Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

21
Mar 21

Este fim-de-semana aproveitando o início da Primavera, a subida de temperaturas e um ambiente geral todo propício para uma ida até à praia ─ colocando-se de lado a Pandemia e tentando esquecer-se por momentos, os mais de 500.000 norte-americanos mortos (ainda hoje registando-se quase 800 óbitos)

 

0865f1d0-9a20-45b8-89aa-e508915310da-AP_Virus_Outb

Coisas do Novo Normal

Juntando isolamento e calor, entrando-se em módulo de fuga,

sendo livres e enclausurados em urbes,

fugindo para o campo ou para a praia.

 

Registando-se na praia de MIAMI (MIAMI BEACH) um afluxo bastante intenso de “veraneantes”, tentando aproveitar ao máximo o curto espaço de tempo (de férias) disponível, deslocando-se até à praia e usufruindo da mesma, do Sol e do Mar.

 

Uma cidade integrando o estado da Flórida, banhada pelo oceano Atlântico e ocupando uma das pontas limite do Golfo do México, renascendo das cinzas a partir da sua promoção na série MIAMI VICE e sendo mundialmente conhecida pelas suas áreas comerciais (clubes/discotecas), praia e vida ao ar livre: nada de bom, dada a Pandemia.

 

Uma cena esperando-se de suceder e de se rever (infelizmente) nos EUA com a população (completamente dividida entre dois lados, durante mais de quatro anos “impedida” de se ver) tornada (por outros) inconciliável tomando atitudes contrárias ao seu próprio interesse

 

snapshot 2.jpgsnapshot 6.jpg

Metade dos estados aberta e a outra metade fechada

Recebendo-se ordens contraditórias e ineficazes

face ao isolamento e incerteza,

optando-se pelo convívio.

 

Sendo contra ou a favor não interessando o tema, mas opondo-se sempre ao seu adversário ─ irresponsavelmente deslocando-se para a praia e originando concentrações sem a devida proteção e distanciamento (uns estados sendo contra e outros a favor):

 

Obrigando as autoridades a intervir, declarando o estado de emergência (fechando bares, restaurantes e outros negócios) a partir das oito da noite.

 

Quando os EUA (554.867 mortos) juntamente com o Brasil (292.856), o México (197.219), a Índia a Grã-Bretanha e a Itália (107.642), já tendo ultrapassado a barreira das 100.000 vítimas mortais (Portugal com 16.762).

 

(imagens: usatoday.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 03:07

14
Mar 21

Aproveitando o intervalo de tempo entre o fim do 12º Estado de Emergência (02/03 a 16/03) e o início do 13º Estado de Emergência (17/03 a 31/03) ─ nem compreendendo como tal seja possível (até pelos aspetos legais, podendo conduzir à abertura de processos), estando o anterior (12º) ainda em vigor e o seguinte (13º) ainda à espera, como se inicia estre novo período logo na segunda-feira, dia 15/03 (Questão: Sob o que dita o 12º ou o 13º Estado de Emergência?) ─ assim como e simultaneamente, a confusão generalizada (entretanto instalada dos dois lados, autoridades e população) tendo vindo a ser por alguns (por exemplo, ligados à Educação e à Economia) estrategicamente alimentada, chegando-se ao critico “Momento dos Políticos” (entrarem mais uma vez em ação), ponto (cronológico e inevitável, por ação dos diferentes lobbies) em que mais uma vez desviados daquilo a que deveríamos prestar a maior das atenções ─ a PANDEMIA e suas consequências na nossa saúde física e mental ─ em sua substituição assistimos  a uma “Luta-de-Galos” entre o “Galo-Marcelo” (cada Capoeira com o seu Galo) e o pretendente (imaginando-se já num futuro próximo o “Galo-da-Capoeira”) “Vice-Galo-Costa”: para além do GALO-PRESIDENTE (Marcelo), das GALINHAS da CAPOEIRA e do GALO-PRETENDENTE (Costa), lixando-se igualmente os restantes GALINÁCEOS (pintos incluídos) e talvez se propondo de seguida (depois de nos candidatarmos à produção de zaragatoas, máscaras, testes e até vacinas) AVIÁRIOS.

 

Imagem1.jpg

Covid-19 ─ Nº Óbitos/dia ─ 2021

 

Regressando ao Duelo político “Presidente/Marcelo Vs. 1º Ministro/Costa”, com o segundo (em queda acelerada, ou não representasse quem controla, o Governo) a tentar partilhar o “Protagonismo da Situação” com o primeiro (em queda, mas sendo bem menor, ou não fosse a nossa última esperança, a Presidência) e desse modo como resposta (mostrando ainda estar Vivo) à sugestão inicial do Presidente, baralhando um poucochinho as cartas (deste) e dando-as (ele) de novo (com algumas mas “pequenas” alterações): enquanto Marcelo querendo saber mais, sendo mais cauteloso e dilatando por prevenção mais os prazos (até pelo crescimento mesmo ligeiro do índice de transmissibilidade Rt nestas últimas semanas), já no caso de Costa sob o peso das sondagens, da sua má performance nesta última vaga e da pressão crescente (e cada vez mais asfixiante) da generalidade da população (quando é que isto acaba, quando é que isto abre, quem nos bem salvar?), sob alta-pressão tentando a todo o custo encurtar prazos (nem que sejam só alguns) e assim procedendo (mostrando-se presente perante nós) demonstrando também ter poder (de decidir) ─ e descartando ainda outras medidas governamentais e promocionais (não referidas por Marcelo, não sendo a sua função) como “poder voltar a sentar-se num banco de jardim” ─ c/ Marcelo entre as medidas mais impactantes a tomar (uma das essenciais) focando-se na reabertura das creches e dos infantários (como “guarda-avançada” para um melhor conhecimento do vírus, sendo competente e eficaz, dando-se início em segurança ao desconfinamento) para ele, a questão considerada como a “Protagonista” ─ e deixando ao Governo outras questões mais da competência deste último ─ para de seguida Costa dando por um lado alguma coisa aos lobbies (abrindo/subsidiando alguns) e simultaneamente usando alguma da sua autoridade para ainda poder “Cavalgar o Momento” (pelo menos com palavras), naturalmente dar um sinal entre outros (setores económicos) à Restauração (postigos) e aos Serviços (cabeleireiros) e não tanto naturalmente (ultrapassando a vontade dita e redita por Marcelo) “se esticar” estendendo a reabertura das aulas (presenciais) ao 1º ciclo. Uma pequena provocação (talvez à nossa custa) para se ver quem manda (Presidência Vs. Governo), colocando cerca de 500.000 crianças na rua (fora os restantes acompanhantes).

 

(dados: dgs.pt ─ imagem: Produções Anormais)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 02:09

13
Mar 21

Creches, infantários e 1º ciclo por um lado e cabeleiros e postigos entre poucos pelo outro lado, vão na próxima quarta-feira dia 17 de março e conforme as diretivas do 13º Estado de Emergência (prolongando-se de 17 a 31 de março), reabrir finalmente as suas portas: e se no caso mais relevante deste início de Desconfinamento ─ regresso dos mais novos à escola ─ tal se pode considerar extremamente positivo até pela preocupação levantada com o estado de saúde mental das crianças (retidos há muito tempo, isolados em casa e sempre rodeados por adultos), tendo-se inevitavelmente de relembrar até pela infecciosidade do vírus (sendo mortal) e pela necessidade constante da manutenção do respeito pelas medidas de proteção (máscara, mãos, distanciamento), que ao abrirmos mesmo que parcialmente uma “via de comunicação” estaremos a abrir paralelamente mais um caminho para o vírus: com as crianças a serem mais imunes contactando com o vírus, mas sendo portadoras (e assintomáticas) e ligando Família/Escola (a tal “Via de Comunicação”) podendo originar consequências.

 

Imagem1.jpg

Evolução do Covid-19 no Algarve

Ano de 2021 ─ 71 dias

 

Esta semana que vem arrancando-se em princípio com o Desconfinamento (veremos, entretanto, o que o vírus ─ e suas variantes ─ “dirá/dirão”) com o Mundo na generalidade igualmente a “arrancar” apesar de algumas hesitações (e alguns recuos pontuais) pelo aparecimento aqui e ali de sinais de um novo e possível crescimento (e ainda com países como os EUA, o Brasil e o México, registando um elevado nº de vítimas mortais): devendo-se ser extremamente cauteloso, testar e vacinar. Na região do Algarve com o nº de mortes/dia sendo igual ou menor a 3 desde há cerca de três semanas ─ 10 dias (quase 50% dos dias) com “zero mortes” (e desses, 6 sendo consecutivos) ─ apresentando-nos um gráfico com parâmetros (Infetados/Óbitos) apesar de alguns soluços, claramente em descida: e correndo tudo como o esperado, chegando a Primavera já a 20 (de março) e ultrapassada a PÁSCOA (o próximo “Cabo das Tormentas”), podendo-se talvez ver se o nevoeiro deixar a chegada do VERÃO ─ no Algarve, em Albufeira, no Verão (há 1 ano ausente) só mesmo num “postal de recordação”.

 

Marcelo-Rebelo-de-Sousa.jpg

A decisão de Marcelo

Declarando o 1º Estado de Emergência em março de 2020

 

Última Hora ─ A Decisão de Marcelo:

(hoje, 12 de março)

 

E com o entusiasmo demonstrado pelo Governo (mais comedido até pela culpa) e pelos seus desesperados subsídio-dependentes (conseguindo até antecipar, sem nada ter feito por isso, a abertura do 1º ciclo) ─ podendo levar-nos pela gula de alguns (um pecado mortal, tal como o vírus), a mais uma catástrofe para todos (nova vaga ainda mais intensa) ─ com o Presidente precavendo-se contra todos os excessos por alguns não sendo considerados, a avisar desde já a quem de direito que o mais certo será prorrogar mais uma vez o Estado de Emergência, agora de 1 a 15 de abril (pela 14ª vez): ultrapassando o grande “marco” que é a Páscoa (a 4 de abril) e somente aí se vendo ─ com mais tranquilidade e conhecimento ─ o que fazer.

 

(dados: dgs.pt ─ imagens: Produções Anormais e elvasnews.pt)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:07

10
Mar 21

Num dia (10/03) em que Portugal regista “apenas” +22 óbitos (nº que nos assustava durante a 1ª vaga) e +642 infetados, com a generalidade dos parâmetros (Covid-19) a descer. Hoje sem medo … extremamente necessitados, desesperados.

 

1024-4.jpg

 

Com os gritos vindos de fora tornando-se ultimamente cada vez mais insuportáveis e com a população portuguesa face ao espetáculo proporcionado apresentando-se cada vez mais confusa ─ tudo obra dos média, trabalhando e sendo pagos pelos primeiros, para “orientar” os segundos  ─ face ao desnorte dos segundos (sai/fica, abre/fecha, isto porque sim/isto porque não, a subir/a descer, cura/mata) e ao oportunismo (bom/mau) dos primeiros (estando de pantanas e/ou podendo lucrar com a situação), o Presidente (seja qual for a sua razão ou motivo) propõe hoje ao Parlamento (sessão a realizar a 11/03) para entrar em vigor na próxima quarta-feira (17/03) a “13ª Renovação do Estado de Emergência”: tendo agora de ser votado e aprovado em Parlamento (12/10), ao mesmo tempo que o Governo apresenta o seu Plano de Desconfinamento ─ o tal “célebre” plano que dizem que existe, mas que falta e que o 1ª Ministro agora solidificados os seus conhecimentos sobre a situação, promete daqui em diante e solenemente consolidar. Indo em frente (por duas semanas/catorze dias) entrando em vigor a 17 de março e concluindo-se a 31 de março. Um Estado de Emergência muito semelhante ao anterior (como diz o Presidente “para acautelar os passos a dar no futuro próximo”), com as diferenças a serem mais notadas ─ e sentidas (o vírus andará sempre por aí) ─ a apontarem na direção da reabertura de creches/infantários e do retorno na restauração/outras áreas do que um dia se poderá tornar num símbolo icónico desta era e evento, o “postigo”. Acompanhado por campanhas intensas de testagens e vacinações. Pelo que até à Páscoa nada mais se alterará restando-se apenas saber o que se passará a partir de 1 de abril (fim deste 13º estado de emergência): até lá é calar ou em alternativa gritar ─ mas eu prefiro sendo do contra, antes de agir, pensar mais um pouco. Esperando que o 1º de abril não seja o “Dia da Mentira”, já que a comemoração da Páscoa (ainda se lembram do Natal?) é a 4 de abril.

 

(imagem: ovilaverdense.pt)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:56

26
Fev 21

Com todos os parâmetros COVID-19 tendencialmente em rota decrescente (infetados, internados, UCI e óbitos) e decidido o prolongamento por mais 2 semanas do ESTADO de EMERGÊNCIA (confinamento até meados de março), de acordo com as ideias do Presidente (adepto do 1/fechar) agora parecendo ser apoiadas pelo 1º Ministro (antes adepto do 2/abrir, agora sendo do 1),

 

Imagem1.jpg

Esta quinta-feira, 25 de fevereiro

 

Esperando-se (da parte do Governo) um período cauteloso de preparação para uma abertura o mais segura possível do país (ou seja um plano, que todos entendam e possam executar) e como todos desejamos, eficaz (100%): e seguindo o roteiro do Presidente ─ para abrir com mais certezas, sem se correr o risco de se assistir, a uma nova regressão (no combate à Pandemia) ─ podendo-se iniciar já na segunda quinzena de março uma abertura parcial (mesmo entre os mais novos, na escola), para passada a Páscoa e recordando o Natal (pontos negativos do passado) se completar (finalmente) a obrigatória (para a nossa saúde mental) abertura (nas escolas estendendo-se ao secundário) da sociedade portuguesa ─ arrancando a Economia (já no início do mês de abril) e turisticamente, salvando-se o Verão (agora que da GB vêm boas notícias para o turismo, regressando e dando prioridade a Portugal, os pedidos de reservas).

 

E sendo a esperança a última a morrer e tendo o Presidente razão ─ “aprendendo com o Natal, só reabrindo depois da Páscoa” ─ sendo-se cauteloso e aproveitando-se este interregno (15 dias a um mês) e respeitando-se as regras (básicas na luta Covid-19), podendo-se vencer o vírus ou no mínimo derrotá-lo: pelo menos nesta vaga, podendo ser um evento (como na gripe) crónico e nesse caso (periodicamente) regressando. Nestes 55 primeiros dias do ano de 2021 e falando da região do ALGARVE, com o nº máximo de vítimas mortais a ocorrer por meados deste mês de fevereiro, com a maior turbulência (subida/descida de mortes) a acompanhar o período do pico máximo e o imediatamente seguinte (por finais de janeiro) e, após este registo, com a tendência sendo claramente decrescente: em 2 de janeiro com zero óbitos no Algarve por Covid-19, assim como esta quarta-feira, 23 de fevereiro. Podendo-se pensar naturalmente e seguindo uma análise imparcial (não se pondo do lado do Homem, nem do lado do Bicho), ter-se Verão no Algarve (neste ano de 2021).

 

(dados: dgs.pt ─ imagem: Produções Anormais)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 01:09

25
Fev 21

Como se estivéssemos num “Jogo da Santa Casa” dito de sorte e de azar (por exemplo o totobola), depois do 1 de Costa (fortemente pressionado pelos lobbies, entre eles o da educação) significando abrir e do 2 de Marcelo (estando em 2º mandato, sendo mais cauteloso/com o povo e enérgico/com o governo) significando fechar, com Costa por precaução e quase fazendo o pino (próximo de marcar 2) agora a marcar X.

 

[Segundo sondagem Aximage para a TSF e JN]

(apresentada a seguir)

 

5839DFF6-A157-DC81-36A4DA4AF0CEAF72.JPG

Portugal em Tempos de Covid-19

 

80% dos portugueses acham que o estado de emergência (confinamento geral) durará mais duas semanas (até 16 de março);

 

70% dos portugueses acham que o estado de emergência (confinamento geral) não será o último (12º diploma submetido à AR);

 

46% dos portugueses acham que o estado de emergência (confinamento geral) durará até ao início de abril (ou seja, até à Páscoa).

 

[PS: Com o problema do levantamento do estado de emergência a poder ter solução, desde que para além do cumprimento dos nossos deveres (por parte do cidadão em geral) ─ mãos, máscaras, distanciamento, confinamento ─ as autoridades competentes (como o Governo) cumpram os seus: melhorando condições (estruturas/recursos humanos), testando e vacinando e claro está (básico) tendo um Plano (como afirma o Presidente). O qual ainda ninguém conhece nem sequer compreende (o impasse, mantendo-se tudo e todos estáticos, à espera não se sabe bem de quê e parecendo desnorteados), estando-se já na curva descendente desta última vaga.]

 

(imagem: José Sena Goulão/eldiadevalladolid.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 21:50

23
Fev 21

“Segundo a Câmara Municipal de Albufeira

o concelho tinha na segunda-feira,

117 (+2) casos ativos, 2039 (+18) recuperados

e 42 (+1) óbitos.”

(Gonçalo Dourado/jornaldoalgarve.pt/23.02.2021)

 

Imagem1.jpg

 

“Por concelhos Albufeira continua a ser o município do Algarve

com o maior número de desempregados inscritos (6.701),

mais 223 do que em dezembro.

Segue-se Portimão com 5.452 e Loulé com 5.243.”

(Nuno Costa/sulinformação.pt/23.02.2021)

 

Possivelmente (e com o acordo do presidente) estendendo-se a partir do início da próxima semana (lá para 2 de março) o estado de emergência ─ até meados de março ─ prevendo-se que a partir daí e iniciando-se pelas escolas (sequencialmente infantários/creches, 1º/2º/3º ciclo e por aí fora) entremos em Desconfinamento (cauteloso/progressivo). O que será uma boa notícia para ao Região de Turismo do Algarve, no presente com a sua indústria turística a ameaçar colapsar (destruindo-se mais uma época) e registando um número record de desempregados (com o concelho de Albufeira a liderar). Isto tudo nas vésperas de se prolongar ou não (se não e irresponsavelmente, iniciando-se o desconfinamento) o estado de emergência.

 

(dados: dgs.pt ─ imagem: Produções Anormais)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:47

29
Jan 21

Pandemia Covid-19 em Portugal:

um novo recorde diário de 303 vítimas mortais.

 

sddefault.jpg

Conferência de imprensa do Conselho de Ministros

 

A já menos de três dias da renovação do alargamento do período do Estado de Emergência ─ a iniciar-se às 00:00 do próximo domingo dia 31 de janeiro e aí a ser estendido até 14 de fevereiro ─ o conhecimento prévio de mais algumas medidas a tomar sabendo-se o momento de catástrofe sanitária que o país atravessa: nesta nova vaga e em contágios/óbitos apresentando-se com um dos mais elevados índices do mundo (num acumular de sete dias/100.000 habitantes), dada a imensidão do nº de focos, de vias de transmissão abertas e ainda de novas variantes/estirpes. Para além do já constatado, colapso hospitalar. Hoje (28 de janeiro de 2021) atingindo-se um total (das várias vagas) de 685.383 infetados (+16.432) e 11.680 vítimas mortais (+303, um “Novo Recorde”), alcançando-se o nº de 6.565 doentes internados com 782 deles em cuidados intensivos (UCI). Na região do Algarve com mais 237 infetados e mais 10 óbitos a declarar (num total de 193). E seja por onde for, com os mais idosos a morrerem (uns 85% de 70 anos de idade para cima). Com as três medidas principais (extra) deste Estado de Emergência (a iniciar domingo) a serem ─ de modo a não se aliviar a luta e levar-se isto a sério: a retoma do ensino (à distância), o controlo de fronteiras (fecho das mesmas) e novas contratações na saúde (reforço de pessoal). Só assim se evitando tal como no dia de hoje (quinta-feira. 28), sermos o 5º país europeu no aumento de contágios (9º mundial) e o 8º europeu no aumento de mortes (14º mundial). Isto e vivendo-se pelo Sul (Albufeira) ─ nesta monocultura turística ─ se quisermos abrir este ano a região do turismo Algarve.

 

(imagem: 24.sapo.pt)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:38

16
Ago 19

“A Banana-Killing Fungus Has Reached Latin America.

Does This Spell the End for Bananas?”

(Agosto 2019/livescience.com)

 

bananamadeira.jpg

Bananas da Madeira

Gostosas como as das Canárias

 

A notícia há muito esperada − pelos especialistas da comunidade científica ligada ao estudo do REINO DAS PLANTAS − da chegada de um VÍRUS MORTAL (na realidade um “FUNGO-ASSASSINO”) ao continente SUL-AMERICANO, podendo levar à EXTINÇÃO de uma das suas mais disseminadas e populares ESPÉCIES − por comestível, por deliciosa e por nutritiva – a BANANA:

 

Um fungo-mortal denominado simbolicamente como TR4, já detetado na Colômbia e levando as autoridades do país a declarar de imediato o ESTADO DE EMERGÊNCIA (Agrícola).

 

Por inevitável contágio disseminando-se por territórios vizinhos, afetando para além da COLÔMBIA outros 2 países em conjunto responsáveis por pelo menos metade das exportações Mundiais e partilhando o mesmo continente sul-americano, o EQUADOR e a COSTA RICA.

 

Com as Filipinas chegando aos 2/3 (da exportação total Mundial), pondo de lado a ÍNDIA apesar de maior produtor não sendo o maior exportador.

 

E com a banana a ser atacada um pouco por todo o Mundo, um pouco por todos os territórios tropicais, lutando pela sua sobrevivência a doenças e a invasões sejam naturais (introduzindo espécies aparentemente semelhantes, mas estranhas e intrusivas) ou artificiais (através da utilização de híbridos/da clonagem), talvez com o seu ÚLTIMO REFÚGIO E TERRITÓRIO a ser violado (se não tivesse sido já adulterado, muito tempo antes) e com o seu destino e de toda a RESTANTE MACACADA já traçado.

 

Bananas-300x300-1.jpg

Um Fruto dos mais importantes

Na Luta contra a Fome

 

E a seguir à Extinção das Bananas seguindo-se mais cedo ou mais tarde a Extinção dos Primatas − num processo visto como uma contrapartida negativa da NATUREZA (de todo o Ecossistema) à substituição da banana local e original (Moldada) pela estrangeira e clonada Cavendish (Replicada).

 

Como se o Homem não necessitasse entre outras coisas (conforme o género), de pilinha (da sua “banana”) para se reproduzir.

 

E em vez de se voltar à produção da artesanal “Banana Com Sexo à Antiga” − talvez não tão bonita, mas mais doce (banana-vermelha), ou tipo banana das Canárias ou da Madeira e até a (para pobres, a metade do preço e igualmente gostosa, mesmo que já mutante) inicial banana-amarela − porquê insistir mais uma vez numa reprodução assexuada, sem contacto e emoção (por monotonia organolética) salvando o clone Cavendish?

 

(imagens: madeira-holidays.eu e teakisi.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 13:35

27
Dez 13

“France is the second-most taxed European country after Belgium – risks ‘social explosion’ over high taxes”

 

França – um país à deriva

 

Com a França entalada entre a satisfação dos interesses retalhistas da Grã-Bretanha e as aplicações financeiras do Banco Central Europeu comandado pela Alemanha – e com os ricos países nórdicos a assistirem de bancada – tudo parece indicar que de acordo com esta atitude insana e situacionista do presidente francês, a França parece caminhar irremediavelmente para uma situação de emergência económico-financeira, muito semelhante à já vivida por outros parceiros da CEE.

 

E se tal crise extremamente dramática – dada a dimensão global da França no actual contexto europeu – se vier a concretizar, qual será a reacção da Alemanha? Estarei cá para ver se Portugal ainda existir (de facto) – provavelmente se entretanto algum dos líderes europeus (não vejo qual a não ser a França) se dignar reconhecer finalmente a existência dos pobres países do sul (como Portugal).

 

Sonhemos.

 

(imagem e introdução – france24.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 02:55

Abril 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO