Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

10
Jun 13

I

 

“Ler e escrever são dois dos melhores remédios a usar, quando não temos mais ninguém para quem trabalhar”

 

Mesmo debaixo de milhões de toneladas de detritos tóxicos e de outros produtos putrefactos provenientes da junção das maiores cadeias alimentares mundiais com os laboratórios de manipulação genética do ADN humano – pondo-o mais conforme com as iniciativas do mercado e os desejos divinos das entidades superiores terrestres – o Homem ainda consegue percorrer calmamente e sem necessidade de recorrer aos limitadores de perspectiva, os caminhos que o mundo desde os mais recônditos espaços do tempo sempre transformou e nos ofereceu.

 

II

 

Capas de dois Livros de uma Vida

(por oposição aos manuais sem instrução)


          

João César Monteiro e Antonin Artaud

 

Os primeiros livros que me vieram ter às mãos por iniciativa dos outros e que desde logo me foram entregues sem nenhuma restrição – com o único dever de os preservar, até por respeito à Instituição que os colocava nas nossas mãos – foram os manuais únicos e primários. E aqui utilizo os termos único e primário sem qualquer tipo de intenção pejorativa (acho eu), mas apenas porque estes eram os únicos livros facilmente acessíveis (não considerando aqui o problema do seu custo, para a generalidade da população portuguesa) e que livremente podíamos folhear sem censura ou qualquer outro tipo de limitações, enredando-nos em histórias e aventuras encantadoras por inesperadas e introduzindo-nos nesse mundo fantástico e colorido da banda desenhada.

 

Com o passar do tempo a curiosidade foi aumentando, surgindo entretanto outras possibilidades de caminhos novos e alternativos a percorrer e a desvendar, que acabaram por me levar à pequena biblioteca guardada e fechada pelos meus avós (anteriormente da minha mãe), transformada então para mim e para os meus próximos tempos de vida, em objectivo escondido mas prioritário das minhas próximas investidas de jovem inconsciente e fechado num mundo pequeno mas ainda cheio de mistérios e de futuras alegrias e aventuras. E aí entrei desde logo no mundo das aventuras pejado de territórios misteriosos, encantados e desconhecidos, partilhando e recriando com os seus autores os mundos fantásticos de Salgari, Verne e da grande legião de escritores de ficção científica que a Argonauta nos ia oferecendo. Nunca esquecendo a iniciática revista de banda desenhada Tintin e os grandes escritores da língua portuguesa, como o heróico e beirão Aquilino Ribeiro, um exemplo dum grande vulto da nossa história, cultura e memória, que sempre desejou viver no meio do seu povo, refugiado no meio do nosso ventre materno – a terra – e guardado com uma rigidez fria e humilde, mas amiga e protectora, pelas altaneiras e brilhantes (e irradiando energia) serras graníticas do seu querido Portugal.

 

III

 

Despertando a infância um sentimento de inveja e de desejo à medida que a nossa vida passa e ao mesmo tempo que a mesma vai transitando de espaços, por vezes poucos movimentos alternativos são postos à nossa disposição para nos libertarmos desta atmosfera claustrofóbica que por coação nos dirige, deixando-nos em muitos casos limitados a zonas restritas de pensamento e de reflexão, onde entre parâmetros delimitados por ínfimas e irrealistas dimensões conseguimos construir e elaborar novos mundos idealizados num outro nível de consciência, impossíveis de negação de acto de concretização.

 

(imagens – editora & etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:26

Dezembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Palavra de ADN

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO