Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Antes de Adormecer

Domingo, 09.01.22

This was my week.

Head buried in grant writing looks up. - “Oh, the Pope has resigned.”

Goes back to writing, looks up a few days later. - “Oh dear, it seems that everyone has been eating horse.”

Goes back to writing, looks up a couple of days later. - “A FIREBALL OVER RUSSIA!”

Ok world, you’ve got my attention.

(Helen Maynard-Casely/16.02.2013/teconversation.com)

Взрыв_метеорита_над_Челяби

Meteoro de Cheliavinsk

(Rússia)

Para adormecer mais tranquilamente e lembrando-me por qualquer razão das Aventuras de Asterix e de Obélix (nos livros de Uderzo e Goscinny),

Depois da chuva, da neve ou do granizo e segundo o “devorador de javalis” (nunca esperando que nada de pior se seguisse),

─ Vivendo este aterrorizado com a possibilidade de

“o céu cair-lhe sobre a sua própria cabeça”

Seguindo-se neste tempo, mas agora no Mundo Real (neste planeta Terra),

Depois das táticas da tortura (tentando fazer-nos confessar) e da introdução do polígrafo (tentando verificar a verdade ou a falsidade das nossas informações) aplicadas no passado,

A utilização de robots capazes de “nos lerem a mente”, já no presente e com os olhos desde logo postos no futuro.

Como sempre e tal como ocorrido na introdução da automação e controlo (em estreita colaboração com a eletrónica e a informática), com as primeiras intenções a serem boas,

5e53dff1fee23d6ae640ce1a.jpg

Garry Kasparov Vs. Deep Blue

(a vitória da Máquina)

Mas forçosamente a terem uma reação (por sinal sendo dura e vindo da outra parte, colocada entre a espada e a parede, podendo a sua utilização ser descontinuada),

Face à substituição progressiva e irreversível da mão-de-obra tradicional, biológica, dispendiosa e de desgaste rápido, colocada perante um opositor seu (direto, concorrendo para o mesmo) novo, mecânico e automatizado, de fácil manutenção e reciclagem (aproveitamento),

Perdendo e sendo dissolvida (na nova corrente evolutiva),

Introduzindo-se este novo fator no desenvolvimento do processo agora em curso

Retirando do tabuleiro de jogo o Homem

e substituindo-o por uma Máquina ─

Permitindo a esta última “saber o que estamos a pensar”,

Depois de nos substituir (fisicamente) podendo amanhã controlar (por antecipação a uma nossa 1ª reação) o nosso pensamento, aquilo (se ainda o conseguirmos fazer, de uma forma independente) em que pensarmos.

BBVA-OpenMind-La-robotica-los-materiales-inteligen

Aprendendo tal como nós repetindo, imitando

(e repentinamente ultrapassando-nos)

Por dois caminhos alternativos e continuando a seguir este mesmo rumo, estando obviamente condenados, podendo ser-se simplesmente substituídos ou então, transformar-nos aos poucos “noutra coisa” e introduzindo cada vez mais periféricos, tornando-nos em bio máquinas.

E da máquina perfeita biológica, passando-se á máquina perfeita não o sendo (extinto definitivamente o Homem, pelo menos até um dia em que a máquina e talvez por motivos semelhantes, o recupere), questionando-nos:

Não seremos nós já essa máquina ─ Perfeita ─ tão bem ela funciona, sabendo-se ela tão complexa, no entanto e como tudo sendo descartável, o nosso único problema estando no pouco Tempo, para “tanto Espaço” disponível.

Para tal tendo-se de se descobrir um outro tipo de dimensão uma outra porta, tal como a “Partícula de Deus” ─ Deus sendo o criador do Homem, o Robot-Perfeito ─ uma porta de um outro nível talvez Espiritual, capaz de conjugar num mesmo modelo (no fundo talvez sendo o mesmo, algo diferente),

Alma (relacionado c/ o Homem) e Eletromagnetismo (relacionado c/ o Universo).

(imagens: wikipedia.org ─ Reuters/businessinsider.com ─ bbvaopenmind.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 02:37

Estratégia e Tolerância

Quinta-feira, 30.08.12

“A tolerância – tal como a ordem e a moral – é uma invenção dos ditadores, que apenas vem o seu bem e matam o mal dos outros”

 

 

A tolerância escolhe sempre as mesmas vítimas

 

Falar, falar sem nunca parar, mesmo que não se tenha nada para dizer – é um sinal importante para todos nós e a confirmação de que mesmo alienados, ainda aqui estamos e por aqui continuamos vivos.

 

Mesmo que seja para dizer, repetidamente e com prazer, o que os outros acham ser disparate.

 

Pensar não ofende – apenas prova que ainda temos o cérebro e que este continua a funcionar.

 

Sejas camponês ou engenheiro, analfabeto ou erudito – já que o leigo é o escravo assumido – podes ter a certeza que os procedimentos de vida serão sempre iguais para todos.

 

Mesmo que limpes o cú a um rolo de papel higiénico ou utilizes uma garrafa de água para o cumprimento da mesma missão, a tua imagem refletida no espelho repetirá sempre ao pormenor – por mais insignificante que ele seja considerado – a tua identidade total com aquele que te diz representar e que apenas te deseja domesticar ou mesmo lobotomizar, para melhor o serviço publico controlar e assim na historia do teu pais, se eternizar ou mesmo santificar.

 

Pensa na tua vida e na daqueles que contigo vivem e se então assumires a vivência do teu grupo, compreenderás na sua plenitude de partilha, que daí sairá a tua garantia de sobrevivência, a tua capacidade de amar e de compreender as ideias mais disparatadas e irracionais, seja do teu amigo ou inimigo, aquele que sempre te respeitou como tal, fosses rico ou fosses pobre!

 

O meu amigo é aquele que ainda não conheço completamente – mesmo que o veja todos os dias – porque ainda anda por aí e tem muito para me dar. E porque é disso e de todos eles, que nós todos precisamos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:14