Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

03
Nov 15

E o Rio Saltou para Fora do Tubo!

 

“Severe thunderstorm accompanied with heavy rains continues to sweep Iberian Peninsula, as of November 1, 2015. Severe flooding claimed one life so far, in Algarve region, Portugal.” (The Watchers)

 

portugal_flood3(1).jpg

Albufeira – Zona da Praia dos Pescadores
(imagem: Tristan Dawson/Severe Weather Europe/The Watchers)

 

E quando toda a gente se preparava para o encerramento desta última época balnear – tendo-se já iniciado (entre outras) as habituais ações de limpezas, arrumações e preparação prévia para a Passagem de Ano – eis que subitamente a ribeira que sempre atravessou Albufeira (no fundo uma confluência de três ribeiros) extravasou inopinadamente os seus domínios territoriais (expectáveis pelos especialistas), destruindo tudo à sua passagem e lançando o caos na coluna vertebral da zona antiga da cidade: tal e qual um rio de grande caudal correndo entre margens apertadas e turbulentas (por artificiais), percorrendo violentamente o seu leito disponível, como se de um rápido se tratasse.

 

Acontecimento trágico por previamente acompanhado por múltiplos sinais de aviso (como o da anterior cheia de 2008, da qual os comerciantes ainda esperam apoios há muito prometidos) e por diversas vezes ser anunciado (e sistematicamente ignorado) por todos os leigos desta terra: pessoas (trabalhadores de vários ramos) comuns como nós, mas no entanto com experiência, cultura e felizmente alguma memória (que facilmente podemos constatar).

 

radar_rain_portugal.jpg

Sul de Portugal – Precipitação na região do Algarve
(imagem: Meteoalerta/The Watchers)

 

Durante toda a noite de sábado para domingo a região de Albufeira e toda a zona circundante envolvendo os concelhos limítrofes de Silves e de Loulé, esteve sujeita à ação de um extenso campo de baixas pressões transportando consigo chuva intensa, que estacionando sobre este território do sul de Portugal (sobretudo o barlavento algarvio) e com a elevadíssima e contínua precipitação aí registada, provocou grandes inundações e muita destruição (registando-se mesmo uma vítima no concelho de Loulé).

 

Durante pelo menos oito horas choveu ininterruptamente na cidade de Albufeira (das 3 às 11 da manhã). Por essa altura já as águas que tinham caído em todo o concelho se encaminhavam vindas das Ferreiras (onde já se registavam inundações), movimentando-se rapidamente em direção ao mar e acabando muito desse enorme volume de água por ser recolhido nas várias ribeiras existentes que no final (do ribeiro entubado) iam dar à cidade. No caminho invadiram e inundaram entre outros o Parque de Campismo e o interior de um supermercado situado nas proximidades do Centro de Saúde, acabando por se dirigir de seguida para a passagem subterrânea de peões (na rotunda do Globo) e a partir daí aceder à Avenida da Liberdade e ao centro da parte velha de Albufeira.

 

portugal_flood2.jpg

Inundação – Supermercado junto ao Centro de Saúde
(imagem: Rui Pedro/Severe Weather Europe/The Watchers)

 

A partir daí a poderosa onda de água (e de lama) vislumbrou uma nova descida para o mar e abruptamente invadiu a Avenida da Liberdade, seguindo então o já conhecido percurso da antiga ribeira, atravessando o jardim e indo desaguar à Praia dos Pescadores. Destruindo tudo à sua passagem e colocando todo o centro da Albufeira antiga num estado lastimável, triste e impensável (verificável com a profusão de vídeos e de fotos entretanto já publicadas).

 

O que não se percebe é como é possível estar alguém a almoçar tranquilamente em pleno centro de Albufeira, desconhecendo completamente que logo ali a seu lado e a poucos minutos de distância uma violenta torrente de água, de lama e de outros detritos se encaminha rápida e perigosamente na sua direção?

 

Já imaginaram o que seria noutras circunstâncias?

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:59

15
Jan 15

“É esta divisão deliberada, incompreensível e criminosa que fomenta o terrorismo.”

 

Porque será que a Europa Política se indigna e valoriza tanto a morte de menos de 20 pessoas (incluindo os próprios terroristas) e não faz o mesmo (e com isso desvalorizando o acontecimento) quando se fala de mais de 2.000 pessoas mortas (com a esmagadora maioria sendo população civil, maioritariamente mulheres e crianças)? Faz-nos recordar toda a hipocrisia envolvendo o último surto do vírus hemorrágico Ébola e de como o mundo só se importou com o mesmo, quando ele se tentou aproximar de nossa casa.

 

Imagens da cidade nigeriana de Doro Baga

 

slide_395828_4856400_free.jpg

Antes e depois do ataque do grupo extremista Boko Haram

 

slide_395828_4856402_free.jpg

Observe-se a destruição das casas e da vegetação envolvente

 

Num ataque ocorrido no início deste ano a uma base militar nigeriana localizada na cidade de Baga (registado em 3 de Janeiro), além da destruição da mesma e da morte de dezenas de militares aí colocados, estima-se que tenham morrido mais de 2.000 pessoas (com a esmagadora maioria sendo civis) e sido destruídas quase o dobro de infra-estruturas (especialmente habitações). As imagens anteriores mostram os efeitos dessa terrível destruição ocorrida na cidade vizinha de Doro Baga (imagens registadas a 2 e 7 de Janeiro), podendo-se verificar até que ponto a cidade foi completamente arrasada (com casas completamente destruídas e o desaparecimento da vegetação envolvente).

 

“O que ficará na nossa memória sobre o atentado terrorista ocorrido em Paris será mais uma vez um objecto de coleccionador (a edição pós atentado de Charlie Hebdo), já que os sujeitos (ou mortos) se foram e outros mais virão a caminho. E a seguir poderemos ser nós.”

 

(dados e imagem: huffingtonpost.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 14:57

17
Jun 14

 

Iraque/Samarra/2014

Rebeldes a caminho de Bagdade

 

Vejam apenas o que se passa no Iraque com os terroristas da Al-Qaeda – fortemente armados pelos poderosos Estados Unidos da América, na guerra civil que se trava na Síria contra o governo de Bashar al-Assad – a deslocarem-se com todas as suas bagagens e armamento (graciosamente oferecidos para os mesmos, mas para outra guerra que não esta) para o país do ex-ditador Saddam Hussein. Além da nota de preocupação norte-americana com a sucessão de acontecimentos registados no norte do Iraque (e a sul?) – não querendo no entanto envolver-se directamente no conflito que provocaram desde que os seus poços de petróleo continuem protegidos pelos seus exércitos privados de mercenários – da Europa a única reacção conhecida e mesmo assim recente, vem do Primeiro-Ministro David Cameron: duma forma ingénua e como se nada soubesse do que se estava a passar no Iraque, desde o início da guerra civil na Síria – o que nada o abono na sua luta com Angela Merkel, pela liderança europeia. Afinal qual é o entendimento norte-americano sobre o fenómeno do terrorismo – promovido pelos Estados Unidos da América a tema fundamental de qualquer sociedade futura, que se queira livre e segura – quando o vemos a apoiar com armas pesadas a intervenção de elementos associados à Al-Qaeda na guerra civil a decorrer actualmente na Síria, mostrando-se depois surpreendidos por os verem logo ali ao lado no Iraque, a atacarem os seus interesses com essas mesmas armas.

 

Iraque/Talibans/2014

Assassínio colectivo de opositores

 

Hipótese A:

Vamos lá todos imaginar que um dia no futuro desse grande país que é os Estados Unidos da América, o estado do Novo México (devido a determinadas situações, que para eles poriam em causa a sua existência e soberania) afirma categoricamente e face aos protestos dos seus cidadãos, estar a ser violentado, atingido, diminuído e colonizado nos seus direitos básicos, face ao poder superior e intrusivo dos restantes estados norte-americanos. Em revolta o Novo México decide pedir aos restantes estados a sua autonomia e independência. Em resposta ao pedido, sem analisar as causas da revolta e sabendo deter em último caso o poder supremo de anular os contestatários, os Outros declaram inequivocamente esta gente – dirigindo-se àqueles que antes também eram como eles – potenciais terroristas, estando tal e qual um traidor ao serviço de outro país – por exemplo o México. Justificam desse modo as mortes inevitáveis como uma virtude de qualquer limpeza que se queira eficaz.

 

Hipótese B:

Vamos lá todos imaginar que esse futuro decorre agora muito mais perto de nós, não na casa do vizinho situada lá mais ao longe, mas mesmo ao lado de nós ou seja na porta seguinte: neste caso o conflito encontra-se instalado em Portugal, com o país a ser dividido em duas zonas distintas e adversárias, controladas e impulsionadas para a confrontação por políticos patrocinando ideologias diferenciadas, mas sem nenhuma ligação com os anseios da população que estes afirmam patrioticamente representar. Por exemplo (poderia ser o contrário ou outra cena qualquer): a norte do rio Tejo todos aqueles que propõem lançar fogo a Lisboa e expulsar do nosso território cristão todos os mouros que ainda existem e contaminam com as suas ideias Portugal (os bons) e a sul do mesmo rio fronteira a restante minoria de verdadeiros alienígenas, apenas interessados em não trabalhar ficando a dormir à sombra dum chaparro ou de um guarda-sol de praia (os maus). Não aceitando a obrigação da sua submissão face aos puros do norte, os mouros revoltam-se e declaram unilateralmente a sua independência. Como consequência do anúncio provocatório e após tomarem controlo da capital – por exemplo com o auxílio dos nossos aliados ingleses – os puros decidem: bombardear os mouros e expulsá-los para fora do país. Pelo meio famílias são destroçadas, direitos são violados e muitos portugueses perdem a sua terra e nacionalidade – nunca compreendendo o conflito, a acumulação indiferenciada de mortos e mutilados e a destruição das suas casas. Mas tudo fica agora muito mais controlado, livre e seguro, ficando todos nós bem mais longe dos subhumanos e afastados do perigo de contaminação por estes servos do Diabo.

 

Ex-Jugoslávia/Belgrado/1999

Bombardeamento humanitário da estação de TV pela NATO

 

O país do mundo que mais ofertas de solidariedade e amizade propõem a outras nações em guerra ou próximas disso – guerras por uma coincidência incrível sempre impulsionados por esse mesmo país, contando os necessitados e por esse motivo com o seu auxílio humanitário prévio, à base de bombas, mísseis e outros alimentos – está agora escandalizado por a Rússia estar a dar apoio às populações do leste da Ucrânia que combatem o poder instalado em Kiev e lá colocado pelos norte-americanos (à base duma estrutura de comando orientada por sectores extremistas e mercenários, que exteriormente controlam os militares), quando todo mundo sabe que os Estados Unidos da América só aparecem nas zonas de conflito que eles próprios criaram, quando é necessário defender a (sua) liberdade no mundo.

 

É clara aqui e mais do que evidente a responsabilidade da Rússia no agravamento dos acontecimentos no leste da Ucrânia, quando o que ela devia fazer era estar quietinha e caladinha perante o que se passava para além da sua fronteira, enquanto via outros cidadãos russos a serem perseguidos, mortos e se possível exterminados.

 

E porque não terraplanados à bomba atómica, tal e qual como seria o grande desejo de um dos mais recentes proto-ditadores ucranianos a ex-Primeira-Ministra Timochenkoanteriormente também presa por abuso do poder e corrupção – agora recuperada apenas porque é visceralmente anti-russa: pelo menos que fugissem para o seu maldito país como o fez o anterior presidente pró-russo Ianukovich.

 

Nunca dos Estados Unidos da América, vindos lá de longe como os Novos Cruzados Ocidentais – agora que a Europa morreu – unicamente para combater os novos mouros terroristas, ou seja as hordas invasoras vindas de leste com os russos e os chineses à cabeça: para os nunca nomeados por ninguém polícias do mundo, os seus únicos objectivos são sempre desinteressados e desligados da exploração de qualquer tipo de matéria-prima (mesmo que humana), apenas direccionados para a salvação e estabilização de qualquer região do mundo e sobretudo dos seus naturais e residentes.

 

ONU/Fundada após a II Grande Guerra Mundial/1945

O último edifício justificativo (de inocência) para quem manda no mundo (do crime)

 

Como o comprovam as sucessivas intervenções exemplares e vitoriosas desta nova polícia global, independente do mundo e correndo em paralelo com ele (convém nunca se misturar para não criar confusões): Vietname, Iraque, Afeganistão, Jugoslávia, Líbia, Síria, Ucrânia...e chega de exemplos que acabaram em destruição e genocídio.

 

Em vez de sermos hipócritas devíamos apoiar a esmagadora maioria dos ucranianos que nunca desejaram tal coisa para si, para os seus e para os restantes cidadãos do seu país, não nos colocando sempre e covardemente ao lado de quem vai à frente, na exploração dum povo e na destruição de toda a sua esperança no futuro, sejam eles russos, norte-americanos ou outros representantes de outro tipo qualquer de quadrilha (legal ou ilegal) apoiados pelos diversos tipos de mercenários.

 

Mas onde pára e para que serve a Organização das Nações Unidas, que consente que haja uma intervenção exterior num determinado país, apenas porque algo, alguém ou alguma coisa disse que certos cidadãos desse país invadido, eram mais cidadãos do que outros: ou seja uns são cidadãos e os outros não passam de estrangeiros convertidos ao terrorismo!

 

(imagens – Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:20

07
Abr 14

Enquanto do outro lado do continente da Austrália o mundo anda todo entretido na busca do Boeing 777 desaparecido há um mês nas águas do Oceano Índico, nas Ilhas Salomão e em pleno Oceano Pacífico a sua situação meteorológica não poderia ser pior:

 

Chuva intensa, inundações, um ciclone (ITA) e ainda por cima um tremor de terra: tudo isto se passou entre 2 e 4 de Abril da semana passada (entre 4.ª e 6ª feira) nas Ilhas Salomão em pleno Oceano Pacífico bem ao lado da costa leste da Austrália – precisamente do lado oposto onde ainda hoje (7 de Abril/2.ª feira) se procura a caixa negra do voo MH 370 das Linhas Aéreas da Malásia.

 

 

Um dos locais mais afectados foi precisamente a sua capital Honiara – onde habitam cerca de 70.000 pessoas – que além de sofrer os efeitos das intensas e prolongadas chuvas que acompanhavam o ciclone tropical ITO, ainda se deparou com a maior inundação registada nos últimos oito anos na região, provocada pelas cheias do rio Matanikau no dia 3 de Abril.

 

 

Além da destruição provocada em toda a ilha pela passagem deste ciclone tropical – em casas, infra-estruturas básicas como água e electricidade, pontes, estradas, etc – e de acordo com os últimos relatórios oficiais recebidos, a tempestade teria ainda provocado perto de 20 mortos, 40 desaparecidos e cerca de 49.000 desalojados. E como se não bastasse tudo isto no dia 4 de Abril (6.ª feira) as Ilhas Salomão ainda foram atingidas por um tremor de terra de categoria M 6.0.

 

(texto: a partir de dados The Watchers – imagens: Christopher Lowry)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:27

30
Mai 12

 

Após o recente tremor de terra de magnitude 6.0 sentido no norte de Itália no passado dia 20 de Maio e que provocou oito mortos e cerca de uma centena de feridos – além da destruição de edifícios e outras estruturas locais – eis que um novo abalo atingiu esta região no dia 29 de Maio, atingindo agora uma magnitude de 5.8 e provocando até ao momento pelo menos um morto.

 

O novo abalo foi sentido no norte de Itália a cerca de 40 Km NNW da cidade de Bolonha, estando o seu epicentro situado a 44.81N de latitude, 11.08E de longitude e a uma profundidade inferior a 10 Km. Ocorreu por volta das nove horas locais.

 

(informação – earthsky.org)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 01:39

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13

19
20
21
22

24
25
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO