Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

10
Abr 14

Ficheiros Secretos – Albufeira XXI

(Universalidade Alienígena e Rituais Terrestres – O Direito da Criança à Aventura)

 

De acordo com um estudo secreto levado a cabo por uma organização de pais e educadores não governamentais e posteriormente divulgado por uma Associação de Pais não alinhada e em ruptura total com os poderes oficiais instituídos, um em cada três estudantes inseridos no sistema educativo acredita que o seu professor é um alienígena ou então está controlado por eles”.

 

Os vizinhos

 

Como já era hábito por aqueles lados desde há alguns anos atrás, a família de agricultores que vivia perto deles e que conheciam desde novos, aproveitava todos os sábados de todos os fim-de-semana para dar um salto a casa deles e aí comerem em conjunto uns deliciosos petiscos, enquanto iam falando das novidades da terra e recordando alguns factos passados. O casal vinha sempre acompanhado por toda a família constituída no total por nem menos nem mais do que 14 elementos: o casal, os seus seis filhos, os dois avôs viúvos e ainda quatro amigos que se lhes tinham juntado neste convívio alguns anos mais tarde. De tal forma que vinham sempre na carrinha de caixa aberta, confraternizando desde logo alegremente e como se estivessem numa excursão através do campo e da bicharada. Nesse dia e como sempre chegaram à hora certa. Mas bem lá cima no espaço sideral, confortavelmente instalados nos seus sofás relaxadores e indutores das fortes sensações vindas do exterior – para sua melhor compreensão e catalogação detalhada, de modo a possibilitar um possível e melhorado usufruto educacional futuro – e bebendo a última bebida alucinógenica lançada no mercado antes da sua partida, os dois seres estranhos não poderiam ignorar a presença de novos figurantes agora colocados inadvertidamente em cena sem os integrar também no guião, aumentando assim as suas opções de desenvolvimento activas e criando uma situação ainda mais confusa e sem conclusão determinada, que adicionada a todas as regras e leis absurdas e castradoras pelos quais os terrestres se regiam, iria tornar tudo muito mais incerto e sobretudo divertido. E enquanto no interior da casa a confusão era ainda tremenda não só pela transformação recente sofrida pelos seus ocupantes como pelo receio e pânico que sentiam ao verem os seus amigos a chegar (o que fariam, o que diriam, como reagiriam?), no exterior o que sucedeu não só apanhou os vizinhos de surpresa como deixou mais uma vez perplexos e paralisados todos os que se encontravam no interior: um pequeno artefacto aparecera na retaguarda dos seus vizinhos sem que estes se apercebessem da sua aproximação e presença, parecendo aparentemente rodeado de três pontos minúsculos que se deslocavam em conjunto formando um trilátero perfeito. O que aconteceu foi instantâneo e se o mesmo ou algo de semelhante não tivesse acontecido com eles provavelmente estariam a esta hora todos a rir-se: num segundo o grupo constituído pelos seus catorze vizinhos foi como que cercado e engolido por uma nuvem densa e brilhante que iluminou momentaneamente todo o campo em seu redor deixando-os no interior da casa como que cegos e sem compreenderem o que se estava realmente a passar. E ao abrirem os olhos e para espanto de todos no interior da casa, o cenário que agora lhes era apresentado e proposto como sendo real era praticamente idêntico ao que poderiam estar a assistir numa projecção efectuada numa sala de cinema, como se estivessem a ver um filme de banda desenhada a três ou mais dimensões, contando com a participação dalguns dos seus mais conhecidos e famosos cartoons. Talvez fosse fantástico talvez fosse terrível! Lá fora os vizinhos agora transformados em cartoons olhavam uns para os outros e não acreditavam no que viam: segundo os critérios limites de credibilidade e socialização que tinham eficazmente digerido ao longo dos seus períodos educativos e formativos de aprendizagem e integração social, tal era impossível (e inaceitável) de estar a acontecer – deviam ter sido inadvertidamente drogados ou então sujeitos a uma pura ilusão projectada por impostores que apenas pretendiam destruir o seu mundo e sociedade.

 

O interlocutor privilegiado

 

No entanto todo o Universo está interligado entre si – nem que seja por mera proximidade ou contacto – e nenhuma acção por mais pequena e pretensamente não influente que seja é independente do resto do conjunto ao qual pertence. Não existindo propriamente uma cadeia de comando hierarquicamente instituída e aplicada ao sistema, que este naturalmente rejeitaria como vazia e sem sentido, dada a sua infinidade replicada por diversos outros sistemas estes também sem origem nem destino, apenas suscitando como operadores da vida e com o seu movimento casual e necessário – para a sua transformação, evolução e expansão – a reorganização do seu sentido incorporando-a na matéria através da alteração do seu nível energético: se por qualquer motivo um electrão saltasse da sua órbita e procura-se um outro nível de existência dentro do sistema, isso verificar-se-ia por alteração do seu estado de neutralidade conjuntural e não apenas por “vontade” sua. Integrado num sistema congregando elementos que associados se completavam formando um corpo vivo, esse electrão dependeria no seu movimento do conjunto de matéria a que estivesse associado e às trocas de energia que com ele efectuasse. Poderia assim procurar um outro mundo ou conjunto exterior mas nunca independentemente do primeiro nem do subsequente, mas pelo contrário levando e incorporando consigo sempre o seu sinal genético particular e compartilhando-o com o conjunto adjacente, influenciando e sendo influenciado e assim se sujeitando não a uma limitação agora exercida por dois conjuntos mas na sua individualidade transformando-o num novo sistema dual, modificando ambos por comunicação e manutenção do equilíbrio geral. Desse modo tudo era potencialmente susceptível de transformação mas num sentido evolutivo do nosso estado de vida e não de subordinação à matéria: toda a acção era filosoficamente susceptível de reacção, mas num Universo a vida não era susceptível era o motor do Universo. Logo seria natural que os dois seres estranhos não tivessem as mãos completamente livres – também pertenciam a um todo. Não foi pois de espantar que no meio da sua brincadeira infantil, desregrada e inconsciente alguém viesse ter com eles e lhes pedisse ou sugerisse uma explicação. E assim sucedeu. Ainda os terrestres se olhavam entre si emaranhados e sem reacção visível na sua nova e nunca imaginada transformação – talvez só concretizada em instantes ilusórios, reconstruídos como realidades nos sonhos de criança – e já os dois seres estranhos saltavam dos seus sofás com algum nervosismo e inquietude, face à chegada inesperada mas no fundo talvez previsível do novo interlocutor, agora ali postado diante deles como um mero observador, mas simultaneamente exigindo gestualmente silêncio e prudência, ao mesmo tempo que com a sua postura e atitude impositiva claramente revelava para o que ali estava. Dentro do caos organizativo que rodeava muitas das acções levadas a cabo pelos seres vivos, convinha sempre relembrar-lhes que se nada nunca se criava ou perdia, as transformações teriam que ter sempre em conta o máximo respeito por todo o processo evolutivo e por todos os seus componentes materiais e energéticos, em conjunto devendo ser sempre compreendidos e aceites – se dele quisermos usufruir de algo nunca totalmente parametrizado – como um Universo Vivo. Como um tutor chegado para pôr de novo tudo em ordem o observador estava ali para lhes puxar as orelhas e chamá-los à responsabilidade: uma intrusão indevida poderia provocar ondas de choque, acabando até por poder afectar os seus inconscientes operadores pelos danos ao ambiente pelos próprios provocados. Teriam que acabar de imediato e da melhor maneira possível com a sua brincadeira: o aviso estava dado e retirando-se, o observador deixava nas mãos destes dois seres a correcção do cenário por eles criado e ao mesmo tempo do seu próprio destino. Nem um palhaço faria melhor. E já agora que o problema criado teria que ter solução porque não agitar tudo um pouco mais e tornar a resolução deste um pouco mais complicado? Talvez servisse de lição e acelera-se todo o processo de aprendizagem: e então um clarão sobrepôs-se à iluminação natural atingindo a localidade mais próxima.

 

Seres imaginários criados no interior da realidade

 

Enquanto tudo isto se desenrolava lá em cima, no terreno a situação mantinha-se num impasse completo: os vizinhos tinham-se deixado ficar no mesmo local diante da casa, como se o tempo para eles tivesse deixado de existir. Quanto aos elementos que ainda se encontravam no interior da sua habitação, se a sua situação já era confusa antes da ocorrência deste novo episódio – a vertigem provocada pelo salto ainda era tremenda e compreensivelmente de muito difícil aceitação – não ajudou mesmo nada a desanuviar um pouco que fosse este denso nevoeiro cognitivo, o que viram de novo acontecer diante dos seus olhos emprestados: se a situação deles já era profundamente anormal e de consequências imprevisíveis – as causas eram para eles incompreensíveis – a quem é que poderiam eles agora recorrer em busca de auxílio imediato se verificavam que mesmo ali o fenómeno se repetia num processo em tudo idêntico mas num espaço-tempo diferenciado? É que analisando muito racionalmente todos os factos e vendo o que os rodeava no exterior da habitação, a normalidade nas áreas envolventes também poderia ser esta. O mais estranho ainda fora o facto de todos aqueles que se encontravam no exterior se terem transformado em seres imaginários da banda desenhada, com muitos deles representando animais familiares e com um único indivíduo à vista: tudo seria mais difícil. Mesmo assim resolveram abrir a porta e sair e foi aí que viram as pequenas luzes atravessando o céu, parecendo dirigir-se rapidamente na sua direcção. O grupo formado pelos vizinhos virou-se então subitamente para oeste respondendo como que por instinto a um rumor desconhecido que crescia vindo daqueles lados, podendo todos a partir da posição onde se encontravam observar a aproximação dum largo número de indivíduos provavelmente vindos da vila mais próxima. Alguém os comandava na sua caminhada e à medida que se iam aproximando mais eles confirmavam o que já tinham imaginado: como um grupo desordenado e desenquadrado de diversos tipos de seres imaginários mas já anteriormente concretizados na nossa mente (a imagem faz parte do objecto) e como tal reais, estes elementos nunca teriam uma contribuição directa para a resolução do problema com que todos se debatiam, aumentando com a sua presença a dificuldade de encontrar uma rápida e eficaz solução pelo forte impacto do seu volume. Reuniram-se todos num enorme grupo muito ruidoso mas sem objectivo definido. Olharam para o céu e viram as luzes agora muito próximas a desacelerar, acabando poucos segundos depois por parar até ficarem suspensas sobre eles. Juntaram-se e formaram um único ponto. Talvez tivessem sofrido um erro colectivo de paralaxe e o objecto tivesse sido sempre só um, distorcido como no deserto por deslocações de massa de ar entre diferentes camadas da atmosfera e provocando alucinações e originando miragens. À superfície e vindo do fundo do terreno vizinho surgiu então um artefacto por eles nunca visto e completamente desconhecido, do interior do qual surgiu uma plataforma brilhante nos seus vértices e apresentando a forma dum trilátero. Todos olhavam para o ponto luminoso que pairava cintilando sobre eles, enquanto calmamente pareciam aguardar que algo de extraordinário se passasse – que alguém surgisse da luz e com toda a sua sabedoria e poder entrevisse sobre os seus crentes, os absolvesse e os salvasse deste inferno, repondo de novo a sua modesta e pura vida anterior:

- “Por volta do meio-dia, depois de rezarem o terço, as crianças teriam visto uma luz brilhante; julgando ser um relâmpago, decidiram ir-se embora, mas, logo depois, outro clarão teria iluminado o espaço. Nessa altura, teriam visto, em cima de uma pequena azinheira (onde agora se encontra a Capelinha das Aparições), uma "Senhora mais brilhante que o sol".

- “O sol, assemelhando-se a um disco de prata fosca, podia fitar-se sem dificuldade e girava sobre si mesmo como uma roda de fogo, parecendo precipitar-se na terra”. (Wikipedia)

 

Bruxas, Diabos e Companhia

 

Naquele fim-de-semana festejava-se na vila O Dia das Bruxas e do Diabo, uma tradição ainda muito recente na memória cultural desta terra algarvia mas apoiada sem reticências desde a sua primeira realização pelo padre da freguesia, apesar das fortes características pagãs do evento e de algumas criticas veladas das entidades oficiais religiosas e até políticas: mas era o povo que exigia a concretização anual deste bizarro acontecimento, aproveitando a data para a realização dum convívio sem limites e aberto incondicionalmente a todas as gerações aí nascidas ou que a tinham escolhido para viver (morando na própria terra ou obrigados a emigrar), para aí porem em dia as suas vidas e as dos outros e em complemento e como prova de amizade e solidariedade geral, se ajudarem uns aos outros e fortalecerem assim a sua identidade e os seus laços sem preço – por inesgotáveis e impossíveis de troca – com a maravilhosa e profunda tradição local. E o auge era atingido com o tradicional e imperdível Dia dos Saltos, onde a lenda era mais uma vez transformada em realidade e a troca de corpos era o seu mote: dizia-se que há alguns anos atrás uns seres estranhos tinham chegado às vizinhanças da vila e transformado todos os seus habitantes num outro que não ele, colocando a terra em polvorosa e fazendo toda aquela massa popular dirigir-se num grande e denso grupo à procura dos seus causadores. Como o povo dizia “os estranhos tinham-se assustado com os seus gritos e força exterior e face a este povo que não se calava, tinham dado o passo necessário e obrigatório em frente, retomando a normalidade e recolocando os corpos nas suas referências originais”. Ainda hoje a tenda da Bruxa Ermelinda era a mais solicitada pelas crianças, dada a capacidade da mesma em cativar os jovens com as suas histórias de sonhar e de encantar, em que uma das situações recorrentes do seu guião era a da introdução do troco de corpos entre pessoas e até de animais, construindo cenários de mundos puros e infantis onde tudo era possível de visualizar e acontecer. Como a prova final deste Festival onde uma corrida de sacos era o símbolo desse salto físico mas também e sobretudo mental: uma contribuição segura e eficaz para a abertura da nossa mente a todas as possibilidades propostas pelo mundo, mesmo tratando-se daquelas consideradas até aí impossíveis (os melhores casos para resolver, não só pela fome como pelo apetite).

 

Com os mais velhos a lembrarem-se de muitas situações ocorridas com eles ou então com outros seus vizinhos e conhecidos da terra – como eram belas as histórias então contadas pelos avós – e que ao relatarem entusiasmados e duma forma pedagógica e cativante estes fragmentos fantásticos de muitas das nossas vidas (para o usufruto, entretenimento e aprendizagem de toda esta comunidade unida e colectiva) faziam a delícia de todas as crianças aí presentes dos 7 aos 77. Como o eram as história para crianças contadas na barraquinha da catequista – com o nome curioso de Porquinhos Que eram Três – aqui e agora transformada numa Bruxa Má querida e especial, que no interior iluminado da sua tenda central e com um único candeeiro de petróleo como ponto luminoso, ia desfiando sem fim aventuras contadas e recontadas entre sucessivas gerações, terminando sempre as mesmas com a sua frase emblemática e consequência da sua função social e religiosa, “A conta que Deus fez” enquanto se benzia em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. E com todas as crianças aí presentes – agarradas como um viciado a todo este enredo e cenário criado em torno dos seus mais belos e profundos Sonhos e dos seus tempos ainda disponíveis para a Imaginação – a acompanharem-na talvez inconscientemente mas como verdadeiros fieis e seguidores no seu caminho previamente idealizado, não fosse perderem-se e o Diabo tecê-las. Nunca esquecendo as tradicionais e concorridas barracas de comida muito bem guarnecidas de febras, sardinhas assadas, caldo verde e vinho tinto, os diversos carrosséis e carrinhos de choque que sempre acompanhavam os mais novos nestas festas populares, um lugar especial e este ano inovador para um pequeno bungee jumping e ainda como complemento e de forma a melhor decorar de mistério e suspense a paisagem aqui posta à disposição de todos, o ponto talvez mais relevante e estranho do evento – um grande atrelado que fora ali instalado antes do início da festa e que só abriria as suas portas na tarde do último dia. Era grande, muito colorido, com algumas antenas na sua parte superior, sem janelas visíveis e de noite emanando à sua volta uma luminosidade forte mas estranha, parecendo não ter uma origem específica mas sendo no entanto envolvente e cativante, como se estivesse a acompanhar e a proteger as pessoas ali presentes. Lateralmente um símbolo em forma de triângulo decorava o atrelado, apresentando no seu centro um ser estranho que parecia olhá-los e fixá-los – parecia mesmo os olhos da Mona Lisa – como se nos quisesse transmitir algo: mas só mesmo no fim saberiam o que era. Tinha sido ali colocado este ano – e sem informações adicionais prestadas pela comissão organizadora do festival – a pedido da entidade anónima que desde o início o patrocinara e financiara. Entretanto as bruxas continuavam por lá, os Diabos faziam o seu papel e a restante companhia gozava ao máximo deste momento: a vertigem lúdica era tal que até alguns indivíduos já viam extraterrestres a saírem do atrelado, que por acaso não dispunha nem de portas nem de janelas.

 

Presentes na sala de comando e de análise como simples e modestos operadores

 

Num ponto perdido do espaço e no entanto situado num local tão próximo da Terra – a nave alienígena circulava livremente numa órbita bem chegada ao planeta e à vista desarmada dos ocupantes da ISS – os dois estranhos seres extraterrestres esperavam ansiosos e um pouco preocupados pela chegada dos responsáveis pelo acompanhamento do seu processo: estavam à espera não só do Instrutor como também contavam com a presença obrigatória do Avaliador. Conjuntamente com um terceiro elemento representativo do seu grupo biológico, o qual iria analisar todos os factos e medidas tomadas no decorrer de todo o processo de investigação e de resolução (e não de punição moral e substitutiva, sem consequências úteis e correlacionadas com a ocorrência) de modo a expressar aos elementos da sua espécie aqui postos em causam, a independência da mesma e a pedagogia colectiva e partilhada que tal procedimento implicava. Jamais seria um julgamento de um pelo outro mas o aproveitamento dos responsáveis pelo acontecimento em causa para conjuntamente com os estranhos seres e aceitando as suas novas participações, sugestões e até mesmo algumas concretizações voluntárias e assumidas (a que não tinham sido obrigados ou mesmo dado conhecimento prévio) resolverem o cenário imprevisto com que se tinham deparado nessa altura, transformando-o de novo e reintroduzindo-o no seu normal ciclo evolutivo e desse modo tão simples e eficaz, equilibrando-o na globalidade do conjunto onde sempre tinham estado (como tudo e como todos) inseridos.

 

Na sala de comando e de análise o procedimento adoptado era o habitual para casos isolados e de nível de intrusão mínima como este. Feita a constatação de que o evento passado não tinha acarretado qualquer tipo de consequências negativas que pudessem afectar a normal evolução do sistema, externa e artificialmente afectado, o assunto fora definitivamente encerrado. E apesar de tudo a estratégia escolhida pelos dois seres extraterrestres para repararem o que de mal poderiam ter feito, tinha sido positiva, eficiente e até mesmo divertida: desde o estabelecimento do Dia das Bruxas e do Diabo até à ideia do atrelado – uma pequena prenda deixada por eles em nome de todos os desconhecidos reais, imaginários ou nem isso, como prova e confirmação que para além de tudo o que vemos, pensamos ou imaginamos, outros mundos nos esperam aguardando apenas a nossa chegada, para assim se completarem e explodirem de novo (em chamas), replicando-se por atracção, repulsão e simples contacto. É que o Universo só existe enquanto a Vida existir e o municiar com movimento, energia e matéria: o caldo vem do caos organizado em torno da nossa Alma e com vista para a Eternidade.

 

A Projecção parou e esta História acabou. A Ilusão seguinte seria melhorada.

 

Fim da 2.ª parte de 2

 

(imagens – Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 20:59

Setembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO