Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

30
Jun 18

[No Céu desde já este Verão]

 

Alan-Dyer-Planet-Panorama-at-Prairie-Pond_15295237

1

Vista panorâmica com o brilho dos planetas refletido nas águas

De Marte à direita e de Júpiter à esquerda

 

Com o planeta Marte no cumprimento da sua Translação Anual,

 

‒ Com o ano marciano (associando essa translação anual ao tempo que o planeta demora a fazer o seu movimento completo em torno do Sol) a durar quase 687 dias

 

A aproximar-se cada vez mais (menor distância entre eles desde há quinze anos) do seu ponto de maior aproximação ao planeta Terra,

 

‒ Previsto para o dia 31 de Julho de 2018 com a Terra e Marte a separarem-se por apenas uns 57,6 milhões de Km (podendo esta distância variar entre um mínimo de cerca de 55 milhões de Km e um máximo andando pelos 400 milhões de Km)

 

Bastando olhar para o céu noturno mesmo que a partir de Albufeira (por exemplo hoje a partir das 23:00 e se a visibilidade do céu o permitir) para ver como o planeta brilha cada vez mais intensamente e parecendo um pouco maior (comparando-o com anos anteriores).

 

skymap.png

2

Este sábado dia 30 de unho como nos seguintes

Com Marte em Capricórnio

 

Com esta aproximação de Marte à Terra colocando-o tão perto do seu mínimo estimado (de 57,6 para 55 milhões de Km),

 

‒ Colocando Marte a rivalizar no céu com estrelas e planetas ‒

 

Projetando sobre nós alguma da luz por si refletida e oriunda do Sol (sendo a tela a água proporcionando um fenómeno comum de se observar com o Sol e com a Lua, já menos com Vénus e Júpiter e muito raro com Marte):

 

Como o demonstra o retrato do céu noturno registado de 19 para 20 de Junho (por Alan Dyer) em Alberta (Canadá), com Marte bem brilhante (e fixo) lá em cima, rodeado de estrelas (cintilantes) e abafando o Gigante (mas distante) planeta Júpiter

 

(ainda há pouco tempo ‒ meados de Maio ‒ atingindo igualmente o seu ponto de maior aproximação à Terra na ordem dos 400 milhões de Km).

 

Alan-Dyer-Martian-Glitter-Path_1529523785.jpg

3

Com o planeta Marte bem brilhante

Como demonstra o seu forte reflexo nestas águas tranquilas da Terra

 

Marte:

 

Visível a partir do anoitecer sobre a constelação Copérnicos,

 

‒ Sendo (entre outras características) um planeta com 6779Km de diâmetro (pouco mais de metade do da Terra), com massa relativa cerca de 1/10 da nossa (Terra) e um dia aproximado ao nosso (pouco mais de 24,6 horas)

 

Num fenómeno bem visível durante as próximas semanas (mesmo a olho nu e se as condições atmosféricas o proporcionarem ‒ o mais natural dado estarmos no Hemisfério Norte e no Verão) e só voltando a suceder (nestas condições e distâncias mínimas) dentro de 15/17 anos.

 

[E só para chatear estando hoje um dia de Verão mais próprio da época de Inverno ‒ tal como antecipara o IPMA prevendo chuva para este sábado ‒ com chuva e céu encoberto e não se vendo Marte nem por um canudo, mesmo sendo um telescópio.]

 

(imagens: 1/3 Alan Dyer/spaceweather.com e 2 theskylive.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:46

16
Jun 18

mars-1971-1988-2003.jpg

1

Observando o planeta Marte com a maior aproximação à Terra a ser a de 2003

(utilizando para tal um telescópio)

 

Quando o planeta Marte desde o início de Junho (deste ano) se apresenta no céu noturno terrestre (e ao contrário do que tem acontecido nos últimos anos) cada vez mais brilhante e inicialmente confundindo-se com uma estrela (mas não cintilando não o sendo),

 

‒ Consequência da sua aproximação à Terra atingindo o seu mínimo a 31 de Julho quando estiver a uma distância de apenas 57 590 000 Km do nosso planeta (a sua anterior maior aproximação tendo-se registado em 2003 a 55 760 000 Km da Terra)

 

Sugerindo-nos para os próximos espetáculos (celestiais e noturnos) e para os próximos tempos (e tal como aconteceu há 15 anos atrás) situações muito semelhantes (talvez não tão intensas) com aquela a seguir referida,

 

MarsAeschliman_l.jpg

2

Marte em finais de Agosto de 2003

(no momento da sua maior aproximação à Terra)

 

“For a few months, Mars was exceedingly spectacular in our sky, outshining all the stars and planets except brilliant Venus” (Deborah Byrd/Earthsky/21.05.2018)

 

Talvez pelo mesmo se encontrar em aproximação à Terra e ao Sol (hoje sábado 16 de Junho encontrando-se a mais de 77,2 milhões de Km da Terra e a mais de 214,9 milhões de Km do Sol) e simultaneamente numa mudança de Estação anual (tal como na Terra com as suas 4 Estações) num dos seus polos o Inverno no outro o Verão,

 

Eis que uma Gigantesca Tempestade (de areias e poeiras) atinge a superfície marciana.

 

Imagens (figuras 3 e 4) da grande Tempestade de Poeira atingindo a superfície marciana ‒ iniciada a 31 de Maio e estendendo-se até 11 de Junho ‒ disponibilizadas (respetivamente) pelas câmaras do ROVER CURIOSITY e pelo instrumento ótico MARCI equipando a sonda MRO (Mars Reconnaissance Orbiter): dada a sua grande extensão (da tempestade) afetando as tarefas desenvolvidas na superfície de Marte pelos ROVER CURIOSITY e OPPORTUNITY.

 

PIA22520.jpg

3

Visão da Tempestade de Poeiras em Marte de Junho de 2018

(CURIOSITY ROVER ‒ SOL 2074 e SOL 2077)

 

Na figura 3 mostrando-nos os efeitos provocados pela tempestade de poeiras (e de areias) no interior da cratera GALE, evoluindo de uma forma crescente (tornando-se cada vez mais intensa) durante um período de 3 dias e afetando notoriamente a visibilidade à sua superfície (da cratera). Com a imagem da esquerda a oferecer-nos o limite E-NE da cratera Gale a 7 de Junho e a imagem da direita a mesma vista mas a 10 de Junho (pior visibilidade).

 

PIA22519 A.jpgPIA22519 B.jpg

4

Tempestade Gigantesca de Poeiras em Marte ‒ 2018

(MRO ‒ PIA 22519)

 

Com a expansão desta grande Tempestade ‒ de Areias e Poeiras (com uma dimensão idêntica à da América do Norte) ‒  afetando há cerca de quinze dias a atmosfera e a superfície marciana, com a mesma a poder afetar equipamentos (terrestres) no terreno como módulos de aterragem ou Rovers (2 norte-americanos como os da figura 4): dos veículos norte-americanos (motorizados) movimentando-se em Marte (à sua superfície) com a Tempestade a afetar menos o ROVER CURIOSITY (menos exposto), enquanto noutra zona do planeta devido à maior intensidade da mesma (tempestade) e à dificuldade dos raios solares em atravessarem a atmosfera (carregada de poeiras suspensas) com o ROVER OPPORTUNITY (com a sua bateria em baixo e levando com a Tempestade em cima) a ser obrigado a proteger-se e a entrar em Modo de Espera. E dos módulos orbitais (como será por exemplo o caso da sonda chinesa MOM/Mars Orbiter Mission da responsabilidade da Agência Espacial Chinesa ISRO) circundando o planeta, com a sua altitude ‒ cerca de 300Km para a MOM ‒ protegendo-as da Tempestade.

 

(imagens: nakedeyeplanets.com ‒ skyandtelescope.com ‒ photojournal.jpl.nasa.gov

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:43

15
Set 12

Um Fruto Africano

 

Uma das mais brilhantes substâncias biológicas existentes na natureza

 

Na natureza os pigmentos são os responsáveis pelas múltiplas cores que a mesma natureza apresenta, variando essas cores de acordo com a capacidade demonstrada por esses pigmentos, de absorção ou reflexão dos raios de luz que os atinge. No entanto e à medida que o tempo vai passando, muitos desses pigmentos vão perdendo rapidamente o seu brilho.

 

No caso deste fruto africano que apresenta uma cor azul intensa, a coloração teria como seu criador uma estrutura especializada existente no interior da própria célula, capaz de mesmo depois da sua morte, manter o seu brilho ainda durante muitos anos. Este fruto também existente em Moçambique – mas não comestível – devido à sua dureza e brilho persistente, é muito usado em África em artes decorativas.

 

Este fruto reflete mais luz polarizada que qualquer outra substância viva conhecida

 

Trata-se do primeiro caso descoberto em frutos, apesar de estruturas deste tipo já terem sido descobertas inicialmente em animais – como foi o caso das “cores estruturais” apresentadas pelas penas dos galos, utilizando para o efeito diferentes estruturas e materiais que as tornam mais brilhantes e coloridas.

 

(dados e imagens – earthsky.org)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:25

Julho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

15

22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO