Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

03
Mar 20

[Com o Homem.]

 

À boleia de um registo fotográfico de Aaron Gekoski (apenas a parte central do mesmo e focando preferencialmente os mamíferos) um reconhecido fotojornalista ambiental: entre outros prémios tendo sido vencedor do Wildlife Photographer of the Year, Nature Photographer of the Year and Africa Geographic Photographer of the Year.

 

[E até com um trabalho sobre Timor-Leste, “Timor-Leste from Below”: “With blue whales, sperm whales, super pods of dolphins, dugongs, and the world’s most biodiverse coral reefs, Timor-Leste might just be the best dive destination you’ve never heard of. (aarongekoski.com)]

 

Winner_Wildlife+Photographer+of+the+Year_Photojour

Elefantes

(recordando o seu uso abusivo na Indonésia,

tratado e utilizado como mera atração turística)

 

Uma espécie surgindo por altura do cataclismo que terá extinto os dinossauros − há uns 60 milhões de anos, muito antes do aparecimento do Homem – cronologicamente falando iniciada pelos Condrilartros (animais vegetarianos) que evoluindo e adaptando-se deram origem a espécies diferenciadas, como por exemplo os Ungulados (ex. os rinocerontes), os Tubolidentados (ex. os papa-formigas), os Cetáceos (ex. as baleias), os Sirénios (ex. o peixe-boi), os Heracoideos (ex. os dassies) e ainda os proboscídeos (ex. antepassados do elefante). E com os antepassados dos Elefantes (ainda não extintos, atuais) mais tarde a originarem o aparecimento (em cena) do igualmente já extinto Mamute (recuando um pouco mais o Mastodonte), deixando-nos hoje-em-dia com os seus descendentes modernos, espalhados por vários continentes.

 

E sendo ainda um animal (terrestre e mamífero como nós) seguindo uma organização social matriarcal, podendo viver até aos 70 anos e tendo uma dieta herbívora (arbustos, folhas, frutos) e sendo conhecidos por dotados de uma boa memória, sinal muito provável de dotados de inteligência. Procurando proteger e protegendo-se, cooperando sendo amigo e companheiro e interagindo constantemente formando uma família e andando em manadas.

 

Recordando-nos em cada uma das suas ações o que poderíamos ser e que, no entanto, nem aos mesmos permitimos alcançar, surpreendendo-os e matando-os nem que seja pelos “dentes”. Estando no presente e certamente em vias de extinção.

 

(imagem: a partir de registo de AARON GEKOSKI/aarongekoski.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 04:57

18
Jul 11

Elefantes – Quénia

 

Ainda há quem leia um retrato, como se de um livro se tratasse.

 

Na beleza perdida deste retrato, vem-nos à memória as paisagens da nossa infância, o poder e a força dos nossos antepassados, a amizade ainda sentida e partilhada, entre nós e a natureza, as promessas não cumpridas de um novo mundo, apenas destinado a tornar-nos todos felizes.

 

Gosto de olhar e mesmo sem chorar, desentupir os canais lacrimais e senti-los um pouco mais. Ainda temos alguns órgãos dos sentidos!

 

Hoje o betão, o asfalto, as armas, a droga, o dinheiro, a corrupção, os políticos, a moral, os eruditos e toda a outra podridão que invade todos os nossos sentidos, espalha-se por todos os pontos cardeais que formam este mundo, cobrindo-o com um manto negro de esperança, não nos deixando sequer sonhar com o dia de amanhã, porque já ontem, nos entregaram com responsabilidade, a nossa certidão de óbito.

 

À medida que morremos e trocamos a nossa postura natural – vendendo pelo melhor preço a nossa memória e a nossa cultura – por um manual, um diploma, um maço de notas e alguma segurança, negamos a nossa existência, repudiamos as novas gerações e caminhamos para o nosso extermínio definitivo.

 

Comecemos por nos olharmos ao espelho, sem recurso a novas máscaras de vida.

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 13:01

Junho 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO