Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

08
Mai 18

 

Última Hora

“President Trump declared on Tuesday that he was pulling out of the Iran nuclear deal, unraveling the signature foreign policy achievement of his predecessor, Barack Obama, and isolating the United States among its Western allies.”

(nytimes.com/08.05.2018)

snapshot DT.jpg

Donald Trump e a sua conferência de imprensa de 8 de Maio em que anunciou a sua retirada do acordo nuclear iraniano, aproveitando a ocasião (contrastando com a sua atitude face à Coreia do Norte) ‒ A Ocasião Faz o Ladrão ‒ para atacar o Irão.

E dando Uma no Cravo e Outra na Ferradura ‒ “não se comprometendo, utilizando argumentos dúbios, defendendo ambos os lados de uma contenda” (dicionárionet.com) ‒ o atual Líder dos Estados Unidos da América (45º Presidente e Republicano), simultaneamente ainda milionário do ramo Imobiliário, da Restauração, dos Concursos de Beleza e dos Casinos ‒ o nova-iorquino de 71 anos Donald Trump ‒ depois se oferecer inesperadamente à Coreia do Norte e ao seu líder (o ditador Kim Jong-un) para dialogar ‒ tendo anteriormente prometido Fogo & Fúria ‒ vem agora denunciar (esta terça-feira 8 de Maio) o acordo nuclear iraniano assinado pelo seu antecessor Barack Obama (estabelecido em 27 de Setembro de 2013 e acordado/concluído em 14 de Julho de 2015 com a assinatura dos EUA e do Irão e das nações integrando o P5+1 ‒ China, EUA, França, Reino Unido, Rússia e ainda o Irão) ameaçando desde já o Irão e prometendo-lhe se necessário uma resposta à base de bombas. E depois de outros acordos quebrados unilateralmente pela Administração da Casa Branca (Ambientais e Económicos) abrindo-se agora um novo e preocupante Cenário ‒ de Guerra (para os EUA e para o Resto do Mundo) ‒ dado o Irão ter Petróleo (ao contrário da Síria e da Coreia do Norte). Faltando-se apenas saber o que pensam a Rússia e a China (entalados como estão França e Reino Unido) ‒ e já agora da ONU ‒ da chantagem de Donald Trump (prometendo mais sansões) aos países não apoiantes.

 

“Trump deserves Nobel Prize if he solves Iran, Korea crises, says Boris Johnson.

UK foreign secretary is trying to persuade Trump not to scrap the Iran deal.”

(politico.eu/08.05.2018)

 

“Obama got Nobel before he did anything.”

(Boris Johnson/sky.co/06.05.2018)

 

iran-nuclear-deal.jpg

Benjamin Netanyahu

A prova irrefutável das mentiras iranianas

(proferidas pelos mesmos que afirmando terem os iraquianos Armas de Destruição Maciça ‒  Químicas e Nucleares ‒  terraplanaram o Iraque e praticaram genocídio)

 

“Will Trump pull out from Iran deal? The world will know today.”

(oneindia.com/08.05.2018)

 

Enquanto no nosso planeta e observando-o apenas segundo uma perspetiva Geográfico-Natural as maiores concentrações demográficas e simultaneamente as sociedades atualmente mais desenvolvidas se encontram esmagadoramente localizadas no Hemisfério Norte ‒ ou seja acima da linha do Equador ‒ se lhe acrescentarem na sua análise um outro parâmetro artificial por estritamente político-ideológico (separando Religiosamente o Bem do Mal segundo as diretivas Católico-Romanas e as leis do Capitalismo Ocidental), poderemos para sermos mais rigorosos e para nossa salvaguarda (e do o Mundo Ocidental) dividir a Terra não em 2 Hemisférios (Norte e Sul) mas em 4 Quadrantes: para nós Ocidentais com o 1º Quadrante a ser o Líder Mundial (englobando os Excecionais EUA e os seus Aliados Europeus) e o representante do Eixo do Bem, com o 2º Quadrante (localizado a leste) dominado pela Rússia e pela China (assim como pelo Irão) a ser o Inimigo Público Nº1 do Ocidente e o representante do Eixo do Mal e com os 3º/4º Quadrantes dada a grande potencialidade dos quadrantes anteriores (1º/2ºQ) e ao seu significativo atraso cientifico-tecnológico face aos primeiros (do 3º/4ºQ), a serem certamente a futura reserva de mão-de-obra (ou se preferirem e face à automatização, de escravos) para os tempos incertos que aí vêm: não sendo por acaso o controlo quase total dos EUA sobre o Continente Americano (América do Norte e do Sul) ‒ com exceções como Cuba e a Venezuela a sentirem as consequências da sua desobediência ‒ e o assalto de norte-americanos (com armas) e de chineses (com bens) ao Continente Africano tentando aí exercer o seu domínio e a sua supremacia. E com o Eixo Económico-Financeiro Mundial a deslocar-se progressiva e irreversivelmente para a Ásia (face à grave e pelos vistos irreversível Crise Económica, Financeira, Cultural e Moral atravessando todo o Continente) deixando a Europa descalça e de mãos estendidas (aos dinheiros e negócios Russos e Chineses) além de ajoelhada (frente ao poder do Dólar e Militar Norte-Americano) ‒ e humilhada pela atuação do Novo Dançarino francês: depois de Sarkosy seguindo-se Macron.

 

278565_3cd37ad3314945419c835538df8a06c6~mv2.jpg

2 Ditaduras (Coreia Norte e Irão) e a teoria dos 2 pesos e das 2 medidas

& An Olive Branch for North Korea, but Bombs for Iran (a tal teoria de novo)

U.S. Secretary of State Mike Pompeo is greeted by Saudi Foreign Minister Adel al-Jubeir in Riyadh, Saudi Arabia, on April 28, 2018.

 

“No reward for North Korea without irreversible denuclearization.”

(Secretário de Estado norte-americano Mike Pompeo/Reuters.com/12.04.2018)

 

Ultrapassado mais um fim-de-semana neste 1º Quadrante da Terra (englobando os EUA, a Europa Ocidental e já agora a sua principal instituição a NATO) no qual poderemos integrar Portugal (por direito geográfico, católico-romano, europeu e ocidental), destacando-se alguns Eventos mais passados ou presentes com maior ou menor impacto (suponhamos que os ocorridos entre 1/terça-feira e 7 de Maio/segunda-feira): em países limítrofes como Portugal ultima e prioritariamente direcionados para a Indústria Hoteleira e Turística (e afins como o da Construção e do Imobiliário) e para os omnipresentes Serviços (numa Monocultura levando ao afunilamento da área e à estagnação das restantes) ‒ oferecendo às novas gerações um único destino e uma única opção (de miséria) mas de mais rápida absorção (ou tempo não fosse dinheiro) ‒ com nada de relevante a suceder a não ser a constatação (não surpreendente pelo poder da Cultura Intrusiva Estatal e pela contínua manipulação da Memória distorcendo sistematicamente a História) do poder ainda intacto da Tríade Fado/Futebol/Fátima (44 anos depois da Revolução ou Golpe de Estado de 25 de Abril) ‒ com o festival da Eurovisão da Canção a caminho (dando desde já uns quantos milhões de prejuízo à RTP), com o Campeão de Futebol decidido (do Porto ficando as migalhas para Lisboa) e ainda com os Peregrinos na estrada dirigindo-se para o Santuário de Fátima (para as Comemorações do 13 de Maio na Cova da Iria, recordando o Milagre aí ocorrido há cerca de 100 anos) ‒ enquanto no Mundo Ocidental domiciliado no 1º Quadrante e sob orientação Norte-Americana, com as notícias merecedoras de tal definição (depois de filtradas e como sempre condicionadas à estratégia das FAKE NEWS) a poderem ter factualmente e pela sua profunda difusão fontes centradas (mesmo que não localizadas) nos EUA (simultaneamente sede do Crime Organizado e da Polícia do Mundo), na Coreia do Norte (associada à China), na Síria e no Irão (associados à Rússia) e na Venezuela (associada a Cuba) ‒ e com a Ucrânia de reserva (e a sua Guerra Civil temporariamente suspensa) agora que se aproxima o Mundial de Futebol (a iniciar-se já em Junho) na Rússia (antecipada e desportivamente dopada apesar de nesta época ser a 6ºRM atrás dos EUA medalhado com Bronze) de Vladimir Putin. Segundo a lógica atual (norte-americana e inglesa) ‒ e podendo ter como declarante anedótico/perigoso o chefe da diplomacia britânica Boris Johnson ‒ sendo igualmente a razão (tendo o Povo todo Dopado) da recente reeleição de PUTIN.

 

(imagens: reuters.com e marchonpentagon.com/01.05.2018 c/legenda em inglês)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 20:26

07
Jan 16

A Coreia do Norte anunciou esta semana (a todo o Mundo) ter testado com êxito a sua primeira Bomba de Hidrogénio (atómica). Uma arma nuclear de enorme potência posta a partir de agora ao dispor dos militares norte-coreanos, assim como ao serviço do seu grande líder e proclamado ditador KIM JONG UN. Um único homem que pôs em poucos segundos todo o mundo em estado de alerta, suplantando no seu tempo de ação todo o espaço até aí concedido aos terroristas: e considerado como pertencendo ao grupo de países do Eixo do Mal (incluindo segundo George W. Bush no seu discurso sobre o Estado da União de 29 de Janeiro de 2002, o Iraque, o Irão e a Coreia do Norte). Agora dispondo do veículo (mísseis intercontinentais) e até de arma (bomba H).

 

9457891_600x400.jpg

Se tudo for verdade (mísseis e bomba H) só falta mesmo carregar no botão
(HOWARD representando KIM JONG UN)

 

Um caso muito comum de aparência (da sua pretensa força) e simultaneamente de prepotência (exercida de forma bruta). E que desde logo provocou uma reação imediata por parte de toda a comunidade internacional (Grã-Bretanha, China, Rússia, Coreia do Sul, Japão, entre outros) mesmo antes da confirmação oficial do referido acontecimento (por parte dos EUA). Isto apesar de outros estados imprevisíveis dispondo (como o Paquistão) ou não (como a Arábia Saudita) de uma bomba nuclear, também serem governados por regimes (ditatoriais) como o norte-coreano: mas nestes dois casos considerados aliados (do Ocidente).O que não deixa de ser preocupante (sobretudo para a Europa) esquecendo-se outros assuntos muito mais importantes (como o da Ucrânia e do Médio Oriente).

 

map-430594.jpg

Um tipo de arma (nuclear) já ao alcance de vários países muitos deles instáveis
(como a Índia, o Paquistão e Israel)

 

Face a esta inesperada notícia que invadiu instantaneamente todos os meios de comunicação social (global), assim como face à gravidade que a mesma ameaça associada (a esta notícia) poderia acarretar, logo os quinze membros Conselho de Segurança se reuniram condenando fortemente a Coreia do Norte e o seu teste nuclear ilegal: impondo mais sanções económicas (será aí a quinta vez) desde que os norte-coreanos realizaram o seu primeiro teste (há uma década atrás). Com todo este espetáculo mediático a ser montado apesar de:

A explosão ser estimada num máximo de 10kt enquanto utilizando um dispositivo termo nuclear (como a bomba de hidrogénio) andaria pelas megatoneladas (Mt); pelo que o ensaio agora levado a cabo pelos norte-coreanos não passaria de um simples teste ao mecanismo de disparo da sua Bomba H, a mais um teste de mais uma bomba de fissão ou até mesmo a um teste falhado;

 

Os EUA ainda não terem confirmado este ensaio nuclear agora realizado pela Coreia do Norte com uma bomba de hidrogénio (muito mais potente e perigosa que uma bomba de fissão), apesar de todas as afirmações divulgadas nesse sentido pela rede da TV estatal norte-coreana; contando ainda com a contribuição de um tremor de terra de magnitude 5.1 registado por essa altura nessa região.

 

Colocando praticamente todos os continentes da Terra sob a ameaça dos mísseis intercontinentais norte-coreanos (talvez exceto África), sejam eles equipados com bombas de fissão ou com bombas de hidrogénio: tendo a China, a Coreia do Sul, o Japão, a Austrália, a Alemanha e até os EUA (como alvos privilegiados) ao seu alcance e debaixo da mira.

 

(imagens: stuff.co.nz/Howard e express.co.uk)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:37

06
Mai 13

Simulação do lançamento do foguetão Unha-3

 

Apesar de todo o secretismo que envolve o programa de mísseis norte-coreanos, facto que vai deixando toda a comunidade mundial mergulhada numa embrulhada de dúvidas e de suposições inquietantes, a realidade é que actualmente os especialistas do ocidente já conhecem bastante bem muitos dos principais pormenores, sobre os foguetões e mísseis da Coreia do Norte.

 

Baseado na tecnologia soviética utilizada anteriormente nos mísseis SCUD e introduzida no país nos já distantes anos setenta, o desenvolvimento ao longo dos últimos anos do seu programa militar, originou o aparecimento de mísseis maiores e mais poderosos. No entanto a sua precisão é muito baixa não sendo por esse motivo muito fiável a sua utilização para atingir alvos militares, mas podendo no entanto causar muitos e gravíssimos danos se o alvo for uma grande cidade. Um dos seus mísseis terá um raio de acção de mais de 1.000 km com uma precisão de 3/4 km.


Lançamento real do foguetão Safir-2

 

A Coreia do Norte mantém uma colaboração muito estreita com o Irão no desenvolvimento dos respectivos programas tecnológicos sobre foguetões e mísseis, bem patentes na semelhança existente entre os seus foguetões Unha-3 (norte-coreano) e Safir-2 (iraniano).

 

Por outro lado este país asiático juntou-se recentemente ao clube de países capazes de colocar satélites em órbita da Terra, ao fazê-lo com um pequeno satélite lançado pelo seu foguetão Unha-3.


Tongchang-ri – Local de lançamento dos mísseis

 

Quanto ao seu proclamado poderio militar e agora que este país ameaça mais uma vez com um ataque nuclear a sua vizinha Coreia do Sul e até algumas cidades norte-americanas como Washington, o que se conhece é que as suas armas nucleares ainda se encontram num nível relativamente primitivo de desenvolvimento, apesar de existir sempre a possibilidade da Coreia do Norte – com a tecnologia de que dispõe e possuindo já algumas ogivas nucleares – atacar nuclearmente a sua vizinha do sul.

 

Quanto aos EUA as ameaças serão pouco credíveis, mas difíceis de ignorar.

 

(imagens e notícia a partir de space.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 01:29

Agosto 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

13
14

20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO