Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

15
Jan 17

“Enquanto nos entendermos como uma espécie central e sedentária (recuperando a antiga teoria do geocentrismo) destinada exclusivamente a usufruir ao máximo do Tempo (visto incorretamente como um intervalo entre o nascimento e a morte) que lhe foi atribuído (não compreendendo o movimento perpétuo do nosso Universo baseado em constantes interações Eletromagnéticas), jamais sairemos da Terra passando despercebidos e como se nunca tivéssemos sido.”

 

Mais uma imagem da superfície do planeta Marte recolhida pelo instrumento HiRISE colocado a bordo da sonda automática MARS RECONNAISSANCE ORBITER e editada pela NASA no dia de ontem.

 

PIA13151_fig1.jpg

Marte – MRO – PIA 13151

(imagem original)

 

“No dia em que partirmos definitivamente rumo ao desconhecido e à aventura (reconhecendo não sermos exclusivos mas fazendo parte de algo pluridimensional, sem origem e sem limites), percorrendo tal como os grandes navegadores e descobridores de outrora caminhos há muito imaginados (na nossa mente) mas nunca antes fisicamente percorridos (pelo Homem), estaremos finalmente perante o nosso paradigma de Vida, de expansão, de conhecimento e de sobrevivência: aí tomaremos verdadeiramente consciência da complementaridade existente entre o infinitamente pequeno e o infinitamente grande – nunca se distinguindo e fazendo parte de um todo simples por replicado.”

 

Mostrando-nos uma região localizada no Hemisfério Sul do planeta Marte agora que a mesma atravessa a Estação da Primavera e que se começa a dar a sublimação do gelo seco instalado na sua calote polar.

 

Segundo os cientistas da NASA investigando fenómenos naturais como este ocorrendo atualmente no planeta Marte tendo a sua origem na passagem do gelo do seu estado sólido ao estado gasoso e na procura de caminho desses gases até atingir a superfície.

 

Cavando canais na superfície do planeta Marte até escapar finalmente para a sua atmosfera.

 

PIA13151_fig1 a.jpg     PIA13151_fig1 b.jpg

Marte – NRO – PIA 13151

(imagem decomposta e ampliada)

 

“Com o Homem atravessando um conjunto virtualmente definido (mas sem limites reais nem outro tipo de limites associados a conjuntos fechados, erradamente impressos na nossa cabeça e intuitivamente aí arquivados apenas por questões de orientação e de segurança), colocando irreversivelmente em causa (tal como tantas e tantas vezes acontecido com o átomo) a sua estrutura original (com a origem a ser o nascimento e a mudança a ser comparada à morte) e abandonando de vez a sua zona de conforto, tornando-se livres (como os eletrões-livres) e abrindo novos horizontes aos seus próprios progenitores (o núcleo central).”

 

E com a origem dos mesmos canais a poder ser atribuído a essa passagem de estado e à mudança de ambiente, ao mesmo tempo proporcionando o seu aparecimento e desenvolvimento no tempo, para uns devido a se poder estar aqui perante terrenos antigos ou então facilmente sujeitos (e evidenciando) erosão.

 

Nesta imagem mostrando-nos canais muito mais extensos dos que normalmente encontrado no planeta Marte, justificando o anteriormente afirmado para esta região do seu Hemisfério Sul.

 

E demonstrando que num mundo supostamente sem manifestações de Vida Orgânica (por mais rudimentar e primitiva que fosse), sem Água, nem Atmosfera (como na Terra), o contraste é sempre possível até como comprovativo (da existência) da estrutura: e se ela existe na realidade mesmo sendo Mineral, é porque atrás deste Mundo algo poderá existir (e que por acaso é apenas a base de tudo e de todos).

 

(imagem: NASA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 13:14

13
Jan 16

É fácil de constatar a partir desta imagem enviada pela sonda 2001 MARS ODISSEY (atualmente em órbita do planeta MARTE) que as profundas depressões que aí surgem na região de HEBRUS VALLES são um indicativo irrefutável de que por aí passou algo. Há muitos e muitos milhões de anos.

 

PIA20234 w.jpg

Marte
(PIA 20234)

 

Estruturas geológicas que terão adquirido a forma atualmente apresentada não por uma modificação ocorrida na sua superfície por alguma intervenção vinda do exterior (por exemplo um impacto) mas sim pela manifestação de fenómenos evolutivos ao longo da história geológica de Marte.

 

PIA20234.jpg

Marte
(ampliação)

 

Segundo os cientistas da NASA responsáveis pela missão 2001 Mars Odissey estaríamos perante um verdadeiro sistema de canais marcianos (logicamente de origem natural) que teriam sido formado num passado bastante remoto devido à passagem de qualquer tipo de líquido, água ou lava.

 

(imagens: NASA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 14:56

10
Nov 11

 

O saneamento básico já não é o que foi, ou o que parecia que era. A imagem que este mundo e as suas cidades nos oferecem hoje em dia, ao atingir-se a cifra brutal de sete biliões de seres humanos, é a de um aglomerado calcinado por uma ultra-intensiva ocupação do espaço, asfixiado por um ar contaminado por uma utilização compressiva aplicada até à exaustão e infiltrado por canais de esgoto expostos e a céu aberto, como lava saindo do interior de um vulcão já morto mas ainda activo.

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:17

Julho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO