Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


China ─ A Caminho de Ser a Maior Potência Espacial

Quarta-feira, 20.10.21

Na Terra como no Espaço,

com a China a querer liderar.

(e só existindo três superpotências)

ChineseTaikonautsShenzhou13.jpg

Astronautas chineses

 

Depois da colocação em órbita (da Terra) da sua própria Estação Espacial (o seu 1º módulo/módulo central), depois do recente envio de 3 astronautas (chineses) para uma permanência de 6 meses em órbita (o anterior tendo sido 3 e fazendo concorrência à ISS), eis que no sentido contrário ao que lhe tinham feito anteriormente (tendo-lhe sido recusado o acesso à ISS, por questões de segurança),

ChinaSpaceStation.jpg

Estação Espacial Chinesa

 

A China oferece à Humanidade a partilha da sua Estação Espacial (utilizando-a em cooperação, como um laboratório espacial). Mais uma vez adiantando-se aos EUA (tendo ainda que partilhar a velhinha ISS, com a Rússia) e lançando-se decisivamente no caminho da Conquista e Supremacia no Espaço (ultrapassando tal como pretende na Terra, os EUA). Optando diplomaticamente pelo diálogo e não pelo confronto.

(imagens: Xinhua press e CMSE/room.eu.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:01

Multimilionários do Mundo ─ Espaço e Espetáculo

Segunda-feira, 11.10.21

Depois de uma pioneira na Conquista do Espaço ─ Wally Funk, um dos melhores astronautas da NASA, mas nunca ultrapassando a fronteira (Linha de Kármán) ─ a vez de um dos pioneiros na sua antecipação (e premonição) ─ William Shatner, o comandante da Nave Interestelar USS Entreprise, James T. Kirk ─ cumprir o seu destino.

SHjtaWRbJxovkWUq2btKh9-970-80.jpg

Jeff Bezos

(à esquerda)

 

Ao contrário do DEEP STATE (Estado Profundo) dominando incognitamente o poder (ao qual associamos logo, o poderoso Complexo Industrial-Militar) utilizando Corporações privadas ditas de interesse público (para se esconder) ─ sem ninguém individualmente a quem apontar o dedo ─ e servindo-se sem limites de dinheiros públicos (atuando sempre em parceria), com alguns dos seus mais famosos subcontratados (todos civis, originários da classe média) necessitando de propaganda adicional para justificarem a sua própria existência e sobretudo predominância (no Mercado), sem vergonha (ou algum tipo de sentimento de culpa) a assumirem a sua extrema fortuna (para a maioria dos quase 8 biliões de terrestres sendo no mínimo chocante, senão criminosa), depois de subsidiados pelo Estado para substituírem a NASA (nos grandes projetos aeroespaciais), investindo nos seus primeiros projetos em viagens turísticas e publicitárias, para tal aproveitando agora o filão do Espaço e convidando amigos, de preferência estrelas (do Mundo do Espetáculo).

9PzNPzAEcMpS3A4JGzmVkM-970-80.jpg

James T. Kirk

(à direita)

 

Neste último episódio a ser concretizado inicialmente amanhã mas adiado (devido às condições meteorológicas) para a próxima quarta-feira (dia 13 de outubro), com o multimilionário norte-americano Jeff Bezos a enviar pela segunda vez para o Espaço ─ com tripulação a bordo  ─ a sua nave Blue Origin, numa viagem de alguns minutos e em piloto automático (sem necessidade de intervenção dos tripulantes) ultrapassando por segundos a fronteira separando a Terra do Espaço (a Linha de Kármán, 100Km acima do nível médio da água do mar) e regressando posteriormente à Terra (aterrando na sua superfície). Tendo a particularidade de um dos ocupantes desta nova e próxima viagem da Terra até ao Espaço (numa prenda oferecida pelo multimilionário, nunca abaixo dos 500.000 de dólares) ser alguém que na sua e na nossa imaginação já andou por lá e muito mais além ─ há muitos e muitos anos atrás ─ apesar de presencial e efetivamente nunca lá ter estado (esse um dos poderes fabulosos, da nossa imaginação): em Star Trek o capitão da USS Enterprise o almirante James Tiberius Kirk (na realidade William Shatner, agora com 90 anos).

dtHnTVCLvEmuQ4tqGc5KBf-970-80.jpg

USS Enterprise

(ao centro)

 

Algo de melhor só mesmo com outro multimilionário o igualmente norte-americano Elon Musk (pior só com a Virgin Galactic ─ do inglês Richard Branson ─ o seu avião/vaivém nem sequer atingindo os 100Km de altitude), com o seu foguetão Falcon 9 e com a sua nave Dragon ─ produtos da sua empresa aeroespacial SpaceX ─ sendo capaz (caso o quisesse) de levar o almirante James Tiberius Kirk até às instalações da ISS (a uns 400Km de distância da Terra). Demonstrando como são grandes os EUA (e a sua iniciativa privada), não sendo os outros (aliados ou inimigos) capaz disso.

(imagens: Blue Origin/space.com/Paramount Pictures/National Air and Space Museum)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:57

Mega Nave Espacial Chinesa (com mais de 1Km)

Quinta-feira, 02.09.21

"It's kind of like us talking about building the Starship Enterprise. It's fantastical, not feasible, and fun to think about, but not very realistic for our level of technology. Given the cost.” (Michael Lembeck/professor de engenharia aeroespacial/2021/EUA)

AKbyqTKUkicsYGx3xwe3HA-970-80.jpg

A Lei da Vida e da Evolução

Se não forem os norte-americanos, que sejam os chineses. Sendo tecnicamente possível no futuro apesar de não o ser ainda no presente e com esta ideia a ser já do passado e o seu projeto, a continuidade garantida da nossa viagem.

 

Observando-se claramente todos os dias e cada vez mais intensamente (num processo irreversível) os fenómenos económicos e financeiros apontando para a queda a curto-prazo do Império Norte-Americano (sediado em Washington) ─ de que TRUMP/BIDEN e o AFEGANISTÃO são apenas pormenores (a ponta visível de um enorme icebergue) ─ e simultaneamente tendo-se uma noção cada vez mais nítida da deslocação progressiva, acelerada e direcionada, do Eixo do Poder Global de ocidente para oriente (ou seja, deslocando-se longitudinalmente de Washington para Pequim), abrindo-se definitivamente as portas à chegada do novo vencedor o Império Asiático liderado pela China, apoiado na sua retaguarda por uma das outras grandes potências Mundiais igualmente em ascensão e sua aliada a Rússia.

E se no nosso planeta o ataque final do Bloco China/Rússia e face à autodestruição e suicídio norte-americano, bastando manter-se passivo ─ continuando apenas e o mais pacificamente possível com os seus negócios, deixando para os outros os custos brutais das guerras e das mortes ─ para definitivamente se sobrepor (com o dólar, um mero papel impresso cada vez com menor correspondência, a ser substituído por uma verdadeira moeda de troca como o é o ouro), olhando para Espaço exterior rodeando a Terra verificando-se igualmente como a China já assume a liderança aeroespacial global, secundada pela Rússia ─ com os EUA paralisados, dadas as opções prioritárias dos privados (desinvestindo-se na NASA e subsidiando-se os delírios dos multimilionários).

ADG3Zs5ae5gZxC7gdkwdJF-970-80.jpeg

Atingindo a velocidade da luz

Depois de ultrapassada a barreira do som e certamente a caminho de ultrapassar a velocidade da luz, abrindo-se novas portas para a Conquita do Espaço e para uma mais ampla visão e conhecimento deste Universo que partilhamos.

 

Quanto à futura maior potência terrestre e líder Global, com a China depois da Lua e de Marte (com as suas Sondas e Rovers) e do lançamento da sua nova (e própria) Estação Espacial ─ com a ISS cada vez mais próxima da sua descontinuidade, colocando-se brevemente OUT OF ORDER ─ a lançar desde já o seu próximo e grande desafio (e objetivo), o da construção de uma “grande nave espacial”, enorme como nunca visto e com cerca de 1,6Km (mais de 1000 metros):

China wants to build a mega spaceship that’s nearly a mile long.”

(Edd Gent/livescience.com)

Depois do exemplo da Estação Espacial Internacional (ISS) com os seus módulos sucessivamente acoplados ao longo de mais de 20 anos (lançada em 1998) atingindo dimensões de mais de 70 metros e mais de 100 metros (largura/comprimento) ─ e depois do início da construção e montagem da sua nova Estação Espacial ─ com a China a abordar a hipótese da possível construção e montagem de uma outra estação ou mesmo nave com uma dimensão 10X maior (que a ISS, o maior satélite artificial terrestre), possibilitando-lhe outras alternativas mais prometedoras e eficazes na exploração e conquista do Espaço, como a da construção de uma nave interplanetária autossuficiente capaz de transportar o Homem em longas viagens através do Espaço, do nosso Sistema (Solar) e até introduzindo-nos (ultrapassada a fronteira virtual do “Domínio do Sol”) nas viagens Interestelares.

(imagens: Shutterstock/livescience.com/Adrian Mann)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:37

Lotaria Solar ─ O Outro Planeta

Quarta-feira, 01.09.21

Numa 1ª fase (das Viagens Espaciais) teremos que nos limitar ao melhoramento progressivo talvez mesmo revolucionário dos métodos e teorias convencionais (deixando a velocidade do som como referência e tentando ao máximo aproximarmo-nos da velocidade da luz), mas se quisermos dar o verdadeiro salto passando à 2ª e decisiva fase, teremos que inventar uma nova forma de propulsão com um veículo a ela adaptado transportando-nos de um ponto para o outro, instantaneamente por sobreposição (holográfica).

planet9.jpg

O Nono Planeta do Sistema Solar

Andando por aí no Sistema Solar

faltando apenas encontrá-lo

 

Limitados na nossa existência por um estreito território estendendo-se por muitos milhares de quilómetros e em todas as direções, em redor de todo este objeto mais ou menos esférico e dotado de atmosfera, ao qual chamamos Terra ─ e com a nossa derradeira aventura tendo sido a Conquista dos Oceanos, já la vai mais de meio milénio ─ sendo expetável que com o decorrer do tempo e com a diminuição crescente do espaço (excesso demográfico), a nossa sensação crescente de claustrofobia se acentue e nos leve cada vez mais (com níveis de ansiedade crescente) a olhar mais para além: interiorizando-se cada vez mais (por observação, experiência, constatação) que nada sendo eterno desde o nosso lar até à nossa terra, um dia mais cedo ou mais tarde mas certamente no momento pensado e mais oportuno, teremos que abandonar essas nossas referências de origem (como a Terra) e partir, se quisermos persistir e sobreviver, como animal nómada  que somos, em que movimento (envolvendo matéria e energia) é sinónimo de Vida (podendo mesmo existir uma ligação, entre Alma e Eletromagnetismo).

Perdidos e sufocados pelas chamas vermelhas de sangue deste Inferno terrestre, manobrado na sua apresentação e tradução através da utilização persistente de uma versão pretensamente soft, mas literalmente de pesadelo mental acéfalo (por corte) e climatizado (para não se decompor logo) ─ que eles designam como uma espécie de percurso de passagem para um outro mundo, dos crentes, de todos, dos pobres-de-espirito, talvez um Purgatório ─ olhando por vezes para o Céu, para a Lua, para qualquer coisa, mesmo que não se veja, podendo no entanto e inesperadamente ocorrer. Saltando-se do interior deste ecossistema terrestre e ultrapassada rapidamente a ISS (a uns míseros 400Km de altitude), mergulhando-se nas profundezas da escuridão do Sistema Solar, deparando-nos com a Lua e aí mentalmente estupefactos, paralisados por segundos então “transformados num flash de quase meio século” (1970 a 2020), vendo-nos como há 50 anos atrás com a chegada do Homem a um mundo distando a pouco mais de 380 mil km de distância.

orbits-580x326.jpg

Órbita provável do Planeta 9

Um KBO c/ massa 5X a da Terra

no mínimo 10X mais distante que Neptuno

 

Em 2021 sem mais um quilómetro a mais percorrido pelo Homem em naves espaciais tripuladas, com uma das potências Mundiais de referência certamente a maior ─ os EUA ─ a desinvestirem completamente na sua Agência Espacial Governamental a NASA deixando para esta e apenas a investigação teórica (a parte ai importante, mas sem retorno comercial imediato) e as “sondas automáticas”, desviando a grande fatia das verbas para as novas Agências Aeroespaciais privadas como a SpaceX, a Blue Origin ou a Virgin Galactic, com o futuro da Humanidade a ficar ainda mais negro um pouco mais ameaçado, abandonando-se de novo a Exploração e a Conquista do Espaço (um dia teremos que forçosamente abandonar a Terra) e optando-se pela versão imediata, lucrativa, comercial, mais dirigida não à cura de algo/alguém mas à manutenção do vício de um drogado ou pré-condenado.

[Restando-nos então para a construção da “Arca” resistindo ao próximo “Dilúvio”, a Rússia e a Imperial China, o Hemisfério Norte Oriental ─ e com a América já em declínio (a Europa lutando desesperadamente por existir), mas talvez ainda bem presente (como o “entertainer”, que sempre foi) nalguma área do seu interesse.]

summerian-annunaki.jpg

Os Annunaki e a Civilização Suméria

Aqueles de sangue real descendentes dos Nefilim

seres não sendo deste Mundo

 

E depois de despromovido Plutão (de planeta principal passando a planeta-anão) já para além da Nuvem de Oort (a umas 100.000UA), por vezes falando-se de um outro planeta podendo ainda ser nosso irmão ou seja do nosso planeta Terra ─ o tal Planeta X, Décimo Planeta ou Planeta 9 ─ mas circulando mesmo tendo o Sol como referência, muito mas mesmo muito longe de nós talvez nunca visto (mas por cálculos “existindo”): mas como todos tendo o seu afélio e periélio e um dia talvez como já no passado podendo ser visto por cá passando perto do Sol passando perto da Terra (lembrando-me aí do Planeta X e dos Annunaki).

Até podendo já existir e ser mais um corpo integrando inicialmente a Nuvem de Oort (fonte de asteroides e de cometas, última fronteira do nosso Sistema Solar). Querendo sobreviver (o Homem) tendo-se de ultrapassar esse limite, imitando as sondas automáticas Pioneer e Voyager e os objetos extrassolares e interestelares Oumuamua e 2I Borisov, mas agora presencialmente. E se a Terra demora 1 ano a dar a volta completa ao Sol, Plutão pouco menos de 250 anos, quanto não demorará um objeto integrando os limites da Nuvem de Oort ou mesmo ultrapassando-a (milhares e milhares de anos, uma enormidade).

(imagens: universetoday.com ─ annunaki.org)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 14:25

Projeto Galileu

Terça-feira, 27.07.21

[Na busca de tecnologia espacial avançada, oriunda de Civilizações Interestelares.]

“Harvard-led team to search cosmos for extraterrestrial space tech and UFOs.

They will look for evidence of technologies crafted by intelligent alien civilizations.”

(Mindy Weisberger/livescience.com)

PmPQTFMh6sAxsNb2Z4c7JY.jpg

UAP

 

Aproveitando alguma da indiferença que grassa pelo Mundo ─ agora que estamos mergulhados (há 17 meses) nesta Pandemia Covid-19 ─ recolhendo os serviços (ou “desperdícios”) relevantes proporcionados pela recente divulgação do relatório do Pentágono sobre UAP’S ─ uma forma mais Soft de dizer UFO’S ─ e utilizando o nosso cansaço (crescente/sufocante) sobre temas envolvendo o que se passa na Terra (ainda-por-cima muitos deles sendo irrelevantes) para desviar a nossa atenção para o exterior ─ ou seja para o ESPAÇO exterior ─ eis que como uma oferta ou benesse (dado os militares nada nos terem fornecido de novo, através das suas agências de segurança como o Pentágono), o setor civil da sociedade norte-americana se oferece (voluntaria) para a busca de “tecnologia alienígena”, “UAP’S” e logicamente (como consequência óbvia) Extraterrestres.

iWvhPPnPxqjWVtEap3CgGV-970-80.jpeg

IA

 

Com uma equipa de investigadores da universidade norte-americana de HARVARD (localizada na cidade de Cambridge, estado de Massachusetts) liderados pelo cientista e investigador AVI LOEB (Departamento de Astronomia), através do lançamento do “Projeto GALILLEU” indo investigar através dos diferentes tipos de observações tendo o COSMOS como tema de estudo, a possibilidade de se poder encontrar através de certas manifestações exteriores e vistas à distância, a existência de tecnologias e civilizações mais avançadas do que a nossa (a Terrestre): e sendo mais avançados cientifico-tecnologicamente e até mentalmente (espiritualmente) ─ do que a nossa Civilização Humana e Terrestre ─ podendo viajar até cá mesmo que oriundos de estrelas distantes (que não a nossa, o SOL), presencialmente (vindo cá “em pessoa”) ou de forma indireta (enviando uma sonda ou servindo-se de algo de diferente).

grV9DhZ2DUhJrdC7AEm3S9-970-80.jpg

Oumuamua

 

E entre os objetivos deste projeto (utilizando algoritmos e Inteligência Artificial) virado para a existência de outros seres vivos e de outras civilizações para além da nossa e existindo, tendo de se concretizar no Espaço exterior à mesma, ou seja no COSMOS que nos rodeia e do qual fazemos parte (como diria Carl Sagan o tal pequenino “Ponto Azul” meio-perdido na escuridão e imensidão do Espaço) ─ fazendo lembrar um pouco o projeto SETI ─ estando a identificação de potenciais viajantes INTERESTELARES (como OUMUAMUA), sondas artificiais alienígenas (ou satélites observando a Terra) e já agora UAP’S (e seus utilizadores). E sendo utilizado um método científico no fim com tudo tendo que ser validado (rigorosamente): esperando-se que na derradeira peneira (científica, repetida) ainda passe alguma coisa ─ como a confirmação de vestígios/sinais de uma possível Civilização Extraterrestre, observando-nos e agora sendo igualmente observada (sendo bidirecional, existindo justificação para o contacto).

(imagens: Shutterstock ─ Michal Bednarek/Shutterstock ─ M. Kornmesser/ESO)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:30

A Conquista do Espaço e o Trilho-Comercial-Privado

Segunda-feira, 26.07.21

“Nos próximos anos mais depressa seremos atingidos por uma grande catástrofe natural podendo ter consequências extremas (como a que vivemos atualmente a nível biológico ou podendo ter efeitos piores)

─ Como por exemplo por uma grande tempestade solar ou por um grande terramoto ou erupção vulcânica

Do que colocarmos uma base na LUA, quanto mais em MARTE ─ e logo colonizando-o. Colonizando quem, e o quê? Mas se tal acontecer (apontem para quando no futuro, recuarem no tempo) só se forem chineses.”

63b104c9156e0b6be2f2baaedf1bcaac55b1335b_gettyimag

No início de 2019 com a China colocando o seu ROVER na LUA,

esperando brevemente colocar lá astronautas

 

Sejamos francos e olhemos em frente.

Desde que neste mês de julho de 2021, dois dos três maiores pretendentes privados a empresas aeroespaciais (VIRGIN GALACTIC e BLUE ORIGIN) ─ substituindo no que financeiramente interessa, a agência espacial e governamental a NASA deram o espetáculo que deram (escancarando ainda mais a porta ao outro pretendente, a SPACEX),

─ A empresa de Richard Branson nem sequer ultrapassando a fonteira (separando a Terra do Espaço) e a empresa de Jeff Bezos ultrapassando-a por uns míseros Km (100Km sendo a distância)

3060483-poster-p-1-rivals-spacex-vs-blue-origin.jp

Musk (SPACEX) e J. Bezos (BLUE ORIGIN) já no ano de 2016,

sendo considerados os grandes rivais na futura Corrida ao Espaço

 

Confirmando mais uma vez tais projetos serem essencialmente a concretização de um objetivo pessoal (pelo menos nestes dois casos), não deixando, no entanto, por tal motivo, de ser simultaneamente-eminentemente comercial, que todas as pessoas com dois olhos na cara (vendo minimamente) e alguma coisa dentro da cabeça (um cérebro), concluirão rapidamente,

─ Tendo ouvido falar da Conquista do Espaço e (por associação) conhecimento da Conquista dos Oceanos ─

Que entregue nos EUA a exploração do Espaço à iniciativa Privada desviando para tal efeito verbas da NASA (antigamente à mesma sendo entregue, como financiamento da agência espacial),

space-debris-visualizing-the-risk-and-informing-st

Expandindo-se comercialmente a Exploração Espacial Privada,

um dos problemas (grave, tal como na Terra) sendo a poluição/lixo espacial

 

A mesma (NASA) tal como a conhecemos ACABOU, devido à introdução preferencial da lei dos mercados, optando-se pelo imediato e não em projetos pensados de médio/longo prazo:

Confirmando-se para os próximos anos e no que diz respeito à maior potência espacial atual os EUA ─ tendo colocado Homens na Lua, construído uma Estação Espacial, enviado naves não tripuladas, veículos motorizados, helicópteros e outros instrumentos terrestres para outros Mundos e apetrechado de novos conhecimentos, vários ramos científicos e tecnológicos, muitos deles revolucionários ─

nasa-exploration-campaign-timeline.jpg

Planos da campanha de exploração espacial da NASA (2018/26),

sugerindo até 2030 o regresso do Homem à Lua

 

A entrega da maior fatia de financiamento (dinheiro vivo investido) à iniciativa privada, sendo atribuído o restante ─ a investigação científica e tecnológica e as missões mais pequenas e mais limitadas, às sondas automáticas não tripuladas (e respetivos aparelhos motorizados como os ROVERS) ─ à NASA.

De momento e bem destacado do ainda pequeno pelotão estando ELON MUSK, o seu foguetão FALCON9 e a sua nave DRAGÃO:

Já fazendo intercâmbio espacial acompanhando nessas missões os russos (os principais fornecedores de foguetões para as idas-vindas) entre a TERRA e a ISS.

mars-colony-would-be-a-hedge-against-world-war-iii

Sendo o objetivo de Elon Musk a concretização de um filme Sci-Fi,

ou a indisponível (para já), colonização de Marte antes de 2100

 

Por este caminho e dentro de uns anos com a Virgin Galactic (comandada pelo comandante BRANSON) a explorar o turismo orbital podendo dar uns saltos até à Lua ou concretizar outros cruzeiros por regiões próximas,

Por outro lado, com a Blue Origin e dada a concorrência do rival inglês ─ sendo não um avião, mas um foguetão (um veículo mais propício, recomendado e eficaz para mais longas viagens) ─ dedicando-se prioritariamente à viagem entre objetos, neste caso o mais curto, entre a Terra e a Lua, mais tarde podendo aí criar o seu 1º Entreposto (talvez a sua Bezolândia),

E finalmente com a SPACEX (pouco fazendo na realidade por isso, no curto-prazo) continuando a sonhar com uma base na LUA (aí em colaboração com a NASA, fornecendo-lhe a nave, talvez os módulos, o foguetão) mas sobretudo com o sonho que poderíamos atribuir a um louco ─ quando o Homem tendo tudo, não consegue viver na Terra ─ a “Colonização de Marte”.

(imagens: Getty Images/nasdaq.com ─ Tavis Coburn/fastcompany.com ─ themarketforideas.com ─ NASA/aip.org ─ lifeboat.com/blog)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:24

Linha de Kármán

Sábado, 24.07.21

[Aos 100Km de altitude, separando a Terra do Espaço Exterior.]

Para um total esclarecimento (numa colaboração de Jim Leftwich) das altitudes alcançadas pelo avião da VIRGIN GALACTIC e pelos foguetões da BLUE ORIGIN e da SPACEX ─ tendo como referência a “LINHA DE KÁRMÁN”, uma linha virtual separando a Terra do Espaço Exterior, localizada a 330.000 pés, 62 milhas ou 100Km acima do nível médio da água dos oceanos ─ eis as altitudes máximas alcançadas pelo avião do inglês R. BRANSON e pelos foguetões dos norte-americanos J. BEZOS e E. MUSK.

218329470_10158837226294017_8257082003428682089_n-

No 3º lugar e como previsto ficando o avião do inglês R. Branson ─ VIRGIN GALACTIC (uma “miniatura” dos Vaivém Espaciais) ─ atingindo os 282.000 pés de altitude, mas nem sequer alcançando a fronteira Terra/Espaço Exterior (nos 330.000 pés); no 2º lugar ficando o foguetão de J. Bezos ─ BLUE ORIGIN ─ atingindo no seu voo inaugural com passageiros os 351.210 pés, 21.210 pés já no interior da escuridão do Espaço; finalmente e em 1º lugar (a grande distância) até como fruto do seu trabalho já levado a cabo e estando muito mais adiantado (colaborando já com a NASA, levando e trazendo carga e tripulação, da ISS), ficando o já famoso foguetão de E. Musk ─ FALCON 9 da SPACE X ─ tendo já atingido os 1.341.120 pés, altitude a que se encontra a Estação Espacial Internacional.

(imagem: boingboing.net)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:11

O Homem-Foguetão Azul

Sexta-feira, 23.07.21

Uma imagem do maior multimilionário do mundo, natural de Albuquerque, estado do Novo México, EUA ─ JEFF BEZOS, 57 anos ─ um empresário de sucesso norte-americano com a sua fortuna avaliada em cerca de 200 biliões de dólares, mais conhecido por ser o presidente e CEO da AMAZON (empresa de comércio eletrónico) e o fundador da empresa BLUE ORIGIN (empresa aeroespacial).

snapshot 1.jpg

Neste pequeno vídeo de pouco mais de quatro minutos apresentando-se uma visão comparada daquilo que dele temos conhecimento (difundida pela imprensa do sistema, sendo igualmente a dele) e do que alguma parte do mundo sabe ou pensa dele (particularmente a parte mais interessada dos quase 8 biliões de seres humanos habitando este planeta, olhando para ele e não compreendendo como foi possível atingir o lugar que aquele homem alcançou).

sddefault.jpg

Segundo afirmação do próprio tendo retirado da sua fortuna pessoal (de cerca de 200 biliões) 5 biliões de dólares só para concretizar o seu sonho ─ de colocar uma nave espacial sua no Espaço sendo o próprio um dos seus ocupantes-astronauta ─ conseguindo concretizar tal objetivo (de Vida, de um multimilionário, não sabendo o que fazer ao dinheiro, sendo dono do mundo, mas nem tendo tempo para olhar para baixo) no passado dia 20 de julho num voo de cerca de 10 minutos e a bordo do seu foguetão BLUE ORIGIN, ultrapassando a fronteira atingindo o Espaço exterior e indo e voltando salvo e em segurança.

snapshot 2.jpg

Despendendo neste seu óbice apenas 2,5% da sua fortuna pessoal ─ os tais 5 biliões de dólares ─ reclamando obviamente para si (e sendo um gesto natural no sistema, impondo o seu lugar no topo da hierarquia) e entre os seus (ficando a publicidade/propaganda para o povo) reconhecimento pela sua ousadia e poder, mantendo-lhe as portas abertas para com o apoio do povo e o dinheiro proveniente do Estado, o seu caminho persista e mesmo se fortaleça: depois de ser reconhecido como o Homem Mais Rico do Mundo durante os últimos anos e sendo consecutivos, a concretização do seu sonho final, a reconstrução (a partir desta) de uma “Nova Terra” talvez só para ele (e para os seus empregados) e com milhares de naves BLUE ORIGIN conduzindo-nos e à restante Humanidade à Aventura, na procura nobre de Outros Mundos, “Outras Terras para o Povo” (como aquando da Conquista dos Oceanos), ficando o Rei Bezos por cá (pela sede) à espera (de noticias das suas futuras filiais).

Facts on SpaceX Vs Blue Origin.jpg

[Numa luta Espacial entre os dois maiores multimilionários do Mundo, de um lado tendo-se o nº 2 (Elon Musk/fortuna entre 150/200 biliões de dólares) e do outro o atual nº 1 (Jeff Bezos/fortuna de mais de 200 biliões de dólares): ambos (e respetivas empresas  privadas) sendo apoiados financeiramente pelo Estado norte-americano (o fator fulcral), desviando verbas anteriormente destinadas à NASA (a agência governamental) descontinuando-a nas áreas práticas fundamentais e deixando-lhe a parte teórica (a mais “custosa e não imediatamente lucrativa”) ─ restando-nos dizer (á NASA) RIP.]

(imagens: caitlinjohnstone.com/youtube.com e complexob7.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:12

A Conquista do Espaço: EUA, RÚSSIA ou CHINA?

Quarta-feira, 21.07.21

“Se o desinvestimento na NASA (deixando-a com o estudo da Terra e com algumas sondas automáticas) ─ por outro lado favorecendo face à componente científica, a parte comercial e para tal desviando verbas e chamando para as aplicar, os Privados ─ pode ser um indicativo do fim do Programa Espacial dos EUA, tal como sempre o conhecemos ─ sendo o seu único objetivo o Homem e o seu Futuro no Espaço ─ talvez estejamos a assistir a uma total reviravolta de expetativas espaciais de todo um planeta (com um século), com os norte-americanos a ficarem-se pela sua “Sociedade do Espetáculo” (com viagens turísticas e outros derivados mais ou menos radicais, como “prometerem-nos Marte” sem quererem passar pela Lua) e com os russos e chineses a tomarem definitivamente a dianteira: os chineses (com o seu ROVER) já fazendo companhia em Marte aos ROVERS dos EUA e (sabendo do final próximo de atividade na ISS) tendo já a sua própria estação espacial em atividade (lançado o módulo central, já estando ocupada por três astronautas chineses).”

297167main_apollo_11_946-710.jpg

NASA

Buzz Aldrin na Lua fotografado por Neil Armstrong

(1969, missão Apollo 11)

 

Vivendo a nossa vida, confinados a um único planeta e sabendo no nosso percurso, irmos divisar o que para além dele existe unicamente “à vista desarmada” (salvo as, sempre presentes e necessárias exceções) ─ tudo isto, graças à janela aberta diante de nós, proporcionada pelo Céu que nos envolve, encaixado numa moldura entre o palpável e o ali colocado, este último como que representando, o nosso futuro trilho de Vida a ser “percorrido e descoberto”

Sendo sempre com interesse e dado não se poder estar do lado de lá (do lado do Espaço exterior ao nosso planeta, para além dos limites exteriores da nossa última película de separação e proteção, a atmosfera), receber-se novas notícias vindas desse “Outro Mundo” começando logo ali ao lado ─ o ESPAÇO ─ lugar onde “por acaso” o Homem já anda há mais de 60 anos, desde que YURI GAGARIN (ainda no tempo da U.R.S.S) completou uma órbita em torno da Terra em 12 de abril de 1961.

hls-resized-2.jpg

SPACEX

Oferecendo os seus serviços à NASA

(propondo a sua nave espacial, para atingir a Lua)

 

Oito anos depois (1969) com o voo espacial tripulado APOLLO 11 ─ com os astronautas norte-americanos NEIL ARMSTRONG, MICHAEL COLLINS e BUZZ ALDRIN ─ a atingirem a Lua e a poisarem nela com o seu módulo lunar (com Neil e Buzz a bordo, ficando Michael no módulo orbital), alcançando aí o Homem e pela 1ª vez um “Mundo Alienígena”, tocando-o (NEIL com as suas botas): de uma viagem podendo-se dizer local (de alguns quilómetros, na altura um ato pioneiro), passando-se a uma viagem (num encadeado, esperando-se contínuo e sendo outro ato pioneiro) podendo ser considerada agora (evoluindo, subindo degraus a caminho do CÉU) o protótipo das “Viagens Interplanetárias”. Uma viagem ligando a Terra ao objeto localizado no Espaço e estando mais perto de nós (com os planetas mais próximos Vénus e Marte, distando de muitos milhões de Km), num percurso de ida-e-volta de vários dias e de no mínimo uns 770 mil Km (distância Terra/Lua de 384,4 mil Km).

snapshot.jpg

BLUE ORIGIN

Hoje fazendo o seu 1º voo com 4 tripulantes a bordo

(a 19 de julho 2021, um deles sendo Bezos)

 

Desse modo e depois de anos e anos de Exploração Espacial “governamental” com investimento único sendo “público” (do próprio Estado) ─ com as grandes potências espaciais de momento a serem (como as 3 grandes potências Globais) os EUA, a RUSSIA e a CHINAoferecendo todo o saber e conhecimento acumulado através da realização de estudos e de experiências levadas a cabo por milhares de Homens, ano após ano (sacrificando-se por um projeto em nome coletivo do seu país) trabalhando para o cumprimento desse objetivo pessoal/coletivo (nobre), surgindo como não poderia deixar de ser até porque o Mundo não é uma redoma (limitada, com o Homem no centro), a iniciativa Privada: para já apenas nos EUA, mas integrando um panorama global (comercial, de penetração e expansão) algo semelhante seja ele a Ocidente (EUA)  ou a Oriente (Rússia/China), com a fonte de financiamento principal e fulcral (o alicerce) a ser sempre a mesma, o Estado (e os financiamentos provenientes do mesmo, depois de protegidos/pelos primeiros e em minoria, surgindo os Privados) ─ seja no capitalismo Norte-Americano (empresa ditas “privadas”, mas financiadas pelo Estado) ou no capitalismo de estado Russo ou Chinês (empresas ditas “estatais” e financiadas pelo Estado).

snapshot 2.jpg

VIRGIN GALACTIC

Momento da sua largada com Richard Branson a bordo

(11 julho 2021)

 

Empresas Públicas, Empresas Privadas e Empresas Mistas, nunca podendo sobreviver sem o apoio do seu próprio Estado/País. E se podendo existir algo de semelhante do “outro lado” no Oriente (em qualquer local existindo sempre elites), não se tendo conhecimento de tal talvez por falta de interesse nosso (ou condicionamento), indiferença ou alguma invisibilidade (até pela distância física e nem sequer falando da parte psíquica/espiritual/mental (que como seres humanos que são, mesmo andando do outro lado de “pernas-para-o-ar”, também têm), existindo certamente do nosso lado Ocidental ─ ainda-por-cima sabendo-se fazer parte dele e logo na liderança (de tudo) os EUA ─ empresas há já há algum tempo em ação (trabalhando nos EUA): como a SPACEX (do milionário norte-americano Elon Musk/Tesla), a BLUE ORIGIN (do milionário norte-americano Jeff Bezos/Amazon) e a VIRGIN GALACTIC (do menos milionário por inglês Richard Branson/Virgin).

Nos EUA autoproclamando-se a maior potência Global (sendo-o na realidade, podendo destruir o nosso planeta Terra muitas mais vezes do que todos os outros juntos, não se indicando no entanto se sobrevivendo, quem colocariam a fazer o que eles não querem nem sabem fazer) ─ Militar, mas talvez já não o sendo a nível Económico e Financeiro (o Hemisfério Norte dividindo-se em duas partes, a Ocidental/em decadência e a Oriental/em expansão) ─ entregando-se todo o trabalho e sacrifícios (anteriores, por parte da NASA) de bandeja à iniciativa privada, presenteando-nos (esta última e agora, talvez como sempre) como justificação da sua entrada neste ramo (no ramo Espacial, mesmo que sendo um pretexto para a inovação cientifico-tecnológica, mas militar), mais “com conduto” do que com alguma essência inovadora, revolucionária, transformadora (como se estivéssemos a aguardar por “Eles”, podendo-nos indicar o caminho ─ utilizando eles sempre o mesmo, o mais seguro para eles):

chinese-crew-enters-ne.jpg

CHINA

Estação Espacial Chinesa Tianhe

(astronautas no interior do módulo central, 17.06.2021)

 

Com a SPACEX transportando já material e astronautas para a ISS, com a BLUE ORIGIN ultrapassando hoje a “Linha de Karman” (fronteira virtual separando a Terra do Espaço) em cerca de 100Km ─ com sucesso e levando consigo o jovem holandês Oliver Daemen/18 anos e a ex-astronauta Wally Funk/82 anos ─ e finalmente  com a VIRGIN GALACTIC como que demonstrando ao que vem (comercialização de viagens turísticas no Espaço) e recuperando a visão dos Vaivéns (nada de novo), levando não um foguetão mas um avião para os limites superiores da atmosfera ─ nunca atingindo o Espaço exterior (não superando a “Linha de Karman” e ficando-se por pouco mais de 80Km de altitude).

Abandonando os EUA o Espaço (como prioridade de Estado), a Rússia e a China (sobretudo esta última) substituindo-os: “agradecendo” e passando a liderar nessa mesma prioridade.

(imagens: yahoo.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:53

E o Telescópio Hubble Ressuscitou

Terça-feira, 20.07.21

[Voltou a Ver e a Mostrar.]

Passadas várias semanas a partir do momento em que o telescópio Espacial HUBBLE se colocou offline (13 de junho de 2021), devido a um problema surgido num dos pontos do circuito eletrónico do seu computador de bordo,

Screenshot 2021-07-20 at 01-38-39 STScI-01FAXGZY14

Par de galáxias ARP-MADORE2115-273 (à esquerda) e

galáxia em espiral ARP-MADORE0002-503 (à direita)

 

─ Um instrumento ótico fundamental para o estudo do nosso Sistema Solar (mais próximo) como de todo o Universo (mais afastado), não tendo nas observações do Espaço a interferência da nossa atmosfera, entre este e a superfície terrestre

A alegria de todos os que têm usufruído deste instrumento de observação, demonstrando-nos como para além da Terra muito mais existe por aí de interessante e ainda por explorar, significando que a nossa Vida nunca se poderá restringir a um único lugar, nem se limitar a um determinado espaço de tempo (tendo que existir Mundos Paralelos, talvez com os buracos-negros sendo uma das partes, do problema/da solução), até por ser algo ainda de abstrato (de momento e para nós) não tendo ainda atingido o nível de uma nova dimensão, integrando-se com as restantes.

No passado dia 17 de julho de 2021 (passado sábado) e resolvido o pequeno problema computacional, com o telescópio HUBBLE a regressar à Vida (a ressuscitar), recomeçando de novo a sua busca de imagens de “Outro Mundos” estranhos e distantes, misteriosos (deixando-nos sedentos de Aventura), esperando (como se partilhássemos o mesmo espelho) que um dia lá cheguemos.

snapshot.jpg

Depois de mais de um mês fora de serviço

c/ o telescópio HUBBLE regressando ao ativo

 

Telescópio exterior (aos limites da Terra e da sua atmosfera) oferendo-nos desde logo imagens de galáxias algo estranhas, um ícone nosso voltando à Vida e presenteando-nos com o COSMOS, Espaço onde também se integra a TERRA ─ como diria CARL SAGAN, esse pequeniníssimo PONTO AZUL perdido na imensidão escura e profunda do Espaço, mas pelo menos para nós, Único.

Aqui apresentando-nos duas galáxias, uma (à direita na 1ª imagem) a galáxia em espiral e de três braços ARP-MADORE0002-503 (a quase 500 milhões de anos-luz de distância da Terra) ─ tendo a particularidade (daí o estranho) dos seus braços se poderem estender por mais de 160 mil anos-luz, tornando-a em dimensão o triplo da nossa Via Láctea

A outra (à esquerda na 1ª imagem) um par de galáxias (daí o estranho, podendo estar ou não em rota de colisão) interagindo uma com a outra e denominada como ARP-MADORE2115-273 (a quase 300 milhões de anos-luz de distância da Terra).

HUBBLE (última imagem) regressando de novo ao trabalho, após umas “férias-forçadas” de 34 dias (sem retratos para enviar para casa).

(imagens: hubblesite.org ─ NASA Goddard/youtube.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 21:50