Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

19
Abr 18

[Um excerto (apresentando-o e propondo a sua leitura) de um artigo científico muito interessante, para quem ainda tenta obter (descobrir e não replicar) – tantos são os trilhos expostos mas ainda não interiorizados – umas pistas sobre o Espaço/Tempo onde coexistimos.]

 

The denser is the core of a galaxy, the stronger its magnetic field, the faster its rotation, the longer its spiral arms and the higher is the energy value and velocity of particles emitted from its core and also from its spiral arms

(Jamal Shrair)

 

supermassive-black-hole.jpg

Buraco-Negro Supermaciço

Our star is rotating on a helical orbit while spiraling up and down

(spiral oscillation)

 

“The true motion of the Sun in the galaxy is not a circular motion, but exactly like the motion of an electron in the hydrogen atom. The electron is not moving on a circular orbit or with a random motion around the proton – as quantum mechanics claims – but on a helical orbit. It is also oscillating up and down (spiral oscillation) while orbiting the proton.”

 

According to my understanding, all structures in the Universe, including the largest one, are magnetically ordered and centrally powered. The Milky Way follows this standard cosmic model. The astronomical objects and celestial bodies of our galaxy are connected to each other and ultimately to the extremely powerful magnetic field at its center. This is the reason why stars, star systems and star clusters orbits each other and also around the central magnetic field, which is considered in mainstream physics to be a super-massive black hole. The Sun is also part of this galactic magnetic order and cannot be an exception among at least 100 billion stars. Those stars are not scattered randomly, but they are ordered into different groups that are orbiting each other. Thus, without a doubt, the Sun is a member of star system which orbits a larger star cluster. In fact, calculations and observations show that the solar system is linked to another star system. However, realizing the complete physical reality of our star is the biggest scientific task. The Sun is the cosmological candle that allows us to visualize the whole Universe. But, only when we can light it up on the surface of the Earth, we will be able to visualize the Universe and truly understand the force that powers it.

 

[Investigador na área da Fusão Nuclear (fenómenos idênticos ocorridos no Sol) e dos Fundamentos da Física, tendo como base de formação a Engenharia Eletrotécnica. Ligado à ShrairFusion: “ShrairFusion conducts theoretical and experimental research in the field of condensed matter nuclear fusion, which is identical to the fusion that takes place in the Sun. In addition, it provides competent and valuable consultation in the field of low energy nuclear reactions (LENR), also known as Cold Fusion.” (hu.linkedin.com)]

 

(texto/excerto: Jamal S. Shrair/watchers.news/14.04.2018 – imagem: watchers.news)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 13:36

11
Jul 15

MARTE

 

No cimo de uma das muitas elevações presentes e dispersas entre as extensas planícies preenchendo a superfície do planeta Marte (cuja imagem nos foi aqui disponibilizada por uma das sondas da NASA actualmente em actividade – a OPPORTUNITY), é com grande estupefacção que nos vemos perante uma estrutura em forma de disco e apresentando algumas janelas, como se de um posto de observação (ou dirigido para outro tipo qualquer de actividade) se tratasse e claramente de origem artificial (de qualquer forma alienígena para nós terrestres).

 

A COISA no Cimo do Monte

 

1P489773398EFFCNK6P2413L7M1.JPG

MARTE – OPPORTUNITY ROVER – SOL 4073
(ampliação parcial/cor alterada)

 

Esta é uma das vinte imagens fornecidas pela câmara panorâmica do ROVER da sonda OPPORTUNITY, registada no 4073.º dia de permanência da sonda da NASA na superfície do planeta Marte e presenteando-nos com algo de inexplicável e nitidamente desenquadrado do cenário racionalmente expectável. Obtida depois de ter passado o período de conjunção em que as comunicações Terra/Marte foram temporariamente interrompidas, é com especial delícia e enorme expectativa que se aguarda as sempre pedagógicas e esclarecedoras explicações da NASA: pelo sim pelo não já mudei de óculos e assim o que vejo, não deverá ser nenhum problema de visão.

 

CERES

 

Quanto às mais recentes estrelas da NASA – os planetas anões CERES e PLUTÃO – a emoção da forte possibilidade da extensão a estes dois ex-planetas do Sistema Solar da existência de depósitos de água, foi agora sensacionalmente ultrapassada pelo crescente adensar de mistérios e de incertezas associados a estes dois corpos celestes: no caso do astro localizado mais perto de nós – CERES na Cintura de Asteróides – com a presença de misteriosas luzinhas podendo ser explicadas por materiais reflectores dos raios solares como água e cristais depositados à superfície do planeta; no caso do astro mais distante e longínquo – PLUTÃO o ex-décimo e último planeta do Sistema Solar – com o planeta apresentando uma grande extensão de áreas escuras, alternando com várias outras zonas bastante luminosas. E com os mesmos materiais sugeridos para Ceres a poderem ser utilizados (também como explicação) para o sucedido com Plutão.

 

As Luzes do Planeta Anão

 

PIA19592_modest.jpg

CERES – DAWN – PIA 19592
(imagem 24/ampliação parcial/cor alterada)

 

E com a sonda DAWN já em órbita de CERES investigando minuciosamente toda a superfície do planeta (e no entanto ainda com tanto por esclarecer e tanto por adivinhar), será já na próxima terça-feira que a sonda NEW HORIZONS atingirá o seu ponto de maior aproximação a PLUTÃO, entrará de seguida em órbita e iniciará o seu estudo exaustivo (assim como das suas cinco luas). Com a certeza quase absoluta de que aquilo que nos reservam estes dois planetas anões, ainda os poderá levar de novo ao estatuto de planetas principais: e se aí descobrissem Vida (primitiva e/ou extraterrestre)?

 

(imagens – NASA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 03:59

15
Set 12

Um Fruto Africano

 

Uma das mais brilhantes substâncias biológicas existentes na natureza

 

Na natureza os pigmentos são os responsáveis pelas múltiplas cores que a mesma natureza apresenta, variando essas cores de acordo com a capacidade demonstrada por esses pigmentos, de absorção ou reflexão dos raios de luz que os atinge. No entanto e à medida que o tempo vai passando, muitos desses pigmentos vão perdendo rapidamente o seu brilho.

 

No caso deste fruto africano que apresenta uma cor azul intensa, a coloração teria como seu criador uma estrutura especializada existente no interior da própria célula, capaz de mesmo depois da sua morte, manter o seu brilho ainda durante muitos anos. Este fruto também existente em Moçambique – mas não comestível – devido à sua dureza e brilho persistente, é muito usado em África em artes decorativas.

 

Este fruto reflete mais luz polarizada que qualquer outra substância viva conhecida

 

Trata-se do primeiro caso descoberto em frutos, apesar de estruturas deste tipo já terem sido descobertas inicialmente em animais – como foi o caso das “cores estruturais” apresentadas pelas penas dos galos, utilizando para o efeito diferentes estruturas e materiais que as tornam mais brilhantes e coloridas.

 

(dados e imagens – earthsky.org)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:25

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13

19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO