), mas por outro e sendo “Importantíssimo e Fundamental (até para a Preservação da Terra e da nossa Espécie, assim como de todas as outras) podendo manter-nos VIVOS (como o também fará por exemplo o nosso vizinho Marte, substituindo-nos e à Terra, e “levando com eles em cima”): protegendo-nos de cometas como poderia ser o caso (um dia com outro qualquer, podendo um cometa intercetar a órbita da Terra e até passar uma tangente ou então − BOOM! − uma secante) de SHOEMAKER-LEVY 9 (viesse ele na direção da terra) impactando Júpiter em Julho de 1994 (e com o planeta a “digerir sem parecer vomitar”).

 

(imagens: PHOTOJOURNAL/PIA23439/NASA – wikipedia.org − wattsupwiththat.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:04

Condições Ideais

Terça-feira, 18.06.19

[Entre outros para a Pele a para os Pulmões.]

 

“Neste Verão de 2019 no Hemisfério Norte e à entrada das Férias Grandes

(com muito Sol e muita Luz)

− Integrando o Menu Climático

com as Radiações a serem altas tal como o teor de CO₂.”

 

Frankie-Lucena-ISS059-E-60484_enh_crop_labeled_156

Os Espíritos Vermelhos

 

Com a Radiação a nível da Atmosfera (mais rigorosamente da Estratosfera, onde andam os balões meteorológicos) a aumentar, o mesmo acontecendo aos níveis de Dióxido de Carbono (CO₂) nela presentes – “atingindo um novo record no passado mês de Maio– estarão provavelmente reunidas todas as condições “ideais e experimentais” para nos lançarmos num voo turístico/científico (os aviões circulam logo abaixo dos balões, na Troposfera) até um qualquer paraíso terrestre, para aí usufruirmos finalmente de uma atmosfera (marítima e/ou continental) não stressada nem poluída (por exemplo pela poluição automóvel) ou seja de “Boa Qualidade”.

 

stratosphere_california.png

Radiação Estratosférica

 

Mas pelos vistos com essas condições ambientais (proporcionadas ao viajante) a serem mais científicas do que turísticas, garantindo a partida e a chegada (e ainda a estadia) de mais uma das nossas Aventuras (e Descobertas), mas em contrapartida podendo transportar consigo (contaminando-nos no processo) o “vírus” da nossa futura destruição, como consequência de exposição a radiações excessivas e a atmosferas cada vez mais rarefeitas e irrespiráveis (“por defeito em oxigénio”): entre Março de 2015 e Julho de 2018 com a radiação a nível da Estratosfera (entre os 20Km e os 50Km) a subir 18% e nos últimos 60 anos com a presença de CO₂ a atingir um novo Recorde.

 

co2-chart-increase-mauna-loa-1960-2019.png

Níveis de CO₂ na atmosfera

 

Esperando-se que chegados ao Verão as plantas na sua fase de crescimento cumpram a sua função (mais uma vez e cada vez mais por nós), libertando-nos dos nossos excessos de produção descontrolada de gases de estufa (CO₂). Já quanto aos efeitos da radiação e do conhecimento de como evitá-las sendo o problema de mais difícil solução, já que se por um lado a intensidade dos Raios Solares (em princípio menos perigosos, mais conhecidos) diminuíram dado o Sol estar a atravessar uma fase fraca do seu ciclo solar (de cerca de 11 anos e de momento num dos seus mínimos de atividade) por outro lado e aproveitando a ocasião (com as nossas diversas camadas de proteção por diversos motivos enfraquecidas) e as “brechas” entretanto reabertas, com os Raios Cósmicos a ocuparem o lugar dos raios antes emitidos (pelo Sol), sendo estes últimos mais penetrantes, radioativos e perigosos.

 

E com as temperaturas médias sempre a subirem, mês após mês, ano após ano, com o “Caldo” a compor-se e com um “traço irreversível (pelo menos para nós fazendo parte do ensopado).

 

(imagens: Red Sprites/Frankie Lucena/May 10, 2019/@ International Space Station − spaceweather.com – noaa.gov)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 01:15