Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

28
Dez 19

[Reescrevendo a História, refazendo as histórias.]

 

Na continuação da Saga Política Norte-Americana A GUERRA DAS ESTRELAS,

 

Censorship News

CBC Deletes Trump Scene

From

HOME ALONE 2

Broadcast

(humansarefree.com/December 26, 2019)

 

Donald-Trump-Home-Alone-2-1.jpg

Sozinho em Casa 2

Macaulay Culkin e Donald Trump

(como se vê e sendo óbvio, com o dono do Hotel Plaza presente)

 

Agora com o IMPÉRIO GALÁCTICO no poder

(Liderado por TRUMP e pelo seu Clã REP)

E surpreendentemente com a ALIANÇA REBELDE na oposição

(Liderada por CLINTON e pelo seu Clã DEM)

 

Nem sequer nos proporcionando um intervalo − tendo um mínimo de respeito por nós, numa luta que nada nos diz, envolvendo as duas faces da mesma moeda, esmagando os norte-americanos e o Mundo − nesta Quadra Natalícia de fim de década

 

Logo num país afirmando-se como excecional

E em contacto direto com Deus

 

Sendo repentinamente dirigidos para um percurso paralelo ao da Guerra das Estrelas (além do mais) envolvendo os mesmos protagonistas (Clã TRUMP/REP e Clã CLINTON/DEM), agora utilizando-se um momento de uma outra Saga − tornando-a política – HOME ALONE e praticando-se deliberadamente e perante os nossos olhos um ato declarado de CENSURA Intencional e dirigida: e nem o sendo − o CORTE − concretizado nos EUA, mas através de um dos seus territórios satélite como o é o Canadá através da sua estação governamental (não como se pensaria a manipuladora RT) a CBC.

 

Desse modo e pegando-se num filme norte-americano de 1992 da 20th Centúria Fox (logo da FOX) tendo como protagonista Macaulay Culkin (Kevin, a criança esquecida em casa) HOME ALONE 2 (Sozinho em Casa 2) o segundo maior sucesso de 1992 e tendo arrecadado mais de 360 milhões de dólares de receita (a partir de um gasto de 20 milhões de despesa) – pegando-se numa “Participação Especial” e simplesmente ELIMINANDO-A, fazendo-a desaparecer (apesar dos milhões de testemunhos confirmando a sua anterior existência): DONALD TRUMP.

 

At Central Park,

KEVIN sees a homeless woman tending pigeons, which frightens him.

He runs to the PLAZA HOTEL and asks DONALD TRUMP

for directions to the lobby.

(wikipedia.org)

 

E considerando não só os seus espetadores como todos os restantes (incluindo nós) “verdadeiramente estúpidos” (sem psique), justificando os 24 segundos de corte na cena entrando TRUMP (não deixando nenhum sinal dele) − e como se a gente acreditasse − não por motivos políticos, mas devido unicamente à falta de tempo (pelos vistos excedido na sua programação em 24 segundos, exatamente o pequeno sketch envolvendo Trump).

 

Canadian state-funded broadcaster CBC deleted the scene featuring Donald Trump from their Christmas broadcast of Home Alone 2.

The scene from the 1992 movie features Trump telling Macaulay Culkin’s character how to find the lobby in the Trump Hotel.

The broadcaster asserted that it was edited out due to time constraints.

(humansarefree.com)

 

(imagem: humansarefree.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:14

03
Nov 19

[Tendo como protagonistas, gigantes como o Facebook e o Instagram (e para outros do outro lado tendo a RT).]

I

 

 

mind-controlled-robotic-arm-900x600.jpg

Tal como no passado com a descoberta do Fogo se deu o salto civilizacional que nos conduziu ao Homem Moderno – ao SUJEITO − no Presente e com a ascensão do poder do Objeto sobrepondo-se ao do Sujeito (tentando-o transformar num subobjecto), para além do mesmo se refletir no Espelho, podendo agora refletir-se numa Máquina: e tal como o seu (da Máquina) hardware funcionando à base da Eletrónica/Informática e de Energia Eletromagnética e apoiado por um processador (e memórias) e respetivo software aplicativo, num Futuro cada vez maia “” sendo desnecessários sendo descontinuados e progressiva e silencioso extintos (talvez colocados num Museu). Apenas porque o HOMEM quis transformar a MÁQUINA naquilo que ele nunca foi ou será: porque limitado a esta projeção (podendo até ser o único ser vivo e inteligente em todo o Universo) ser IMORTAL.

 

Num Tempo da História do HOMEM em que o próprio (individual e/ou coletivamente, conforme isolado ou pertencendo a um coletivo), debatendo-se com problemas existenciais e de consciência (previamente implantados na sua Mente e disponibilizando essa “linha de pensamento”) envolvendo a Futura (se não Presente) ASCENSÃO das MÁQUINAS – dados os avisos constantemente divulgados através dos filmes e das séries ditas de Antecipação Científica ou de SCI-FI, envolvendo ROBOTS e outras entidades CIBERNÉTICAS, com estes(as) descontinuando progressivamente o Homem (conforme a sua geração, idade e adaptação à nova Realidade), substituindo-o por ROBOTS-HUMANOIDES e assumindo “o Controlo e o Poder– olhando para o Futuro, “nem repara (não quer ver) sequer no que já se passa no Presente”: não estando a MÁQUINA PERFEITA  (o Hardware, à imagem do Homem) ainda pronta, pondo-se desde logo a correr os seus programas, entre eles o do ALGORITMO (ou seja o SOTWARE), com o único problema a residir (e sendo ENORME) no descontrolo do mesmo, dado ter origem BIO, dirigir-se a um BIO, mas sendo executado por uma MÁQ, sem cérebro e apenas (respondendo) com reflexos condicionados. E da mesma forma que tomada a rédea do poder o ALGORITMO hoje e mecanicamente se assume − metendo-se nos assuntos de “SEXO e de NUDEZ dos SERES HUMANOS” – amanhã com novas prioridades e justificando-se no mesmo Algoritmo − ou noutro qualquer (sem um cérebro ou outro tipo de processador que o controle) − podendo lançar-nos num Apocalipse por exemplo NUCLEAR: bastando para tal censurar, assumindo o que o HOMEM (incluindo TRUMP) não conseguiu, ou seja, “carregar com convicção (eCONSENSO”) no célebre e decisivo Botão”.

 

II

 

5db9b2cb85f540288e52e7eb.jpg

Com a exploração/abuso na utilização de crianças

− De que o sexual exercido p/ adultos é apenas uma forma extrema –

Entendendo-se tudo como normal, n existindo contraditório e p/ “consenso”,

Passando-se à fase seguinte da banalização

(Permitido)

 

Feliz ou infelizmente usufruindo da RT – Russia Today, um canal estatal russo de televisão – ficando-se mais a par (de uma “Outra Visão”) de muito do que (encontrando-se numa zona “de sombra ou de obscuridade”) se passa no Ocidente (visto do Oriente): tal como certamente o estaria um Oriental querendo saber algo sobre a sua metade do Hemisfério (Oriental), tendo para tal de recorrer ao seu oposto (em longitude) o Ocidente. E desta premissa (ponto de partida) chegando-se segundo à RT ao problema da “Censura e Aproveitamento Sexual (fatores interligados, tendo como denominador central e comum, a detenção e exercício do Poder), neste caso − e achando eu ser muito mais grave, pois utilizando entre outros crianças – podendo (devendo) a sua utilização ser equiparada ao nível de crime de “Abuso de Crianças” ou no seu caso extremo (envolvendo interesse sexual) de “Pedofilia”.

 

snapshot.jpg

C/ o Algoritmo em velocidade de cruzeiro (nem mesmo um “Icebergue Trumpista” o detendo), a certeza de que tudo o que se colocar no seu caminho, será levado à sua frente, tal como c/ uma onda de tsunami – s/ hesitações ou recuos, como neste caso, onde a nudez e indiretamente o sexo (“as mamas”) estão presentes

(Proibido)

 

No caso referido no site da RT e envolvendo EMOJIS (um vegetal e uma fruta, um sugerindo pelos vistos sexualmente o género masculino, o outro o feminino) − uma imagem equivalente a uma palavra, utilizada em mensagens/páginas na internet – com a poderosa dupla norte-americana dominando (com outros grupos dos Média/Comunicação Social) o seu respetivo mercado (incluindo as Redes Sociais) − o FACEBOOK e o INSTAGRAM – invocando justificações demonstrando “falta de cultura e de memória(para não dizer vergonha pela hipocrisia, ao não responder “servindo quem?”) colocando no mesmo saco “SEXO  e NUDEZ (ignorando a presença do sujeito, como se “sexo & nudez” fossem “uma e a mesma coisa”),  infelizmente e como sempre segundo o ponto de vista de um determinado e restrito nível etário, dominante, certificado e formador (ou “dando-a em concessão aos fiéis”): e assim proibindo a publicação de emojis associados a temas eventualmente podendo (segundo eles) estar associados a sexo/nudez (seja o que isso for para eles ou para o respetivo Algoritmo, desconhecendo-se a identidade do operador do terminal) – como por exemplo (informação RT) com um vídeo educacional falando do cancro da mama (seios à vista), com (proposta minha) Ticiano e a sua pintura “Vénus de Urbino (mulher nua e na cama), ou então e porque não, com (iniciativa que poderia ser Democrata, recorrendo a um Whistleblower-Paparazzi) Trump em fato de banho mostrando algo que não deveria (podendo tal servir, para ajudar ao Impeachment)

 

5dbc2ab2203027171165fdef.jpg

EMOJIS censurados

(pelo Facebook e pelo Instagram)

− Quando inseridos num contexto de “Sexo e/ou de Nudez” –

Por incentivarem as pessoas às práticas sexuais

(Proibido)

 

Enquanto por OUTRO LADO (a outra face da mesma moeda, pelo menos tendo passado pelo filtro, do infalível Algoritmo) permite a Visualização da Exploração e Abuso de Crianças Tornadas Protagonistas de Programas e Shows de Adultos (adultos esses cansados de se verem retratados por bonecos ou por outros adultos que não eles, e virando-se por facilidade e ausência de limites para os ainda desprotegidos e inocentes), violando-lhes e arruinando-lhes a juventude, como se fossem “Coisas (como nós) em Exposição”, para o continuar do bom funcionamento da (cada vez mais eficaz) cadeia de produção” – como por exemplo (informação RT) com um espetáculo em que uma “Transformista Canibal (completamente ensanguentada) retira à facada um recém-nascido do seu ventre enquanto vai bebendo o sangue (derramado), ou ainda com um espetáculo em que uma criança e à nossa imagem (dos adultos, muitos deles os pais) se submete a uma Metamorfose dita momentânea mas deixando as suas marcas (na ânsia e no desespero pela Fama e pela Visibilidade, tal como com o sucedido com o Euromilhões e esta Sociedade, mais que esmagadoramente por nenhum de nós alcançado) com a Criança num segundo sendo JOVEM (sinal de fraqueza) para no seguinte sendo VELHA (sinal de riqueza).

 

Espetáculo simulando um recém-nascido tendo sido sujeito a um aborto, recorrendo a facadas por parte de uma enlouquecida e completamente ensanguentada “Drag Queen Canibal”, no final exibindo-o e bebendo o seu sangue

(Permitido)

 

Violada nos seus direitos (pelos criminosos, violadores e pedófilos, sejam eles físicos ou mentais) e impondo-se-lhes falsos deveres (por aqueles que hoje dominam o Mundo); ou por exemplo, finalmente (já agora e estando em curso) e dada a pertinência dos temas (não tanto de debate, mas de rápida aplicação, sejam quais forem as consequências), no presente “bem na Moda” − junto com a palavra Consenso (nunca Unanimidade, mais reacionária) – introduzindo falsos problemas existenciais (de adultos) na cabeça das criancinhas, primeiro lançando-lhes para cima (da “moleirinha” das suas ainda débeis cabeças) com as casas de banho (para um, para todos, para nenhum, à escolha), para depois e como se já não chegasse (atirando-lhes com o equipamento), questioná-las sobre o seu sexo. E olhando para eles numa sala sem espelhos (não fosse as crianças terem dúvidas) − e estando “tudo louco” − questionando-os: “Queres ser Menino ou Menina”?

 

(imagens: Carnegie Mellon University/mathworks.com − rt.com − Cancer Focus NI/youtube.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:56

05
Jun 13

Ontem compravas um LP e ias para casa ouvir até à exaustão o que ele nos oferecia, deixando-te transportar mentalmente para outros mundos e com eles reconhecendo e reaprendendo o nosso território e até melhorando o dos outros. Era como se lesses um livro e nele te integrasses como personagem capaz de o reinterpretar ou refazer – ou seja pensar. Hoje basta ter uma boa memória fotográfica e dizer sim a tudo o que de bom nos oferecem – mesmo que à custa de todos os outros – para sermos considerados felizes, consagrados e realizados. Tudo o resto são pormenores ou danos colaterais.

 

Em Nome dos Amantes da Cultura e da Memória

 

“Em 1969, HAVENS abriu o Festival de WOODSTOCK; ele foi aclamado pela multidão e foi tocando até ficar sem músicas, decidindo improvisar uma versão de "MOTHERLESS CHILD", a qual ele acrescentou um verso com a palavra "FREEDOM" repetida várias vezes. Esta versão transformar-se-ia em um sucesso internacional com o lançamento do documentário Woodstock em 1970”. (Wikipedia)


           

Woodstock – 1969

 

O Festival de Woodstock faz parte integrante da minha memória futura, apenas porque o vivi no passado e sempre o acompanhei no presente, desde o Portugal Salazarista em que se procurava sofregamente a cultura – importando-a do exterior e vivendo-a numa aventura “com uma censura sem limites, mas sem limites de censura” – passando pelo Portugal de Abril com os seus sôfregos estudiosos da cultura, do conhecimento e da música, como foi o caso do musicólogo e professor da FLUP Jorge Lima Barreto, até à época do aparecimento e consolidação progressiva dos mercenários da pós-modernidade portuguesa, alicerçados e reforçados no seu refundado poder oligárquico, em três pilares fundamentais: no analfabetismo persistente e deliberado, na recusa imoral e lobotomizadora da utilização da memória individual e colectiva e no recurso a manuais resumidos e constantemente actualizados e corrigidos. Com o único objectivo divino – e com garantia de sucesso – o da obtenção do bilhete dourado para acesso garantido a um emprego – não a um trabalho ou ofício – e a outras mordomias sequenciais. 

 

(imagens – retiradas da Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 12:23

Fevereiro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9

17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO