Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

11
Jan 18

Numa nova teoria oriunda da Turquia e tendo como protagonista um seu Académico ‒ e a ARCA de NOÉ ‒ um leitor da Universidade de Istambul (o tal académico turco) afirmou numa entrevista falando sobre o tema Dilúvio/Arca de Noé, não colocar em dúvida a sua existência (da arca assim como do dilúvio) mas sim os materiais de construção usados para a sua concretização (da arca): nas suas revelações científicas indicando-nos que a mesma não seria feita de placas de Madeira mas sim de placas de Aço (uma liga metálica).

 

painel-arca-de-noe-baby-2-00x1-00m-produtos-para-f

Arca de Noé/Versão Juvenil

(na Versão Adulta sendo uma arca movida a Energia Nuclear ‒ que seria de Aço ‒ com Noé a comunicar com o seu filho por Telemóvel e não transportando animais mas ovos/esperma para posterior reprodução IN VITRO)

 

Com Yavuz Ornek (o nosso protagonista-cientista) a invocar as condições marítimas de então (aquando do Dilúvio há uns 5 000/7000 anos) ‒ com ondas (segundo ele) podendo alcançar uns 300/400 metros de altura ‒ tornando praticamente impossível que um barco de madeira pudesse resistir com sucesso a ondas de tal modo maciças (e ainda com a arca provavelmente sob a ação de ventos fortíssimos). Mas como todos nós sabemos consultando os livros de História com a Idade do Ferro a ser finalmente estabelecida uns 1000 AC.

 

E como se não bastasse (arca de aço) e até para completar (confirmar) o Cenário (tornando-o aceitável e credível) com o académico turco a adicionar à história rodeando NOÉ e a sua ARCA, outros artefactos/tecnologia (que se saiba) na altura inexistentes como a Energia Nuclear (1ª reação em cadeia registada há 75 anos), os Telemóveis (inventado há 70 anos) e até os Drones (os mais recentes surgindo por volta dos anos 60) ‒ não esclarecendo as suas origens, fazendo-nos pensar noutras Civilizações (perdidas como a da lendária Atlântida) ou então nos ET´S.

 

Arca de Aço, Energia Nuclear, Telemóveis, Drones e (tal como uma florista) para compor o ramalhete ‒ tornando-o ainda mais vistoso, apetitoso e já agora publicitariamente polémico (uma das poucas formas de hoje em dia ainda se ser ouvido) ‒ com o académico sugerindo igualmente que Noé não teria carregado a Arca carregada de Animais (aos pares) mas recolhido em alternativa ovos ou esperma dos mesmos: claramente um transporte menos pesado mas não se conhecendo na altura a reprodução IN VRITO (realizado fora do sistema vivo).

 

Sabendo-se que a Terra terá uns 4,5 biliões de anos, que o Homem (género Homo) entre uns 1 a 4 milhões de anos e que por sua vez a pré-história terá uns meros 6 mil anos (invenção da escrita por volta de 4000AC) ‒ e com a Idade dos Metais reportada a 5000/4000AC ‒ sendo pouco provável (e credível) a hipótese de Yanuz Ornek, não só pela falta de registos (não bastando citar o Corão e fazer a sua interpretação pessoal), como pela não-existente tecnologia (na altura e sendo terrestre): só sendo exterior ao nosso ecossistema e como tal Extraterrestre.

 

(texto: baseado num artigo de Paul Seaburn ‒ imagem: elo7.com.br)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:08

13
Fev 17

“Nos contos de Platão a Atlântida era uma potência naval localizada para lá das Colunas de Hércules e que conquistou muitas partes da Europa Ocidental e da África nove mil anos antes da era de Sólon (ou seja aproximadamente 9600 AC). Após uma tentativa fracassada de invadir Atenas a Atlântida afundou-se no oceano num único dia e noite de infortúnio.” (wikipedia.org)

 

Depois de tantas hipóteses sobre a localização do antigo Continente Perdido da Atlântida – por exemplo submergido pelas águas do oceano Atlântico e do qual os Açores fariam parte (Lenda das Sete Cidades, Terra de Atlantes) – eis que um arqueólogo digital de nome Stan Deyo (standeyo.com/bio.Stan.html) vem agora sugerir que o tal Continente Perdido (ou Ilha) se situaria na região onde hoje encontramos os países do Golfo Pérsico. Afirmando como justificação para a concretização da sua teoria (uma das consequências teria sido o Dilúvio) e a partir daí a indicação da localização da Atlântida, um Evento Apocalíptico (de âmbito regional) registado no passado e tendo como protagonista um asteroide: com esse corpo celeste a ter uma dimensão superior a 24Km, a ter um ângulo de entrada na atmosfera terrestre de cerca de 35⁰ e provocando aquando do impacto com a superfície terrestre uma cratera de mais de 400Km de diâmetro.

 

the flood atlantis asteroid giants alien gods (2).

 

Um asteroide que aquando do seu impacto com a Terra terá libertado uma energia 15X superior à do impacto de um outro (asteroide), que terá colidido no passado no México (na Península do Iucatã há mais de 66 milhões de anos atrás) e provocado uma cratera de mais de 180Km – com este último libertando uma energia de 96 teratoneladas de TNT (96.000 milhões de toneladas). Na controvérsia sobre a existência ou não do grande Evento da Extinção dos Dinossauros no final do período Cretáceo da era Mesozoica (há mais de 60 milhões de anos), com este asteroide a poder ter sido o responsável por tal extinção maciça (e total) da espécie que à altura dominava o planeta Terra – atualmente com essa espécie dominante a ter sido substituída pelo Homem, correndo este ainda hoje os mesmos riscos e perigos vindos do exterior (provocados por cometas, asteroides e meteoros) e que há milhões de anos atrás motivaram o desaparecimento destes enormes animais (que alguns apontam para 300 milhões de anos no passado). Num evento que poderá ter tido repercussões muito mais gravosas do que as registadas no Golfo Pérsico (que aponta para 60 milhões de anos no passado) e sendo mais associado a um Dilúvio e que na Península do Iucatã (que poderá ao contrário do que se pensa apontar não para 60 milhões no passado mas para 300 milhões) terá sido um Evento eventualmente Global e associado a uma Extinção. Apesar de Stan Deyo atribuir a este último uma potência 15X menor (contradições ou talvez não) – um podendo ter impactado ter impactado na água (líquido), outro no solo (sólido).

 

No caso do asteroide que terá atingido o nosso planeta há mais de 60 milhões de anos e que terá levado ao fim da Civilização da Atlântida, com o mesmo nos instantes derradeiros da sua trajetória e ao impactar com a Terra (criando a tal cratera de 400Km de diâmetro) a atingir o ocidente do que é hoje a Índia (de que a cratera de Cuddapah será um testemunho), provocando um enorme Tsunami que terá varrido toda essa região do sul da Ásia e do Golfo Pérsico, submergindo tudo à sua passagem e provocando o afundamento de toda essa zona até mais de 100 metros de profundidade: fazendo desaparecer a Atlântida debaixo de um grande Dilúvio, associado ao impacto de um grande asteroide, a grandes sismos e erupções, a condições climáticas extremas e ainda a um Tsunami. Numa região do Globo Terrestre onde no passado e através do mar Mediterrâneo o oceano Atlântico encontraria o oceano Pacífico, atravessando regiões então submersas agora mais elevadas e onde hoje se localizam países como o Iraque e a Síria.

 

E para quem quer ainda ser o protagonista da descoberta do local onde se situaria a Atlântida (não concordando por exemplo com o Golfo Pérsico) ou então do local da cratera provocada pelo corpo celeste responsável pela extinção dos Dinossauros (não concordando por exemplo com a Península de Iucatã), nada melhor do que procurar as maiores crateras de impacto na Terra e o ano mais previsível para a sua criação: com a cratera de Vredefort na África do Sul a ter 300Km de diâmetro e mais de 2000 milhões de anos (sendo a mais antiga descoberta em toda a Terra), seguida da cratera de Sudbury no Canadá com 250Km de diâmetro e datando de há 1850 milhões de anos e finalmente com a cratera de Chicxulub (a tal do Iucatã) com cerca de 180Km de diâmetro e pouco mais de 60 milhões de anos. Sem dúvida das mais significativas, mais antigas, maiores e mais poderosas crateras, sendo essa a de Vredefort (até pela sua semelhança à cratera imaginada pelo impacto do asteroide de Stan Deyo).

 

101208151609_1_900x600.jpg

 

Civilizações Pré-Históricas que como esta poderão (num passado bastante remoto) ter preenchido alguns territórios dos continentes (ou ilhas) dessa época (da História da Vida na Terra) e que como a da eventual Civilização Atlante terá um dia desaparecido talvez na região do golfo Pérsico (onde se localizam atualmente os Estados Árabes do Golfo). E que segundo Jeffrey Rose (arqueólogo e explorador norte-americano especialista na história da Península Arábica, dos primeiros humanos aí presentes, das suas potenciais civilizações e das suas posteriores migrações) poderá ter sido mesmo uma realidade:

 

“The emerging picture of prehistoric Arabia suggests that early modern humans were able to survive periodic hyperarid oscillations by contracting into environmental refugia around the coastal margins of the peninsula. This paper reviews new paleoenvironmental, archaeological, and genetic evidence from the Arabian Peninsula and southern Iran to explore the possibility of a demographic Refugium dubbed the “Gulf Oasis,” which is posited to have been a vitally significant zone for populations residing in southwest Asia during the Late Pleistocene and Early Holocene. These data are used to assess the role of this large oasis, which, before being submerged beneath the waters of the Indian Ocean, was well watered by the Tigris, Euphrates, Karun, and Wadi Batin rivers as well as subterranean aquifers flowing beneath the Arabian subcontinent. Inverse to the amount of annual precipitation falling across the interior, reduced sea levels periodically exposed large portions of the Arabo-Persian Gulf, equal at times to the size of Great Britain. Therefore, when the hinterlands were desiccated, populations could have contracted into the Gulf Oasis to exploit its freshwater springs and rivers. This dynamic relationship between environmental amelioration/desiccation and marine transgression/regression is thought to have driven demographic exchange into and out of this zone over the course of the Late Pleistocene and Early Holocene, as well as having played an important role in shaping the cultural evolution of local human populations during that interval.” (New Light on Human Prehistory in the Arabo-Persian Gulf Oasis – Jeffrey Rose)

 

(texto e 1ªimagem/2ªimagem: a partir de informação retirada de ufosightingshotspot.blogspot.pt/ iStockphoto-Chad McDermott-sciencedaily.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:57

Outubro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9


22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO