Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Suspenso, Reciclado, Atualizado, Reiniciado, Descontinuado

Sexta-feira, 19.11.21

“Se por acaso algum organismo vivo exterior (de origem alienígena) penetrasse no nosso Ecossistema terrestre ─ com a nossa biosfera a atingir uma altitude de cerca de 20Km (a maior parte da vida existindo entre os -500m e os +6Km) ─ as consequências seriam porventura bem piores, se comparadas com as provocadas por um organismo vivo microscópico como o vírus SARS CoV-2: conseguindo paralisar todo um planeta.”

alien agenda.jpg

No presente nem sequer se conseguindo fugir como uma barata (rapidamente e sem serem esmagadas), sobrecarregados e cabisbaixos (como estamos) por anos consecutivos de crise económica (desemprego), de perturbação social (revoltas), de fome (por omissão das instituições), de frio (agravada agora pela crise energética) e agora até de “doença prolongada” ─ com a chegada da Pandemia de Covid-19 (acompanhando-nos ininterruptamente há mais de vinte meses) ─ ainda-por-cima perspetivando-se (suplementarmente) tempos futuros nada agradáveis com a chegada do frio, da gripe e de uma nova vaga de Covid-19, nada melhor que antes que mergulhemos definitivamente neste quotidiano repetitivo e de miséria (afogando-nos neste mar de esterco tóxico em que a nossa Sociedade e a nossa Civilização se transformou) nunca mais conseguindo de lá sair ─ “como as moscas girando eternamente em volta da merda” ─ deparemos com outras alternativas (mesmo que se tendo uma sensação de “déjà vu”) que minimamente nos libertem deste ambiente, cada vez mais asfixiante e mortal. Caso contrário e pensando nestes quase dois anos de isolamento (forçado) físico e mental (provocado por esta extensa ─ a nível do tempo e do espaço ─ pandemia de SARS CoV-2), por excesso no tratamento aplicado, tudo se podendo esperar (neste contexto de convencimento, de incompetência e como reflexo da crise prolongada, provavelmente o pior).

6144.jpg

E no meio desta monotonia por vezes surgindo um novo caminho, certamente que não oriundo dos conhecedores de tudo e eruditos do regime (entidades oficiais públicas e privadas, convenientemente certificadas e autorizadas para emitir opinião conhecedora), remunerados em função da sua capacidade de manterem inalterável a situação, pelo menos até novas ordens (oriundas hierarquicamente a partir do topo da Pirâmide Social) ─ mantendo apesar de múltiplos malabarismos (até nos causando agora problemas, abandonados os existenciais ─ mais profundos ─ de identidade de género) a diferenciação intacta ─ mas na generalidade dos casos sendo proporcionados para nosso usufruto (dando largas à nossa Imaginação e esquecendo um pouco esta Realidade forçada, imposta) por leigos e curiosos : apresentando-nos trilhos já percorridos e por algum motivo postos de lado e outros ainda nunca tendo sido pisados ou mesmo antes imaginados. Entre eles e acompanhando-nos desde há já muito tempo (podendo-se recuar até às pinturas descobertas em cavernas) ─ uns 40.000 anos no passado do Homem (já andando por aí o Homo Sapiens, dando posteriormente origem ao Homem Moderno) nos últimos tempos do paleolítico superior ─ destacando-se os caminhos seguidos pelo HOMO SAPIENS, em função dos vestígios e dos sinais (algumas sendo mesmo evidências) vindos dos inícios da última caminhada do Homem à face da Terra, podendo-se apontar (não sendo certamente o Homem o único ser vivo existente no Universo, não sucedendo tal elo menos na Terra) a possibilidade Alienígena.

seeking-alien-civilizations.jpg

Não se encontrando à face da Terra, ninguém nem nada capaz de nos salvar (ou apresentar sendo necessário mecanismos e processos para tal), nem partindo a solução da criação (origem indefinida) ou de potenciais criadores (reais ou imaginários) locais ─ sendo religiosos por natureza (não aceitando a morte tal como ela nos é apresentada, aplicada e definida por entidades abstratas e virtualmente poderosas, inalcançáveis, situadas acima de nós) ─ não se encontrando viabilidade interna (para o pretendido) tendo de se recorrer ao exterior (ao Espaço para lá da fronteira representada pelo limite da nossa atmosfera): da crosta terrestre e da troposfera sendo uns 10.000Km até aos limites da exosfera, com a Linha de Kárman (fronteira oficial Terra/Espaço) a ficar-se pelos 100Km de distância. E para além dela (atmosfera terrestre e respetivas camadas) estando o Espaço Profundo ─ talvez Outros Mundos e Outras Civilizações ─ capazes de nos contactar, comunicar e partilhar (faltando-se saber como) connosco: segundo um “extraordinário revelador” com a Agenda Alienígena (a existir) ─ tendo-se até uma estrela tão próxima (relativamente), PROXIMA CENTAURI a pouco mais de 4 anos-luz de distância, podendo até ter um planeta na sua “zona habitável” ─ tendo três opções. Uma que os extraterrestres poderiam vir cá (visitando-nos) para nos atualizar ─ a opção intermédia ─ outra que o fariam mas para nos colonizar ─ a opção mais HARD ─ e finalmente uma outra apenas para nos informar, esclarecer e educar ─ a opção mis SOFT; tendo que escolher e sabendo antecipadamente o que nestes casos costuma acontecer (para os que se encontram mais em baixo), escolhendo por mais aberta e suscetível de algum tipo de contraditório, a terceira (e última, a opção SOFT). Sendo certo que uma espécie como o Homem (no presente, a espécie dominante) para subsistir e evoluir (se transformar), terá forçosamente de experimentar e sair (tal como os Antigos Navegadores, os migrantes e os jovens) da sua área de conforto, significando em vez de esperar e esperar, tomar ele próprio a iniciativa (nas mãos e utilizando a sua cabeça).

(imagens: ufosightingshotspot.blogspot.com ─

Wim Wiskerke/Alamy/theguardian.com ─ bayareascience.org)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 01:31

Nem mesmo o Super-Homem, tinha mais poder que a Terra

Terça-feira, 10.08.21

Uma visão do Inferno oriunda dos EUA (do outro lado do Atlântico, do outro lado da América do Norte), mostrando-nos um dos estados norte-americanos afetados desde há vários anos por uma seca podendo ser considerada “extrema” (a Califórnia), nesta época do ano (como noutras, dado o abandono a que a floresta está votada) sendo especialmente atingida por incêndios de grandes proporções:

Como se já não bastasse a extrema falta de água (agora com os fogos florestais) e o problema da forte sismologia (dada a deslocação de placas tectónicas) outro grande problema dessa região (e nunca se podendo esquecer a existência no centro dos EUA, do SUPER VULCÃO DE YELLOWSTONE).

qWS36CF8FuUsuvQqo58bWY.jpg

Veado vagueando numa densa nuvem de fumo

e tendo atrás de si um conjunto de carros calcinados,

durante um grande e recente incêndio ocorrido na Califórnia

(Greenville, 6 de agosto de 2021)

 

Num incêndio em curso desde meados do mês de julho, dada a sua grandeza no espaço (grande extensão de terreno) e no tempo (mais de três semanas), sendo considerado o maior incêndio florestal de sempre, ocorrido no estado norte-americano da Califórnia:

Queimando florestas, incendiando casas, matando animais e pessoas e no fim, completamente destruída a Natureza e estando esta calcinada, terraplanando localidades inteiras. Sendo um Inferno e estando tudo a arder, para muitos deles e de nós (colocados em situações semelhantes e sem qualquer tipo de auxílio) não havendo muito a fazer ─ tal como aconteceu a quase uma centena de portugueses morrendo queimadas ao fugir, tal como aqui acontece ao veado na prática estando cercado (sem fuga possível) e não conseguindo visionar um caminho, por onde se escapar “são e salvo”.

Eventos como os da Califórnia podendo-se encontrar disseminados um pouco por todo o Mundo, na análise global e atual da situação ambiental e do ecossistema terrestre divulgada pelas autoridades oficiais (certificadas pelos Governos, pela autodenominada elite política) tendo (inevitavelmente) já um culpado identificado, desse modo não nos deixando ver todos aqueles que o acompanham ─ evitando ao mesmo tempo, terem as autoridades de tomar alguma posição ─ podendo até pô-las em causa e simultaneamente, atirando a resolução do problema (mais uma vez) um pouco mais para a frente:

E assim em vez de se agir rapidamente (evitando-se a propagação da “doença”), passando-se pelo contrário todo o tempo “na conversa fiada” (acessória, sem sumo) ─ sobre o Degelo nos Polos, o Aquecimento Global e as Alterações Climáticas (temas na lista de preferência dos tags) ─ apontando unicamente o Homem por tudo o que se passa neste planeta ─ como se tal fosse possível, como se a Natureza valesse tão pouco (face ao Homem).

Sabendo-se no Mundo estarmos perto dos 8 biliões de seres humanos, dos 10.000 triliões de formigas (para já não falar das baratas) e ainda que tal como na Grã-Bretanha, cada país poderá ter no seu território “ratos aos biliões”.

Um dia (como hoje) comendo-se tudo isto.

Muito antes do Homem se convencer da sua dimensão “mais que minúscula” face ao tamanho do planeta que hoje habita (mesmo face a muitas outras espécies que persistirão depois de nós, até pela sua quantidade e resistência aos extremos climáticos, sendo nós e agora os “novos dinossauros”) ─ a TERRA ─ tomando consciência de que mesmo que o Homem influencie a evolução da Vida à superfície da Terra e todo o seu Ecossistema Natural (e a sua transformação), considerando o real poder de cada um (o Homem e a Terra), o peso do Homem será sempre miserável quase que desprezível face ao contributo brutal das forças cósmicas da Terra e da Natureza.

Com a verdadeira força do Homem a não estar na sua capacidade de destruir um planeta, mas na sua capacidade de se autodestruir/de se extinguir a si próprio (por exemplo com todo o seu arsenal nuclear, ainda por utilizar) desaparecendo, mas mantendo-se no fim e apenas a Terra (com os animais e plantas sobreviventes, donde sairá a “nova versão, de espécie dominadora”).

E se os Eventos Apocalípticos se sucedem, para além de uma pequena contribuição humana para estes acontecimentos ocorrerem (geralmente diminuta), com a causa principal para tais desastres (em territórios no presente ocupados por humanos) a estar no facto de “a Terra estar bem Viva” (geologicamente) e sempre em movimento (ao contrário por exemplo do nosso vizinho exterior Marte), a nível da crosta terrestre com regiões agora afundando-se enquanto outros se erguem chegando (talvez de novo) à superfície ─ tornando natural, obviamente e como muitas outras vezes (antes) se terá passado, por evolução e não por intervenção do Homem, territórios antes acessíveis em zonas interditas.

Se existir algum culpado (sendo-o, no entanto, apenas para nós, julgando-nos mais uma vez o centro, até para as coisas más), só podendo ser o protagonista, a Terra.

(dados e imagem: Josh Edelson/AFP/Getty Images/livescience.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 01:55