Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

21
Jul 19

Não acreditando na iniciativa Privada (nesta área fulcral para a Humanidade, a Exploração do Espaço) apenas e logicamente interessada no lucro e no OBJETO (como a SPACE X e ainda mais a VIRGIN GALATIC), tornando-se difícil de visionar como num tão curto espaço de tempo (até 2024) a NASA conseguirá obter a sua Estação Espacial (Entreposto), o seu foguetão (para Marte Interplanetário), o seu módulo de aterrissagem (lunar/marciano) e até o fato apropriado para cada astronauta (e sua função) – nunca se esquecendo da prioridade desta nova missão o SUJEITO, o Homem (o seu desenvolvimento, evolução e persistência, como contraponto à sua Extinção). Seguindo-se o nosso desígnio (a nossa última esperança) as Viagens intergalácticas.

 

EjuNBz5ApMUrg2h7yNZx5B-650-80.jpg

Buzz Aldrin na Lua

(julho 1969)

 

'Shocking' Apollo 11 Success Stands Alone in Modern History

Astronaut Scott Kelly Says.

Kelly is amazed that NASA pulled off the moonshot

eight years after JFK announced the plan.

(Elisabeth Howell/space.com)

 

“E ainda mais chocante ainda

foi o abandono da Lua pelo Homem.”

(PA/Publicações Anormais)

 

Numa Missão Espacial Extraordinária (iniciada por Verne e declarada por Kennedy) levada a cabo há 50 anos (1969) – ligando o nosso planeta à Lua, localizada a pouco mais de 384.000Km de distância − atingindo o seu clímax quando Neil Armstrong (e a missão Apollo 11) pela 1ª vez e em nosso nome tocou (com a sua bota) a superfície de um outro Mundo que não a Terra (um território alienígena) e terminando abruptamente − sem nenhuma justificação credível (por honesta) apresentada − três anos depois (1972) com a realização da missão Apollo 17: segundo alguns rumores de então e de outros posteriores, com a medida de encerramento definitivo do Programa Apollo (levando ao cancelamento das missões Apollo 18/19/20) deveu-se unicamente ao elevado custo do Programa − quando se sabe que se pegarmos por exemplo em cinquenta anos de Exploração Espacial (apanhando ainda o Programa Apollo e os Vaivéns) e nos respetivos investimentos realizados pela NASA (por injeção financeira Governamental), o dinheiro nesse período gasto com o desenvolvimento do programa (Apollo) seria muitíssimo inferior ao esforço do departamento de Defesa dos EUA (de modo a manter o seu poderio e supremacia Militar Global) despendido num só ano.

 

800px-Apollo_11_Saturn_V_lifting_off_on_July_16,_1

Lançamento da Apollo 11

(16 julho 1969)

 

Por essa altura (anos 70) com o investimento do Governo dos EUA na NASA (e no desenvolvimento da Exploração Espacial) a andar por volta dos 4,5 do seu PIB, quando agora e abertas as portas aos Privados (financiando-os em alternativa à NASA) se quedar por uns míseros 0,45 do PIB (aproximadamente 10X menos) − algo de ridículo (vejam-se as últimas ajudas financeiras da Administração de Donald Trump para a concretização de tais projetos) para quem pretende voltar à Lua e virar-se de seguida para Marte, sem querer alargar os cordões da sua bolsa (disponibilizando muitos biliões de dólares) e sem explicar como o fazer (e a sua razão e benefícios a tirar) claramente e sem subterfúgios (por exemplo eleitorais) aos seus cidadãos.

 

Relembrando que nos anos do Programa Apollo os seus detratores chegaram a afirmar que o investimento de tal projeto andaria certamente muito perto de 20% do PIB norte-americano de então: apesar de ser um argumento completamente falso e absurdo (até pelos biliões e biliões, triliões de dólares gastos em Guerras) tendo mesmo funcionado e suspenso temporariamente (para o tempo médio da vida do Homem uma Eternidade) o nosso obrigatório e cada vez mais urgente Destino − como Nómadas e esgotado o local anterior, partindo à descoberta de Outros Locais (Mundos e Terras) onde se possa no futuro instalar e evoluir.

 

Já que sem Movimento (Massa e Energia) não Existe Vida (Alma e Eletromagnetismo) e um animal parado é-o porque já está morto (extinto).

 

(imagens: NASA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:38

24
Mar 19

"Destination: Mars"

Enabled guests to experience Mars with holographic versions

of Aldrin and Hines as guides.

(Charles Babir/NASA)

 

22085_onsight20181002-16_800.jpg

Buzz Aldrin

Centro Espacial Kennedy

Numa de Realidade Virtual tendo como alvo Marte

 

Convidando-nos a sair de casa aos 88 anos de idade, o exemplo do 2º homem fazendo parte da missão (da NASA) APOLLO 11 a pisar a LUA (há quase 50 anos) – então com 39 anos de idade − agora e apesar da idade avançada (aqui contrariando-a e parecendo um jovem), ainda entusiasmado com as Grandes Viagens Espaciais, tanto as Reais como pelos vistos as Virtuais:

 

o tripulante do módulo lunar EAGLE o astronauta

(natural de Nova Jérsei)

BUZZ ALDRIN.

 

No passado dia 10 de outubro de 2018, com MARTE como novo objetivo do Homem (voltando-se a incluir a Lua e agora com a participação dos privados) e com os preparativos já em curso e simultaneamente bem avançados para o lançamento de futuras sondas tripuladas (apontando-se para 2020/30) – apesar dos múltiplos problemas com que todos os projetos ainda se debatem, sendo o principal o da proteção do Homem de um ambiente tão extremamente inóspito como o de Marte (além do da obtenção de energia) – com o referido astronauta norte-americano Buzz Aldrin a comparecer no Centro Espacial Kennedy (na Florida) para aí experimentar e disfrutar de momentos certamente especiais de Realidade Virtual (com assinatura da Microsoft e das suas lentes holográficas) tendo como tema e título

 

“Destino: Marte”.

 

E juntando o agradável ao útil (pelo menos para Aldrin) para criar algo de novo (e dele tirar algum proveito), com o mesmo e Erisa Hines (do JPL/NASA) a servirem agora de guias à produção (projeção holográfica) da sempre presente Microsoft.

 

(imagem: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:02

Outubro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9


22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO