Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Cumbre Vieja ─ Há um mês em erupção

Quinta-feira, 21.10.21

“One month after the Cumbre Vieja volcano erupted on the Spanish island of La Palma spewing red-hot lava and ash, Culberta Cruz, her husband and their dog are living in a tiny caravan on a parking lot and see no end of the ordeal in sight.” (Guillermo Martinez/euronews.com/20.10.2021)

5423.jpg

Ao iniciarmos o 33º dia da entrada em erupção do vulcão de LA PALMA (uma das oito ilhas do arquipélago espanhol das CANÁRIAS) o CUMBRE VIEJA, com a média de tremores de terra na última semana (na região) a andar quase nos 90/dia ─ o sismo mais intenso tendo sido de magnitude M4,8 ─ continuando a emissão de nuvens espessas e escuras de cinza para a atmosfera (atingindo os 3.000 metros de altitude e pondo em causa o funcionamento do aeroporto local) e a produção de rios de lava incandescente, descendo pelas encostas do vulcão e tentando atingir as águas do oceano (Atlântico) ─ ao contacto lava vulcânica/água do mar e devido à grande amplitude térmica (registada), formando-se vapores e gases extremamente tóxicos, espalhando-se posteriormente na atmosfera, no ar que se respira.

4153.jpg

E se esta emissão de gases para a atmosfera pode ter efeitos nocivos por poluidores localmente e a maior distâncias (levados pela força dos ventos), com os rios de lava incandescente expelidas ininterruptamente desde o cone do vulcão (e saindo por outras fissuras) durante estas mais de quatro semanas, a terem já destruído no seu caminho mais de 810 hectares de terra, levando à sua frente e fazendo desaparecer do mapa, mais de um milhar de habitações (mais de 2.000), centenas de explorações agrícolas, edifícios públicos incluindo igrejas, infraestruturas como estradas e até levando à evacuação de milhares de pessoas, muitas delas tendo ficado sem nada. Uma erupção considerada a mais forte desde a registada no século XVI (1585) ─ a última (mais curta que esta) tendo ocorrido há cinquenta anos atrás ─ com a lava do vulcão a escorrer como um rio, formando um grande delta, atingindo o mar e entrando por ele dentro, aumentando de momento a área da ilha de La Palma em 40 hectares.

(imagens: theguardian.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 03:12

Vulcanismo (nas Canárias)

Domingo, 17.10.21

Oriunda da erupção do vulcão Cumbre Vieja, com uma intrusão de SO₂ acima dos 3.000 metros de altitude (não afetando a superfície), a progredir há já vários dias na Península Ibérica.

La-Palma-smoke-cloud-3705449.jpg

Nas proximidades da Península Ibérica com 3 vulcões ativos ─ o vulcão CUMBRE VIEJA nas ilhas Canárias em Espanha e os vulcões ETNA e STROMBOLI respetivamente na Sicília e nas ilhas Eólias em Itália, todos em erupção ─ continuando apesar da ainda recente emissão de uma grande pluma de cinzas para a atmosfera pelo vulcão siciliano ETNA, o interesse maior concentrado no que se passa na ilha das Canárias de LA PALMA: com a erupção do vulcão CUMBRE VIEJA continuando extremamente ativa, mantendo os rios de lava escorrendo desde o vulcão até atingirem o oceano ─ agora ameaçando o bairro de LA LAGUNA ─ e (devido à poluição atmosférica provocada pela ejeção de grandes quantidades de cinzas a alta altitude para a atmosfera) as operações no aeroporto, levando à sua suspensão.

La-Palma-1507104.jpg

No seu 28º dia desde que entrou em erupção com o vulcão parecendo querer manter a sua intensidade inicial, com grande emissão de plumas de cinzas para a atmosfera (a 4.000m de altitude) e intensas emissões de lava incandescente, destruindo tudo na sua passagem (agora podendo ser a vez de La Laguna) em direção às águas do oceano (Atlântico). Segundo os últimos dados obtidos desde o início deste evento geológico (envolvendo por associados, vulcões e sismos) ─ neste arquipélago das Canárias (de pelo menos oito ilhas) ─ estando-se a caminho dos 800 hectares de terra destruídos ─ pela lava incandescente ─ assim como quase 1100 edifícios (mais de 80% sendo habitações). Dada a continuação diária dos tremores de terra por vezes (como ultimamente) sendo mais frequentes e intensos, podendo-se manter a atividade intensa do vulcão, provocado pela persistência do fluxo de magma (oriundo das profundezas da Terra).

_methode_sundaytimes_prod_web_bin_c0f39190-2dcc-11

Quanto aos problemas de poluição provocada pela emissão de cinzas e de gases tóxicos para a atmosfera (a grande altitude), acrescidos dos outros gases tóxicos criados aquando do contacto da lava incandescente com a água do oceano (ao nível do solo) e afetando a respiração ─ emissões de dióxido de enxofre a andarem perto das 2.900t/dia (valor agora mais baixo) ─ com estes dois fatores (de risco sanitário) a provocarem naturalmente a preocupação local, assim como das regiões próximas podendo ser indiretamente afetadas (dependendo da intensidade e direção dos ventos). Mantendo-se o epicentro desses sismos a 10/15Km de profundidade e/ou 30/40Km ─ portanto em duas áreas diferentes ─ com o sismo mais intenso até agora sentido andando nos M4.5 (amplitude).

(imagens de La Palma: Getty Images)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 03:29

Entre o Cumbre Vieja e o Kilauea

Sábado, 02.10.21

Enquanto prossegue na ilha de LA PALMA (uma das oito do arquipélago das Canárias) a erupção do CUMBRE VIEJA, escorrendo pelas vertentes do vulcão e por diversas fissuras que se vão multiplicando (ao longo do seu percurso) lava incandescente encaminhando-se em direção ao mar ─ tendo-o já alcançando e estando agora, a aumentar a área terrestre de La Palma

1633084230_932828_1633084382_noticia_normal_recort

Vulcão Cumbre Vieja

Ilha La Palma

Arquipélago das Canárias

 

Estimando-se no presente (e dramaticamente) em quase um milhar de habitações destruídas, em centenas de propriedades agrícolas arrasadas, em estruturas básicas obliteradas (como estradas) e em mais de 6.000 pessoas evacuadas (entre turistas e residentes), as consequências que esta nova erupção deste ainda jovem vulcão já provocou.

Desde o início da sua erupção a 19 de setembro com o vulcão CUMBRE VIEJA já tendo libertado para o exterior cerca de 80 milhões de m³ de MAGMA líquido (numa velocidade mais acelerada à registada há cinquenta anos atrás), acabando no encontro do mesmo (magma) com as águas do oceano Atlântico, por dar origem à formação de uma pequena península (em crescimento) atualmente nos 25m/30m de altura e nos 500 m de comprimento criados, “indo mar dentro”.

19d637c604b01bc48d4522ffb7616b11_720.jpeg

14º dia de erupção do Cumbre Vieja

Com os rios de lava isolando

partes da ilha de La Palma

 

Não existindo de momento nenhum perigo de algum tipo de agravamento deste fenómeno  vulcânico (e sismológico) podendo levar à formação de um tsunami, apenas preocupando a poluição provocada pelo contacto do magma com a água produzindo gases tóxicos (necessidade da criação de uma zona de exclusão local) e a projeção a grande altitude na atmosfera de material vulcânico como as cinzas, por ação dos ventos podendo atingir com os seus efeitos nocivos grandes distâncias, como por exemplo Marrocos, os Açores, o Algarve.

Enquanto do outro lado do continente americano no Oceano Pacífico (a latitudes próximas) um outro vulcão igualmente jovem, bem conhecido e extremamente ativo ─ o KILAUEA ─ entra igualmente em erupção no Havaí, colocando desde já o alerta para a aviação nesta ilha norte-americana no código vermelho.

(imagens: en.as.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 02:27

Cumbre Vieja/La Palma/Canárias

Quarta-feira, 22.09.21

Hoje quarta-feira dia 22 de setembro com o vulcão de Cumbre Vieja continuando em plena atividade (iniciada a 19), com ejeção de material para a atmosfera e o avanço progressivo de rios de magma incandescente, em direção ao mar.

la-laguna-canarias.jpg

La Palma 5ª maior ilha das Canárias

 

Ejeção de material vulcânico para a atmosfera provocando nuvens de cinza atingindo já os 3000 metros de altitude (deslocando-se de momento para SW, mas dependendo da evolução da direção dos ventos) ─ podendo rodando a norte e mantendo-se o evento, atingir a Madeira

Sendo simultaneamente acompanhado ao nível do solo por um outro produto resultante da erupção do vulcão, saindo do topo do mesmo e escorrendo com a contribuição de outras fissuras pelas suas vertentes, e formando um rio líquido de lava incandescente dirigindo-se sem controlo na buca de terrenos menos elevados, acabando por atingir o mar.

No percurso dessa lava incandescente e destruidora estando para já localizadas as principais consequências provocadas por tal erupção e sua subsequente expansão em redor (não só com cinza, mas igualmente com lava),

59233245_303.jpg

Parque Nacional de Cumbre Vieja

 

Com este material incandescente atingindo milhares de graus de temperatura a destruir e a calcinar tudo o que surgisse à sua frente, fazendo desaparecer habitações (para já umas 200, podendo ser muito mais), explorações agrícolas (mais de 150 hectares e em crescimento), infraestruturas básicas e levando à evacuação de milhares de aí residentes (uma região predominantemente agrícola) e turistas (instalados em resorts), uns 5.000.

E com as principais preocupações em casos como este vindo (entre outros fatores) das cinzas vulcânicas, dos fluxos de lava, das emissões de gases e até de possíveis tsunamis, podendo-se considerar que se quanto aos locais o perigo é triplo ─ Cinzas/Lava/Gases

Para os habitando nos territórios exteriores sendo diminutas as possibilidades de um tsunami, mas tendo-se que tomar atenção à poluição atmosférica à chegada (por força dos ventos) de gases tóxicos e ainda de cinzas.

(imagens: la-palma24.net ─ dw.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 21:24

Vulcanismo na Europa (e nas Canárias)

Terça-feira, 21.09.21

Nesta terça-feira 21 de setembro de 2021 com a Europa Ocidental a apresentar-nos 4 vulcões ativos (em erupção) ─ a norte na Islândia com o vulcão FRAGADALSFJALL, na Itália (no mediterrânico) com os vulcões ETNA (Sicília) e STROMBOLI (ilhas Eólias) e a sul na Espanha insular nas ilhas Canárias com o vulcão de LA PALMA, o CUMBRE VIEJA ─ todas as atenções continuam a estar dirigidas para o que se passa no arquipélago das Canárias, particularmente em LA PALMA (uma das oito ilhas maiores que constituem as Canárias):

Screenshot 2021-09-21 at 14-21-00 Map of currently

Vulcões do Mundo

Laranja: vulcões em alerta e com menor atividade

Vermelho: vulcões ativos e em erupção

 

Com o vulcão CUMBRE VIEJA depois de ter entrado em erupção a 19 de setembro (passado domingo) ejetando material para a atmosfera (pequenas pedras, cinzas, gases tóxicos) e expelindo magma incandescente começando a cobrir parte da região (agrícola e turística) no seu caminho em direção ao mar, já tendo entretanto destruído muitos terrenos, calcinado várias casas (a caminho das duzentas, mas podendo atingir 1 a 2 milhares) e levado à evacuação de milhares de pessoas (entre residentes e turistas), paralisando esta ilha. E se o material ejetado para a atmosfera poderá acarretar graves problemas de poluição dada a emissão contínua de gases tóxicos (não só pela boca do vulcão como pelo seu número crescente de fissuras) podendo mesmo por ação dos ventos chegar a outras zonas populacionais mais distantes (como Marrocos e até a Madeira), já o problema do escorrimento da lava das vertentes do vulcão e o aparecimento de novas fissuras acelerando o processo, poderá para além de provocar ainda uma maior destruição no terreno (no seu trajeto descendente até chegar ao nível médio das águas do mar), atingindo o oceano (colocando materiais a temperaturas opostas e com extrema amplitude térmica em contacto, provocando um choque térmico extremo), originar uma enorme explosão e uma libertação ainda mais intensa de gases tóxicos. Tornando a situação na ilha de La Palma ainda mais difícil talvez mesmo (em muitas das regiões desta ilha) insustentável, tornando-se o ar irrespirável e com muitas das infraestruturas locais destruídas ou incapacitadas.

1920px-Map_of_the_Canary_Islands.jpg

Ilhas Canárias

A ilha de La Palma onde se localiza o vulcão CUMBRE VIEJA

(canto superior esquerdo)

 

E com a lava movimentando-se inicialmente a cerca de 700 metros/hora, agora tendo descido para cerca de metade (uns 300m/h) ─ até pelo relevo maior ou menor do terreno (e outros obstáculos maiores) que vai encontrando, acelerando ou retardando a sua marcha ─ se pensarmos que a distância até a mesma atingir o mar será de cerca de 3Km, dentro de cerca de 10 horas a mesma lava incandescente encontrará a água, podendo provocar uma grande explosão e um aumento intenso da poluição atmosférica: agravando ainda mais a situação e colocando literalmente o Homem, nas mãos da Natureza neste caso do vulcão ─ e do seu futuro desenvolvimento ─ mantendo este a sua atividade ou como se espera, diminuindo-a progressivamente (num processo de semanas ou mesmo meses). Pelo que esta noite os aí residentes poderão assistir a outros fenómenos poderosos da Natureza, explosivos, brilhantes e poderosos, podendo destruir o que aí existe, mas por outro lado criar o que se seguirá ao anterior agora no futuro ─ ou não fossem as Canárias de origem vulcânica. E dos quatro vulcões hoje em atividade na Europa Ocidental, a particularidade de no caso do vulcão de La Palma o “CUMBRE VIEJA” ─ como no caso de todos os vulcões existentes nas ilhas Canárias ─ estes agrupamentos vulcânicos se formaram não em zonas de fraturas na crosta terrestre (localizadas entre placas em colisão), mas afastadas dessas mesmas fraturas existentes entre placas tectónicas. Contrário ao que acontece na Islândia e na Itália, com os vulcões aparecendo sobre falhas tectónicas.

AP21264255690899.jpg

La Palma

Caminho da lava incandescente originada na erupção do vulcão

destruindo tudo na sua passagem em direção ao mar

 

Pertencendo-se ao mesmo grupo ao mesmo planeta e sabendo-se da miríade de ligações que se poderão estabelecer e não só geologicamente (o que aqui nos interessa) entre diferentes pontos da Terra, faltando agora saber se existirá algum tipo de ligação mais ou menos direta entre estes 4 eventos, envolvendo vulcões próximos de nós (até de Portugal) e entroncando com a ação de quatro placas poderosas: a Placa Euroasiática, a Placa Africana e as Placas Norte e Sul Americana. No caso dos possíveis efeitos a poderem ser sentidos em território português e até pela curta distância (às Canárias), destacando-se a Madeira (a uns 500Km) e um pouco mais afastado Portugal (particularmente o Sul, a região do Algarve, a uns 1.200Km). Segundo o quadro atual com o único risco a ser o da poluição atmosférica, com o vento podendo fazer deslocar nuvens de cinzas e de outros produtos tóxicos originários da erupção em direção à Madeira, para já indicando para índices algo baixos ou mesmo impercetíveis (não havendo necessidade de alterar o nível de alerta local).

(imagens: volcanodiscovery.com ─ wikipedia.org ─ Europa Press/AP/foxnews.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:32

Ilhas Canárias ─ Erupção do Vulcão CUMBRE VIEJA

Segunda-feira, 20.09.21

No passado domingo dia 19 de setembro e depois de uma semana com mais de 25 mil pequenos sismos (registados na região), com um vulcão localizado nas ilhas Canárias ─ a menos de 500Km da Madeira e a pouco mais de 1.200Km de Portugal ─ a entrar em erupção.

ratio3x2_1200.jpg

Um vulcão (CUMBRE VIEJA) integrando um estratovulcão (vulcão em forma de cone e extremamente explosivo) como o é o de LA PALMA, por vezes colapsando e dando origens a tsunamis (algo parecido com a erupção de 1883 do vulcão KRAKATOA localizado na Indonésia e sendo seguido de tsunami) e ao lançamento das inevitáveis teorias sobre tal Evento (de amanhã, como de hoje): como a enunciada em 2004 por um investigador britânico afirmando o perigo de a dar-se o caso da explosão violenta deste estratovulcão, o mesmo podendo dar origem a um tsunami atingindo não só África como a América como até o sul da Europa (com Portugal/a pouco mais de 1.200Km de distância, a Espanha, a França, o Reino Unido, logo ali).

“La Palma volcano:

Rumours of feared mega-tsunami

debunked by experts.”

(Rob Waugh/yahoo.com/20 setembro 2021)

ratio3x2_1200 b.jpg

Com apenas 15 sismos de fraca magnitude registados no mês anterior (amplitude de M0,9 a M2,6) e já neste mês de setembro (início desta crise sísmica) atingindo no passado dia 13 (segunda-feira) um total de 1.570 sismos (com a sua intensidade progressivamente a crescer) ─ com a profundidade do epicentro dos sismos a rondar os 8Km/13Km ─ com todas as evidências (sismos crescentes e sucessivos) a apontarem desde há quase uma semana para uma subida do magma para o interior de reservatórios localizados sob a região do vulcão CUMBRE VIEJA, provocando notórias deformações no mesmo, devido à pressão constante do magma na sua tentativa de atingir a superfície: um vulcão dos mais ativos das ilhas Canárias, sendo no entanto o mais jovem dos dois grandes centros de crateras vulcânicas existentes na ilha, neste caso na ilha de LA PALMA (província de Santa Cruz de Tenerife). Elevando o nível de alerta para aquela região insular espanhola (um arquipélago constituído por oito ilhas maiores) dada uma possível erupção do jovem, mas ativo vulcão CUMBRE VIEJA para AMARELO: com a ilha da NADEIRA a uns 500Km (a norte) das CANÁRIAS podendo ser indiretamente afetada, caso o vulcão entrasse em erupção (lançando nuvens vulcânicas na atmosfera, dependendo da direção dos ventos, podendo atingir a ilha).

ratio3x2_1200 c.jpg

Ainda no dia 15 de setembro (quarta-feira) e apesar da continuação do nível de alerta (amarelo), mantendo-se a sucessão de sismos agora em zonas com epicentros a profundidades cada vez mais reduzidas, aproximando-se (o magma) cada vez mais da superfície e indicando “tudo” (como os sismos e a deformação/fraturas provocadas no terreno) para uma possível erupção próxima. E a 19 de setembro (4 dias depois) continuando o evento o seu caminho sucedendo-se os sismos ─ de 11 a 19 de setembro com mais de 25.000 pequenos sismos registados (na região) ─ com mais de 1.500 sismos assinalados localmente e com a magnitude dos mesmos a atingir um máximo de M4,2 (a 19.09). Acrescido de um aumento da deformação à superfície atingindo já os 15cm, aumentando ainda mais a pressão exercida pelo magma (na sua subida) sobre as vertentes envolventes (até atingir a superfície, a atmosfera) e sugerindo o MAGMA estar cada vez mais próximo de se mostrar. Mas havendo erupção não se prevendo de grandes dimensões nem provocando fenómenos secundários, como poderiam ser os terramotos ou mesmo algum tsunami.

"The National Tsunami Warning Center is monitoring this situation

and based on all available data, including nearby water level observations,

there is no tsunami hazard for the US East Coast."

(yahoo.com/20.09.2021)

ratio3x2_1200 e.jpg

Finalmente e como há muito previsto com o vulcão CUMBRE VIEJA a entrar em erupção (acompanhado pelo aparecimento de fissuras) logo a 19 de setembro (este domingo, depois de uma semana de sismicidade intensa) ─ a sua primeira erupção nos últimos 50 anos (última em 1971─ lançando no atmosfera material vulcânico (pedras, cinzas) e escorrendo pelas suas vertentes e fissuras criadas (durante os sismos/erupção), grandes quantidades de lava incandescente deslocando-se para locais menos elevados em direção ao mar: e se esta última (a lava) vai destruindo na sua passagem tudo o que encontra no seu caminho (habitações e campos agrícolas, podendo-se no entanto salvar as pessoas e os animais) ─ sendo possível de prevenir piores consequências, mas não evitando a destruição de todo um ecossistema local ─ já no caso da projeção na atmosfera de material vulcânico (pequenas pedras, poeiras, cinzas, gases tóxicos) muitas vezes a grandes altitudes, tal problema de poluição atmosférica criada por esta ejeção de material sendo levado pelos ventos (especialmente a cinza vulcânica até pela aviação), podendo atingir colateralmente regiões mais distantes, como a Africa (mesmo em frente), a Madeira (no caminho) e até a América e o sul da Europa (onde se situa o Algarve).

ratio3x2_1200 i.jpg

Para já ─ e desde logo em ALERTA VERMELHO ─ com 10.000 pessoas evacuadas (contando-se já duas fissuras por onde a lava continua a escorrer em direção ao mar) e com a lava a movimentar-se lentamente, esperando-se a evolução dos acontecimentos (normalmente) podendo durar ainda várias semanas. Paralisando este resort turístico e levando muitos a saírem já da ilha por via marítima, até pela poluição atmosférica ─ com o vulcão a projetar material a mais de 1500 metros de altitude ─ e pelo possível aparecimento de outras fissuras (com muitas habitações a serem destruídas). Depois do sismo de 19 de setembro de M3,5 para além da erupção e da lava correndo em direção ao mar, nada mais havendo a destacar, pela proximidade e possível influência dos ventos apenas sendo preocupante a sempre possível poluição atmosférica.

(imagens: AccuWeather/yahoo.com/20.09.2021)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 21:33

Vulcões Ativos─ Nyiragongo (R. D. Congo)

Domingo, 30.05.21

“Significant building damage was reported after a

shallow M5.3 earthquake hit Rubavu, Rwanda on May 25, 2021.

This is the strongest of numerous earthquakes recorded in the region

after the eruption of a nearby Nyiragongo volcano on May 22.

Tremors are shaking the region every 10 to 15 minutes.”

(Teo Blašković/watchers.news/25.05)

nyiragongo-and-goma-sentinel-2-june-1-2020.jpg

Vulcão Niyragongo a apenas 16Km da cidade de Goma/R. D. Congo (com 600.000/700.000 habitantes e localizada perto da fronteira do Ruanda), na 1ª erupção originando a fuga em pânico da sua população, no entanto com a torrente de lava não lhe sendo dirigida.

 

Com o Mundo dividido entre “Preto e Branco” ─ para um nosso melhor enquadramento e controlo nos “armários sociais e sequenciais” que preenchem o nosso percurso e quotidiano de Vida ─ sendo comum ao sermos colocados perante situações aparentemente idênticas ou (sabendo-se do erro introduzido por vezes pelos nossos órgãos dos sentidos) no mínimo semelhantes, que as conclusões tiradas (invariavelmente) sejam curiosa e estranhamente algo diferentes (das inicialmente definidas, como as previstas), tal como deveria ser claro e óbvio: entre “a Luz e a sua ausência” (preto) havendo uma multiplicidade de variações, podendo estas serem expostas utilizando um simples prisma, decompondo a Luz e daí obtendo, diferentes cores e tonalidades ─ na sua exuberância sensitiva impactando-nos intensamente com a sua beleza e até servindo para esconder (algo que o P/B não consegue, sendo uma exposição mais fiel, não ocultando pormenores) muitos erros.

snapshot1.jpg

Numa 2ª erupção igualmente intensa e acompanhada de vários sismos (atingindo esta região congolesa vizinha do Ruanda, c/ um sismo intenso atingindo algumas localidades fronteiriças), devido a uma nova fratura na vertente do vulcão, dirigindo-se agora para Goma.

 

E propondo-nos a Luz no usufruto de um mesmo cenário diferentes cores e tonalidades (um instrumento obrigatório, como que envolvendo real/imaginário, sendo o Caleidoscópio) mesmo num Mundo Monocromático dispondo de um nº infindável de variações mais ou menos para o cinzento claro ou para o carregado, também no Mundo Físico não tanto focando a sua Alma Eletromagnética mas a sua componente mais física e geológica, nada sendo estático ou imutável mas dinâmico por evolução, não se podendo nunca considerar uma nova fase desse processo contínuo e de transformação (Metamorfose), apenas por tradição e desconforto (habituados à repetição), um caminho para a nossa perdição, para o Aquecimento Global, para as Alterações Climáticas, para o Fim-do-Mundo, quando o que apenas observamos é Movimento, Evolução, Vida e sua adaptação: talvez por cá sendo o fim do território ocupado e tal como sempre este se apresentou, se ofereceu e o conhecemos (montando nele o nosso Lar) ─ por exemplo sendo submergido pela elevação progressiva do nível médio da água do mar, devido ao Degelo nos Polos (provavelmente como já aconteceu por diversas vezes na História Geológica da Terra) ─ mas em contrapartida e no cumprimento do efeito ação/reação, aparecendo um outro renovado território pronto a ser disponibilizado/usufruído (noutro espaço, noutro tempo) noutras coordenadas agora dedicadas e reservadas (à manutenção do Ecossistema e à persistência do Homem). Com a Geologia Terrestre sendo um Organismo Vivo.

“Seismicity and soil deformation indicate the presence of magma

under Goma and Lake Kivu - Nyiragongo, DR Congo.”

(Teo Blašković/watchers.news/27.05)

snapshot2.jpg

Provocando de novo o caos nesta região vulcânica do Congo (com vários vulcões por perto), c/ a lava a avançar agora p/ Goma, atingindo diversas localidades/habitações/explorações no seu caminho (provocando vítimas mortais) e só parando nas imediações de Goma.

 

De um lado tendo-se a Itália (Europa) do outro a R. D. Congo (África) e entre eles tendo em comum, a presença de fenómenos sismológicos e ainda de intenso vulcanismo, em duas envolvências distintas (Hemisfério Norte Vs. Hemisfério Sul, 1º Mundo Vs. 3º Mundo, Ricos Vs. Pobres) e com consequências não coincidentes (de “cargas” contrárias): no continente europeu com os italianos postos perante mais uma erupção do ativo, siciliano e em constante atividade vulcão ETNA, presenciando ao vivo (especialmente à noite) a um extraordinário espetáculo de cores, de sons e de luzes, proporcionadas pelas explosões (sucessivas), pelas cinzas atmosféricas (projetadas) e pela lava vermelha e incandescente (descendo pelas suas encostas), num cenário pacífico por sem consequências e originando mesmo visitas turísticas propositadas ao local, para observação esta poderosa manifestação da Natureza; já no caso do ocorrido e ainda em curso no continente africano, mais propriamente na R. D. Congo e nas proximidades da cidade de Goma (vizinhanças da fronteira com o Ruanda) ─ urbe de perto de 700.000 habitantes residindo nas proximidades do vulcão Nyiragongo ─ envolvendo um vulcão muito mais agressivo podendo expor comunidades localizadas por perto ou no seu caminho (ao alcance das projeções aéreas de material e ao avanço terrestre das lavas incandescentes) proporcionando (ao contrário do caso anterior) um espetáculo não para assistir (usufruir/interiorizar), mas aqui e como último aviso para fugir, com “a conversa a já ser outra” (envolvendo não o prazer, mas a sobrevivência).

snapshot4.jpg

Suspensos os aí residentes pelo que lhes reservará a seguir o vulcão ─ sabendo-se parte da cidade estrar assente sobre uma caldeira de magma ─ podendo subitamente manifestar-se, impactando sobre a região e estendendo os seus efeitos no interior do Ruanda.

 

No passado dia 22 de maio (e já com avisos anteriores, com a sucessão de sismos) com o vulcão de Nyiragongo um dos mais ativos e violentos da região a entrar em erupção, registando-se no mesmo diversas explosões ejetando material vulcânico (e cinzas) para a atmosfera e dando origem a partir das suas vertentes a vários rios de lava vermelha/incandescente: inicialmente não se dirigindo para Goma, mas devido ao aparecimento de novas fraturas direcionando-se para a mesma cidade, apanhando outras localidade menores pelo caminho, levando à evacuação forçada de Goma, mas à portas da mesma, com o avanço da muralha de lavas a parar. No entanto e passada já uma semana e com muita da população já tendo regressado a casa (sustido o avanço da lava, mas mantendo-se as erupções/sismos), mantendo-se o alerta em toda a região dada a sismicidade persistente, assim como a deformação contínua verificada no terreno: de um momento para o outro podendo registar-se de novo uma grande erupção, colocando em perigo extremo tudo e todos, sabendo-se adicionalmente sobre este vulcão/esta região/esta cidade, que toda a zona subterrânea localizada sob a cidade e o lago situado próximo assenta sobre uma grande extensão (uma caldeira) de magma.

(imagens: watchers.news ─ France 24)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:49

Vermelho de Sangue, Vermelho de Fogo

Domingo, 23.05.21

Ontem dia 22 de maio pelo fim da tarde com os habitantes da cidade de GOMA localizada na R. D. CONGO ─ uns 670.000 ─ a serem surpreendidos pela violenta erupção do vulcão do MONTE NYIRAGONGO (tornando a cor do céu avermelhada) situado nas proximidades: face ao fenómeno extremo e ficando aterrorizados, com os habitantes da cidade a fugirem em massa, com medo de poderem ser atingidos. Não se confirmando, no entanto (e para já) a cidade estar no “caminho do vulcão”, seja através da projeção de material (cinzas, pedras) ou de lava vulcânica (escorrendo pelas suas vertentes e podendo dirigir-se para GOMA), seguindo em sentido que não o da cidade (mas do país vizinho, o Ruanda).

E2A7ri6WEAE9lAC.jpg

Tranquilizando um pouco mais os aí residentes, não constituindo o vulcão NYIRAGONGO uma ameaça direta e imediata (apesar de ser um dos mais ativos dessa região, existindo dois próximos) para nenhum centro populacional (maior/menor) existindo por perto. Entrando em erupção este sábado e lançando plumas de gases para a atmosfera, escurecendo-o e dando uma tonalidade de cor vermelha (de Inferno ambiental) ao céu, sobre GOMA e toda a região envolvente (congolesa) do centro/este de África. Com as autoridades a acompanharem a evolução da situação, pedindo calma à população para já e segundo estes estando fora de perigo (sem informação em contrário, até podendo regressar a suas casas).

E2AqIA6WUAMcPLz.jpg

Relembrando, no entanto, o que sucedeu numa situação aparentemente semelhante ocorrida em 2002 no mesmo vulcão (de 2 vulcões ativos e próximos), dando-se a erupção do vulcão do MONTE NYIRAGONGO, para de seguida a lava libertada pelo mesmo escorrer pelas suas vertentes, atingindo a base e dirigindo-se finalmente à localidade de GOMA: vitimando mortalmente 250 pessoas e transformando 120.000 em “sem-abrigo”. Um vulcão “poderoso” face ao seu vizinho e “dócil” NYAMURAGIRA (de 3470m de altitude), mais parecido com outros dois vulcões (um situado mais a norte, o outro mais a sul) igualmente do tipo estratovulcão como o são os vulcões BARUTA e SHAHERU.

(imagens: Roni Korotkov/@KorotkovRoni ─

INFURAYACU@infuraluc01 ─ twitter.com/watchers.news)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 13:41

O vulcão LOKI PATERA da lua de Júpiter IO

Quinta-feira, 19.09.19

“Vulcão Prestes A Entrar Em Erupção”

 

A próxima grande erupção a ocorrer no Sistema Solar

Não será na TERRA, mas em IO

 

volcano-Loki-Io-Jupiter-voyager1-e1568747773685.jp

Imagem da lua de Júpiter IO, podendo-se observar espalhadas pela sua superfície grandes planícies apresentando caldeiras vulcânicas e lava líquida, fluindo das mesmas – no seu canto inferior/direito surgindo o lago de lava de LOKI PATERA em forma de U, com mais de 200Km de diâmetro e no presente ativo

 

Com a maior depressão vulcânica da lua de Júpiter IO a estar localizada em LOKI PATERA, uma cratera (do vulcão mais ativo e poderoso de todo o Sistema Solar) com mais de 200Km de diâmetro e contendo um “lago de lava ativo”. E com os primeiros registos deste tipo de atividade geológica a reportarem-se a 1979. E pelos vistos (segundo os cientistas observando e estudando esta lua vulcânica e ativa) sendo eventos periódicos. Tendo sido registado o último em Maio de 2018.

 

Enquanto se espera que a próxima grande erupção vulcânica se dê provavelmente na região mais geologicamente ativa da Terra (em sismos e em erupções) ou seja no Círculo de Fogo do Pacífico, os cientistas vêm-nos agora informar da eminente ocorrência de uma grande erupção vulcânica (submarina ou à superfície) não na Terra, mas num dos “Maiores Infernos do Sistema Solar” a lua de Júpiter IO: ao contrário das outras três Luas de Galileu (Calisto, Ganimedes e Titã) não sendo conhecida por poder possuir (no seu subsolo) depósitos de um líquido para nós tão precioso como a Água (ou não estivesse a Terra maioritariamente coberta de Água e não fosse o nosso corpo maioritariamente constituído pelo mesmo composto, H₂O), no seu caso (de IO a 4ª maior lua de Júpiter e de todo o Sistema Solar) sendo por sua vez caraterizada e conhecida como um “Mundo Vulcânico” extremamente violento (e jovem) e coberto por cerca de 400 vulcões (todos ativos) − transformando-a no corpo mais ativo de Mercúrio a Neptuno. Situando-se num dos lugares mais frios do Sistema Solar (dada a sua grande distância relativamente ao Sol) e no entanto, com as suas grandes erupções vulcânicas podendo atingir temperaturas na ordem dos 1700°C (mais elevadas dos que as temperaturas registadas no presente na Terra, talvez semelhantes às temperaturas registadas no seu período inicial).

 

“Io is heated by tidal interactions with Jupiter, which squeeze the moon and heat it up”

(Evan Gough/universetoday.com)

 

E segundo os especialistas com o Evento a estar previsto

Já para este mês de setembro, entre os dias 15/20

 

Thumb.jpg

Imagem no campo superior/esquerdo da lua de Júpiter IO, entrepondo-se entre a sonda automática Juno e o planeta Gigante Gasoso – no seu movimento em redor do planeta projetando neste a sua sombra e estando IO tão perto de Júpiter, bloqueando totalmente o Sol − e daí o círculo de sombra completamente negro, sem zona de penumbra

 

Desde 2002 chegando-se à conclusão e confirmação desse fenómeno geológico e regular (periódico) em curso nas proximidades de Júpiter (localizado entre 588/968 milhões de Km da Terra) – neste caso na lua IO – feitos e revistos os cálculos chegando-se a um período de duração (entre erupções mais violentas) de cerca de 500 dias. E em função da última erupção registada, prevendo-se a seguinte para os próximos dias (em princípio até 20 de setembro ou por aí) − só se tendo que fazer as contas desde 05.2018.

 

Com as Luas de Galileu orbitando o Gigante Gasoso e maior planeta do Sistema Solar (só suplantado pela sua estrela de referência o Sol) – JÚPITER para além do Rei-Sol o magnífico e poderoso Farol e uma das nossas últimas Muralhas Defensivas (protegendo a Terra e a Vida, em exclusivo nela existente) – podendo num “Cenário Futuro (a médio-prazo, num período mínimo de uns 50 anos, talvez só no decorrer do próximo século) transformar-se numa das principais bases de implantação de colónias terrestres num outro mundo (que não a Terra, extraterrestres/alienígenas), no caso de trio Calisto/Ganimedes/Titã dadas as suas potências reservas de Água e já no caso de IO e dada a sua intensa atividade vulcânica (fazendo-nos recordar a Terra, no seu início Geológico) podendo no decurso desse processo criar as condições básicas e essenciais para o aparecimento de Vida (seja sob que forma for): desde que a curto-prazo (digamos que entre 2020/30) e tal como prometido antes (com a Apollo 11 tocando a Lua há 50 anos) − aí negativamente não se cumprindo e desistindo (abandonando-se o Programa Apollo há 47 anos) − prometendo-se depois e agora, nova mas efetivamente (desde o início desta 2ª década do séc. XXI) − e então se aplicando e concretizando − a instalação dos Entrepostos Intermédios tanto na Lua como em Marte.

 

(imagens: NASA − swri.edu)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:16

O Vulcão Popocatepetl a 27 de Março

Segunda-feira, 01.04.19

Imagens da última erupção registada no passado dia 27 de Março (quarta-feira) no vulcão mexicano POPOCATEPETL, num fenómeno geológico desde há alguns dias esperado, dado o crescente acumular de sinais do aumento da sua atividade (do vulcão) e do perigo iminente de explosões e de erupções (do mesmo):

 

PP.jpg

O vulcão mexicano Popocatepetl em erupção

(a cerca de 70Km da capital do México e a 1200Km de San Antonio/EUA)

 

Expetativas confirmadas pelas 01:23 UTC do dia 27 com o vulcão aparentemente ainda pouco ativo a iniciar um novo processo (violento) de expulsão de materiais incandescentes (magma), seguido de uma violenta erupção ejetando para a atmosfera cinzas vulcânicas ultrapassando os 8Km de altitude.

 

Com os efeitos mais nocivos desta erupção a estenderem-se por uns 2Km (a partir da cratera), deixando as encostas do vulcão Popocatepetl (e zonas adjacentes) a arder – e obrigando as autoridades mexicanas a subirem o nível de Alerta (indo de 0 até 5) de 2 para 3.

 

v1.jpg

Vulcão Popocatepetl

(segundos antes do início da erupção de 27.03)

 

Seguindo-se novas explosões e erupções no referido vulcão com a mais significativa a ocorrer (posteriormente) dois dias depois (dia 29 pelas 01:48 UTC) e lançando cinzas até 2Km de altitude.

 

No caso deste país da América do Norte − o México − fazendo fronteira com os EUA (localizado mais a norte) − e com o SUPER VULCÃO DE YELLOWSTONE (localizado no Parque Nacional norte-americano com o mesmo nome) – e com 42 vulcões identificados, no presente com o Popocatepetl a ser o protagonista (entre esta nova tribo de Ali Babá) mantendo-se num nível médio (assinalável) de atividade vulcânica.

 

v3.jpg

Vulcão Popocatepetl

(início da erupção de 27.03)

 

Vulcões Mexicanos integrando o Círculo de Fogo do Pacífico e fazendo parte da placa tectónica continental da América do Norte, no seu movimento convergente (refletido na deslocação da crosta terrestre acima ou abaixo do nível da água do mar) subduzindo (provocando o afundar da placa mais pesada) além do oceano a Placa de Cocos (placa tectónica oceânica localizada no oceano Pacífico, à oeste da América Central/wikipedia.org).

 

E com as últimas notícias referindo-se a este vulcão mexicano integrando a região geologicamente mais ativa do Globo Terrestre − onde (certamente) o Futuro da Terra se decidirá (pelo menos internamente) e onde se situa o território dos EUA – a informarem-nos que (através de volcanicdiscovery.com)

 

v4.jpg

Vulcão Popocatepetl

(segundos passados sobre o início da erupção de 27.03)

 

Popocatépetl Volcano Volcanic Ash Advisory:

REMNANT VA FROM ARND 30/0845Z ERUPTION. to 6,7Km

(Mar 30, 2019 18:00 PM)

 

Explosive activity continues. Volcanic Ash Advisory Center (VAAC) Washington warned about a volcanic ash plume that rose up to estimated 22000 ft (6700 m) altitude or flight level 220.”

 

v5.jpg

Cratera do vulcão Popocatepetl antes da última erupção

(vista aérea 1)

 

Deixando no ar alguma preocupação (para além da provocada pelas cinzas) sobre a evolução de mais esta crise vulcanológica, num ponto limite de uma das suas possíveis alternativas de desenvolvimento (caso não voltasse a acalmar-se) podendo dar origem a uma erupção pliniana (de intensidade/explosividade extrema) a mais violenta das manifestações deste tipo:

 

Entre outras consequências dramáticas (para o Homem e para a Sociedade que o alimenta) destacando-se (uma entre tantas) as que seriam provocadas pelas ondas de choque e de impacto atirando material vulcânico a vários Km de distância − levadas até ás últimas consequências, se em virtude da uma ainda mais intensa explosão/erupção, a mesma levasse à destruição parcial do vulcão (por exemplo das encostas).

 

v8.jpg

Cratera do vulcão Popocatepetl antes da última erupção

(vista aérea 2)

 

“Authorities in Mexico warned people to avoid the area around the Popocatepetl volcano after eruptions sent ash and smoke into the air and sparked fires in nearby fields.”

(ABC News/@ABC/twitter.com/29.03.2019)

 

Como se vê uma preocupação para os norte-americanos sobretudo os residentes no sul do país e particularmente no estado do Texas, obviamente provocada pela proximidade deste assinalável evento geológico (em curso) − cerca de 1200Km de distância entre o vulcão e a cidade texana de San Antonio – em princípio não provocando  no presente/futuro danos/vítimas indiretas mas podendo provocar alguns transtornos, como no trânsito aéreo e no fluxo turístico EUA Cidade do México (devido à proliferação no ar de cinzas vulcânicas).

 

E para a Maldição de TRUMP

depois dos ALIENS só mesmo as CINZAS!

(vista a origem de ambos, talvez justificando algum tipo de Muro)

 

(imagens: 1/4/5/6 - watchers.news e 2/3 - webcamsdemexico/youtube.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 01:37