Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

11
Jul 14

“Enquanto o mundo estiver nas mãos das auto-nomeadas e minoritárias elites que dele apenas se aproveitam para nos subjugar e manipular, não vejo como algo poderá mudar por pouco que seja: talvez esta civilização esteja apenas perto de um novo Salto”.

 

Gaza

 

Enquanto existirem entrepostos comerciais de vendas de armas e de fornecimento ilimitado de mercenários, o resto do mundo jamais poderá viver em paz. Exemplos de estados como o de Israel em que toda a sua estrutura socioeconómica de base assenta nas suas forças armadas e no seu poderio militar (para desse modo se impor aos seus vizinhos, aterrorizando-os) nunca poderão ser algo a aceitar e a replicar, isso se quisermos sobreviver e impormo-nos neste planeta modelo como a espécie predominante. A violência e a morte nunca serão uma solução, apenas mais um campo de sofrimento e de destruição das grandes e poderosas industrias militares mundiais, unicamente interessadas em testar directamente os seus novos equipamentos, em cenários recriados de guerra e contando com a presença humana (de modo a uma fácil determinação da sua eficácia, pelo simples cálculo da razão mortos/feridos).

 

Gaza

 

É no entanto bastante claro para todos nós que nos postos de comando destes típicos, tradicionais e cada vez mais mortais jogos de guerra, terão de estar forçosamente presentes, uma grande variedade de psicopatas. Rebobinando os episódios poderemos recuar aos acontecimentos decorrentes na Guerra Civil Síria, agora estendendo-se sem fim à vista até ao terraplanado Iraque: tudo iniciado há muitos anos atrás com o slogan promocional invocando a existência de armas de destruição maciça (nunca se imaginando – nem em sonhos – serem de origem norte-americanas). Agora com os novos subprodutos terroristas norte-americanos e verdadeiros sucessores da Al-Qaeda a assumirem o protagonismo no Médio-Oriente (contando com o apoio financeiro da Arábia Saudita e em armamento dos USA), tentando por todos os meios apoderar-se pela força da matéria-prima destes ex-estados, colocando-a ilegalmente no mercado e trocando-a por uns miseráveis dólares. É evidente que Israel compreende o perigo que pode vir desses movimentos terroristas apoiados pelos USA e das armas que continuam a circular entre estas fronteiras inexistentes e no interior de territórios sem qualquer tipo de controlo. A táctica foi evidente: criar uma diversão (a morte dos três jovens israelitas), invocá-la como justificação (matando desde logo outro jovem mas agora palestino) e atacar sem aviso, brutalmente e de imediato. Gaza foi mais uma vez a escolha de Israel, tal e qual como a sua população civil: mais de 100 mortos e de 600 feridos com os alvos a serem as casas dos palestinianos. Nestas guerras brutais entre criminosos de guerra que não recuam perante a morte dos seus semelhantes, tudo é sempre possível ou imaginável: como o que já corre por aí na comunicação mundial de que a morte dos três jovens israelitas poderia ter outro autor verdadeiramente inesperado e inacreditável (pelo menos para alguns). Obsceno!

 

(imagens – sott.net)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:52

26
Dez 11

Os deputados perderam os seus passos, por ataque imprevisto da tolerância de ponto

 

O exemplo vem de cima, mas não pode ser divulgado ou imitado por quem é afecto a outra classe de ser vivos, que não o merece e nem o compreende – para isso é que existe actualmente a elite, grupo social que deve ser preservado a todo o custo, numa tentativa final e solidária de salvar o povo da sua miséria mental.

 

Afinal Macau não será mais um destino limitado a Melancias sem caroço, fabricadas em qualquer ministério de características transgénicas, abrindo agora e naturalmente as suas portas, aos importantes Melões que os outros países desprezam e que os chineses felizmente cobiçam

 

500 Anos passados sobre o início desta história, Macau volta a ser um farol de esperança para centenas de jovens portugueses, que procuram agora na China, o futuro que o seu país de origem prometeu mas que nunca cumpriu, interessado apenas em preservar os seus postos de acesso fácil ao poder, para uma classe dirigente velha e decrépita, mas que ainda pensa poder continuar a viver dos seus rendimentos, obtidos pela exploração dos povos colonizados. Como já os começaram a perder ou até já não os tem, viram-se patrioticamente para os seus conterrâneos e entregam-nos aos ex-colonizados, agora colonizadores.

 

Duarte Lima – mais uma vítima da nossa Justiça, que irá ter que aguardar penosamente a sua libertação, da mão de indivíduos que em nada são melhores que ele

 

A PGR em colaboração com outros procuradores e restante aparelho de justiça português começou desde já a preparar o caso Duarte Lima, para que rapidamente este julgamento seja anulado e o caso arquivado, por incompetência colateral de investigação e prescrição judicial; mais um facto ocorrido e provocado pelos dejectos emitidos pelas novas e belas leis de Portugal, inexequíveis e protectoras da malandragem que a publicou e dos seus amigos de negócio, que a legislaram.

 

Todos Diferentes, Todos Iguais – mas será mesmo assim, no meu país?

 

Quando era jovem lembro-me de ter visto o filme, “O Síndroma da China”. O tema do filme não é para aqui chamado, apenas associei este título a um novo acontecimento que se tem desenvolvido no meu país – mais precisamente na margem sul do rio Tejo, lá para o lado do deserto, da terra dos camelos e dos mouros, de África e dos pretos – com algum fundo de racismo e de inveja profunda: “O Síndroma de Massamá”. Amigos e adversários fazem lembrar ao seu chefe provisório e temporal, que a prancha por onde se desloca com a sua família, pode-se partir a qualquer altura e em qualquer lugar, basta eles quererem.

 

Chafariz de Massamá – ex-líbris da freguesia, apesar da água imprópria para consumo

 

Massamá Sul – esclarecimento:

 

Como o racista é um ignorante com boa formação e topo de gama na sua série, mesmo situando-se Massamá a norte do Tejo e já afastada da rota percorrida pelos camelos, se lhe associarmos subliminarmente a palavra Sul, o resultado final é mais do que perfeito, para conforto de algumas cabecinhas deprimentes: Massamá vem do árabe e significa “lugar onde se toma boa água” e “Sul” para quem vê o Sol a nascer de frente, além de estar à direita, é terra de camelos, mouros e outros tipos de cor – logo e como acontece em histórias de humor negro, Massamá Sul pode estar desfocada, no seu ponto original.

 

(consultas – Wikipédia)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:35

Julho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

15

23
24
25
26
27

28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO