Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Hemisfério Norte de Seca, Chuva intensa e Tempo de Praia (até a latitudes elevadas)

Domingo, 01.08.21

“Com fogos, inundações, deslocamento de terras

e talvez ─ um destes dias ─ praia para os esquimós.”

file-20210730-25-1xghr6t.jpg

Fogos

EUA

 

Estando tudo ligado entre si ou o Universo não fosse um “Organismo Vivo” (consciente e organizado) ─ numa mistura de “caos e de ordem” e de diversas dimensões (muitas delas ainda desconhecidas) de eletromagnetismo (sendo a Alma desse Universo) ─ tudo o que se passe num determinado ponto do Espaço, envolvendo alterações de caraterísticas de regiões adjacentes, mais cedo ou mais tarde por diversos processos de propagação, poderá refletir num outro ponto ─ podendo ser o seu simétrico (na amostra) ─ condições semelhantes ou proporcionais (conforme o espaço e o tempo) do ponto do espaço inicialmente considerado, como origem (da ação, provocando uma reação e a sua manifestação).

maxresdefault1.jpg

Inundações

Bélgica

 

Assim se compreendendo que, provocando a formação de uma onda num dos lados de um pequeno e pouco profundo lago, a mesma se deslocará até atingir (com maior ou menor intensidade) o outro lado do mesmo, facilmente se interiorizando e aceitando que estando-se presente num acontecimento maior (com causas naturais, artificiais ou mesmo mistas), mesmo que a nível do nosso planeta (a Terra) algo aconteça aqui, rápida e automaticamente poderá ter a sua resposta para acolá: como por exemplo uma região do nosso planeta estar sujeita a chuvas intensas (provocando mesmo no Verão, inundações e deslocamentos de terras) e outra, talvez em circunstâncias muito semelhantes (opor exemplo de latitudes) estar sujeita  a secas extremas (tal como se passa na Califórnia com os fogos, como poderia ser a mais altas latitudes, apresentando-se aí tempo, de Sol e praia).

e95cf630-d98a-11eb-8eef-8a4a3dfe07fb.jpg

Bomba de Calor

Canadá

 

Existindo agora estes problemas a nível do comportamento da atmosfera, algo ao qual não estávamos habituados desde há muitos anos atrás (desde que nos conhecemos) ─ “antigamente o tempo não sendo assim” (como tudo, não podendo ser esse um motivo de estranheza, mas de evolução) ─ podendo-se apresentar sempre e no mínimo três soluções (internas), uma (1) não incluindo o Homem, a outra (2) “muito mais grandiosa” incluindo-o e até lhe dando protagonismo, subalternizando de uma forma ridícula a força da Natureza e finalmente uma terceira, (3) repartindo rigorosamente o papel de um (o Homem) e do outro (a Natureza). E se a versão (2) parece ser entre estas três a menos credível ─ regressando-se no presente a uma réplica da Teoria do Geocentrismo, substituindo apenas a Terra no centro e tendo adora o Homem como o “Centro do Mundo” ─ sendo a base das Alterações Climáticas, dos Degelos nos Polos, do Aquecimento Global, do Efeito de Estufa, do Buraco na camada de Ozono, etc. ─ grande e poderoso Homem, dominando a Natureza e nem sequer conseguindo “sair de casa” (lançar-se para o Espaço, tal como os Navegadores o fizeram então com os Oceanos) ─ já a versão (1) e (3) parecem ser as mais aceitáveis: certamente com a Natureza a ter a contribuição fundamental (para todas as alterações registadas, à superfície da Terra), tendo naturalmente uma pequena contribuição humana (afinal de contas nem 8 mil milhões somos), com a Terra num seu todo a evoluir e a transformar-se a nível geológico, com umas regiões afundando e com outras a emergirem (cada muitas delas de novo, mas numa fase ou ciclo diferente) ─ estando a Terra geologicamente viva e bem ativa e sendo o Mundo Mineral o marco inicial (a parte central, o Esqueleto) da Vida.

maxresdefault.jpg

Tufão

China

 

Todos aqueles querendo contribuir (como um quadrupedo com as palas) para a campanha (de caminho obrigatório e único) do Homem ser, “o protagonista do que se diz ser a destruição da Terra, quase que exclusivamente por exclusividade dele” ─ sendo o Homem apenas uma das partes e logo a mais fraca (um violento terramoto podendo destruir uma região, um impacto todo um planeta) ─ sabendo estarem apenas a manipular, a adiar vergonhosamente a solução (por vezes estando mesmo, dos dois lados), mais uma vez em vez de se resolver o problema, arrastando-se o mesmo e entretanto e mais uma vez (para isso servindo a Justiça) arranjando-se um “bode expiatório”. Afirmando perentoriamente quererem um Mundo 100% Descarbonizado, mal sabendo se tal acontecesse uma das consequências seria o Homem nem sequer existir (pelo menos tal como nos conhecemos).

(imagens: EPA-EFE/Vassilis Psomas/theconversation.com ─

The Telegraph/watchers.news ─ Getty Images/yahoo.com ─ CCTV/watchers.news)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:47

Estado Incendiário

Sexta-feira, 03.11.17

Mesmo com a Verdade a andar por aí e depois de destruírem o Pinhal de Leiria (morte à Republica e à Monarquia), ainda há aqueles que dizem usar lentes e que mesmo assim não acreditam (certamente porque lhes pagam bem e não só para isso).

 

october-northern-california-wildfires-insured-loss

Consequências dos fogos de Outubro no estado da Califórnia

 

Para quem ainda pensa que só mesmo num país do Terceiro Mundo ou numa Republica das Bananas é que podem ocorrer situações trágicas como as de Pedrógão Grande (a 17 de Junho) e na zona centro de Portugal (a 15 de Outubro) ‒ que como nós todos sabemos provocou pelo menos 110 mortos (65+45), mais de 320 feridos (alguns graves), acima de 100.000ha de área ardida (incluindo 80% do Pinhal de Leiria) e centenas de casas danificadas /destruídas (só no incêndio de Pedrógão andando pelas 500) ‒ basta atravessar o oceano Atlântico sem necessidade de olhar para o lado (à procura do tal país de nível três ou rico em bananeiras) e seguindo bem em frente (sem dúvidas ou recuos), acreditando no olhar (direto) e nunca no que alguns dizem (indireto), encarar a realidade, verificar a verdade seja aqui seja na América (na Rússia, na China ou no Irão): com os incêndios que nos últimos tempos têm vindo a assolar os EUA e o estado da Califórnia (durante o mês de Outubro), de momento (no dia 2 de Novembro) a terem danificado/destruído quase 15.000 casas, provocado mais de 40 mortos e causado um prejuízo estimado em mais de 3 biliões de dólares. Confirmando-se que desde um país considerado como um dos mais atrasados do Mundo (por exemplo Portugal, num outro tempo qualquer que não o de hoje, de forma a não ferir suscetibilidades), até a um outro atribuindo-se-lhe o estatuto do mais Poderoso (Dinheiro/Armas/Tecnologia) e como tal o mais Avançado (como ainda o são hoje os EUA), sendo a sua base a mesma (político-ideológica, de esquerda ou de direita, de estado ou privada) e obedecendo ao mesmo tipo de estrutura (Piramidal, com uns poucos em cima e biliões por baixo ‒ quando a forma Perfeita é a da Esfera), as consequências serão sempre as mesmas e invariavelmente trágicas e mortais. Mostrando-nos até que ponto um Estado abandona completamente à sua sorte a vida dos seus cidadãos, só pensando exclusivamente no lucro (privatizando e ganhando dinheiro com tudo e com todos) e não no bem-estar das pessoas (que diz representar) descurando obrigações e a salvaguarda da Vida (o Bem Essencial do Homem). E a existirem Serviços (mesmo que essenciais) só mesmo sendo Privados (muitos sendo uma miséria) e como tal sendo (bem) pagos e inacessíveis a muitos (queres=pagas): num país como os EUA com o caso dos incêndios a não ser um caso virgem (na ineficácia total no combate, na prevenção e na segurança ‒ e deixando apenas tudo arder), bastando lembrar-nos do Katrina (o furacão), da cidade de Nova Orleães (a mais atingida na população negra), das inundações e dos cadáveres a boiar (que não e apenas de animais irracionais) e com Washington lá ao longe com os olhos de Bush a olhar (como um Presidente sem pestanejar).

 

(imagem: watchers.news)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 20:41

Curiosidades

Quinta-feira, 02.08.12

Degelo

 

Derretimento rápido do gelo situado à superfície, na Groenlândia. Apenas num dia – 8 de julho – este fenómeno atingiu cerca de 40% dessa superfície gelada. Nos dias seguintes – até 12 de Julho – este degelo acelerado atingiu 97% dessa região. Um fenómeno deste tipo nunca tinha sido registado em mais de 30 anos de observações por satélite.

 

Fogos

 

Fogos ocorridos no mês de Julho na ilha da Madeira e registados por satélites da NASA. Este incêndio que assumiu posteriormente grandes proporções teve início a 18 de Julho e chegou a estender-se no dia 20, à ilha de Porto Santo. Foi necessário recorrer a bombeiros do continente para travar esta grande frente de fogo. Isto apesar de não ter havido apoio aéreo ao combate a estes incêndios, tendo as entidades responsáveis justificado a sua ausência, devido à ineficácia destes meios aéreos no combate aos fogos em terrenos muito acidentados, como era o da Madeira.

 

Deflorestação

 

Desflorestação registada na grande região da Amazónia – desde sempre considerada como um dos pulmões do mundo – focando aqui a evolução do estado brasileiro de Rondônia do ano de 1975 até este ano de 2012. Em primeiro lugar cortaram a selva com a construção de uma grande via principal que a iria atravessar de uma ponta à outra, neste caso de norte para sul; seguiu-se a construção de estradas secundárias que contribuíram para a invasão por novos donos e ocupantes, da densa floresta envolvente ainda virgem e contendo muitos perigos e constantes armadilhas, nunca se esquecendo que tal estrada deveria ter sempre como origem e destino final, essa via principal; ao mesmo tempo iniciar-se-ia uma desflorestação intensa e acelerada da região, preparando-se o caminho para o aparecimento de explorações agrícolas mais lucrativas. Este processo seria acelerado com a chegada de mais gente e a necessidade de se estender cada vez mais o território a desflorestar e preparar para a sua nova – e desenquadrada – utilização.

 

(imagens e dados – NASA)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 02:03