Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

09
Out 19

[Assim como a Solução.]

 

5d77945285f5400952420c16.jpg

Ilustração do asteroide (de mais de 80Km) que com o seu impacto com a Terra (equivalente a 10 biliões de bombas atómicas e ocorrida no que é agora o México) levou à extinção dos Dinossauros (então a raça dominante) e à eliminação (com esse Evento) de 75% de toda a vida no planeta

 

Num prazo de 6 dias − 8 a 13 de outubro – com um total de 19 asteroides passando nas proximidades (relativa) da Terra − entre 500.000Km e 7.400.000Km de distância de nós – com as suas dimensões variando entre cerca de 10m e pouco mais de 80m (velocidades aproximadas entre 3Km/s e 22Km/s). Pelos vistos criando alguma preocupação.

 

Com apenas 3 desses asteroides a passarem a menos de 580.000Km (aliás perto disso) de distância da Terra, logo e em princípio não se correndo o perigo de impacto. Sendo o maior deles 2019 SX5 com cera de 83m, mas passando a mais de 6.800.000Km da Terra; e o menor 2019 TW1 com apenas 10m e passando aos tais 580.000Km de distância.

 

Mas com a nossa preocupação não se devendo limitar a estes objetos (passando nas proximidades da Terra) com as suas órbitas e trajetórias já bem definidas − sabendo-se por antecipação as datas em que passarão mais próximos ou poderão impactar (para já nem notícias de que tal possa suceder no futuro próximo) e “vendo-se bem de onde vêm”,

 

Se comparda com todos os outros (objetos) que aparecendo de repente e apanhando-nos completamente desprevenidos (não havendo no presente instrumentos para os detetar), sem Aviso ou possibilidade de Alerta e atravessando subitamente os Céus, podendo ou não impactar: só sendo detetados no “preciso momento”, nem permitindo sequer “pensar como prevenir e muitas vezes “não se vendo bem de onde vêm(talvez oriundos e como tal passando despercebidos, do lado do Sol).

 

(imagem: Don DavIs/NASA; sobre uma “preocupação” RT/rt.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:25

16
Ago 19

“A Banana-Killing Fungus Has Reached Latin America.

Does This Spell the End for Bananas?”

(Agosto 2019/livescience.com)

 

bananamadeira.jpg

Bananas da Madeira

Gostosas como as das Canárias

 

A notícia há muito esperada − pelos especialistas da comunidade científica ligada ao estudo do REINO DAS PLANTAS − da chegada de um VÍRUS MORTAL (na realidade um “FUNGO-ASSASSINO”) ao continente SUL-AMERICANO, podendo levar à EXTINÇÃO de uma das suas mais disseminadas e populares ESPÉCIES − por comestível, por deliciosa e por nutritiva – a BANANA:

 

Um fungo-mortal denominado simbolicamente como TR4, já detetado na Colômbia e levando as autoridades do país a declarar de imediato o ESTADO DE EMERGÊNCIA (Agrícola).

 

Por inevitável contágio disseminando-se por territórios vizinhos, afetando para além da COLÔMBIA outros 2 países em conjunto responsáveis por pelo menos metade das exportações Mundiais e partilhando o mesmo continente sul-americano, o EQUADOR e a COSTA RICA.

 

Com as Filipinas chegando aos 2/3 (da exportação total Mundial), pondo de lado a ÍNDIA apesar de maior produtor não sendo o maior exportador.

 

E com a banana a ser atacada um pouco por todo o Mundo, um pouco por todos os territórios tropicais, lutando pela sua sobrevivência a doenças e a invasões sejam naturais (introduzindo espécies aparentemente semelhantes, mas estranhas e intrusivas) ou artificiais (através da utilização de híbridos/da clonagem), talvez com o seu ÚLTIMO REFÚGIO E TERRITÓRIO a ser violado (se não tivesse sido já adulterado, muito tempo antes) e com o seu destino e de toda a RESTANTE MACACADA já traçado.

 

Bananas-300x300-1.jpg

Um Fruto dos mais importantes

Na Luta contra a Fome

 

E a seguir à Extinção das Bananas seguindo-se mais cedo ou mais tarde a Extinção dos Primatas − num processo visto como uma contrapartida negativa da NATUREZA (de todo o Ecossistema) à substituição da banana local e original (Moldada) pela estrangeira e clonada Cavendish (Replicada).

 

Como se o Homem não necessitasse entre outras coisas (conforme o género), de pilinha (da sua “banana”) para se reproduzir.

 

E em vez de se voltar à produção da artesanal “Banana Com Sexo à Antiga” − talvez não tão bonita, mas mais doce (banana-vermelha), ou tipo banana das Canárias ou da Madeira e até a (para pobres, a metade do preço e igualmente gostosa, mesmo que já mutante) inicial banana-amarela − porquê insistir mais uma vez numa reprodução assexuada, sem contacto e emoção (por monotonia organolética) salvando o clone Cavendish?

 

(imagens: madeira-holidays.eu e teakisi.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 13:35

06
Mai 19

A Killer Asteroid Is Coming

(livescience.com)

 

Recentemente com BILL NYE ex-apresentador do programa SCIENCE GUY e atual CEO da SOCIEDADE PLANETÁRIA, a avisar-nos para um futuro e catastrófico IMPACTO (talvez mesmo a curto-prazo) de um ASTEROIDE com a TERRA: podendo levar tal como sucedido há cerca de 66 milhões de anos com os DINOSSAUROS (a espécie então Dominante), à EXTINÇÃO (desta vez) do HOMEM (a espécie agora dita prevalecendo sobre as restantes).

 

13112038-6994289-image-a-9_1557055785328.jpg

Um Asteroide sobre Nova Iorque

Projeção da entrada de um asteroide de cerca de 300 metros de dimensão na atmosfera terrestre e a uma velocidade de 12Km/s, dada a impossibilidade de o intercetar acabando por colidir com a Terra sobre a cidade de Nova Iorque fazendo-a desaparecer do mapa

(numa simulação NASA)

 

"The Earth is going to get hit with another [big] asteroid"

(Bill Nye/Sociedade Planetária/02.05.2019)

 

Com um “Inconveniente Suplementar” aumentando ainda mais os Perigos e as Consequências de tal Impacto, a ser devido ao desconhecimento (para já total) da data prevista para tal Evento (muito possivelmente) Apocalíptico, para já (e como se vê) não se sabendo QUANDO (?), talvez com poucas hipóteses de ocorrer no nosso tempo (enquanto por aqui andarmos), mas certamente ocorrendo (tal como anteriormente).

 

"The problem is, we don't know when. It's a very low probability in anyone's lifetime, but it's a very high-consequence event. If it happens, it would be like control-alt-delete for everything."

(Bill Nye)

 

E ao contrário dos DINOSSAUROS (segundo Mike Wall em livescience.com) − não podendo fazer mais nada, senão esperar a ocorrência do Impacto e observar e sentir os efeitos (e consequências) do mesmo Acontecimento (pela sua natureza e potência, verdadeiramente Extraordinário) – esperando-se que o HOMEM recorrendo a todo o seu conhecimento CIENTÍFICO-TECNOLÓGICO faça Algo e se vá começando a preparar: para o que “der e vier”.

 

Tendo-se logo e como primeiro passo a necessidade absoluta de se descobrir (com a maior brevidade e antecipação possível) esse referido Asteroide potencialmente podendo provocar na Terra (ao impactar) um terrível Evento ao Nível da Extinção (nossa e das restantes Espécies), com os cientistas confiantes (na concretização desse objetivo) agora que já conseguem detetar (e assim descobrir, segundo eles) os mais perigosos: no mínimo com 1km e não se detetando até hoje (vindo na nossa direção) nenhum.

 

dinosaur-extinction-10.jpg

A Extinção dos Dinossauros

Há 66 milhões de anos no passado (período da extinção do Cretáceo-Paleógeno) e com os Dinossauros a dominarem o planeta Terra dando-se um Evento ao Nível de Extinção Maciça (E.L.E./Extintion Level Event) com cerca de 3/4 das espécies (animais e plantas) a desaparecerem de vez incluindo os Dinossauros

 

“Unlike the dinosaurs, however, we don't just have to sit around and wait for doom to rain down on us. We can do something about the asteroid threat — and we should start prepping for it now.”

(Bill Nye)

 

Chelyabinsk Meteor: A Wake-Up Call for Earth

The Chelyabinsk meteor was a small asteroid — about the size of a six-story building — that broke up over the city of Chelyabinsk, Russia. The blast was stronger than a nuclear explosion. The shock wave it generated shattered glass and injured about 1,200 people.

(Elizabeth Howell/space.com)

 

Mas de um momento para o outro podendo-se ser surpreendido pela chegada de um objeto (passando nas proximidades da Terra e podendo fazer uma tangente ou secante) apanhando-nos desprevenidos (por exemplo) vindo do lado do Sol (e encoberto pelo mesmo e pelo brilho intenso dos seus raios), por mais pequeno, menor densidade, velocidade e ângulo de entrada na atmosfera que apresente, podendo não Destruir o Planeta (destruição global) mas mesmo assim podendo obliterar por ex. um Estado (destruição regional).

 

Faltando apenas descobrir alguma forma de tendo um objeto destes a caminho e podendo-nos atingir, antes de tal ocorrer o possamos destruir ou no mínimo desviar: falando-se de um Raio-Trator-Gravitacional, da Detonação de uma Arma Nuclear ou da utilização de Raios-Laser. Mas com a certeza (no Tempo e no Espaço) de que mais cedo ou mais tarde o Impacto sucederá (hoje mesmo ou amanhã):

 

“There are catastrophic impacts in our future if we don't do something about them. It's not a matter of if; it's only a matter of when.”

(Jim Green/NASA)

 

(texto: a partir de Live Science − imagens: dailymail.co.uk/earthspacecircle.blogspot.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:02

11
Abr 19

Mais um animal em vias de extinção neste caso habitando territórios de Angola, com um responsável do Ministério do Ambiente a afirmar recentemente, estimar em cerca de 200 o número de elementos da espécie − ainda resistindo hoje a sudeste de Malanje (final do Caminho-de-Ferro de Angola e ligando a cidade do interior ao porto de Luanda) num parque nacional (Cangandala) e numa reserva integral (Luando): segundo o mesmo responsável com o crescimento da espécie a ficar-se pelos 10%, quando para a mesma sobreviver teria que estar nos 70% (indicativo de um eminente decrescimento da espécie e sua possível extinção, face a uma alteração ambiental imprevista). Para além (infelizmente) da continuação da caça furtiva e ilegal.

 

Stavenn_Hippotragus_niger_variani_00.jpg

Palanca-Negra-Gigante

Antílope-de Zibelina-Gigante

(ou Hippotragus niger variani)

Museu da História Natural Americana

Nova Iorque

 

Deixando no ar um compromisso de modo a valorizar esta espécie – a PALANCA-NEGRA-GIGANTE – erguendo-a como símbolo nacional (desta província e de Angola) e tornando-a protagonista (do desenvolvimento) na área do Ecoturismo. Talvez ingenuamente (promessas) e só se limitando a palavras (faltando implantá-las no terreno) mas sendo sem dúvida mais um passo (em frente) nem que seja para a salvaguarda deste animal: depois deles podendo ser Nós.

 

“Queremos levar o turismo nestas zonas no sentido de levar educação ambiental e dar a conhecer o significado da espécie para conseguir fundos para conservação e inserir as comunidades das redondezas que hoje se sentem marginalizadas na própria conservação, através da sua inserção nas atividades de ecoturismo.”

(Joaquim Manuel/Secretário de Estado do Ambiente de Angola)

 

MV5BMTM0MTA3NDI1OV5BMl5BanBnXkFtZTcwNjE2OTA5MQ@@._

Ficheiros Secretos

(The X-Files)

I Want To Believe

(Eu Quero Acreditar)

2008

 

Não residindo em Angola mas com muitos portugueses tendo por lá passado, regressado, ou ficado − num dos mais ricos países africanos, com uma área de quase 1,25 milhões de Km² e com a sua população rondando os 30 milhões – certamente com muitos a deixarem-se levar pela nostalgia (e pela saudade daquelas paisagens e cheiros) assim como pelo sonho de um dia (nem que seja noutra vida) ainda poderem lá voltar (em alternativa pela sua descendência): e olhando para o horizonte deste grande vastidão africana vislumbrarem de novo um (muitos) Palanca-Negro-Gigante.

 

Bastando apenas (como diria Fox Mulder nos Ficheiros Secretos) Acreditar.

 

(imagens: wikipedia.org e imdb.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:04

04
Abr 19

Extinção em Massa do Ordoviciano, Devoniano, Permiano, Triássico e Cretáceo, seguindo-se o Holoceno, tempo em que nós vivemos e em que poderemos ser os grandes protagonistas – da Extinção (do Homem) e sucedendo aos nossos queridos Dinossauros (então com o Homem a perpetuar-se nas prateleiras de um novo Toys "R" Us e nas mãos de um outro animal).]

 

Fanerozóico

(últimos 542 milhões de anos)

 

531px-Extinction_intensity.svg.png

(% de Extinção Marinha/Milhões de anos)

 

Num momento da História da Terra em que poderemos já estar a viver a 6ª Maior Extinção Maciça um recordar dos seis Eventos de Extinção (para já conhecidos): (1) há quase 450 milhões de anos o fim do Ordoviciano com a extinção de cerca de 85% das espécies (como os graptólitos), (2) há 375 milhões de anos já avançado no Devoniano com a extinção de 75% das espécies (entre elas as trilobites), (3) há 250 milhões de anos no fim do Permiano com a extinção de mais de 95% das espécies (caso dos tabulate coral) a maior de todas as extinções, quase erradicando todo o tipo de vida do nosso planeta (4) há 200 milhões de anos no fim do Triássico com a extinção de 80% das espécies (como os Conodanta) e finalmente (5) há 66 milhões de anos no fim do Cretáceo com a extinção de 76% das espécies (caso da amonite e podendo Já em terra circularem os dinossauros). E iniciada a 6ª Maior Extinção Maciça, depois dos Dinossauros seguindo-se (com grandes hipóteses de se acertar, caso não partamos para o espaço) o Homem. (fonte: Viviane Richter/COSMOS)

 

toolkit-01.jpg

 

Num momento em que em Portugal o delfim de Marcello Caetano (1906/1980) se não governa pelo menos é Rei (desde o ano de 2016)

 

– Marcelo Sousa o homem que foi capaz de passar de forte apoiante do Estado Novo (inicialmente até pensado pelo próprio Marcello para seu sucessor) a protagonista do regime Democrata (que lhe sucedeu hoje sendo o seu Presidente)

 

Corporizando através do seu carisma bipolar (adorou/atraiçoou o Padrinho que o iria tornar seu Delfim) uma região particular do planeta Terra (no presente micro) que para determinados observadores aparenta ter parado no respetivo espaço/tempo (veja-se o que Portugal já foi no Mundo e no Passado),

 

Eis que do Outro Lado do Oceano Atlântico os sucessores de um antigo contingente de europeus expulsos das suas terras (de família e de nascimento) e levados pelo mar fora para outro continente distante e ainda no início do seu processo de desenvolvimento e de consolidação

 

– Obviamente tratando-se da América do Norte e particularmente dos EUA

 

Nos prometem de novo a LUA e como se já não bastasse MARTE:

 

Uns (Portugal) alegremente deixando-se ficar (pelo apeadeiro)

 

“Felizmente temos o Algarve, dirão alguns”

 

E vendo sem perceber os outros (EUA) seguir (para a seguinte Estação).

 

foo-02.jpg

 

No final da segunda década do 2º milénio e a caminho de se perfazer meio-século (este ano fazendo 47 anos no mês de Dezembro) sobre o último voo espacial tripulado levando o Homem à LUA e aí fazendo-o pisar (algo de impensável mesmo na altura e em que muitos ainda não acreditam) o seu primeiro Mundo Extraterrestre (o nosso único satélite localizado a cerca de 384400Km da Terra),

 

Com a Agência Espacial Norte-Americana (e governamental) NASA colocada perante o ambicioso projeto e o trabalho já levado a cabo (e tendo a vir a ser concretizado com sucesso) pela empresa privada do multimilionário Elon Musk, a privada SPACE X

 

– Com o seu alvo estratégico apontando o planeta Marte (mais distante de nós, mas supostamente mais interessante), utilizando ainda o nosso satélite natural a Lua (muito mais próxima de nós e já visitada) como forma de financiamento (com voos privados pagos) e desenvolvimento da nave espacial SPACE X STARSHIP que os levará ao seu “Destino-Marte

 

A apresentar finalmente o seu Programa Espacial a ser cumprido nos próximos anos, tendo como objetivo o regresso à Lua e o lançamento da missão Marte (num projeto apoiado pela atual Administração Norte-Americana): não levando milionários em passeios privados e turísticos até à Lua (para o usufruto e o prazer de um só) mas aí alunando, criando uma base e utilizando a Lua como uma plataforma para alcançar com maior fiabilidade (cientifico-tecnológica e não contabilística) Marte e a partir daí e da consolidação de todos os fatores e conhecimentos adquiridos, atirando-se então e decisivamente para o lançamento de um maior e mais arriscado empreendimento espacial, dirigindo-se então para Marte e aí colocando o primeiro ser humano.

 

foo-03.jpg

 

E assim respondendo por necessidade e no presente (sentindo-se abandonada e podendo ser ultrapassada) ao nítido avanço da iniciativa privada na área da conquista do Espaço (igualmente financiada por verbas governamentais) – privados mais que nunca desejosos de tomar as rédeas da Exploração (em todos os sentidos sobretudo comerciais) do Espaço (com a maior abertura da nova Administração norte-americana à iniciativa privada, diminuindo impostos e facilitando o financiamento privado) – com a NASA respondendo ao pedido do atual presidente Donald Trump (da sua Administração e contando ainda com o total apoio de alguns dos seus maiores oposicionistas nas primárias republicanas de 2016) a assumir o desígnio proposto e a apresentar recentemente a sua versão do projeto LUA/MARTE (respondendo assim à apresentação alternativa da privada Space X):

 

“President Donald Trump has asked NASA to accelerate our plans to return to the Moon and to land humans on the surface again by 2024. We will go with innovative new technologies and systems to explore more locations across the surface than was ever thought possible. This time, when we go to the Moon, we will stay. And then we will use what we learn on the Moon to take the next giant leap - sending astronauts to Mars.” (Jim Bridenstine/ NASA)

 

Propondo-nos a LUA em 2024 e Marte para lá de 2030, nesses anos com o Homem voltando a pisar a superfície da Lua e pouco tempo depois a pisar o solo do primeiro planeta para além do nosso o vizinho exterior o Planeta Vermelho: explorando e lá tentando construir a sua primeira base/colónia marciana e com mais esse passo talvez ajudando a abrir mais uma porta para as próximas visitas interplanetárias, interssistemas e intergalácticas. Mas até lá havendo ainda muito que fazer na Terra (cá dentro) e fora dela (no Espaço exterior).

 

(imagens: wikipedia.org e nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:18

02
Abr 19

“Na atualidade com um número crescente de cientistas a firmarem − cada dia que passa, ainda com maior convicção – estarmos já a meio de um novo processo de Extinção: a 6ª extinção em Massa (tendo já ocorrido 5) tendo-nos a nós (o Homem) com Alvo. E extintos mais de 50% dos indivíduos que já partilharam a Terra (animais/plantas) com as restantes populações mundiais a manterem o seu declínio (cada vez mais acelerado, cada vez mais visível) caminhando igualmente e rapidamente para a sua Aniquilação Biológica (sucedendo ao Homem, o sucedido antes com os Dinossauros).”

 

Lago KARAKULL localizado no nordeste do TAJIQUISTÃO (perto da fronteirado do Quirguistão a norte e da fronteira da China a leste), um manto de água extremamente salgado e completamente fechado (ao exterior) e resistindo ainda à sua mais que certa extinção (e para já sobrevivendo graças a uma fraca − mas insuficiente para a sua manutenção − precipitação): condenado no entanto (e irremediavelmente) a Desaparecer em Combate, sabendo-se que na Natureza (e segundo Lavoisier) “Nada se Cria e Nada se Perde, Tudo se Transforma. Não tendo limite no Tempo (nascimento ou morte), deslocando-se no Espaço (Infinito).

 

PIA23102.jpg

Lago Negro − Tajiquistão

Em 16.10.2016

Área coberta 48Km X 55Km

Satélite TERRA − Instrumento ASTER

 

Um lago inserido (a 3900 metros de altitude) na região (das montanhas de Pamir) atravessada pela autoestrada M41 − uma via de comunicação/transporte importante atravessando um território difícil e extremamente montanhoso e no seu percurso servindo vários países (em redor) incluindo toda a Ásia Central (logo ali ao lado tendo a China) – e pelos povos locais designado (e conhecido) como o LAGO NEGRO. Recentemente e a partir de explorações científicas levadas a cabo no Lago Negro e desenvolvidas no sentido de estudar mais profundamente a sua evolução e o seu mais que provável destino, com um grupo de cientistas (russos) a declararem que a existência deste lago estaria ligado a um impacto antigo de um asteroide com o planeta Terra (latitude 39N e longitude 73,4 E), ocorrido há cerca de 200 milhões de anos e criando a cratera onde posteriormente se domiciliou o Lago Negro (na altura certamente muito mais extenso e muito menos salgado, mais vivo/na altura do que morto/no presente).

 

(imagem: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:15

06
Mar 19

Com o Mundo a ser dominado (aparentemente pelo menos para os Ocidentais) pelos EUA, não serão muito difíceis as conclusões a tirar sobre as ações mais recentes da autodenominada maior Potência Global, atuando compulsivamente (estando-lhes no sangue) nas mais diferentes partes do Globo e que os Média (controlados pelos mesmos) têm vindo sucessivamente a noticiar (sem problemas de consciência, pondo de lado a Cultura e a Memória): tendo como focos desta campanha/temporada (e entre outros) e tal e qual numa sala de espetáculos, na Geral a Síria, a Venezuela e o Irão (ligados ao setor da Energia), nos Camarotes poderosas entidades como a Rússia e a China (dando-nos a visualizar o Eixo do Mal), nas bancadas a Índia e o Paquistão (com bombas atómicas e populacionais) e finalmente perdida entre sombrios e já abandonados corredores e galerias (olhando para os seus retratos expostos, do seu tão glorioso Passado) e tal como Portugal (Perdido entre as Brumas da Memória) solitária, mal se movendo e já senil, a Velha Europa.

 

gateway_banner (1).jpg

NASA's Orion spacecraft approaches

the Gateway in lunar orbit

 

Enquanto um pouco por todo o Mundo (esmagadoramente no Hemisfério Norte) e seguindo os Insuspeitos do Costume (a grande potência a nível planetário os EUA) as Elites que o controlam e submetem (manipulando as Armas e o Dólar) se dividem (por acaso ou por necessidade) – tal como os seres vivos unicelulares dividindo-se em dois por bipartição – aparentemente e de uma forma descontrolada (sendo certo que do Caos se faz Ordem) entre TRUMPISTAS e ANTITRUMPISTAS − uns de um lado de mais um Muro, outros do outro lado do mesmo Muro, mas com esta barreira a ser utilizada mas não criada pelo BONECO (tendo como todos sabemos, a assinatura da sua criação, autoria repartida) – todas as histórias que nos vão chegando sobre o Estado da Saúde do Mundo e dos seus mais de 7,5 biliões de habitantes, nos vão deixando (cada vez) mais cabisbaixos (por perturbados) com o Futuro da Sociedade da qual ainda (no Presente) usufruímos (considerando a Europa): ainda possível de se aí Viver (e ajudar a sobreviver) pelo menos enquanto o Eixo do Mundo (Económico-Financeiro) não se deslocar irreversivelmente (e de vez) ainda mais para Oriente − do Atlântico para o Índico-Pacífico de Washington/Berlim para Pequim. E tal como muitos animais (ditos) irracionais marcando o seu território e aí impondo o seu poder e a sua soberania (tal como conhecemos com os gatos marcando os limites do seu espaço com os seus insuportáveis jatos de urina), vendo-os (Homens de Poder e de Letras) − utilizando um Muro ou um outro Artefacto − como Loucos Urinando de qualquer modo ou feitio em redor do seu novo Ícone da Pura Contradição (simultaneamente Amando/Odiando): o milionário TRUMP. Uma Merda!

 

Pelo que a nossa única hipótese de podermos ainda vir a evitar a nossa EXTINÇÃO como Espécie Inteligente e sendo capaz de se Movimentar (Evoluir) e associar (reproduzir) num Universo em constante transformação − envolvidos como estamos pelo nosso planeta e por todos os excessos que nele se têm cometido, mas tendo a virtude (e a felicidade) de antecipadamente sabermos que neste Mundo (e em todos os outros pelo infinito replicados) mesmo morrendo-se (algo haverá do Outro Lado, seja possivelmente a Alma como o já é o Eletromagnetismo) “Nada se Perde Nada se Cria Tudo se Transforma” – será inevitavelmente o de um dia termos que partir (de preferência o mais rápido possível) abandonando a nossa área de sempre e de conforto (pelo menos desde que temos Memória e nos conhecemos/ou reconhecemos)  em direção a uma (nova) Terra Prometida: uma Terra exterior à nossa (certamente noutra estrela), que nos dê continuidade e certezas (num ecossistema disponível) da  preservação da nossa espécie  − tal como nómadas que somos e de fácil inclusão, ainda à procura da Alma e cheios de Imaginação. Com a Agência Espacial Norte-Americana NASA (Governamental) não querendo ficar para trás nas Viagens e nas Explorações Espaciais (face ao crescente avanço da iniciativa privada) − como é o caso do surgimento da Space X do milionário Elon Musk – e aproveitando o impulso dado pela nova Administração Norte-Americana em recuperar (a curto/médio-prazo) as Viagens à Lua chegando posteriormente a Marte, a estabelecer desde já as primeiras parcerias tendo como objetivo a exploração do nosso satélite natural e do nosso planeta vizinho exterior. E até levando a uma declaração conjunta entre responsáveis da NASA e o seu primeiro parceiro nesta Aventura Espacial − o Governo do Canadá e o seu 1º Ministro Justin Trudeau – incentivando a parceria, a sua expansão e desenvolvimento (em nasa.gov):

 

“NASA is thrilled that Canada is the first international partner for the Gateway lunar outpost. Space exploration is in Canada’s DNA. In 1962, Canada became the third nation to launch a satellite into orbit with Alouette 1.”

 

“Today, Canada leads the world in space-based robotic capabilities, enabling critical repairs to the Hubble Space Telescope and construction of the International Space Station. Our new collaboration on Gateway will enable our broader international partnership to get to the Moon and eventually to Mars.”

 

(ilustração e legenda: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 13:05

05
Mar 15

O Homem só projecta cenários quando pressente a chegada de mudanças. E nos casos mais extremos a sua excitação é maior: só em total Liberdade poderá dar um Novo Salto.

 

82d97db3868be2aac8b8b18a64d565d89e1e3c9bT.jpg

Actualidade – Época Helocena
(de uma forma ou de outra já estaremos a assistir aparentemente a um novo evento ao nível de extinção – ELE – iniciado há mais de 10.000 anos)

 

A partir dos finais do mês de Março de 2015 o planeta Terra entrará numa região do espaço apresentando uma maior densidade de corpos celestes de pequenas dimensões (muitos deles inicialmente imperceptíveis e circulando a grande velocidade), podendo estes apresentar composições variadas e simultaneamente comportar-se de uma forma ligeiramente diferente de corpos semelhantes pertencentes ao Sistema Solar: este fenómeno pouco comum mas periódico deve-se à passagem numa zona de intersecção do espaço de um Sistema de referência dupla, sendo o mesmo concretizado num dos pontos extremos do seu ciclo conjunto, quando as suas duas estrelas gémeas e interligadas se aproximam de um dos seus pontos de ruptura. Por essa altura a interacção das forças electromagnéticas estabelecidas entre os dois conjuntos toma tais proporções, que a flutuação dos campos criados por este choque brutal de matéria e de energia transformando-se tão próxima uma da outra, poderá dar origem a deformações momentâneas do espaço e saltos entre as suas escalas de transição: não sendo pois de admirar o aparecimento de um nível claramente mais elevado de casos de matéria projectada no espaço e logicamente o aumento de casos de avistamentos de objectos vindos da zona exterior ao nosso planeta, como pequenos asteróides ou meteoritos. Durante um período de tempo indeterminado e acompanhando o movimento das duas estrelas gémeas que o suportam, a Terra passará por uma zona já referenciada no espaço como de comportamento imprevisto e desconhecido e em princípio extremamente propícia ao atravessamento de pequenos objectos com alta probabilidade de impacto. Ainda não são conhecidos nenhuns dos detalhes fundamentais sobre este evento em progressão, mas alguns vestígios já recolhidos neste planeta que desde sempre habitamos (a crescente actividade sísmica e vulcânica e o cataclismo ecológico a desenrolar-se diante de nós nas regiões extremas da Terra os pólos) e mesmo alguns indícios vindos do seu exterior (se ciclicamente a estrela gémea do Sol se aproxima trazendo atrás de si a sua própria família, é lógico que entre primos possam saltar por vezes algumas faíscas), poderão ser um sinal de que algo de excepcional aí vem e de que nós somos o alvo. O aumento do número de entradas de pequenos corpos celestes na atmosfera terrestre tem vindo a aumentar a um ritmo cada vez mais acelerado (e sem sequer dar sinais de querer abrandar) o que só pode significar que o Pico Máximo de Actividade e Impacto estará cada vez mais próximo: e muitos já têm a data marcada para a Primavera deste ano – num dia para muitos fatídico e em que na capital suíça de Genebra os cientistas do CERN ligarão mais uma vez o conhecido acelerador de partículas aí instalado, agora sobre o pretexto de estudarem o comportamento de uma nova e importante partícula (matéria negra, lembram-se do perigo?). E como atrás de Deus só poderá estar o Diabo, à descoberta da Partícula de Deus sucederá o Inferno do Homem. Aí a Terra iniciará o seu processo de replicação marciana e de seguida fará BOOM!

 

Até que poderia ser: ainda mais, talvez por menos.

 

(imagem – Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 02:19

10
Fev 14

Ficheiros Secretos – Albufeira XXI

(Paraísos Artificiais)

 

“O gosto frenético do homem por todas as substâncias, sãs ou perigosas, que exaltem a sua personalidade, testemunha a sua grandeza. Ela aspira sempre a reavivar a sua esperança e a elevar-se ao infinito”. (Charles Baudelaire)

 

 

Esta curta história passou-se no ano 3.460 da Era dos Déspotas, após o tremendo evento apocalíptico que foi o Grande Estouro: o mundo fora então completamente arrasado pela super poderosa e omnipotente Máquina Preservativa, que invertendo a cadeia hierárquica de comando a que estava sujeita e o objectivo supremo para que tinha sido construída, tomou o poder (chamando a si o comando das restantes máquinas) e destruiu os humanos (como personificação do seu criador). Mais de três milénios passados sob o Evento que dizimara toda uma espécie capaz de pensar e de dominar, os humanos que agora habitavam o planeta Terra eram réplicas preservadas pelas Máquinas para posterior reintrodução e repovoamento: eliminados todos os vestígios visíveis da raça anterior – com todos seus nefastos e contraproducentes defeitos físicos e psíquicos, que tanto prejudicavam o são e equilibrado desenvolvimento do planeta – e todos os outros factores negativos a ela associado e que tanta destruição tinham provocado no habitat deste planeta quase que liquidando a Mãe-Natureza, o Novo Mundo tornara-se perfeito, enorme e acolhendo todos de braços abertos. Fora oferecido a este planeta uma nova hipótese de concretização absoluta, destacando-se esta oferta como graciosa, sem limites e oferecendo desde logo o Paraíso. O que poderia exigir mais uma simples e ingénua criatura, de um Ser tão Divino e Magnânimo como este? Aqui a Máquina Preservativa provava mais uma vez a sua superioridade em relação aos seus extintos criadores os humanos e simultaneamente demonstrava a todos os outros seus interlocutores – para ela subhomens e submáquinas – como sem a utilização de outros interesses colaterais de crueldade e de vingança tão típicos do ADN da raça anterior, ainda oferecia condições de vida superiores e dispondo de perspectivas infinitas e seguras a estas novas e felizes criações. A liberdade era condicionada mas em contraponto a segurança era absoluta: vivendo em verdadeiras fortalezas tornadas em paraísos maravilhosos de Natureza, puro prazer e partilha integrada, o aspecto do mundo lá fora desta muralha pouco importava. Era tudo opaco não se via, apenas o reflexo infinito dum mundo exposto e pronto a ser utilizado.

 

Acontece no entanto e como em muitas histórias perfeitas que o processo de terraplanagem e remontagem do planeta também apresentara defeitos. Como assim os estrangeiros não eram Deuses mesmo que erradamente o pensassem ou se quisessem convencer disso: lá pelas outras espécies como os terrestres serem por eles considerados dum nível intelectual e tecnológico muito inferior, isso não impedia os primitivos de pensarem e de agirem e de num relâmpago de génio e imaginação os poderem suplantar. E se não foi isso o que de início aconteceu face à avalanche destruidora que varria toda a superfície do planeta, estabelecida agora e de novo a calma e o equilíbrio entre áreas – livres no exterior e ocupadas no interior – e reorganizadas as forças escondidas nas profundezas protectoras do ventre da Terra, algo se começava a alterar, renascendo no Homem a esperança do novo retorno às origens. A resistência começava assim a tornar-se num fenómeno pioneiro de luta e de contestação, mas ainda muito limitada às pobres e abandonadas zonas exteriores ainda não industrializadas ou massificadas: no entanto era possível que as máquinas e as réplicas dessem mais cedo ou mais tarde pela sua presença e aí estariam definitivamente em perigo. A iniciativa tinha que partir do lado deles, sem espera e sem preparação e o mais repentina e intrusiva possível: teriam que fazer implodir o Sistema já que um ataque directo do exterior era impossível. Faziam agora 3.500 anos sobre a chegada dos Déspotas.

 

 

O artefacto já se encontrava no esconderijo subterrâneo, quando o grupo de três elementos se introduziu no interior da pequena gruta de acesso: escondida entre duas pedras mais salientes a entrada era imperceptível mesmo estando perto dela, disfarçada como estava por uma outra pedra alongada que cobria como uma porta e quase na totalidade, a desconhecida abertura. Numa grande mesa quadrada estava a Bomba Negra. O grupo teria de arranjar maneira de entrar na zona interior e alcançado esse objectivo a única coisa a fazer seria despoletar o mecanismo da bomba: simples e efectivo. O mecanismo associado faria o resto. Seria como se fizéssemos propositadamente um risco num delicado e sensível disco de vinil com a única intenção de suspendermos temporariamente o normal decurso do tempo; e fazendo saltar a agulha que acompanhava a máquina giratória que a suportava e lhe dava vida, acedêssemos a um trajecto já percorrido antes apenas para o retomar e alterar, mas sem modificar o trajecto até chegarmos ao destino – o ponto de suspensão. Reorganizado o conteúdo anterior da imagem da realidade original, poderia ser de novo retomada a projecção, introduzindo agora movimento no cenário e troca de matéria e de energia entre os personagens.

 

Deu-se a explosão e o mundo desapareceu: e como que vindos do nada, viram-se de novo no mesmo local. Estavam agora em pleno período avançado da Era dos Primitivos, 40 anos antes do Grande Estouro: os humanos viviam um período áureo da sua história com um novo boom de desenvolvimento científico e tecnológico, preparando-se mesmo para instalar as primeiras bases modulares na Lua, em Marte e no satélite de Júpiter Europa. Por essa altura a Máquina Preservativa ainda era um protótipo inacabado e sem o seu primeiro ensaio ainda sequer marcado. No entanto a implantação do software na nova organização central de arquivo e processamento do organigrama de pensamento adaptado da máquina corria duma forma tão acelerada e auspiciosa, que os técnicos andavam ansiosos pela sua conclusão e ensaio, acelerando todo o processo. Este facto poderia levar por contágio à continuação da construção do protótipo e ao seu ensaio mais cedo do que previsto. Na curva do tempo onde se encontravam já deviam ter entrado em cena aqueles que mais tarde seriam conhecidos com Os Déspotas, um povo vindo de uma galáxia nunca identificada mas situada nos confins mais distantes de uma das galáxias mais velhas do Universo e que introduzindo-se abusivamente num sistema de vida organizada e desenvolvida a desprezara, primeiro aliando-se secretamente a sectores restritos e oposicionistas do sistema, introduzindo-se de seguida em sectores chaves da sua estrutura e controlando a partir daí directa e indirectamente todo o sistema de suporte e apoio baseado nas máquinas. Escondendo-se então atrás da Máquina Preservativa, passariam impunes, ninguém os associaria com ela e no final ainda apresentariam o seu Paraíso. Tinham que encontrá-los o mais rapidamente possível e decapitar a sua cabeça.

 

 

Os alienígenas tinham cegado no início da década de setenta – os primeiros relatos de contactos reportavam-se ao ano de 1974 terrestre – dispondo dum período máximo de adaptação, introdução e aplicação do seu processo de transformação de um clico – um parâmetro de tempo equivalente a quatro décadas. Numa primeira fase mais demorada e cautelosa da sua intervenção, os seus enviados e aliados locais tentariam adaptar-se e progressivamente introduzir-se na estrutura representativa da sociedade e a partir daí espalhar-se e infiltrar-se profundamente nos principais níveis dirigentes de todas as outras organizações subsidiárias, públicas ou privadas: contariam como seu trunfo principal com o apoio de estruturas políticas e militares poderosas mas trabalhando na sombra dos seus próprios líderes contra o poder por eles exercido e que os grandes conglomerados consideravam de utilidade nula e contraproducente, pois poderes vindos do exterior do circuito comercial só prejudicavam as trocas e os respectivos níveis de lucro. Na segunda fase introduziriam desde logo e à experiência um número indeterminado de protótipos humanóides, muito semelhantes aos que seriam introduzidos após o Grande Estouro, mas ainda com uma consciência e capacidade de actuação deliberadamente limitada – mais como uma biomáquina comandada à distância do que como um humano com iniciativas próprias e independentes. Ocupados todos os postos de comando desta civilização, entrava-se no período final de aplicação, em que seria necessário proceder-se à selecção dum grupo de cérebros locais com vastos conhecimentos técnico-científicos e credibilidade moral, dispostos a apoiá-los – sem terem acesso às suas reais intenções – no aperfeiçoamento dum novo ser vivo idêntico ao humano, mas sem nenhum dos seus defeitos ou imprevistas ocorrências de outras anomalias significativas: teriam que ser verdadeiros especialistas em tecnologia computacional, tanto ao nível soft como hard de aplicação. E nesse aspecto os alienígenas tinham chegado num bom momento de inovação e de desenvolvimento da espécie humana – o último Grande Salto pré-evento apocalíptico – com os primeiros sinais da presença de dois jovens brilhantes que mais tarde adeririam sem o saberem ao projecto: Sboj no campo do hardware e Setag na parte do software seriam os dois génios responsáveis pelo acabamento da Super Máquina que dominaria o planeta e que posteriormente daria origem ao homem perfeito. Seriam devidamente recompensados e protegidos: Sboj morreria ainda antes do Dia de Aplicação ou Ano Zero, enquanto Setag reformar-se-ia estrategicamente desaparecendo de seguida do olhar público.

 

O plano resumia-se a uma acção concertada de antecipação e de substituição da dupla de jovens brilhantes Sboj/Setag, a qual teria um papel decisivo na intervenção bem sucedida dos estrangeiros e que levaria no final e se nada fosse feito em contrário, à obliteração da sociedade tal como sempre a conhecêramos: e que o futuro de onde vinham confirmava sem qualquer tipo de dúvida. Às nove horas da manhã dirigiram-se à recepção da OWN (Other World's News) com sede no 70.ºandar da Torre 2 do WTC e localizado na Ilha de Manhattan: das suas janelas avistavam o rio Hudson, que tranquilamente atravessava toda a imensa e colorida zona de Nova Iorque edificada sobre a sua foz, enquanto que comparando-se a um dos seus progenitores, protegia como se fosse um filho único, a ilha-berço da comunidade. As audiências estariam atrasadas porque decorreria uma importante reunião de chefias e seus coordenadores de direcção, num sítio reservado e exclusivo no andar superior, onde constava que poderiam estar também os representantes máximos da Trilateral. Como eles sabiam a mera menção da presença destes representantes numa determinada reunião de nível máximo, só poderia significar a efectividade da sua presença, o que equivalia a dizer que aí estariam (ao vivo) os três representantes máximos alienígenas. Abandonaram o local e dirigiram-se de novo até à zona do elevador: dois seguiram pelas escadas de serviço e o terceiro elemento entrou no elevador.

 

 

Ainda a porta do elevador não se tinha aberto completamente e já uma bomba deflectora era lançada para o largo hall de entrada que antecedia a sala onde decorria a reunião, projectando todas as pessoas aí presentes contra a parede que as separava da sala e deixando-as prostradas e inconscientes um pouco por todo o lado. Enquanto isso os outros dois elementos vindos da escada dirigiram-se rapidamente para a porta da sala onde decorria a reunião, abrindo-a completamente: uma rajada de metralhadora dirigida para a esquerda abateu logo os três alienígenas aí presentes, enquanto outra dirigida para a direita fez o mesmo com as poderosas chefias indígenas aí delegadas e representando os interesses das Corporações Oposicionistas. Pegaram então nos ainda jovens Sboj e Setag e iniciaram a sua fuga. Atrás de si deixaram o sinal de alarme a tocar duma forma estridente, enquanto os sistemas de segurança começavam a acelerar o seu procedimento de actuação: foi só o tempo de entrarem os cinco num dos elevadores de serviço, accionarem o botão para baixo e decorridos nem vinte andares desaparecerem no ar, enquanto a luz era desligada e as máquinas dos elevadores paravam. Mais tarde apareceriam de novo como Jobs e Gates, já que dois génios deste calibre e dotados de capacidades extras devido a estas experiências profundas e marcantes (mesmo que inconscientes), nunca poderiam ser ignorados ou dispensados sem graves consequências futuras.

 

Reverteram a explosão e viram-se de novo no local da zona interior onde tinham feito despoletar anteriormente o mecanismo da bomba Negra. À sua chega a imagem que obtinham do cenário envolvente pareceu mais uma vez estar paralisada, entrando em movimento logo de imediato e quase não lhes deixando ficar memória do sucedido: mas algo estava errado. O mundo perdera a sua separação artificial entre a zona interna e a zona externa, apresentando no entanto a mesma aparência que nos poderia transmitir qualquer natureza morta, árida e desértica: uma visão que se estendia até à linha do horizonte, não tão horizontal como aquela donde tinham partido, mas aparentando mais queimada e sem vida. Ao fundo uma única concentração destoava da generalidade da paisagem: a Cidade das Três Coroas erguia-se lá ao longe sobre a planície, contrastando fortemente as luzes que esta emitia, com as escuras vertentes que atrás dela se erguiam. Para lá delas estariam as outras duas cidades sobreviventes Sboj City e Setag City. Segundo a história destas cidades já com 3.500 anos de idade, o nome delas basear-se-iam em factos históricos relacionados com o início da III Guerra Mundial, a qual teria devastado quase por completo o planeta Terra e posto a espécie humana muito perto da extinção: Sboj e Setag seriam o nome de código de dois jovens cientistas hoje considerados neste mundo em refundação como lendas e heróis de todos os tempos, os quais teriam contribuído no ultimo momento e graças aos seus esforços e sacrifícios pessoais, para o salvamento dos humanos da extinção final. Afirmavam terem-se inspirado naquilo a que eles se referiam a uma visão, proporcionada pela visita de três entidades superiores que lhes teriam ajudado sem sentirem e sem se mexerem, a espreitar o futuro. E agora o que fazer?

 

(imagens – Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 20:56

02
Set 11

1 Ano depois da extinção 

 Autoestrada - Los Angeles

 

10 Anos depois da extinção

 Incêndios - Los Angeles

 

15 Anos depois da extinção

 SS-Missouri

 

100 Anos depois da extinção

 Comboio - Chicago

 

200 Anos depois da extinção

Edifícios - Texas

 

(history.com – life after people)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:13

Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO