Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Vulcões Ativos─ Nyiragongo (R. D. Congo)

Domingo, 30.05.21

“Significant building damage was reported after a

shallow M5.3 earthquake hit Rubavu, Rwanda on May 25, 2021.

This is the strongest of numerous earthquakes recorded in the region

after the eruption of a nearby Nyiragongo volcano on May 22.

Tremors are shaking the region every 10 to 15 minutes.”

(Teo Blašković/watchers.news/25.05)

nyiragongo-and-goma-sentinel-2-june-1-2020.jpg

Vulcão Niyragongo a apenas 16Km da cidade de Goma/R. D. Congo (com 600.000/700.000 habitantes e localizada perto da fronteira do Ruanda), na 1ª erupção originando a fuga em pânico da sua população, no entanto com a torrente de lava não lhe sendo dirigida.

 

Com o Mundo dividido entre “Preto e Branco” ─ para um nosso melhor enquadramento e controlo nos “armários sociais e sequenciais” que preenchem o nosso percurso e quotidiano de Vida ─ sendo comum ao sermos colocados perante situações aparentemente idênticas ou (sabendo-se do erro introduzido por vezes pelos nossos órgãos dos sentidos) no mínimo semelhantes, que as conclusões tiradas (invariavelmente) sejam curiosa e estranhamente algo diferentes (das inicialmente definidas, como as previstas), tal como deveria ser claro e óbvio: entre “a Luz e a sua ausência” (preto) havendo uma multiplicidade de variações, podendo estas serem expostas utilizando um simples prisma, decompondo a Luz e daí obtendo, diferentes cores e tonalidades ─ na sua exuberância sensitiva impactando-nos intensamente com a sua beleza e até servindo para esconder (algo que o P/B não consegue, sendo uma exposição mais fiel, não ocultando pormenores) muitos erros.

snapshot1.jpg

Numa 2ª erupção igualmente intensa e acompanhada de vários sismos (atingindo esta região congolesa vizinha do Ruanda, c/ um sismo intenso atingindo algumas localidades fronteiriças), devido a uma nova fratura na vertente do vulcão, dirigindo-se agora para Goma.

 

E propondo-nos a Luz no usufruto de um mesmo cenário diferentes cores e tonalidades (um instrumento obrigatório, como que envolvendo real/imaginário, sendo o Caleidoscópio) mesmo num Mundo Monocromático dispondo de um nº infindável de variações mais ou menos para o cinzento claro ou para o carregado, também no Mundo Físico não tanto focando a sua Alma Eletromagnética mas a sua componente mais física e geológica, nada sendo estático ou imutável mas dinâmico por evolução, não se podendo nunca considerar uma nova fase desse processo contínuo e de transformação (Metamorfose), apenas por tradição e desconforto (habituados à repetição), um caminho para a nossa perdição, para o Aquecimento Global, para as Alterações Climáticas, para o Fim-do-Mundo, quando o que apenas observamos é Movimento, Evolução, Vida e sua adaptação: talvez por cá sendo o fim do território ocupado e tal como sempre este se apresentou, se ofereceu e o conhecemos (montando nele o nosso Lar) ─ por exemplo sendo submergido pela elevação progressiva do nível médio da água do mar, devido ao Degelo nos Polos (provavelmente como já aconteceu por diversas vezes na História Geológica da Terra) ─ mas em contrapartida e no cumprimento do efeito ação/reação, aparecendo um outro renovado território pronto a ser disponibilizado/usufruído (noutro espaço, noutro tempo) noutras coordenadas agora dedicadas e reservadas (à manutenção do Ecossistema e à persistência do Homem). Com a Geologia Terrestre sendo um Organismo Vivo.

“Seismicity and soil deformation indicate the presence of magma

under Goma and Lake Kivu - Nyiragongo, DR Congo.”

(Teo Blašković/watchers.news/27.05)

snapshot2.jpg

Provocando de novo o caos nesta região vulcânica do Congo (com vários vulcões por perto), c/ a lava a avançar agora p/ Goma, atingindo diversas localidades/habitações/explorações no seu caminho (provocando vítimas mortais) e só parando nas imediações de Goma.

 

De um lado tendo-se a Itália (Europa) do outro a R. D. Congo (África) e entre eles tendo em comum, a presença de fenómenos sismológicos e ainda de intenso vulcanismo, em duas envolvências distintas (Hemisfério Norte Vs. Hemisfério Sul, 1º Mundo Vs. 3º Mundo, Ricos Vs. Pobres) e com consequências não coincidentes (de “cargas” contrárias): no continente europeu com os italianos postos perante mais uma erupção do ativo, siciliano e em constante atividade vulcão ETNA, presenciando ao vivo (especialmente à noite) a um extraordinário espetáculo de cores, de sons e de luzes, proporcionadas pelas explosões (sucessivas), pelas cinzas atmosféricas (projetadas) e pela lava vermelha e incandescente (descendo pelas suas encostas), num cenário pacífico por sem consequências e originando mesmo visitas turísticas propositadas ao local, para observação esta poderosa manifestação da Natureza; já no caso do ocorrido e ainda em curso no continente africano, mais propriamente na R. D. Congo e nas proximidades da cidade de Goma (vizinhanças da fronteira com o Ruanda) ─ urbe de perto de 700.000 habitantes residindo nas proximidades do vulcão Nyiragongo ─ envolvendo um vulcão muito mais agressivo podendo expor comunidades localizadas por perto ou no seu caminho (ao alcance das projeções aéreas de material e ao avanço terrestre das lavas incandescentes) proporcionando (ao contrário do caso anterior) um espetáculo não para assistir (usufruir/interiorizar), mas aqui e como último aviso para fugir, com “a conversa a já ser outra” (envolvendo não o prazer, mas a sobrevivência).

snapshot4.jpg

Suspensos os aí residentes pelo que lhes reservará a seguir o vulcão ─ sabendo-se parte da cidade estrar assente sobre uma caldeira de magma ─ podendo subitamente manifestar-se, impactando sobre a região e estendendo os seus efeitos no interior do Ruanda.

 

No passado dia 22 de maio (e já com avisos anteriores, com a sucessão de sismos) com o vulcão de Nyiragongo um dos mais ativos e violentos da região a entrar em erupção, registando-se no mesmo diversas explosões ejetando material vulcânico (e cinzas) para a atmosfera e dando origem a partir das suas vertentes a vários rios de lava vermelha/incandescente: inicialmente não se dirigindo para Goma, mas devido ao aparecimento de novas fraturas direcionando-se para a mesma cidade, apanhando outras localidade menores pelo caminho, levando à evacuação forçada de Goma, mas à portas da mesma, com o avanço da muralha de lavas a parar. No entanto e passada já uma semana e com muita da população já tendo regressado a casa (sustido o avanço da lava, mas mantendo-se as erupções/sismos), mantendo-se o alerta em toda a região dada a sismicidade persistente, assim como a deformação contínua verificada no terreno: de um momento para o outro podendo registar-se de novo uma grande erupção, colocando em perigo extremo tudo e todos, sabendo-se adicionalmente sobre este vulcão/esta região/esta cidade, que toda a zona subterrânea localizada sob a cidade e o lago situado próximo assenta sobre uma grande extensão (uma caldeira) de magma.

(imagens: watchers.news ─ France 24)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:49

Vermelho de Sangue, Vermelho de Fogo

Domingo, 23.05.21

Ontem dia 22 de maio pelo fim da tarde com os habitantes da cidade de GOMA localizada na R. D. CONGO ─ uns 670.000 ─ a serem surpreendidos pela violenta erupção do vulcão do MONTE NYIRAGONGO (tornando a cor do céu avermelhada) situado nas proximidades: face ao fenómeno extremo e ficando aterrorizados, com os habitantes da cidade a fugirem em massa, com medo de poderem ser atingidos. Não se confirmando, no entanto (e para já) a cidade estar no “caminho do vulcão”, seja através da projeção de material (cinzas, pedras) ou de lava vulcânica (escorrendo pelas suas vertentes e podendo dirigir-se para GOMA), seguindo em sentido que não o da cidade (mas do país vizinho, o Ruanda).

E2A7ri6WEAE9lAC.jpg

Tranquilizando um pouco mais os aí residentes, não constituindo o vulcão NYIRAGONGO uma ameaça direta e imediata (apesar de ser um dos mais ativos dessa região, existindo dois próximos) para nenhum centro populacional (maior/menor) existindo por perto. Entrando em erupção este sábado e lançando plumas de gases para a atmosfera, escurecendo-o e dando uma tonalidade de cor vermelha (de Inferno ambiental) ao céu, sobre GOMA e toda a região envolvente (congolesa) do centro/este de África. Com as autoridades a acompanharem a evolução da situação, pedindo calma à população para já e segundo estes estando fora de perigo (sem informação em contrário, até podendo regressar a suas casas).

E2AqIA6WUAMcPLz.jpg

Relembrando, no entanto, o que sucedeu numa situação aparentemente semelhante ocorrida em 2002 no mesmo vulcão (de 2 vulcões ativos e próximos), dando-se a erupção do vulcão do MONTE NYIRAGONGO, para de seguida a lava libertada pelo mesmo escorrer pelas suas vertentes, atingindo a base e dirigindo-se finalmente à localidade de GOMA: vitimando mortalmente 250 pessoas e transformando 120.000 em “sem-abrigo”. Um vulcão “poderoso” face ao seu vizinho e “dócil” NYAMURAGIRA (de 3470m de altitude), mais parecido com outros dois vulcões (um situado mais a norte, o outro mais a sul) igualmente do tipo estratovulcão como o são os vulcões BARUTA e SHAHERU.

(imagens: Roni Korotkov/@KorotkovRoni ─

INFURAYACU@infuraluc01 ─ twitter.com/watchers.news)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 13:41

Tintin

Terça-feira, 19.04.11

Caso “Tintin no Congo” conhece hoje datas para julgamento em Bruxelas

 

Teor da obra considerado racista

 

O livro da polémica

 

Este livro foi publicado por Hergé em 1931.

Ou seja há oitenta anos!

E como “mais nada de grave se passou desde então no mundo, no que diz respeito ao problema do racismo”, alguém declarando-se de mãos limpas, lá encontrou um boneco compensatório para os seus remorsos conformistas, tornando-se ilusionista.

 

Tintin no Congo

 

Cesse-se a publicação ou afastem-na das criancinhas!

 

Não custa nada ter memória e muito menos ter cultura. O problema é o daqueles que não tendo nenhuma das características anteriores, por opção fundamental de vida e necessidade de sobrevivência no mercado onde desejaram inserir-se – como é “bom” seguir-se um determinado percurso obrigatório e situacionista (de poucos anos) e em troca, obter-se uma boa segurança económica (de muitos anos), comprovada por um certificado de aptidão passado pelo poderoso estado – decidem por todos nós, o que é bom e o que é mau, confundindo-nos com datas e factos diferentes, misturando casos e exemplos sem qualquer espécie de ligação e resolvendo sem qualquer tipo de hesitação, atacar pessoas do século XX (os seus mestres) por não cumprirem as novas directivas – que eles próprios não cumprem – impostas em nome do bem do novo século XXI.

 

O Bobo

 

No mundo anterior, a força exercia-se e sentia-se, através do uso das armas: aí a posse de uma arma ou do detentor da mesma, representava o poder – daí a proliferação de postos hierárquicos e do poder de intervenção dos exércitos: era bom ser General! No mundo posterior e face à violência que a utilização indiscriminada de armas projectava sobre a sociedade – e o mau aspecto que dava – o poder resolveu substituir a força das armas pela força de um canudo: a força bruta era então substituída pela brutalidade de um saber seguro e controlado, de ingestão forçada, mas deveras compensatória: era bom ser Doutor! A violência não acabava, só que agora seria sempre certificada, antes de ser utilizada, até para controlar melhor os outros grupos rivais.

Antes de Bolonha só conhecia o esparguete, mas um barrete, enfia-se por qualquer razão. O meu grande erro foi não ter pegado em qualquer um!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:20